Archive for maio 25th, 2011

25/05/2011

Samuel Ferreira é destaque na revista Isto É; “Um pastor moderno entre os radicais”


Samuel Ferreira é destaque na revista Isto É; “Um pastor moderno entre os radicais” O evangélico desavisado que entrar no número 560 da ave­nida Celso Garcia, no bairro paulistano do Brás, poderá achar que não está entrando em um culto da Assembleia de Deus. Maior denominação pentecostal do País – estima-se que tenha 15 milhões de adeptos, cerca de metade dos protestantes brasileiros –, historicamente ela foi caracterizada pela postura austera, pelo comedimento na conduta e, principalmente, pelas vestimentas discretas de seus membros. Por conta dessa última particularidade, tornou-se folclórica por forçar seus fiéis a celebrarem sempre, no caso dos homens, de terno e gravata e, entre elas, de saia comprida, camisa fechada até o punho e cabelos longos que deveriam passar longe de tesouras e tinturas. Era a igreja do “não pode”. Não podia, só para citar algumas interdições extratemplo, ver tevê, praticar esporte e cultuar ritmos musicais brasileiros. A justificativa era ao mesmo tempo simples e definitiva: eram coisas do capeta.

No templo do Brás, porém, às 19h30 do domingo 15, um grupo de cerca de vinte fiéis fazia coreografias, ao lado do púlpito, ao som de uma batida funkeada. Seus componentes – mulheres maquiadas e com cabelos curtos tingidos, calça jeans justa e joias combinando com o salto alto; homens usando camiseta e exibindo corte de cabelo black power – outrora sofreriam sanções, como uma expulsão, por conta de tais “ousadias”. Mas ali eram ovacionados por uma plateia formada por gente vestida de forma parecida, bem informal. Palmas, também proibidas nas celebrações tradicionais, eram requisitadas pelo pastor Samuel de Castro Ferreira, líder do templo e um dos responsáveis por essa mudança de mentalidade na estrutura da Assembleia de Deus, denominação nascida em Belém, no Pará, que irá festejar seu centenário no mês que vem. “Muitos chamam de revolução, mas o que eu faço é uma pregação de um evangelho puro, sem acessórios pesados”, afirma ele, 43 anos, casado há vinte com a pastora Keila, 39, e pai de Manoel, 18, e Marinna, 14. “A maior igreja evangélica do País está vivendo um redescobrimento.”

Sentado em uma cadeira logo ao lado do coral, Ferreira, que assistiu à televisão pela primeira vez na casa do vizinho, aos 7 anos, escondido do pai, Manoel Ferreira, pastor assembleiano, desliza o dedo indicador em um iPad segunda geração enquanto o culto se desenrola. Acessa a sua recém criada página no Twitter por meio da qual, em apenas um mês, amealhou mais de 110 mil seguidores. Quando se levanta para pregar a palavra, deixa visível o corte alinhado de seu terno e a gravata que combina com o conjunto social. Não que o pastor se furte em pregar de jeans, tênis e camisa esporte – tem predileção por peças da Hugo Boss –, como faz em encontros de jovens. “Samuel representa a Assembleia de Deus moderna, com cara de (Igreja) Renascer (em Cristo)”, opina o doutorando em ciências da religião Gedeon Alencar, autor de “Assembleias de Deus – Origem, Implantação e Militância” (1911-1946), editora Arte Editorial. “Os mais antigos, porém, acham o estilo dele abominável.”

Natural de Garça, interior de São Paulo, formado em direito e com uma faculdade de psicologia incompleta, Ferreira é vice-presidente da Convenção de Madureira, que é comandada por seu pai há 25 anos e da qual fazem parte 25 mil templos no Brasil, entre eles o do Brás. Os assembleianos não são uma comunidade unificada em torno de um líder. Há, ainda, os que seguem a Convenção Geral, considerada o conglomerado mais poderoso, e o grupo formado por igrejas autônomas. Ferreira assumiu o templo da região central da capital paulista há cinco anos e passou a romper com as tradições. Ao mesmo tempo, encarou uma cirurgia de redução de estômago para perder parte dos 144 quilos. “Usar calça comprida é um pecado absurdo que recaía sobre as irmãs. Não agride a Deus, então liberei”, diz o pastor, 81 quilos, que até hoje não sabe nadar e andar de bicicleta porque, em nome da crença religiosa, foi proibido de praticar na infância e na adolescência.

Sua Assembleia do “pode” tem agradado aos fiéis. “Meu pai não permitia que eu pintasse as unhas, raspasse os pelos ou cortasse o cabelo”, conta a dona de casa Jussara da Silva, 49 anos. “Furei as orelhas só depois dos 40 anos. Faz pouco tempo, também, que faço luzes”, afirma Raquel Monteiro Pedro, 47 anos, gerente administrativa. Devidamente maquiadas, as duas desfilavam seus cabelos curtos e tingidos adornados por joias pelo salão do Brás, cuja arquitetura, mais parecida com a de um anfiteatro, também se distingue das igrejas mais conservadoras.

A relativização dos costumes da Assembleia de Deus se dá em uma época em que não é mais possível dizer aos fiéis que Deus não quer que eles tenham vaidade. A denominação trabalha para atender a novas demandas da burguesia assembleiana, que, se não faz parte da classe média, está muito perto dela, é urbana e frequenta universidades. É esse filão que está sendo disputado. Uma outra igreja paulista já promoveu show no Playcenter. No Rio de Janeiro, uma Assembleia de Deus organiza o que chama de Festa Jesuína, em alusão à Festa Junina. Segundo o estudioso Alencar, as antigas proibições davam sentido ao substrato de pobreza do qual faziam parte a grande maioria dos membros da Assembleia de Deus. “Era confortável para o fiel que não tinha condição de comprar uma televisão dizer que ela é coisa do diabo. Assim, ele vai satanizando o que não tem acesso.”

Importante figura no mundo assembleiano, o pastor José Wellington Bezerra da Costa, 76 anos, presidente da Convenção Geral, não é adepto da corrente liberal. “Samuel é um menino bom, inteligente, mas é liberal na questão dos costumes e descambou a abrir a porta do comportamento”, afirma. Ferreira, por outro lado, se diz conservador, principalmente na questão dos dogmas. Em suas celebrações, há o momento do dízimo, do louvor, da adoração e um coral clássico. Ao mesmo tempo, é o torcedor do Corinthians que tuita pelo celular até de madrugada – dia desses, postou que saboreava um sorvete às 4h30 –, viaja de avião particular e não abre mão de roupas de grife. Um legítimo pastor do século XXI.

Fonte: Isto É

25/05/2011

Aldeões espancam cristão por defender moças


Aldeões espancam cristão por defender moças Aldeões muçulmanos espancaram um jovem cristão de 22 anos, no mês passado, por ter defendido moças cristãs de assédios e intimidações constantes, disseram fontes.

Sipon Mondol foi espancado em 20 de abril, quando voltava para Nittanandapur, seu vilarejo natal, vindo de Gangni, distrito de Meherpur, a 200 quilômetros a oeste da capital, Dhaka, declarou seu pai. Em 15 de abril, em um evento cultural para celebrar o Ano Novo Bengali, Poresh Mondol disse que seu filho defendera moças cristãs das difamações de um grupo de homens muçulmanos, o que levou a uma briga entre os grupos.

“Eles estavam fazendo comentários sugestivos sobre nossas moças durante o programa,” disse Mondol. “Alguns rapazes cristãos, incluindo meu filho, protestaram contra isso. Uma briga entre os muçulmanos e os cristãos se seguiu ao protesto. Eles tentaram arrastar meu filho para o vilarejo deles, puxando-o pelo colarinho.”

A família Mondol informou os pais dos jovens muçulmanos, e anciãos do vilarejo asseguraram aos cristãos que iriam resolver esse antigo problema e esse tipo de assédio não aconteceria novamente.

“Depois da queixa, no entanto, aqueles jovens muçulmanos se tornaram mais violentos,” disse ele. “Eles bateram no meu filho no seu caminho de volta para casa, vindo da cidade de Gangni na noite de 20 de abril. Ele foi violentamente espancado. Foi tratado em um hospital durante um dia inteiro e liberado em 21 de abril.”

O pai do jovem disse à Compass  que os cristãos costumam ficar chocados com o linguajar de seus jovens vizinhos muçulmanos em eventos religiosos e culturais.

“Para importunar nossas moças, eles usam palavras obscenas, que nos deixam arrasados,” declarou o ancião Mondol. “Nós somos envergonhados diante de nossas famílias.”

Fonte: Portas Abertas

25/05/2011

Governo chinês reage às críticas do Vaticano


Segundo a agência de noticias Reuters, as duras críticas do Vaticano sobre as ações tomadas pelo governo chinês, a fim de reprimir os fiéis católicos, motivaram uma resposta do governo chinês.

A ministra das Relações Exteriores da China disse na última quinta-feira (19), esperar que o Vaticano reconheça a liberdade religiosa em seu país, depois que o Papa se pronunciou dizendo ao mundo que Pequim faz pressão sobre aqueles que desejam ser fiéis ao Vaticano.

“Esperamos que o Vaticano possa ver mais claramente a liberdade religiosa da China e o contínuo crescimento dos chineses católicos, e crie medidas concretas para o desenvolvimento da relação Sino-Vaticano,” disse a ministra das Relações Internacionais em uma entrevista coletiva.

Os chineses católicos estão divididos entre a igreja que é ligada ao Estado chinês (que tem bispos que não são reconhecidos pelo Vaticano) e outra metade que freqüenta igrejas (que são consideradas clandestinas pelo governo). A China teria forçado muitos bispos e padres fiéis ao papa a comparecerem ao encontro da igreja que é apoiada pelo Estado.

O papa Bento XVI disse que as autoridades comunistas da China estão constantemente pressionando quem deseja ser fiel ao Vaticano e tem esperança de que a Igreja Chinesa consiga sobreviver aos atentados que a dividem de Roma.

Ele pediu que todos os católicos orem pelos fiéis que estão na China, que não estão autorizados a reconhecer a autoridade do Papa e foram forçados a se tornarem membros da Igreja que é apoiada pelo Estado.

“Nós sabemos que entre nossos irmãos bispos, alguns sofrem perseguição e pressão. Através das nossas orações, podemos garantir que a Igreja na China possa continuar unida e santa”, disse o papa dias atrás.

Fonte: Portas Abertas

25/05/2011

Primeiro Museu Judaico do Brasil será montado em uma sinagoga no centro de São Paulo


Primeiro Museu Judaico do Brasil será montado em uma sinagoga no centro de São PauloComeçou no dia 23 de maio, segunda-feira, as obras de adaptação do Museu Judaico que será montado na Sinagoga Beth El (Casa de Deus) localizado no centro de São Paulo. De acordo com a diretora da sinagoga, Roberta Sundfeld, o objetivo do museu é difundir a história judaica para toda a sociedade brasileira.

O acervo do museu será composto por mais de 1,5 mil peças utilizadas por imigrantes judeus da Europa Oriental e de países do Oriente Médio, datados dos séculos 18 e 19, quando a imigração judaica foi mais intensa no País.

Esse projeto é inédito no Brasil e contará a história da imigração judaica no País, mostrando sua influência na formação da sociedade contemporânea.

“Também haverá um espaço destinado a falar sobre os judeus no Brasil, como foram recebidos aqui e quem são as personalidades que se destacaram na sociedade brasileira”, complementa Roberta.

Farão parte do acervo ainda obras de arte dos primeiros artistas judeus que se estabeleceram no País, como a prestigiada pintora francesa Bertha Worms, que migrou para o Brasil em 1892.

O futuro museu contará também com uma biblioteca temática, que servirá como centro de referência para pesquisas sobre a história judaica.

Ainda de acordo com Roberta Sundfeld, a previsão de inauguração é para o segundo semestre de 2012 “Será um projeto demorado, porque vamos manter a construção da antiga sinagoga,” diz a diretora que também quer usar o espaço para passar uma mensagem de tolerância. “Queremos mostrar como os judeus foram integrados à sociedade e fazem parte dela hoje.”

Fonte: Gospel Prime /Arca Universal

25/05/2011

Fim do Mundo adiado Novamente, agora será em Outubro


Harold Camping falhou mais uma vez ao prever o dia do fim do mundo, mas ele não foi o único a profetizar uma data para este acontecimento. Nos últimos séculos outros “estudiosos” previram o fim e também falharam.

A revista americana “Times” noticiou que uma das profecias mais conhecidas sobre o apocalipse que também fracassou foi a de William Miller. Em 1840, ele começou a dizer que o mundo ia acabar e Cristo voltaria, prevendo um grande incêndio entre 21 de março de 1843 e 21 de março de 1844. Mesmo mudando a data para outubro, o fim nunca chegou. Os seguidores de Miller formaram a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

Anos mais tarde outro profeta se levantou dando uma nova data para a destruição da Terra, Joseph Smith, fundador da religião mórmon, nos Estados Unidos, afirmou a líderes da igreja em 1835 que Deus havia dito a ele que Jesus retornaria em 56 anos, o que não ocorreu.

Em 1910 a passagem do Cometa Halley também deixou o mundo em pânico, mas dessa vez a ideia do fim não veio de um religioso e sim de cientistas que diziam que a cauda do cometa tinha um gás mortal e que ele passaria muito próximo da Terra. Os ânimos só se acalmaram quando outros estudiosos se levantaram pra dizer que a passagem do Halley não afetaria em nada a vida terrestre.

Contrariando o que diz em Mateus 24:36 que afirma que ninguém, nem o Filho, sabe quando o fim chegará, o fundador da Coalizão Cristã, Pat Robertson, se levantou em 1980 para anunciar o fim. Suas palavras asseguravam que o dia do julgamento seria em 1982. Mais uma previsão falsa.

Dez anos depois surge Harold Camping com a sua primeira previsão, seus estudos iniciais apontavam que o arrebatamento aconteceria em 6 de setembro de 1994 de acordo com os mesmos cálculos que o fez sugerir uma nova data, 21 de maio de 2011, sendo assim o único “profeta do apocalipse” que falhou duas vezes.

Outra importante profecia que datava o fim da humanidade foi a de Nostradamos, seus escritos de mais de 400 anos, afirmavam que “no ano 1999, sétimo mês / Do céu virá o grande rei do terror”.

Muitos ficaram preocupados com a virada do milênio, ainda mais quando foi noticiado que muitos computadores não conseguiriam ver a diferença entre o ano 2000 e o ano de 1900. Assustados com as possibilidades do que poderia acontecer por conta do bug do milênio, muitas pessoas se suicidaram na virada do ano 1999/2000.

No século XXI já surgiram muitas outras previsões que fracassaram, mas a mais falada é a que prevê o fim da humanidade para dezembro de 2012, baseada no calendário Maia. Recentemente um antropólogo apresentou a pedra com a escrita Maia e desmentiu a história que deu origem ao filme “2012”.

Fonte: Gospel Prime

25/05/2011

Extremistas islâmicos matam a facadas mulher e filhos de Pastor e mais 12 cristãos em ataque


Conforme ia caindo ao chão, após tomar um tiro e ser golpeada com um facão, Dune James Rike olhou para os olhos marejados e amedrontados de seu marido e perguntou: “Este será o fim entre nós? Então não estaremos mais juntos?”

O pastor Musa James Rike contou à Compass que segurou as mãos de sua esposa de 35 anos de idade, enquanto ela morria, e lhe disse: “Apegue-se à sua fé em Jesus, que nós nos encontraremos e nunca mais nos separaremos.”

Muçulmanos extremistas que atacaram a vila Kurum, na área governamental de Bogoro, estado nigeriano de Bauchi, já haviam matado duas crianças do casal num tumulto que teve início na quarta-feira, dia 4 de maio, à meia-noite. Rike, pastor da Igreja de Cristo na Nigéria (COCIN, sigla em inglês), congregação em Kurum, em seguida ouviu os gritos de sua filha de 13 anos de idade, Sum James Rike, numa área próxima.

“Eu corri em direção a minha filha, somente para descobrir que ela também havia sido golpeada no estômago com um facão e seus intestinos estavam espalhados ao seu redor”, ele disse. “Eu segurei sua mão e comecei a orar, sabendo que ela iria morrer também. Ela me disse que os militantes muçulmanos lhe disseram que iriam matá-la, para ver ´como seu Jesus vai te salvar.’”

A garota disse a seu pai que lhes respondeu, dizendo que Jesus já a havia salvado e que, matando-a, eles só tornariam possível seu encontro com ele. O pastor Rike orou por ela, enquanto agonizava.

Atirando e ateando fogo às casas, os extremistas muçulmanos mataram outros 12 cristãos nesse ataque. A polícia de Bauchi relatou 16 mortos: um homem, três mulheres e 12 crianças.

O pastor Rike disse que, ao alcançarem sua casa, os agressores tentaram entrar nos quartos. “Eu abri a porta dos fundos e nós corremos pela noite escura, enquanto os militantes nos perseguiam,” ele disse. “Eles atiraram na minha esposa e em dois de nossos filhos, enquanto tentavam escapar.”

O pastor Rike disse que, após matarem as duas crianças, Faith James Rike e Fyali James Rike, de um ano de idade, cortaram a barriga de sua mulher com um facão.

“Fiquei chocado com o que vi”, ele disse. “Eu sabia que minha mulher não aguentaria e a única coisa que fiz foi encorajá-la a apegar-se à sua fé em Jesus. Os extremistas muçulmanos atearam fogo em mais de 20 casas antes de deixarem a vila”, ele disse.

O pastor Rike e seu filho sobreviveram ao ataque, mas sua filha adotiva, Whulham Rike James, foi ferida e estava recebendo tratamento no Hospital Geral de Bogoro. Disse também que outras cinco pessoas estavam sendo atendidas no mesmo hospital.

Algumas fontes da igreja disseram que entre os mortos estão: Murna Ayuba, Angelina Ezekiel, Dorcas Sunday, Asabar Toma, Rhoda Joseph, Dhunhgwa Zakka, Bukata Amos, Ishaku Amos, Kalla Amos, Amos Daniel, Samidah Joel e Changtan Joel.

Os muçulmanos jihadistas também roubaram dinheiro e outras coisas de valor da vila cristã, enquanto iam embora, segundo essas fontes da igreja.

A região

A área tem uma história de violência e os ataques se seguem à morte de centenas de pessoas em Bauchi e outros estados do norte, onde, no mês passado, houve revoltas dos muçulmanos por causa da eleição de 16 abril, que elegeu um presidente cristão, Goodluck Jonathan. Ele venceu o candidato muçulmano Muhammadu Buhari. Líderes cristãos do norte da Nigéria disseram que mais de 200 igrejas foram queimadas e que eles têm convocado uma sindicância federal sobre a violência, em que os cristãos são o principal alvo.

O norte da Nigéria subiu de 27º, em 2009, para 23º lugar, em 2010, na posição da lista da Portas Abertas de classificação de nações intolerantes ao cristianismo.

A igreja em que o pastor Rike ministra tem por volta de 30 membros e existe há mais de 50 anos. Os que foram assassinados eram membros das três igrejas da vila – a igreja COCIN, a Igreja Católica de São João e uma congregação da Igreja Evangélica do Oeste da África.

O pastor Rike disse que o incidente fortaleceu sua fé em Jesus.

“Qualquer que seja a situação, eu nunca negarei a Cristo,” disse. “Todos os seres humanos foram criados por Deus e aqueles que nos atacaram precisam entender que devem abandonar qualquer coisa que os leve a destruir as criaturas de Deus.”

A população da Nigéria é superior a 158,2 milhões de pessoas e quase que igualmente dividida entre os cristãos, que somam 51,3% da população e vivem principalmente no sul, e os muçulmanos, que somam 45% da população e vivem principalmente no norte. As porcentagens podem ser menores, entretanto aqueles que praticam religiões locais talvez estejam acima de 10% do total da população, de acordo com a Operation World.

Fonte: Portas Abertas

25/05/2011

Megafone amplifica Jesus na Marcha em Curitiba com 200 mil pessoas


Megafone amplifica Jesus na Marcha em Curitiba com 200 mil pessoas “Sim eu elevo os meus olhos, do alto vem o meu socorro, minhas forças se renovam porque espero no Senhor, espero no Senhor ”

O novo single do Megafone é uma expressão do que eles têm vivido como banda.  Ontem (21) a música foi tocada ao vivo na Marcha pra Jesus de Curitiba, cidade em que os “megafonicos” vivem, mas nem sempre estão.

No meio aproximadamente 200 mil pessoas estavam os músicos da banda caminhando no centro de Curitiba, com um só propósito: amplificar Jesus. A banda, que é um referencial para jovens, confirma a decisão de somar com os cristãos da cidade, em prol de um propósito maior. “A marcha pra Jesus pra mim é expressão do povo de Deus unido sem placa, só levantando o nome de Jesus alto, é bom de mais”, diz o líder e vocalista da banda, Silvio Lacerda.

Como nesse ano a banda tocou no palco, ao fim da marcha, e não no trio elétrico, durante, eles fizeram o percurso andando mesmo. A vocalista Rebeca Lacerda gosta da movimentação: “Andar no meio da galera é que é legal, eu ficava gritando: não me empurra, não me empurra, gosto do fervo”, brinca.  Ainda sobre o trajeto, o guitarrista Thiago White comenta: “ir andando no meio da galera quebra um paradigma errado de que músicos só devem estar nos palcos”.

O megafone é uma prova viva do slogan da marcha de 2011, o “Somos um”. “Curitiba está crescendo em aliança e eu fico muito feliz com isso”, conclui White.

Assessoria

25/05/2011

Assembleia promove casamento coletivo


Assembleia promove casamento coletivo Vinte e quatro casais realizaram o sonho do matrimônio ao mesmo tempo, neste final de semana, em São Miguel dos Campos, interior de Alagoas. A Assembleia de Deus, liderada pelo pastor José Orisvaldo Nunes de Lima, foi quem promoveu um casamento coletivo e levou os casais ao tão almejado altar.

Eventos desta natureza são organizados anualmente pelo dirigente assembleiano desde que ele iniciou o trabalho de evangelização na cidade. Segundo o pastor Orisvaldo, mais de 400 casais já foram beneficiados e se uniram perante a lei.

Vale ressaltar que os nubentes ficam isentos do pagamento das taxas, geralmente cobradas pelos cartórios, para legalizar o casamento.


Fonte: AD Alagoas

25/05/2011

Nomeação de ministro muçulmano gera oposição


As lideranças cristãs paquistanesas estão receosas de que a nomeação de um muçulmano possa ser prejudicial às minorias religiosas. De acordo com a International Christian Concern (ICC) os líderes cristãos do Paquistão se opõem à nomeação de Riaaz Hussain Pirzada, um muçulmano, ao cargo de Ministro dos Interesses das Minorias (FMMA- em inglês).

O trabalho do ministro é representar as minorias religiosas e seus interesses junto ao governo federal. No dia 2 de março, extremistas islâmicos assassinaram o então ministro Shahbaz Bhatti, que se opunha às leis de blasfêmia do país.

“A nomeação é um passo no sentido de dominar as minorias (religiosas) e especialmente os cristãos paquistaneses. Esse cargo deve ser dado a um cristão, em justiça ao sacrifício de Shahbaz Bhatti. Não queremos ver a luta de Shahbaz contra as leis de blasfêmia sofrer um revés. A não nomeação de um cristão para o cargo será mais uma forma de discriminação contra os cristãos”, disse o secretário geral da Aliança do Paquistão Pelas Minorias, Javed Michael, em entrevista concedida à ICC.

Um líder cristão que trabalhava com Shahbaz na luta pelos direitos dos cristãos, Khalid Gill, disse: “A esperança tem prevalecido entre os cristãos. Eles são de fato muito privados de seus direitos. Essa nomeação piora a situação dos cristãos. Mas nós continuaremos a lutar (por nossos direitos)”. Num comunicado enviado à ICC e outras mídias, Naveed Walter, presidente da Direitos Humanos Paquistão em Foco, expressou um sentimento semelhante. Ele disse que “num cenário onde minorias se deparam com a perseguição, a nomeação de um muçulmano ao ministério revela a verdadeira face do governo paquistanês”. Além disso, enviou uma mensagem no intuito de aplacar os fundamentalistas, que querem que o cargo seja dado ao muçulmano.

Jonathan Racho, gerente regional da ICC no sul da Ásia, disse: “Nós acreditamos que esse cargo deve ser preenchido por alguém que, de fato, entende o significado de ser minoria no Paquistão e que trabalhe com coragem para defender os direitos das minorias. Apelamos ao governo paquistanês, para que leve em conta os interesses de cristãos e de outras minorias religiosas e reconsidere essa decisão”.

Fonte: Portas Abertas

25/05/2011

Pastor Ricardo Gondim perde coluna em revista cristã por ser a favor da união gay


Segundo o próprio pastor, após 20 anos como colunista da revista Ultimato, o conselho editorial o convidou para sair.

O pastor Ricardo Gondim, 54, da Igreja Betesda, escreveu em seu blog que, depois de quase 20 anos como colaborador da Ultimato, ele foi “convidado” pelo conselho editorial a “descontinuar” a sua coluna na revista. Ultimato é filiada à Associação Evangélica Brasileira e à Associação de Editores Cristãos.

Gondim foi informado pelos responsáveis pela revista de que suas declarações estavam criando desconforto e tensão. A gota d’água, segundo relatou o pastor, foi a entrevista que deu à revista Carta Capital na qual defendeu a união civil de homossexuais e a observância de que o Estado é laico. Aparentemente, ele foi defenestrado menos pelo que escrevia na revista e mais pelo que dizia em outros meios.

No blog, ao comentar o “convite”, ele reafirmou: “Em um Estado laico, a lei não pode marginalizar, excluir ou distinguir como devassos, promíscuos ou pecadores, homens e mulheres que se declaram homoafetivos e buscam constituir relacionamentos estáveis. Minhas convicções teológicas ou pessoais não podem intervir no ordenamento das leis”.

Gondim tem se destacado como um contundente crítico do movimento neopentecostal brasileiro. No começo do ano, publicou em seu blog o artigo “Deus me livre de um Brasil evangélico”, com a argumentação de que, se a maioria da população do país se tornasse evangélica, o puritanismo causaria uma devastação na cultura brasileira.

À Carta Capital, ele disse que o objetivo desses evangélicos é assumir cada vez mais poder político, tendo em vista, inclusive, as eleições presidenciais.

Gondim contou que outro motivo do seu desligamento da Ultimato foi sua afirmação de que “Deus não está no controle”.

Na entrevista, ele disse: “Se Deus é bom e onipotente, e coisas ruins acontecem, então há algo errado com esse pressuposto. Minha resposta é que Deus não está no controle. A favela, o córrego poluído, a tragédia, a guerra, não têm nada a ver com Deus. Concordo muito com Simone Weil, uma judia convertida ao catolicismo durante a Segunda Guerra Mundial, quando diz que o mundo só é possível pela ausência de Deus. Vivemos como se Deus não existisse, porque só assim nos tornamos cidadãos responsáveis, nos humanizamos, lutamos pela vida, pelo bem. A visão de Deus como um pai todo-poderoso, que vai me proteger, poupar, socorrer e abrir portas é infantilizadora da vida”.

Antes de falar à revista, o pastor, por causa da mesma afirmação, já tinha enfurecido alguns dos evangélicos que o seguem no Twitter. Mas a sua entrevista gerou da parte de Klênia Fassoni, da Ultimato, a acusação de que é um “humanista”. Nas doutrinas do humanismo, o homem é senhor do seu destino – independe, portanto, de divindades. Gondim demonstrou ficar chateado com Klênia e escreveu que, sobre o seu “humanismo”, não se daria ao trabalho de reagir.

Ao jornalista Gerson Freitas Jr., da Carta Capital, Gondim (foto) disse que vem sofrendo muita pressão de seus pares por causa de suas afirmações. “Fui eleito o herege da vez”, afirmou. O que confirma agora a sua demissão da revista com o sugestivo nome de Ultimato.

Fonte: Paulopes

%d blogueiros gostam disto: