Archive for dezembro 7th, 2010

07/12/2010

Felipe Valadão propõe castidade aos jovens


O pastor e cantor Felippe Valadão, marido da também cantora Mariana Valadão, através do twitter, quer que jovens casem virgens.

Na última quarta-feira, 1º de dezembro, o pastor e cantor Felippe Valadão, marido da também cantora Mariana Valadão, lançou uma nova campanha em seu Twitter. Ele desafiou os jovens a se manterem virgens até o dia de seus casamentos.

A idéia começou porque Felippe ficou perplexo com os resultados dos números que a Aids alcança, divulgados no dia mundial de luta contra a doença. ‘No Brasil são 630 mil pessoas infectadas com o vírus da Aids, estou de cara, é muita gente!!! Atenção molecada, acorda!!!’, escreveu no microblog.

Com diálogo direcionado aos jovens, ele propõe a campanha da virgindade até o casamento. ‘Vamos levantar uma nova campanha #EuVouCasarVirgem! Tem coragem? Vamos bombar então! #EuVouCasarVirgem’.

A campanha não é uma novidade. Muitas celebridades da música, da televisão e do esporte já levantaram essa bandeira. O jogador de futebol Kaká, sempre alvo dos olhares críticos da imprensa e da população, foi notícia em vários jornais e revistas quando declarou ter se casado virgem.

Em sua proposta, Felippe conta sua história e se propõe a ajudar. ‘Eu casei virgem, foi muito difícil, mas nunca tive vergonha. Eu sabia que Deus iria me honrar, hoje tenho um casamento maravilhoso. Se você precisa de alguém para te apoiar, eu e a Mariana Valdão casamos virgens e estamos aqui como exemplo, Deus também vai te honrar, creia!’

Aos que já não são mais virgens, o pastor fala sobre consagração e afirma que nunca é tarde para fazer um novo começo e alerta: ‘Não ceda a pressão da sociedade, muito menos do seu namorado (a). É melhor terminar o namoro.’

Fonte: Creio / Folha Gospel

07/12/2010

Campanha espanhola cria polêmica ao relacionar camisinha à hóstia


Uma campanha do governo espanhol para incentivar o uso de preservativos vem causando polêmica no país ao relacionar as imagens de camisinha com as de uma hóstia.

Divulgada em cartazes, vídeos e outdoors, a campanha repete uma mesma foto de um sacerdote segurando primeiro uma hóstia e depois uma camisinha.

A iniciativa do setor jovem do partido socialista que governa o país foi lançada durante a semana internacional de luta contra a aids.

Mas as peças foram acusadas de ser um ataque contra os cristãos “Bendita camisinha que tira a Aids do mundo” é o título oficial da campanha.

Blasfêmia Diversas associações religiosas consideraram a campanha “blasfema”.

A propaganda vai de encontro às recomendações do Vaticano que não aprova o uso de camisinhas.

O vídeo diz que “a Igreja nos diz que os preservativos, em vez de combater a doença, ajudam a expandi-la”.

O anúncio cita que mais de 25 milhões de pessoas já morreram vítimas da Aids até 2009.

A campanha confronta as orientações da Igreja colocando a pergunta, “são estes realmente os que dizem que nos amam? Que não te enganem”, prossegue o audio da peça.

Para Rafael Lozano, porta-voz do grupo católico Forum da Família, o objetivo “é aproveitar a ocasião para atacar toda a comunidade cristã”.

“Uma grande ofensa aos sentimentos religiosos de quem professa esta fé”, disse ele.

O porta-voz das Juventudes Socialistas Juan Carlos Ruiz explicou no site do partido que “a Igreja Católica insiste em confundir os cidadãos” e “que a campanha pretende apenas reafirmar o compromisso com a luta contra a Aids”.

Fonte: O Verbo / UOL

07/12/2010

Disputa por Muro das Lamentações aumenta tensão entre judeus e palestinos


muro das lamentacoes 250x187 Disputa por Muro das Lamentações aumenta tensão entre judeus e palestinosO primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, condenou na semana passada um estudo publicado pela Autoridade Palestina que nega qualquer ligação entrejudeus e o Muro das Lamentações, local sagrado e icônico de culto judaica na Cidade Velha de Jerusalém, descrevendo seu relatório como “repreensível e escandaloso”.

O episódio pareceu um sinal de agravamento da atmosfera após um hiato de dois meses nas negociações de paz. As declaração de Netanyahu se referem a um longo artigo publicado em árabe pelo site do Ministério da Informação do governo palestino, liderado pelo presidente Mahmoud Abbas e pelo primeiro-ministro Salam Fayyad, na Cisjordânia. A publicação foi anteriormente relatada pelo jornal Jerusalem Post.

Jerusalém e seus lugares sagrados são dos problemas mais intratáveis e emocionais do conflito entre israelenses e árabes. Israel conquistou a parte oriental de Jerusalém, incluindo a Cidade Velha, da Jordânia na guerra de 1967, e anexou-a em um movimento que nunca foi reconhecido internacionalmente.

Cerca de 200 mil judeus vivem em áreas de Jerusalém Oriental, que têm sido desenvolvidas desde 1967, em meio a 250 mil palestinos, que reivindicam Jerusalém Oriental como a capital de um futuro Estado palestino.

O Muro das Lamentações é um remanescente do muro de arrimo de um planalto reverenciado pelos judeus como o Monte do Templo, local onde ficavam seus templos antigos. O planalto é também o terceiro local mais sagrado do islã. Conhecido pelos muçulmanos como Haram Al-Sharif, ou Santuário Nobre, o local agora inclui a mesquita Al Aksa e o Domo da Pedra.

Estudo palestino alega que muro sagrado para judaísmo não teria ligação comjudeus

Tradição

Na tradição muçulmana, o muro é o lugar onde o profeta Maomé atrelou seu cavalo alado, Buraq, durante sua viagem milagrosa de uma noite de Meca a Jerusalém no século 7.

O estudo palestino nega qualquer ligação histórica entre judeus e o local, segundo o autor Al-Mutawakel Taha, oficial do Ministério da Informação. Nele, ele afirmou que “o muro da Al Buraq é o muro ocidental da Al Aksa, que os sionistas falsamente reivindicam e chamam de Muro das Lamentações ou Kotel”. Autoridades palestinas há muito negam as reivindicações de herença judaica em Jerusalém, argumentando que não há provas de que o platô foi o local de templos antigos.

Netanyahu insiste na construção de assentamentos nas áreas judaicas de Jerusalém, como todos os governos israelenses desde 1967, mas ele não expôs suas intenções quanto ao futuro estatuto da cidade desde que tomou posse.

Controle

A competição não oficial pelo controle de Jerusalém acontece pedra por pedra e casa por casa. Na semana passada, ativistas judeus se mudaram para um prédio que haviam adquirido em Jebel Mukaber, bairro predominantemente árabe com vista para a Cidade Velha e seus santuários, e na quarta-feira um outro grupo de ativistas judeus se mudou para um apartamento no Monte das Oliveiras, no bairro palestino A-Tur.

O estudo de Taha foi publicado no site de seu ministério um dia depois de o governo israelense aprovar um projeto de US$ 23 milhões para renovar e desenvolver o Muro das Lamentações e seus arredores ao longo de cinco anos.

Netanyahu, em um comunicado divulgado por seu gabinete, disse que o Muro das Lamentações “tem sido o local mais sagrado do povo judeu há quase 2 mil anos, desde a destruição do Segundo Templo”. Ele acrescentou que a recusa da Autoridade Palestina em aceitar um elo judeu “questiona as suas intenções de chegar a um acordo de paz, cujas bases são a coexistência e o reconhecimento mútuos”.

Netanyahu exortou os líderes da autoridade a rejeitar o documento. Não houve comentários imediatos de autoridades palestinas.

Mas, em outra indicação da atmosfera tensa, o governo palestino emitiu um comunicado intitulado “Crimes Israelenses de Destruição”, listando ações israelenses em Jerusalém e a demolição de inúmeras construções palestinas nos últimos dias, em áreas da Cisjordânia controladas por Israel sem autorização.

Fonte: O Galileo / Gospel Prime

07/12/2010

Você sabe onde está o Jardim do Éden hoje? Confira!


O Jardim do Éden 250x177 Você sabe onde está o Jardim do Éden hoje? Confira!Segundo o livro de Gênesis, em seu segundo capítulo, quando Deus criou o ser humano nas figuras de Adão e Eva, deu-lhes como habitação uma vasta área repleta de fertilidade, de natureza exuberante, com o melhor em recursos vegetais, animais e minerais. A região, conhecida como Jardim do Éden, foi a primeira morada do homem e, conforme a descrição bíblica, ficava entre os rios Tigre e Eufrates, lugar posteriormente chamado Mesopotâmia, onde hoje se localiza o país do Iraque. A porção de terra descrita na Bíblia também abrange uma pequena parte do que hoje é a Síria. Outros dois rios também constam da descrição: o Pisom e o Giom.

No Éden, ao homem era permitido desfrutar de tudo o que a natureza oferecesse em se falando de alimento e abrigo, exceto os frutos da árvore do conhecimento do que era bom e mau. Adão e sua companheira, Eva, desobedeceram a única proibição que tinham e deram origem ao pecado, sendo expulsos pelo Senhor do jardim. Manipulados pela serpente para provarem do fruto proibido, romperam uma aliança muito íntima com Deus, expulsos do lugar que tudo lhes oferecia. Tiveram que, a partir daí, conquistar o alimento com o suor, trabalhando para seu sustento.

Como resultado do dilúvio, também descrito em Gênesis, a área conhecida como Éden foi inundada. Com as mudanças climáticas pós-diluvianas, a área tornou-se desértica.

Na Bíblia, quando o texto se refere a oriente e ocidente, toma como referência geográfica Israel, o que comprova a posição do atual Iraque, ao oriente. O texto das Escrituras atesta que o rio Tigre corre ao oriente da Assíria (atual Síria) correspondendo ao Tigre, hoje conhecido. Dos rios descritos na Palavra, apenas o Tigre e o Eufrates permanecem nos dias atuais. O Pisom e o Gion irrigavam o Éden. Hoje, não mais existentes no mapa, supõe-se que a área que ficava às suas margens esteja submersa no Golfo Pérsico.

Gênesis diz que Deus formou Adão do barro, da terra. O nome Adão, do hebraico, tem o significado de “vermelho” (adom), também significando, com pequena variação fonética (adam), “homem”. Não por acaso, o solo da região tem um forte tom avermelhado.

As evidências histórico-geográficas apontam que a região, hoje conturbada por conflitos e guerras, rica em petróleo (que também não por acaso é resultante do soterramento de grandes florestas da pré-história), é o berço da humanidade.

A disputa pela água

O fato de a área ser fartamente irrigada por grandes rios na época despertou o interesse de muitos povos por aquela região, por estar em terra úmida e propícia à agricultura, uma prática fundamental para a subsistência da população.

Os sumérios foram os primeiros a habitar a Mesopotâmia. Antes de ali se estabilizarem, eram nômades. Acredita-se que eles foram a primeira civilização do mundo e a eles são atribuídas as invenções da escrita e da roda. É difícil afirmar quando isso ocorreu com precisão. No entanto, historiadores, baseados em descobertas arqueológicas, acreditam ser em torno de 4000 a 3500 antes de Cristo (a.C.).

Diversos povos passaram pela região e conquistaram a Mesopotâmia. Impérios caíram e outros novos se ergueram. Um dos mais significativos foi o Império Babilônico, provavelmente estabilizado na região por volta de 1730 a.C. Entre os monarcas que mais se destacaram está Hamurabi (na ilustração), o responsável pela criação do código de leis mais antigo de que se tem história até hoje.

No século VII, a Mesopotâmia, conquistada por gregos e persas, foi sede de um vasto império árabe, que começou com a capital em Damasco, na Síria, e logo depois foi transferida para Bagdá, a cidade das “mil e uma noites”, devido a sua localização estratégica, próxima aos rios.

O Iraque contemporâneo

Entre 1658 e 1918, o Iraque fez parte do Império Otomano, composto principalmente por turcos. Após o término da I Guerra Mundial, o império foi desmembrado e nasceu o Iraque moderno, sob a tutela do Reino Unido. Essa decisão foi tomada pela Liga das Nações, uma organização dos países vencedores da guerra, com o aparente intuito de negociar um acordo de paz.

Contudo, os iraquianos não aceitaram a condição de dominação à qual foram submetidos pela Liga. Surge, a partir disso, um forte movimento pela independência do país.

Em 1932 o Iraque foi declarado independente, embora continuasse com participação intensa da Inglaterra em seu governo. Em 1933, Rhasi I assumiu o trono e, após sua morte, seu filho Faisal II foi coroado em uma iniciativa manipulada pelos ingleses. Faisal II assumiu fortes compromissos com a Inglaterra, o que gerou insatisfação daqueles que clamavam pela verdadeira independência em relação ao poderio britânico.

A República do Iraque foi instaurada somente no dia 14 de julho de 1958 por meio de de um golpe militar liderado pelo general Kassem. Faisal II e sua família foram brutalmente assassinados.

O golpe iniciou um ciclo de agitações políticas que conduziram Saddam Hussein ao poder em 1979. Um ano após a posse de Hussein, o Iraque, apoiado pelos Estados Unidos, começou uma guerra contra o Irã que durou 8 anos, até os dois países decidirem pelo cessar-fogo. Dois anos depois, o Iraque invadiu o Kuwait (foto ao lado), mas foi duramente reprimido pela Organização das Nações Unidas (ONU). Os Estados Unidos intervieram com a operação “Tempestade no Deserto”, libertando o Kuwait.

Em 2003 o Iraque foi invadido pelos Estados Unidos, com apoio da Inglaterra, contrariando a ONU, desfavorável à invasão. Os norte-americanos, após os ataques terroristas ao seu país em 11 de setembro de 2001, usaram o pretexto de que o Iraque estava construindo e estocando armas de destruição em massa. Até hoje nada foi encontrado.

George W. Bush, então presidente dos Estados Unidos, mudando o foco da invasão, declarou guerra ao “eixo do mal”, no qual Hussein era visto como um dos líderes ditatoriais mais cruéis na história contemporânea. Em 2006, Saddam foi capturado (foto à esquerda) após tentar se esconder do exército norte-americano e sentenciado à morte pelo governo iraquiano.

A Síria

A atual República Árabe da Síria foi, em tempos ancestrais, território majoritário de uma região denominada Levante (“onde o sol se levanta”, visto do Mediterrâneo). Damasco (foto à direita, nos dias atuais), capital da Síria e importante centro econômico do Oriente Médio há séculos, reivindica o título de cidade mais antiga continuamente habitada. Não é para menos: a história do país remonta a tempos imemoriais. Acredita-se que lá tenha habitado Uz, filho de Arão e descendente direto de Noé.

Damasco também foi capital da Dinastia dos Omíadas, composta pelos califas (líderes religiosos e políticos), entre os anos de 661 e 750. Nessa época, a Síria passou a ser vista como um importante centro comercial, atraindo a ambição estrangeira. Muitos povos dominaram a região, até que em 1516 o país passou a ser parte do Império Otomano.

Com o fim da I Guerra Mundial, a Síria foi divida em duas partes: uma sob poder francês e outra sob o jugo britânico. A independência síria foi conquistada somente em 1946. Desde então, a situação política do país tem sido bastante instável. Sucessivas tentativas de golpe para tomar o poder levaram o país ao estado de sítio. Até hoje, a Síria não possui sistema bancário organizado e inúmeros direitos constitucionais dos cidadãos foram sustados.

Ao contrário do que muitos acreditam, a Síria é um país laico (a religião não interfere no governo), apesar da predominância muçulmana (74% da população). O regime militar adotado em 1970 por Hafez Al-Assad (à esquerda), um oficial fortemente influenciado pelas ideias soviéticas e que foi presidente até o ano de 2000, impera até os dias atuais, agora com seu filho Bashar Al-Assad, no poder. Qualquer manifestação a favor dos direitos humanos é fortemente reprimida pelo governo. Conforme a Anistia Internacional, presos políticos são perseguidos, torturados e executados sem qualquer forma de defesa.

Por conta das constantes guerras civis, muitos sírios procuraram fugir desse cenário. No ano de 1880 teve início uma maciça migração de sírios para o Brasil, então com fronteiras fortemente abertas a imigrantes.

A maioria deles, na época, foi para o Rio de Janeiro ou São Paulo, onde trabalhavam principalmente no ramo comercial. As lojas na região da Rua 25 de Março, em São Paulo, por exemplo, foram fundadas principalmente por imigrantes sírios e libaneses.

A culinária síria, ou da antiga região do Levante, foi muito bem aceita pelo Brasil, hoje presente em praticamente todas as cidades brasileiras. A esfiha, o quibe, a folha de uva recheada (conhecida como “charuto”, também adaptado com o uso de folhas de repolho) e a pita (apelidada aqui como pão sírio), são célebres exemplos da influência gastronômica síria em nosso país.

Apesar dos problemas internos, a Síria é um importante destino turístico. Considerada por muitos o “berço da humanidade”, possui história milenar, refletida em construções preservadas, tombadas como patrimônio mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), como as Cidades Antigas de Alepo, Bosra (onde fica o anfiteatro romano da foto) e de Damasco, o Sítio de Palmira, o Krak (forte) dos Cavaleiros e a Fortaleza de Saladino.

Fonte: Arca Universal / Gospel Prime

07/12/2010

“Enquanto eu tiver a voz, só quero divulgar a Bíblia”, afirma Cid Moreira


Cid Moreira 250x163 Enquanto eu tiver a voz, só quero divulgar a Bíblia, afirma Cid Moreira“Jabulaaaaani” e “Ah, não, Mick Jagger” foram duas das vinhetas de maior sucessos nos programas da Copa do Mundo de 2010. Ambas, como tantas outras, foram imortalizadas pela voz grave e singular do jornalista e locutor Cid Moreira, que aos 83 anos, e 64 de carreira, foi responsável por momentos históricos do jornalismo à frente do Jornal Nacional durante 25 anos – marca registrada no Guinness Book. Sua importância não deve ser subestimada. Cid Moreira é tão importante para a história da televisão brasileira quanto Walter Cronkite (1916-2009), o lendário âncora da CBS, é para a americana. Independentemente do teor do noticiário, ele dizia sempre ao final do jornal o seu o seu incofundível “Boa Noite”. “Uma maneira de amenizar as notícias nem sempre agradáveis”, afirma.

Hoje, mais do que um homem de notícias, Cid é um homem a serviço de Deus. Seus CD’s narrando passagens bíblicas já venderam mais de 30 milhões de cópias por todo o Brasil, um sucesso incontestável do mercado fonográfico. Em dezembro, Cid lança seu primeiro DVD com imagem e voz de O Livro dos Salmos (Alpha Produção/ Bíblica Brasil) em sua nova versão internacional. Nos12 volumes, Cid leva “as notícias de Deus”, como gosta de dizer, com direção de Marcelo Legey e trilha sonora do maestro José Lourenço.

Em entrevista a ÉPOCA ele conta como é o seu projeto bíblico, seus planos para o futuro, que não incluem a aposentadoria, e mostra seu lado cristão e bem humorado.

ÉPOCA – Quando o senhor descobriu que podia ser locutor?
Cid Moreira – Poxa, vida! Você está fazendo uma pergunta que remonta ao século passado. Eu comecei com 17 anos em Taubaté, no interior, pertinho de São Paulo. Quando eu saí da Difusora de Taubaté, fui para a Bandeirantes de São Paulo, onde fiquei dois anos. Na época, eu trabalhava com o Dias Gomes, e ele era muito brincalhão e costumava brincar comigo no palco dizendo que na minha terra pintinho não faz ‘piu piu piu’, faz ‘PIURGH PIURGH PIURGH” [Cid Moreira diz um “piu piu piu” grave, com sua marcante voz].

ÉPOCA – Como o senhor cuida da voz? Toma algumas precauções?
Cid Moreira – Já me preocupei muito com a voz. Mas agora, sem demagogia, depois que eu comecei a estudar a Bíblia e me dedicar à sua divulgação, a minha saúde melhorou, a voz melhorou. Hoje eu considero que a minha voz está melhor do que na época que eu estava começando, porque eu era muito inseguro. E hoje eu tenho o máximo de segurança no trabalho.

ÉPOCA – O senhor é um católico praticante?
Cid Moreira – Eu comecei como católico em Taubaté e hoje eu tento, aliás digo por aí que sou “cristão”. E é difícil ser cristão, é um exercício diário. Tem muita gente que afirma ser cristão, mas é muito difícil porque você pode passar por momentos de ostentação, de raiva, e isso é anticristão. É algo que exige de você a todo momento.

ÉPOCA – Suas narrações das passagens bíblicas em CD já venderam mais de 30 milhões de cópias e agora temos o DVD com o Livro dos Salmos. Depois que terminar a Bíblia, o senhor pretende fazer a narração de outros livros religiosos como a Torá, o Corão ou Livro dos Espíritos de Alan Kardec?
Cid Moreira – Não nunca cogitei, se eu estou dizendo que sou cristão, preciso manter uma linha. Olha, quando eu estava fazendo 25 anos no Jornal Nacional – no qual eu sou Guiness Book, pois por enquanto eu sou recordista – eu gravei um clipe tendo como cenário o Dedo de Deus no Rio de Janeiro, narrando o Sermão da Montanha. A partir daquele momento, eu jurei, ali, que pretendia levar a todos os lares do país, até o último dia da minha vida, a mensagem dos envagelhos, que são as notícias de Deus.

ÉPOCA – As vinhetas como ” O que é isso Mister M?” e as mais recentes “Jabulani” e “Ah, não, Mick Jagger” se tornaram sucessos na televisão e na internet , o que mostra também seu lado bem humorado. Como vê isso hoje e como lida com as imitações dos fãs?
Cid Moreira – Mas é desse lado bem-humorado de que eu gosto. Os fãs pedem para fotografar e é normal já chegarem imitando. No começo da minha carreira na Mayrink Veiga, que se projetava no humorismo, trabalhei inclusive com muitos comediantes que estão aí até hoje. Essa minha fase no rádio foi maravilhosa. E eu também tenho Twitter. Sempre entro para bater um papinho.

ÉPOCA – Por falar em Twitter, o Galvão Bueno tem o movimento do “Cala a Boca, Galvão”, como o senhor reagiria se fosse com você?
Cid Moreira – Se você também botar meu nome na internet, você vai ter uma boa noção das críticas. Tem gente que fala bem, a maioria graças a Deus, mas tem aqueles que não gostam.

ÉPOCA – O senhor já não narra mais reportagens, mas tem contrato com a Rede Globo. Numa entrevista ao Diário de S. Paulo, o senhor disse que estava no ‘spa da Globo’.
Cid Moreira – Acabei de renovar meu contrato por mais três anos, mas em qualquer profissão depois dos 70 anos o sujeito para de trabalhar. Agora não narro mais nada para a Globo, só dou entrevista, descanso e jogo tênis. Se eu pudesse jogava todos os dias… neste ano mesmo, me convidaram para jogar tênis no U.S Open em setembro e joguei uma partida de duplas contra o campeão Pat Cash (Patrick Hart Cash).

ÉPOCA – O senhor tem 83 anos, 64 de carreira, sua voz é um clássico do telejornalismo brasileiro, mas não pretende mesmo parar um dia ?
Cid Moreira – Mas eu gosto de trabalhar e agora trabalhar para o chefe supremo é o melhor de tudo. Eu fiz um juramento: enquanto eu tiver a voz, só quero divulgar a Bíblia. Só quero fazer isso, mais nada. Agora eu estou gravando a Bíblia inteira que vai ser distribuída com legendas, para todo o mundo cristão. E você é muito novo, ainda vai ver que a vida é feita de fases.

Fonte: Época / Gospel Prime
Via: Pavablog

07/12/2010

Clérigo paquistanês radical oferece prêmio por morte de cristã


Um clérigo muçulmano paquistanês de linha-dura, pró-Talibã, ofereceu nesta sexta-feira um prêmio a quem matar uma mulher cristã sentenciada à morte por um tribunal pela acusação de ter insultado o Islã.

A sentença contra Asia Bibi provocou um novo debate sobre a lei paquistanesa contra a blasfêmia, que, segundo críticos, é usada para perseguir minorias religiosas, alimentar o extremismo religioso e promover vinganças pessoais. As minorias não-muçulmanas representam mais ou menos 4% dos 170 milhões de habitantes do Paquistão.

Maulana Yousef Qureshi, o imã de uma grande mesquita na cidade de Peshawar, no noroeste do país, ofereceu uma recompensa de US$ 5.800 e aconselhou o governo a evitar qualquer tentativa de modificar ou abolir a lei contra a blasfêmia.

“Resistiremos fortemente a qualquer tentativa de revogar leis que garantem a proteção da santidade do Santo Profeta Maomé”, disse Qureshi a uma multidão de islâmicos radicais. “Quem matar Asia receberá 500 mil rúpias de recompensa da Masjid Mohabat Khan”, acrescentou, referindo-se à sua mesquita.

Acredita-se que Qureshi não tenha uma grande base de seguidores, mas declarações de clérigos podem provocar reações violentas e complicar os esforços governamentais para combater o extremismo religioso e a militância.

Qureshi, que lidera há décadas a congregação da mesquita Mohabat Khan, do século 17, disse à Reuters mais tarde que está determinado a ver a mulher cristã morta:
– Esperamos que ela seja enforcada. Se isso não acontecer, pediremos aos mujahedins (combatentes islâmicos) e o Talibã a matará.

Bibi, que tem 45 anos e é mãe de quatro filhos, é a primeira mulher a ser sentenciada à morte por causa da lei contra a blasfêmia.

As condenações por blasfêmia são comuns no Paquistão, de maioria muçulmana. Embora a condenação à morte nunca tenha sido executada, já que a maioria das condenações é revogada após recursos, fanáticos e multidões enfurecidas já mataram muitas pessoas acusadas de blasfêmia.

Depois de condenada, Bibi fez um apelo ao presidente Asif Ali Zardari, pedindo para ser perdoada e dizendo que foi acusada injustamente por vizinhos devido a uma briga por motivos pessoais.

Fonte: Portas Abertas

%d blogueiros gostam disto: