Archive for fevereiro 10th, 2011

10/02/2011

Igreja Universal promove Dia da Paz no Complexo do Alemão


O Complexo de favelas do Alemão, localizado na zona norte do Rio de Janeiro (RJ), ficou mundialmente conhecida pelo combate ao tráfico de drogas, protagonizado pelas Polícias e Exército, que conseguiram ocupar o morro, no final do ano passado, após anos de domínio de criminosos.

Porém mesmo após a implantação da Unidade de Polícia Pacificadora, alguns traficantes tentam retornar ao antigo quartel general do crime.

Para evitar que a guerra volte ao morro, a Igreja Universal do Reino de Deus promoveu,  no último domingo (06), o Dia da Paz, dentro do Complexo do Alemão, que contou com a presença de cantores, realização de orações e apoio social à população.

Antes de o evento começar, serviços de saúde eram prestados, gratuitamente aos moradores, como, por exemplo, aferição de pressão arterial, aplicação de flúor nos dentes e orientações sobre a vida profissional.

No local, mais de 5 mil pessoas (foto acima) acompanharam a apresentação dos cantores: Janaína Brandão, Giselle Nascimento, Marquinhos Gomes, Francine Rocha, Jailson Duque, entre outros.

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), também esteve presente e relembrou grandes sucessos da carreira de cantor, abrindo o show com a música “Perfume Universal”.

O senador, além de cantar oito canções com a banda, fez um discurso social, lembrando a importância de as famílias poderem se reunir em uma tarde de domingo, sem medo do tráfico. “Fiz questão de participar dessa confraternização pela nova fase do Alemão. Agora, as pessoas podem se reunir em praça pública sem se preocuparem com a tutela imposta pelo tráfico de drogas”, disse.

Antes de finalizar o encontro, Crivella realizou orações pelos casais e também pelas mães presentes no local, pedindo a Deus que a paz reine perpétuamente, não somente no morro, mas na vida de todas as pessoas.

Via: Arca Universal

10/02/2011

Pastor americano prevê o incêndio no Rio de Janeiro em culto


Em sua ministração em São Paulo neste final de semana, o pastor Bob Hazlett consegue prever o incêndio que aconteceu segunda-feira na “Cidade do Samba” no Rio de Janeiro, destruindo milhares de fantasias e alegorias que seriam usadas nos desfiles de carnaval.

O pastor afirma que Deus disse a ele que mudaria a rota do Rio de Janeiro, mudando a direção da cidade com uma inundação do Espírito Santo e que um mover de Deus sairia das igrejas e entraria por toda a cidade. “Eu escuto o Senhor dizendo: Eu vou fechar a festa do diabo e Eu terei uma festa nas ruas, porque Eu adorarei durante o carnaval. Eu estarei curando enfermos durante o carnaval. Eu estarei expulsando os demônios durante o carnaval… Minha igreja se levantará para trazer luz durante a festa das trevas” profetizou o pastor.

Nas últimas duas semanas mais de 500 brasileiros e americanos invadiram as ruas e duas das principais cidades do Brasil levando o Amor e o Poder de Deus. Centenas de testemunhos de cura e mudanças na vida espiritual foram registradas.

10/02/2011

Em meio ao crescente drama do crack, igrejas evangélicas surgem como luz no fim do tunel


Em meio ao crescente drama do crack, igrejas evangélicas surgem como luz no fim do tunel

Sexta-feira, dez horas da noite. Em ruas semidesertas da maior cidade brasileira, homens, mulheres e crianças disputam as sarjetas e calçadas com ratos e sacos de lixo. O movimento é intenso e a variedade de tipos humanos, também; vestidos com farrapos ou roupas da moda, dezenas de pessoas negociam freneticamente cigarros, cachimbos, estiletes, comida com validade já vencida e, principalmente, pedrinhas de crack. A cena se passa na região da Luz e Santa Ifigênia, em São Paulo, mas se repete todas as noites – e à luz do dia, também – tanto nas grandes cidades brasileiras, como Rio de Janeiro, Brasília e Salvador, como em pequeninas localidades. Sim, o crack é hoje problema de saúde pública de dimensão nacional, uma chaga que assusta a sociedade, preocupa o governo e destrói mentes e corações.

Droga de preço acessível mesmo a miseráveis – pode-se conseguir uma dose por um ou dois reais –, o crack é feito de sobras do refino da cocaína misturadas com outras substâncias químicas como bicarbonato de sódio e amônia. Chegou ao Brasil no final da década de 1980 e nos últimos cinco anos tem feito um verdadeiro arrastão pelo país. O Ministério da Saúde já o considera problema de saúde pública. De acordo com dados do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), quase 200 mil brasileiros estão viciados. A maioria deles começou a consumir “a pedra”, como é chamado o crack, entre os 13 e 26 anos. Enquanto se lê esta reportagem, boa parte deles estará consumindo o entorpecente ou tentando arranjar algum dinheiro para comprá-lo, seja vendendo alguma coisa de casa, endividando-se com traficantes ou simplesmente roubando.

Se o quadro já parece alarmante, as imagens e histórias de quem é dependente só reforçam a dramaticidade da situação. Tatiele não aparenta ter 29 anos. É miúda e magrinha, tem o cabelo curtinho, mãos trêmulas e fala acelerada. Há quatro meses, saiu de Campinas, no interior de São Paulo, deixou os dois filhos com a mãe e está morando na Cracolândia paulistana. “Não queria estar nessa vida, mas a pedra prende a gente de tal forma que, depois de uma semana usando, você já está completamente dependente”, desabafa a moça. Aos 12 anos, ela começou a fumar maconha, e logo partiu para a cocaína. “Isso não é vida”, faz coro Érica, que desde os 16 mora nas ruas do centro de São Paulo. Hoje, tem 28 anos, seis passagens pela polícia por furto, hematomas pelo corpo todo e uma cortante solidão. “Minha mãe e irmã morreram”, conta. “Não tenho amigos, nem sequer uma pessoa em que possa confiar”, diz, deixando as lágrimas escorrerem pelo rosto.

Farrapos humanos como Érica perderam completamente a esperança em determinado momento da vida. Mas enquanto aguarda para tomar banho nas dependências de uma instituição mantida por evangélicos, ela tem ao menos algum alento. “Deus nos faz nova criatura”, brada o pastor Humberto Machado para um público de mais ou menos 50 pessoas, entre dependentes químicos, homossexuais, sem-tetos e também obreiros, em sua maioria ex-viciados. Três cachorros alertas até parecem também entender a mensagem. O culto é o primeiro dos três que acontecem diariamente na igreja, que oferece também alimentação, banho e roupas, e foi montada em um salão da Rua Barão de Piracicaba, um dos braços da Cracolândia. “Começamos esse projeto na Primeira Igreja Batista, mas Deus colocou em nosso coração que era preciso estar mais perto para transformar essa realidade” conta Ricardo, o obreiro responsável pelo espaço. Ele deixou as drogas em 2008, e a fé teve papel fundamental em sua recuperação. “Eu quero que as pessoas tenham acesso a essa liberdade e paz que eu sinto hoje”, diz.

Envolvimento

A Cristolândia, como é chamado o projeto, em um mês de funcionamento enviou 30 pessoas para casas de reabilitação. O número parece pequeno perto do tamanho do problema, mas, só para ter uma idéia, a Prefeitura de São Paulo, após mais de oito meses de atuação intensiva na região – com a Ação Integrada Centro Legal –, conseguiu encaminhar apenas 190 pessoas para internação. “Não adianta colocar agente de saúde, polícia ou assistente social, gente que só está aqui para cumprir protocolo. É preciso envolvimento”, afirma a missionária Nildes Nery, que há cinco anos saiu de Salvador (BA) com marido e duas filhas para morar e resgatar vidas na Cracolândia, através do Projeto Retorno. Distribuindo lanches duas noites por semana e oferecendo, além de auxílios básicos, carinho, a pastora do Ministério Quadrangular conquistou o afeto e confiança dos moradores de rua, prostitutas e viciados da região. “Não há nenhuma novidade no que faço”, minimiza. “Só sigo aquilo que Jesus mandou. O mais importante dessa obra sempre será o amor”, frisa.

Pioneira na região, a Comunidade Evangélica Nova Aurora (Missão Cena) compartilha o amor de Deus com os excluídos desde 1987. Tudo começou em uma borracharia da Rua Aurora, conhecida zona de prostituição do centro ca capital paulista, onde o pastor Nivaldo Nassif fazia cultos às sexta-feiras. “Era a chamada Noite de Paz’” conta o missionário João Antonio, o Jota. Com a chegada de voluntários americanos, suíços e alemães, o projeto foi crescendo e ganhando novas áreas de atuação, junto a crianças e adolescentes em situação de risco e prostitutas. E, em 1991, a missão foi fundada oficialmente, contando com uma sede na Avenida General Osório, a conhecida Casa Amarela, e um terreno em Juquitiba, onde funciona o centro de reabilitação Fazenda Nova Aurora.

Na Casa Amarela, prostitutas, travestis, meninos de rua e viciados recebem atendimento médico e odontológico, assistência jurídica, comida, banho e roupa. E também ouvem a palavra transformadora do Evangelho. Os dependentes químicos têm a oportunidade de serem encaminhados para atendimento especializado e, se assim desejarem, receber a Cristo como Senhor e Salvador. À noite, os missionários saem pelas ruas para conversar com os usuários de crack e lembrar-lhes que é possível mudar. “É preciso cuidar daqueles que já caíram no vício, mas também de quem corre o risco de entrar nessa. Por isso, na Casa, temos atividades com jovens e crianças que moram nos prédios da região”, diz Jota.

Adrenalina fatal

Essas iniciativas mostram que, se há muitas pedras no caminho, há também cada vez mais mãos dispostas a remove-las e a cuidar das feridas de quem foi machucado pela vida. “Primeiro, precisamos oferecer esperança, para depois construir o conceito de fé”, defende o pastor Junior Souza, da Vineyard, igreja focada em missões urbanas. E é preciso admitir que o processo de libertação nem sempre é rápido ou sem recaídas. “E isso muitas vezes acontece porque a igreja e as famílias não estão preparadas para receber essas pessoas, mesmo quando já não consomem drogas”, diz Ricardo. Uma estatística impressiona: segundo levantamentos das entidades cristãs que atuam com este segmento, cerca de 70% das vítimas do crack já frequentaram ou ao menos tiveram algum envolvimento com igrejas evangélicas.

Benedito, homem na casa dos 30 anos, de estatura média e extremamente amável, sentiu isso na pele. “Fui internado três vezes. Numa delas, fui batizado e arrumei um emprego. Mas, quando saí da casa de reabilitação, não tinha ninguém realmente ao meu lado, toda a minha história estava vinculada à droga”, relata. “Acabei usando o meu primeiro salário, de R$ 700, para ficar durante meses na Cracolândia”. Na quarta internação, parou para pensar no que havia ganho durante os sete anos em que viveu de maneira praticamente exclusiva para o vício. “Percebi que só perdi emprego, família e dignidade”, conta, com a voz embargada. “Com a ajuda dos irmãos e com força de vontade, decidi que não iria mais cair nessa armadilha do diabo. Hoje posso passar no meio das pessoas consumindo crack sem me entregar à vontade de usar. Deus trabalhou no meu espírito, o que supera qualquer desejo físico.”

Não é fácil ignorar as seqüelas da droga no corpo, mesmo quando ela não está mais presente na vida do ex-viciado. “Dizem que o efeito do crack é como o de oito orgasmos em, no máximo, doze segundos” conta Ricardo, que atua na Missão Cena. Isso pode é biologicamente explicado porque o conjunto de substâncias contidas na pedra atua com a dopamina, neurotransmissor químico responsável pelas respostas do corpo ao prazer. Com isso, ao usar a droga, o viciado fica mais agitado e, consequentemente, libera mais adrenalina, o que, em alguns, casos pode se fatal, levando a um infarto. Como o prazer e agitação são extremamente efêmeros e passageiros, em poucos segundos o usuário está desanimado, depressivo e com náusea, o que desperta a “fissura”, ou seja, a busca incessante pela próxima dose.

Apesar das consequências nocivas ao corpo, a questão principal não é essa. “A maioria das pessoas que usam drogas, sejam lícitas ou ilícitas, não tem problemas de saúde e nem precisam ser tratadas por conta disso”, diz o médico Raul Gorayeb, ex-coordenador do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) do Centro de São Paulo. Gorayeb foi afastado do cargo em fevereiro deste ano por discordar dos métodos do órgão oficial. “Para cuidar dessas pessoas, nós não temos que internar, mas sim ganhar a confiança delas, levar para um abrigo e verificar a existência de vínculos familiares”, explica.

É nessa lacuna que os obreiros evangélicos atuam: “Ganhamos muito respeito por parte dos órgãos públicos que trabalham na região, porque nos relacionamos com os usuários e não apenas os ‘atendemos’ ou ‘abordamos’, como se diz”, aponta a pastora Neldecy. Em todas as missões, a base da atuação é o diálogo e a aproximação com os dependentes, que, depois de pouco tempo, reconhecem nos missionários pessoas em que podem confiar. “A igreja, muitas vezes, tem que fazer o papel da família, cuidar das ovelhas”, defende Ricardo, da Cristolândia. E em uma coisa todos concordam: é preciso de fato ver essas pessoas, e não simplesmente encará-las como parte de um cenário triste.

Para saber mais sobre o trabalho evangélico na Cracolândia, você pode entrar no site da Missão Cena (www.missaocena.com.br), acompanhar o twitter do projeto Retorno (@projetoretorno) ou ligar para lá (11/3371-1264) e visitar a Cristolândia (Alameda Barão de Piracicaba, 509, Luz; aberta todos os dias das 9h às 21h). Há campanhas muito interessantes contra o crack encabeçadas pela Secretária da Saúde (www.nuncaexperimenteocrack.com.br) e pelo Grupo RBS (www.cracknempensar.com.br) também.

Fonte: Cristianismo Hoje

10/02/2011

A Bíblia de cór


A Bíblia de córDe maneiras bem alternativas, o pastor da Igreja Batista Grace (localizada na Flórida, Estados Unidos), Tim Bristar (foto), propôs o desafio de memorizar as Escrituras. Logo no seu primeiro apelo, 4 mil pessoas participaram. Destes milhares, muitas pessoas desejaram repetir o feito. No início deste ano, encorajado pela primeira iniciativa, começou um projeto chamado P2R (Partnering to Remember – Parcerias para Recordar), que promete gerar esperança quanto ao “aprofundamento na palavra de Deus” na vida de cada cristão participante. Objetivo? Memorizar todo o livro de Filipenses até o Domingo de Páscoa.

“Em nossas vidas de ritmo rápido, diversas tarefas, com qualquer número de coisas disputando a nossa atenção, há um perigo real para que a palavra de Deus seja excluída de nossas vidas diárias,” disse Brister em seu blog. Mais de 26.700 participantes estão entusiasmados com o desafio. Através de redes sociais pela internet, os cristãos integrantes do movimento estimulam uns aos outros a perseverarem no propósito.

Tendo em vista tal movimento, um dos questionamentos que podem persistir é: “Por que memorização?” O pastor Brister cita o teólogo John Piper ao responder que a “memorização da Bíblia tem o efeito de tornar firme e claro o nosso olhar em Jesus”. Brister utiliza seu blog para incentivar cada participante, compartilhando resultados de sucesso do projeto: famílias estão se unindo e se fortalecendo em amor a Deus e a Sua palavra. “Mais do que qualquer outra época, os Cristãos precisam fazer parcerias com o propósito de interiorizar as Escrituras, encorajando um ao outro para que respeitem as palavras de Cristo, e lembrando as verdades nos centram na obra de Deus em nossas vidas”, conclui Brister.

Fonte: Gospel Prime

10/02/2011

Após protestos, União Europeia revê decisão e inclui feriados cristãos em calendário


Após protestos, União Europeia revê decisão e inclui feriados cristãos em calendário A União Europeia anunciou que fez uma “omissão lamentável” ao excluir os feriados religiosos de um calendário escolar, mas logo se retratou. A editora  responsável enviou as correções para todos os professores.

“Nunca houve a intenção de discriminar a religião nesta publicação,” afirmou o Departamento de Assuntos do Consumidor da Comissão Europeia.

O Comitê Econômico e Social da União Europeia financiou a distribuição de 3.275.500 exemplares da Agenda Europa 2010/2011, um calendário escolar para alunos do ensino secundário, que ajudar nos trabalhos de casa. Suas páginas semanais incluir notas de rodapé para ensinar aos alunos fatos que talvez não saibam, incluindo os feriados de outras religiões.

O editor disse que a omissão de feriados cristãos ocorreu em notas de rodapé. O calendário não incluía feriados judaicos e muçulmanos.

O Partido Democrata Cristão na França chamou a omissões de “inaceitável”. Ele entrou com uma petição pedindo que os calendários não sejam distribuídos, mas substituídos por versões que incluem feriados cristãos.

A edição 2011/2012 do calendário vai incluir os principais feriados civis e religiosos celebrados em cada um dos países da União Europeia.

Fonte: Christian Telegraph

10/02/2011

Revolta islâmica queima e saqueia igrejas na Indonésia


Revolta islâmica queima e saqueia igrejas na Indonésia Um grupo de muçulmanos indonésios incendiou e depredou igrejas cristãs e enfrentou a polícia nesta terça-feira (8), em meio a uma onda de violência religiosa no maior país islâmico do mundo.

Dois dias depois de um grupo de muçulmanos ter linchado até a morte três membros de uma pequena seita islâmica Ahmadiyah, uma multidão de muçulmanos furiosos ateou fogo a dois templos cristãos e saquearam um terceiro na cidade de Temanggung, no centro da ilha de Java, segundo a polícia.

Os fatos ocorreram durante confrontos com a polícia quando o grupo reclamava a pena de morte para um cristão condenado por blasfêmia contra o Islã.

Eles exigem a pena de morte para Antonius Bawengan, de 58 anos, cristão condenado a cinco anos de prisão por distribuir panfletos considerados ofensivos ao islamismo.

Região é reduto pacífico de cristãos e muçulmanos

Os manifestantes gritavam “morra, morra” do lado de fora do tribunal, e “queimem, queimem” ao seguirem em direção às igrejas, em uma região de Java onde muçulmanos e cristãos convivem pacificamente. Uma escola católica também foi vandalizada.

Os cerca de 1.500 manifestantes também atiraram pedras contra a polícia, que respondeu com gás lacrimogêneo e tiros de advertência para o alto. Uma viatura da polícia também foi queimada em meio à confusão, que começou em frente à corte e se espalhou pelas ruas do bairro.

O mais recente episódio de violência religiosa na Indonésia – geralmente citada como exemplo de país pluralista – coincide com um aumento da pressão sobre o governo para que combata o extremismo e reforce seu compromisso com a diversidade.

Intolerância está em alta na Indonésia

A Constituição indonésia garante liberdade religiosa, mas grupos de defesa dos direitos humanos afirmam que a violência contra minorias, incluindo cristãos e ahmadis, só aumentaram desde 2008.

Organizações como a Anistia Internacional indicam que a intolerância está em alta na Indonésia, país de 240 milhões de habitantes, dos quais 80% são muçulmanos.

O presidente indonésio, Susilo Bambang Yudhoyono, condenou o linchamento dos ahmadis no domingo, mas defendeu a lei de 2008 que proíbe a seita de propagar sua fé. Esta legislação é usada por grupos radicais muçulmanos para justificar os ataques contra membros da minoria religiosa.

Fonte e foto: AFP

10/02/2011

Ministérios pedem oração pelo Egito


Ministérios pedem oração pelo EgitoContinua a crise política no Egito e organizações cristãs locais e internacionais têm divulgado pedidos de orações. Da Sociedade Bíblica do Egito, por exemplo, vem o pedido de seu secretário-executivo, o irmão Ramez Atallah, para que a paz seja restaurada no Egito e que a Sociedade Bíblica local consiga dar continuidade a seu trabalho, levando os valores bíblicos e o conforto da Palavra de Deus àquela população. Em sua mensagem, o líder cristão dá sua descrição dos “tumultos e das tensões no Egito e em vários outros países desta parte do mundo”.

Segundo ele, no momento, há situações em que segmentos religiosos divergentes estão unidos para superar a crise. “Sem contar com a proteção policial, os cidadãos, tanto os cristãos quanto os muçulmanos, estão se organizando em turnos para proteger seus bairros e bens durante a noite”.

“Apesar do tumulto geral, da incerteza, do medo, da raiva e de muitas outras emoções e situações, nós, enquanto cristãos, de nenhuma forma estamos sendo alvo ou ameaçados.

“Depois que a polícia se ausentou das ruas do Cairo, do fogo ateado às delegacias e da fuga de milhares de prisioneiros, alguns se aproveitaram do caos para saquear e roubar. Sem contar com a proteção policial, os cidadãos, tanto os cristãos quanto os muçulmanos, estão se organizando em turnos para proteger seus bairros e bens durante a noite”.

“Ao anoitecer, quando se aproxima o toque de recolher, barris, sacos e caixotes são posicionados em barricadas. Todos os carros são parados e as pessoas, interrogadas por homens armados com bastões, paus, pistolas e facas… Isso, porém, deu à maioria um sentimento real de segurança e de boa vontade! Mas isso foi ontem. Provavelmente, a situação piore à medida que os civis tomem a lei pelas próprias mãos.

“Expatriados são evacuados. Os bancos e o mercado de ações estão fechados. Os preços começaram a subir. A comida, os remédios e outros suprimentos estão diminuindo, já que muitas fábricas e das empresas estão fechadas após a onda de vandalismo da semana passada e do toque de recolher diário, que se estende das três da tarde às oito horas da manhã. Mesmo enquanto escrevo, estão acontecendo sangrentos confrontos entre civis egípcios na principal rotatória do centro”.

Oração:

a) Orem para que a situação volte ao controle muito rapidamente e com urgência. Há perdas massivas a cada minuto. Hoje, o número oficial de feridos, muitos deles graves é superior a 600 pessoas, com pelo menos oito mortos. O canal de TV oficial anunciou prejuízos financeiros da ordem de 200 bilhões de libras egípcias (USD 36 bilhões) nos últimos oito dias.

b) Orem pelos pobres e miseráveis, os que mais sofrem neste momento.

c) Orem para que os cristãos no Egito (tanto os nativos quanto os expatriados) não fiquem tentados a “correr” quando as coisas ficarem difíceis. Embora muitos estrangeiros estejam sendo obrigados a sair devido a políticas das empresas, nós oramos para que a pouca população cristã do Oriente Médio não diminua ainda mais devido aos atuais acontecimentos.

d) Orem para que a Sociedade Bíblica do Egito pense em formas criativas e adequadas de levar a Palavra de Deus ao povo durante esses tempos difíceis (afinal, grande parte da Escritura foi redigida em contextos de perigo). A Feira do Livro, que estava marcada para 29 janeiro – 8 fevereiro, foi adiada indefinidamente. As mesas de livros (uma extensão das ofertas da Feira do Livro) e os Domingos da Bíblia foram cancelados em todas as igrejas.

e) Orem por sabedoria para que os líderes políticos e do exército saibam controlar a situação sem recorrer a meios brutais.

f) Orem pela futura liderança do país. Há uma profunda preocupação sobre quem vai governar o Egito. A porta será aberta para todas as ideologias políticas e religiosas, inclusive os extremistas e fundamentalistas.

g) Finalmente, por favor, orem por mim, a fim de que me recupere de um problema súbito de coração (arritmia), que me acometeu na última quarta-feira, forçando-me a passar oito dias na Unidade Coronariana. Ontem foi meu primeiro dia em casa.


Fonte: SBB

10/02/2011

Capelania Hospitalar


Capelania Hospitalar A Associação de Capelania Evangélica Hospitalar (ACEH) realizará o curso de Capelania Hospitalar Nível 1. As aulas serão realizadas do dia 21 a 24 de abril no anfiteatro do Instituto de Infectologia Emílio Ribas.

Os interessados em participar devem se inscrever até 15 de abril, pelo site ou por meio das capelanias parceiras locais. O valor de investimento é R$ 280,00. Após o curso, será feita seleção para o treinamento prático.

Mais informações
Telefone: (11) 2507
E-mail: capelaniaevangelica@gmail.com

Serviço

Data: 21 a 24 de abril de 2011
Local: Anfiteatro do Instituto de Infectologia Emílio Ribas
Endereço: Av. Dr. Arnaldo, 165, Cerqueira César, São Paulo (SP). Valor: R$ 280 (até 15/04) e R$ 300 (após 15 de abril)
Depósito: Bradesco – Ag. 0368-9 e C/C. 96768-8.

Fonte: ACEH / SBB

10/02/2011

Congresso Missionário em Curitiba


Congresso Missionário em CuritibaA Igreja Batista do Bacacheri, em Curitiba (PR), realizará entre os dias 13 e 15 de maio o 1º Fórum de Missões com etnias no Brasil, com o apoio e participação de várias organizações como Missões Mundiais da CBB.

O evento terá oficinas e painéis onde serão tratados assuntos como o modo que Deus tem usado projetos missionários e pessoas, no Brasil, para alcançar os estrangeiros que aqui vivem, e das estratégias que Deus tem dado aos missionários para alcançarem. Com esses projetos de amor, as nações que têm o Brasil como sua segunda pátria.

Na oportunidade, a Faculdade Teológica Batista do Paraná lançará o projeto da Escola de Missões com Imersão, que entrará em funcionamento após a realização do Fórum.

Outras informações podem ser obtidas através do e-mail: forumetnias@ibb.org.br


Fonte: JMM

10/02/2011

Faecad terá pós-graduação em Ciências da Religião


Faecad terá pós-graduação em Ciências da Religião A Faculdade Evangélica de Tecnologia, Ciências e Biotecnologia da CGADB (Faecad) lança em abril o programa de pós-graduação em Ciências da Religião, área do conhecimento que investiga de forma sistemática, baseada em estrutura multidisciplinar, os aspectos do fenômeno religioso através de ciências, como Filosofia, Antropologia, História, Psicologia e Teologia. O curso terá duração de 18 meses (360h.).

O objetivo do curso superior de aperfeiçoamento é atender profissionais da educação, da teologia (com diploma reconhecido pelo MEC) e demais graduados de quaisquer áreas ou graduandos que cursem o último ano de formação (ou o último semestre do curso de integralização em Teologia), em regime especial. Após a conclusão, os alunos recebem o Título de Especialista em Ciências da Religião.

A coordenadora do lato sensu em Ciências da Religião é a professora Lília Dias Marianno, Mestre em Ciências da Religião pela Universidade Metodista de São Paulo e Mestre em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil. O conteúdo programático será lecionado pelos professores doutores em Teologia – Antonio Carlos Ribeiro, Nelson Célio e Levy da Costa Bastos; pelos professores mestres em Ciências da Religião – Lília Dias Mariano, Fábio Py Almeida e Cléber Diniz Torres. Todos os professores do programa são pesquisadores do campo das Ciências da Religião com títulos de Mestre ou Doutor reconhecidos pelo MEC.

As disciplinas abordadas no curso serão Epistemologia e Metodologia da Pesquisa Científica, Introdução às Ciências da Religião, Fenomenologia da Religião, História das Religiões, Filosofia da Religião, Sociologia da Religião, Antropologia da Religião, Psicologia da Religião, Geografia das Religiões, Prática em Pesquisa de Campo, Mito, Rito e Símbolo no Texto Sagrado, Coexistência Religiosa, Fundamentos/Habilitação Ensino Religioso (eletiva), Orientação de Monografia e TCC.

Serviço:
Valores, dias e horários: A taxa de inscrição promocional é de 50,00 e a mensalidade 300,00. As aulas serão ministradas às segundas-feiras e quartas-feiras das 18h30 às 22h.

A FAECAD está localizada na Avenida Vicente de Carvalho, 1083, Vila da Penha – Rio de Janeiro – RJ. Os interessados podem entrar em contato pelo telefone (21)3015-1000, ou pelo e-mail secretaria@faecad.com.br



Fonte: Faecad / CPADNews

%d blogueiros gostam disto: