Archive for junho 14th, 2011

14/06/2011

França promove “noite das Igrejas”


A França celebra no próximo dia 2 de julho a primeira edição da “Noite das igrejas”, durante a qual, todas as igrejas que o quiserem manterão as portas abertas para “acolher a todos”. Existem no território francês cerca de 100 mil locais de culto, dos quais 45 mil são igrejas paroquiais.Uma nota emitida pela Conferência Episcopal francesa explica que o evento se inspira na chamada “Noite da catedral”, cuja quinta edição se realizou em 14 de maio simultaneamente em Strasbourg, Reims, Meaux, Munique várias outras cidades do norte da Europa.

O objetivo da “Noite das igrejas” é divulgar e valorizar a dimensão cultural e o rico patrimônio dos edifícios religiosos. Dom Jean Legris, arcebispo de Albi e membro da Comissão episcopal para a liturgia e a pastoral sacramental, o evento é também missionário, porque ajudará a redescobrir a primeira dimensão cultural da Igreja, além de conscientizar sobre a riqueza de seu patrimônio artístico-cultural.

Para o promotor do evento e editor da revista Narthex, Emmanuel Bellanger, “para muitos, a arte se transformou em espaço de experiência religiosa e de descoberta da liturgia”.

Tours, conferências, concertos de órgão e exibições de corais de música sacra estão no programa, que pode ser visto no site http://www.narthex.fr.

Fonte: Canção Nova

14/06/2011

Senador diz que renuncia se passar lei anti-homofobia


A declaração de que abandonará o Legislativo foi feita pelo próprio senador evangélico Magno Malta (foto) durante entrevista para a revista Comunhão.

No mandato anterior, durante mais de cinco anos, o senador Magno Malta (PR/ES) com convicção própria, lutou contra o projeto de lei 122/06 de autoria da ex-senadora Fátima Cleide (PT/RO), que visa tratar como crime a opinião divergente ao comportamento homoafetivo, conseguindo apoio para arquivá-lo no final da legislatura. Comum nas adversidades do campo político, o enfrentamento em defesa de princípios pessoais voltou à tona com a iniciativa da Senadora Marta Suplicy (PT/SP) de ressuscitar a polêmica que se dispõe a cercear o direito constitucional de liberdade de expressão. A PL 122 já voltou morta e sepultada, resumiu em poucas palavras o senador presidente da Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família Brasileira.

Legitimando a ciência da formação das aspirações e convicto do dever de legislar em favor da grande maioria, Magno Malta, com consciência da responsabilidade das palavras, tornou público o mais nobre gesto de coragem de um homem público sério. Se o Projeto de Lei 122, que excita a criação de um terceiro sexo, for aprovado, com dignidade de cristão, renuncio do mandato de Senador da República.

Para o senador Magno Malta, criar castas, mudar costumes enraizados pela própria natureza e proteger a minoria com privilégios são fatos reais que ferem a justiça social em toda conjuntura. Preconceito é cegueira moral, não aceito nem a intolerância e conceito imparcial. Não estou legislando em causa própria, mas no mais legitimo dever de defender a família estruturada, o futuro de uma geração e de forma geral a vida na sua essência divina.

Legislar em causa própria, com preconceito e calúnia é grave e não faço e nem aceito. Vou interpelar judicialmente o deputado federal Jean Willis (PSOL/RJ) que tem declarado para a imprensa que sou de má fé ao relacionar homossexualismo com pedofilia. Nunca afirmei tal comparação. Pelo contrário, defendi o Vaticano mostrando a realidade dos fatos como comportamentos distintos e sem relação na grande maioria das vezes, revelou Magno Malta, eu presidiu a CPI da Pedofilia.
Por várias vezes na imprensa nacional e também durante o Seminário do Direito homoafetivo, realizado na Ufes, Jean Willis gravou a denúncia e foi imediatamente repudiado pelo senador Magno Malta.
Nunca afirmei tal relação. De minha boca não saiu tal declaração. Eu respeito à opção sexual de cada cidadão. No meu partido, temos o vereador Moacir Sélia, o Moa, um travesti de muito respeito. Fizemos campanha juntos, lado a lado. É meu amigo. Por isso, não fico calado só escutando sem agir olhando nos olhos da pessoa. É o eu vou fazer com o Deputado Jean, quero saber dele qual comprovação ele tem para afirmar que estou agindo de má fé, concluiu Magno Malta.

Segundo pesquisa encomendada recentemente pelo Ministério da Educação, a polêmica da homossexualidade incomoda 87% da população. A grande maioria não aceita mudanças radicais no comportamento da sociedade. A pauta hoje ficou restrita aos interessados e ao parlamento, a sociedade não foi ouvida e prefere manter o assunto também sepultado. Por isso, em defesa dos verdadeiros valores agregados no coração da família brasileira, renunciarei meu mandato se a PL 122 for aprovada. Finalizou Magno Malta.

Fonte: JusBrasil

14/06/2011

Padre argentino afirma que músicas da Xuxa são satânicas, assista!


Padre argentino afirma que músicas da Xuxa são satânicasA cantora e apresentadora Xuxa Meneguel está na lista de um padre argentino que apontou músicas de alguns cantores que, segundo ele, contêm venerações ao diabo quando tocadas ao contrário.

O padre Manuel Acuña diz que a música Dança da Xuxa, em espanhol, se rodada ao contrário traz a mensagem “louvado seja o demônio”.

Essa declaração foi dada pelo exorcista durante o programa argentino Animales Sueltos que foi ao ar no último dia 6 na America TV.

Não é a primeira vez que Xuxa aparece em listas como essa, no Youtube há inúmeros vídeos com músicas da apresentadora da Globo que supostamente contém mensagens subliminares de adoração a demônios.

O mais famoso deles é do pastor Josué Yrion, um brasileiro radicado na Califórnia que diz que além das músicas serem adoração ao diabo, a apresentadora vai duas vezes por ano beber sangue humano da Igreja de Satanás que fica em São Francisco, Estados Unidos.

Esse padre argentino mostrou outras canções também foram apresentadas aos participantes do programa que supostamente também trazem mensagens subliminares, os artistas presentes ficaram abismado quando ouviram as mensagens subliminares das músicas.

14/06/2011

Autoridades do Egito reformularam leis para construção de templos


Um novo código de construção civil no Egito é visto pelos muçulmanos e pelos ativistas cristãos como um passo importante para o fim da violência religiosa e o respeito pelos direitos humanos no país.

Durante os últimos meses, muitos cristãos organizaram um protesto em frente à sede da TV estatal Maspero, no Cairo, após a violência sectária que explodiu em Imbaba. O governo prometeu, dia 12 de maio, que em 30 dias resolveria os problemas.

Ismail, membro da Irmandade Muçulmana, e outros egípcios muçulmanos arquivaram uma queixa contra o primeiro-ministro, Essam Sharaf, acusando-o de elaborar uma lei que “não respeita a Constituição e as medidas de justiça defendidas pela Sharia (lei)”. Isso é um fato relevante, pois o Egito é um estado islâmico.

“Como podemos autorizar a construção de templos com base na distância (uma igreja ou mesquita por quilômetro quadrado, no máximo, de acordo com o novo projeto), enquanto os direitos humanos utilizam para isso a taxa populacional?”, questionou Ismail em sua reclamação.

“Em áreas de população elevada, uma mesquita por quilômetro quadrado não é suficiente para orações e isso significa que os mulçumanos acabarão orando na rua,” disse Ismail.

Da mesma forma, os cristãos parecem também não estar felizes com muitos artigos do projeto de lei, mas por razões diferentes. Serba Moun, padre da Igreja Imbaba, local de violência recente, descreveu-a como “uma lei complicada e não unificada.” De acordo com Moun, a lei ainda derruba as muitas barreiras que existem para a construção de igrejas.

De acordo com o projeto de lei, os governadores terão o direito de dar a licença para estabelecimentos e também de autorizar a demolição ou a manutenção de toda casa ou templo da região. Todos os pedidos que não receberem uma resposta dentro do prazo determinado serão considerados aprovados.

Fonte: Portas Abertas

14/06/2011

Mais de 700 jovens forçadas a se converter ao Islã, no Paquistão


São mais de 700 casos registrados por ano no Paquistão, de jovens cristãs sequestradas, obrigadas a se casarem com homens muçulmanos e forçadas a se converterem ao Islã. E muitos casos não estão incluídos nesse número, pois não são denunciados. É o que referem à Agência Fides fontes da Igreja local, engajadas no combate deste fenômeno, que agora voltou à tona por causa do caso de Farah Hatim, jovem católica seqüestrada, convertida e obrigada a fazer o casamento islâmico na cidade de Rahim Yar Khan, no sul do Punjab.

Sobre o caso está em andamento uma mobilização da comunidade cristã no Paquistão e da sociedade civil, com a intenção de sensibilizar as instituições: a “Comissão para os Direitos Humanos do Paquistão”, conhecida organização não-governamental fundada pela advogada Asma Jahangir, acionou os seus canais, promovendo uma investigação do caso. A Comissão publica um relatório anual e controla o respeito pelos direitos humanos no país.

A Comissão “quer ver claro” num caso que representa uma “evidente violação dos direitos humanos individuais”, refere uma fonte de Fides dentro da Comissão. A advogada Asma Jahangir é uma personagem de grande importância no Paquistão: ela é presidente da Ordem dos Advogados do Supremo Tribunal, e conhecida por seu compromisso em defesa dos direitos humanos e dos direitos das mulheres. É uma voz muito influente. Espera-se que uma intervenção da Comissão possa ajudar a desbloquear a situação e fazer emergir as conivências políticas e os abusos cometidos também por funcionários públicos no caso de Farah.

O caso de Farah, enquanto isso, já passou as fronteiras do Paquistão, uma vez que é o emblema de uma situação insustentável de violação da liberdade de consciência e de religião, e toca uma questão delicada no que diz respeito às relações entre islamismo e cristianismo: as conversões.

No que diz respeito a esse caso, o Parlamento do Canadá está promovendo uma iniciativa política específica para solicitar uma atitude do governo canadense em relação ao governo paquistanês, enquanto também alguns membros do Parlamento italiano pretendem chamar a atenção das instituições italianas e europeias.

Fonte: Canção Nova

14/06/2011

Senado realiza sessão especial para comemorar os 100 anos da Assembleia de Deus no Brasil


Senado realiza sessão especial para comemorar os 100 anos da Assembleia de Deus no BrasilO Senado fez uma sessão especial na manhã desta segunda-feira, 13, para comemorar o centenário das Igrejas Evangélicas da Assembleia de Deus no Brasil, data celebrada no dia 18 de junho.

A solicitação para essa sessão foi feita pelo senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) que protocolou um requerimento para reconhecer a importância da Assembleia de Deus no país.

“Tal comemoração constituirá singelo reconhecimento do Senado a essa organização secular, que não se limita a prestar essencial assistência religiosa, mas que também atua de forma valorosa em várias causas sociais, principalmente aquelas desenvolvidas em prol dos mais desfavorecidos”, disse Crivella em seu requerimento solicitando a sessão especial.

Dia 18 completa 100 anos que os missionários suecos Daniel Berg e Gunnar Vingren fundaram a Assembleia de Deus no Brasil. Hoje ela é a maior denominação evangélica do país, com mais de 20 milhões de membros.

Fonte: Gospel Prime / Agência Senado

14/06/2011

Jean Wyllys ameaça acionar cortes internacionais para intervirem no “fundamentalismo religioso” contra homossexuais


Jean Wyllys ameaça acionar cortes internacionais para intervirem no “fundamentalismo religioso” contra homossexuaisA briga entre parlamentares cristãos e os que defendem os direitos dos homossexuais está cada vez mais aflorada em Brasília principalmente depois que a bancada evangélica conseguiu fazer com que a Governo suspendesse os kits anti-homofobia que seriam distribuídos nas escolas públicas.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), defensor do grupo LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) do qual faz parte, afirmou que pode acionar as cortes internacionais, baseando-se em tratados de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário, como resposta à perseguição sofrida pelos homossexuais por parte de fundamentalistas religiosos.

A intenção do parlamentar é fazer com que esses órgãos internacionais pressionem o governo federal para que tome meditas contra os chamados fundamentalistas.

A declaração foi dada durante sua participação no  primeiro seminário sobre Direito Homoafetivo realizado pela Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Espírito Santo (OAB-ES) que aconteceu na cidade de Vitória.

“Se a perseguição sistemática aos homossexuais recrudescer por parte dos fundamentalistas religiosos – não me refiro à comunidade cristã como um todo, mas aos fundamentalistas, aqueles que usam a Bíblia para violentar a dignidade da pessoa humana – eu vou acionar as cortes internacionais. Porque o Brasil subescreveu tratados de defesa dos direitos humanos. Porque isso é violação de direitos, o que não podemos permitir”.

Jean Wyllys também falou sobre as declarações do senador Magno Malta (PR-ES), que faz parte da Frente Parlamentar Evangélica que por muitas vezes compara o homossexualismo com a pedofilia, principalmente quando discursa contra o Projeto de Lei 122/2006.

Sobre essas declarações Wyllys falou que são palavras usadas de “má fé” pelo deputado cristão. “Chega a ser má fé do senador Magno Malta associar homossexualidade à pedofilia. Quem pratica largamente a pedofilia no Brasil são homens heterossexuais. As vítimas preferenciais são meninas. Os dados são do IBDFAN (Instituto Brasileiro dos Direitos da Família). As meninas são arrastadas para prostíbulos. Elas são abusadas por padrastos e até pelos pais”.

Já assessoria do senador Magno Malta informou que o parlamentar não fala por má fé e sim com base em dados da CPI da Pedofilia, que foi presidida pelo próprio Malta.

Fonte: Gospel Prime /A Gazeta

14/06/2011

Paraenses veem a celebração dos 100 anos como honra de Deus


Paraenses veem a celebração dos 100 anos como honra de Deus Cerca de 11 mil pessoas lotaram o estádio Evandro Almeida, o Baenão, no culto de encerramento das festividades dos 100 anos da AD no Brasil, em Belém do Pará. Segundo o tenente do Corpo de Bombeiros, Esaú Almeida, apesar do grande fluxo de pessoas. o movimento foi muito tranqüilo.

A reunião foi dirigida pelo deputado federal e pastor Ronaldo Fonseca, líder da AD em Taguatinga (DF), e contou com a presença da Mesa Diretora da CGADB, líderes de várias convenções do Brasil e exterior, parlamentares, além de caravanas de várias regiões do Brasil e do Pará. Os jovens e adolescentes também marcaram presença significativa na festividade.

Na abertura do cerimonial, ocorreu a entrada das bandeiras do Brasil, Israel, Suécia, Estados Unidos, Pará, Comieadepa, Assembléia de Deus, CGADB, CPAD e Centenário. Dois jovens entraram carregando uma chama pentecostal. Eles passavam por grupos de outros jovens que corriam pelo gramado representando a disseminação do Evangelho no país. Ainda na abertura dezenas de adolescentes entraram com as bandeiras representando todos os municípios paraenses. Entre eles estava Malcon Souza, 15 anos. Ele não conseguiu esconder a emoção de estar lá. “Fui escolhido para fazer parte deste momento e não é qualquer adolescente que tem este privilégio. Louvo ao Senhor por esta honra”.

Pastor Orcival Xavier, líder da AD em Brasília (DF), fez a leitura oficial no Salmo 100. O juiz Abner Apolinário da Silva entoou o Hino Nacional e o hino 244 da Harpa Cristã. Na sequência, pastor Gilberto Marques saudou aos convencionais, os parlamentares, e a todos os presentes e agradeceu a Deus pela presença do Espírito Santo no Pará. “Nós tivemos um trabalho intenso por todos esses dias, mas eu confesso que estou rejuvenescido. Foi um prêmio do céu a presença da CPAD, CGADB  e dos colegas de todo o Brasil que enriqueceu e muito a festa do Centenário. O nosso coração está jubiloso e Jesus foi em tudo glorificado”, enfatiza o pastor.

O louvor ficou por conta de cantores regionais, três bandas do Estado e os cantores Victorino Silva, Lilia Paz, Marcelo Santos, Alice Maciel, da Patmos Music, e Joe Vasconcelos, dos EUA.

No decorrer do culto, pastor José Wellington Bezerra da Costa, líder da CGADB, falou em nome da entidade e disse que se regozijava no Senhor pelos 100 anos da AD no Brasil. “Deus por sua bondade, pelo seu Espírito, derramou uma copiosa chuva de bênçãos sobre nós. O encerramento foi uma apoteose e parte da igreja permaneceu aqui e ficou com o coração cheio de alegria”, afirma o presidente.

A Palavra foi pregada pelo pastor Joel Freire, líder da Confraceb (EUA).  Ele leu em Gênesis 21.5 e deixou uma palavra de renovo para a igreja. Fez uma comparação da chamada de Deus na vida de Abraão com a chamada de Deus na vida dos missionários Gunnar Vingren e Daniel Berg. “Há 40 anos, a AD era conhecida como um povo ignorante (um Zé povinho). Hoje, 100 anos depois, a AD mostra que conhece Deus que é o dono da Palavra. Creio que estamos começando uma nova etapa na AD e estamos orgulhosos em ser assembleianos e brasileiros”, declarou.

Durante a celebração, o diretor- executivo da CPAD, Ronaldo Rodrigues de Souza, recebeu homenagem pelos anos à frente da editora. “Foi uma festa que reuniu a liderança do Brasil com o objetivo de continuar servindo o Senhor e Salvador Jesus Cristo e a CPAD que faz parte da história da Assembleia de Deus vai continuar a servir a igreja a fim de caminhar por mais 100 anos ou até a volta do Senhor Jesus”, destacou.

Nem a forte chuva que caiu no período da festividade impediu que a o povo de Deus glorificasse e se sentissem honrados por fazer parte de um momento ímpar na história da AD. Para o pastor João Alberto de Almeida, representante do ministério de Madureira, a comemoração do Centenário vem marcar uma história de unção e oração. “Ao longo dos 100 anos são tantas maravilhas que não se pode contar. Esse. O amor permanece no coração dos assembleianos”, conclui.

Para pastor Firmino Gouveia, a emoção e o sentimento não podem ser descritos. “Só os céus podem traduzir o que vai ao meu coração. Não palavras que podem evidenciar a grandeza desta oportunidade. Sou um milagre fui salvo, estou vivenciado o centenário e tive a honra de pastorear a igreja pioneira no Brasil. Portanto, só os céus podem traduzir o que vai ao meu coração. Cem anos não são 100 dias. É muita glória”, declara o pastor Firmino muito emocionado.

Fonte: CPAD News

14/06/2011

Minha filha não serve ao Senhor, diz pai de Katy Perry


De acordo com o jornal New York Post, o pai da cantora Katy Perry, o pastor Keith Hudson esteve na Inglaterra participando de um culto e afirmou que a sua filha não serve ao Senhor.A jovem foi criada dentro da igreja, mas não seguiu a religião de seus pais. Durante este culto Hudson diz que entende os pais que passam pela mesma situação.

“Entendo o fardo de ter uma filha que não serve Deus”, disse.

Ele também falou sobre a polêmica canção interpretada por sua filha que virou um hit, a música “I Kissed a Girl”. “Quando minha filha cantou que havia beijado uma garota e gostado, pensei que meu ministério estava acabado”.

O pastor também revelou que muitas pessoas o questionam sobre a decisão que Katy tomou de seguir outro caminho e ainda compor uma música tão controvérsia aos ensinamentos religiosos que teve.

“Há pessoas que me perguntam o tempo todo como eu criei Katy na igreja por todos esses anos e ela me aparece com uma música dessas”, afirmou. “Eu olho para elas e respondo que não sei.”

A mãe da cantora, Mary Hudson, também já se pronunciou sobre essa canção escrita por Katy Perry. A pastora chegou a dizer que detesta essa música. “Claramente, a música promove a homossexualidade e sua mensagem é vergonhosa e nojenta”, disse Mary na ocasião.

Fonte: Gospel Prime

14/06/2011

Pastor Ricardo Gondim afirma que o Arrebatamento da Igreja é uma utopia


Pastor Ricardo Gondim afirma que o Arrebatamento da Igreja é uma utopia

Um vídeo publicado no Youtube mostra o pastor Ricardo Gondim em uma palestra para pastores, que aconteceu no Ceará em março deste ano, falando que esperar a volta física do Filho de Deus é uma utopia que serve para nos motivar a andar conforme diz a Bíblia.

O líder da igreja Betesda se baseia em um livro de Jurgen Moltmann, “Teologia da Esperança”, que trata a volta de Cristo como um ânimo, uma motivação para que sejamos agentes transformadores da história.

“Cristo volta, mas volta fora da história, portanto é uma utopia. Utopia que se cumpre não é utopia,” diz Gondim que segue explicando essa teoria, dizendo que o retorno de Cristo serve para nos mobilizar, para nos levar a diante.

“Eu creio na volta de Cristo, mas não creio como ‘vem Jesus, oh Vem Jesus!’ Creio como força motivadora, uma esperança que me mobiliza para a ação.”

Ele explica que essa tônica é um horizonte utópico, ou seja, um ideal que te coloca em direção daquilo que a Bíblia diz.

“A volta de Cristo está revelada nas escrituras, não para a gente esperar por Ele. A volta de Cristo está revelada nas escrituras para nos mobilizar a ir na direção daquilo que a volta de Cristo significa, a agirmos, para dizer que o Reino de Deus é chegado entre os homens”.

Fonte: Gospel Prime

%d blogueiros gostam disto: