Archive for dezembro 8th, 2011

08/12/2011

Existe abuso espiritual? Pastor diz que sim e mostra sete formas usadas por líderes cristãos


Ronald M. Enroth é professor de Sociologia na Westmont College

algumas pessoas que se desligaram da Jesus People USA, um grupo religioso dos Estados Unidos, e coletou informações sobre como os pastores faziam pressão psicológica para impedir que o povo deixassem sua congregação.

As atitudes usadas por eles foram marcadas como “abuso espiritual” e foram relatadas em um livro assinado por Ronald que também é sociólogo de religião. Apesar de ser uma pesquisa realizada nos Estados Unidos percebem que muitas dessas atitudes são aplicadas nas igrejas brasileiras para impedir que os membros se desliguem e partam para outros ministérios.

O pastor Enrolth listou no livro “Churches That Abuse”, lançado em 1991, sete formas de abuso espiritual praticado por igrejas evangélicas. Entre elas a distorção da Palavra, a criação de uma liderança autocrática, o sentimento de superioridade em relação ao outros grupos religiosos e o elitismo espiritual.

O pastor Serol, da Igreja Batista da Palavra Viva resumiu As Sete Regas do Abuso Espiritual em seu blog.

Confira:

1) Scripture Twisting (Distorção da Escritura): para defender os abusos usam de doutrinas do tipo “cobertura espiritual”, distorcem o sentido bíblico da autoridade e submissão, etc. Encontram justificativas para qualquer coisa. Estes grupos geralmente são fundamentalistas e superficiais em seu conhecimento bíblico. O que o líder ensina é aceito sem muito questionamento e nem é verificado nas Escrituras se as coisas são mesmo assim, ao contrario do bom exemplo dos bereanos que examinavam tudo o que Paulo lhes dizia.

2) Autocratic Leadership (liderança autocrática): discordar do líder é discordar de Deus. É pregado que devemos obedecer ao discipulador, mesmo que este esteja errado. Um dos “homens de Deus” de uma igreja diz que se jogaria na frente de um trem caso o “Líder” ordenasse, pois Deus faria um milagre para salvá-lo ou a hora dele tinha chegado. A hierarquia é em forma de pirâmide (às vezes citam o salmo 133 como base), e geralmente bastante rígida. Em muitos casos não é permitido chamar alguém com cargo importante pelo nome, (seria uma desonra) mas sim pelo cargo que ocupa, como por exemplo “pastor Fulano”, “bispo X”, “apostolo Y”, etc. Alguns afirmam crer em “teocracia” e se inspiram nos líderes do Antigo Testamento. Dizem que democracia é do demônio, até no nome.

3) Isolationism (Isolacionismo): o grupo possui um sentimento de superioridade. Acredita que possui a melhor revelação de Deus, a melhor visão, a melhor estratégia. Eu percebi que a relação com outros ministérios se da com o objetivo de divulgar a marca (nome da denominação), para levar avivamento para os outros ou para arranjar publico para eventos. O relacionamento com outros ministérios é desencorajado quando não proibido. Em alguns grupos no louvor são tocadas apenas músicas do próprio ministério.

4) Spiritual Elitism (Elitismo espiritual): é passada a idéia de que quanto maior o nível que uma pessoa se encontra na hierarquia da denominação, mais esta pessoa é espiritual, tem maior intimidade com Deus, conhece mais a Biblia, e até que possui mais poder espiritual (unção). Isso leva à busca por cargos. Quem esta em maior nível pode mandar nos que estão abaixo. Em algumas igrejas o número de discipulos ou de células é indicativo de espiritualidade. Em algumas igrejas existem camisetas para diferenciar aqueles que são discípulos do pastor. Quanto maior o serviço demonstrado à denominação, ou quanto maior a bajulação, mais rápida é a subida na hierarquia.

5) Regimentation of Life (controle da vida): quando os líderes, especialmente em grupos com discipulado, se metem em áreas particulares da vida das pessoas. Controlam com quem podem namorar, se podem ou não ir para a praia, se devem ou não se mudar, roupas que podem vestir, etc. É controlada inclusive a presença nos cultos. Faltar em algum evento pro motivos profissionais ou familiares é um pecado grave. Um pastor, discípulo direto do líder de uma denominação, chegou a oferecer atestados médicos falsos para que as pessoas pudessem participar de um evento, e meu amigo perdeu o emprego por discordar dessa imoralidade.

6) Disallowance of Dissent (rejeição de discordâncias): não existe espaço para o debate teológico. A interpretação seguida é a dos lideres. É praticamente a doutrina da infalibilidade papal. Qualquer critica é sinônimo de rebeldia, insubmissão, etc. Este é considerado um dos pecados mais graves. Outros pecados morais não recebem tal tratamento. Eu mesmo precisei ouvir xingamentos por mais de duas horas por discordar de posicionamentos políticos da denominação na qual congregava. Quem pensa diferente é convidado a se retirar. As denominações publicam as posições oficiais, que são consideradas, obviamente, as mais fiéis ao original. Os dogmas são sagrados.

7) Traumatic Departure (saída traumática): quem se desliga de um grupo destes geralmente sofre com acusações de rebeldia, de falta de visão, egoismo, preguiça, comodismo, etc. Os que permanecem no grupo são instruídos a evitar influências dos rebeldes, que são desmoralizados. Os desligamentos são tratados como uma limpeza que Deus fez, para provar quem é fiel ao sistema. Não compreendem como alguém pode decidir se desligar de algo que consideram ser visão de Deus. Assim, se desligar de um grupo destes é equivalente a se rebelar contra o chamado de Deus. Muitas vezes relacionamentos são cortados e até familias são prejudicadas apenas pelo fato de alguém não querer mais fazer parte do mesmo grupo ditatorial.

Texto extraído do blog Verbo com Vida

08/12/2011

Governo do Irã lança campanha para “aniquilar todos os judeus do mundo”


O aiatolá Ali Khamenei

Em meio à controvérsia internacional sobre se Israel deve ou não atacar o programa nuclear iraniano, os governantes da República Islâmica do Irã decidiram “atualizar” o seu objetivo estratégico de “varrer Israel do mapa”. Agora eles divulgaram oficialmente pela primeira vez que seu plano está mais ambicioso: aniquilar todos os judeus do mundo. Para alcançar o seu novo objetivo, decidiram usar uma conhecida há séculos, o antissemitismo.

Duas semanas atrás, os aiatolás (líderes religiosos muçulmanos) de Teerã e Qom desencadearam uma virulenta campanha antissemita em seus sermões. Um novo livro e um filme serão usados para ampla distribuição desses ideais. A ordem partiu do líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei.

O material produzido pelo governo iraniano se baseia amplamente no antigo livro de ficção “Os Protocolos dos Sábios de Sião” para acusar os judeus e seus rabinos de conspirarem para corromper e governar o mundo.

Com o título “Como Israel deve ser destruído”, a obra de sete capítulos foi agraciada com o prêmio de melhor livro na feira do livro de Khorassan, em setembro, e agora será distribuída em todo o país.

Seus autores são identificados apenas como “seminaristas da cidade sagrada de Qom”. Eles basicamente estabelecem táticas para destruir Israel e os judeus do mundo. Em sua argumentação, citam o Alcorão, bem como os “sábios de Sião” para falar sobre “a visão de mundo judaica”, afirmando que a perseguição dos judeus ao longo dos séculos, inclusive o Holocausto nazista, foi uma “justa punição por seus crimes”.

São mencionados trechos do Alcorão que recomendam aos muçulmanos a ficarem longe dos judeus, por causa de sua “natureza pérfida e enganadora”. O livro lembra muitas das ideias do aiatolá Khomeini, grade opositor de Israel que liderou a revolução islâmica do Irã em 1979.

O editor do livro, Hojjat-ol-Eslam Mohammad Ebrahim-Nia, salienta que a publicação tem a força de um fatah (decreto religioso) e é obrigatória para todo muçulmano.

Ele acrescenta: “Apesar de todos os esforços para destruir este estado “criminoso”, ele continua existindo e, sob o disfarce do sionismo, continua seu ataque perverso ao Islã.

O filme antissemita “The Sabbath Hunter” não é novo, mas foi um fracasso com o público de cinema iraniano, possivelmente por ter poucos efeitos especiais como os filmes americanos. Agora, o líder supremo ordenou que ele seja exibido obrigatoriamente em todas as universidades do país. Os responsáveis por sua distribuição são os estudantes Basij, que invadiram a embaixada britânica em Teerã recentemente.

Assista:

Fonte:  Gospel Prime de Israel Insider

08/12/2011

Marcelo Crivella diz que não tem acordo para aprovação da PL122


O senador Marcelo Crivella (PR-RJ) disse na última terça-feira, 6, que não há acordo da parte dos evangélicos em aprovar o texto do Projeto de Lei 122/2006 que criminaliza toda opinião contrária ao homossexualismo. O texto redigido por Marta Suplicy (PT-SP) teve uma alteração que isenta os cultos religiosos das punições criminais, mas mesmo assim o senador evangélico é contra.

“A senadora Marta [Suplicy] disse que havia construído um acordo. Nós gostaríamos de terminar com o projeto e construir um novo texto, mas ela insistiu com emendas, que melhoraram [o texto], mas não há acordo. Se for para colocar em votação, nós votaremos contra”, disse ele.

Crivella tentou juntamente com Marta, montar um novo projeto que tornasse crime a discriminação por qualquer orientação sexual e não só com homossexuais, mas as tentativas não deram certo.

Marta incluiu no texto um trecho do artigo, que penaliza as opiniões contrárias à prática homossexual, que a pena “não se aplica à manifestação pacífica de pensamento decorrente da fé e da moral fundada na liberdade de consciência, de crença e de religião”.

O texto deve ser votado na próxima quinta-feira, 8, se for aprovado ele deve ser avaliado pela Comissão de Constituição e Justiça e, na sequência, pelo plenário. Apenas se for aprovado terá que voltar à Câmara dos Deputados para passar por nova votação.

Fonte: Agência Senado

08/12/2011

Jovens da Igreja da Graça evangelizam através de flash mob


Jovens da Igreja da Graça evangelizam através de flash mob

Um grupo de jovens da  Igreja Internacional da Graça de Deus organizou em São Paulo o 1º Flash Mob Gospel 2011. O Flash Mob é uma mobilização onde um grupo de pessoas apresentam um coreografia em locais públicos.

Com a intenção de evangelizar através dessa arte, esses jovens ensaiaram durante 40 horas e foram até o centro da capital paulista para se apresentar. A apresentação foi filmada e divulgada na internet.

Um jovem inicia dançando sozinho, em seguida os outros participantes vão se aproximando e começam a formar um grande grupo ao som da canção “Sonho de Cristo” da cantora Aline Barros.

No vídeo vemos a apresentação que aconteceu na Rua Barão de Itapetininga, mas o grupo também se apresentou na Praça da Sé e na Rua Direita.

Fonte: Gospel Prime

08/12/2011

Igreja Católica faz mega campanha para alcançar fiéis afastados


Igreja Católica faz mega campanha para alcançar fiéis afastados

A Igreja Católica Romana deseja que todos os católicos voltem a frequentar a igreja. Por isso, resolveu usar maciçamente a TVcom anúncios no horário nobre.

Uma organização norte-americana sem fins lucrativos fez uma parceria com dioceses de todo o país para lançar um grande esforço nacional de “evangelização”. Seu principal investimento serão quase US$ 4 milhões em anúncios nas principais emissoras de TV. Eles serão veiculados em todos os Estados Unidos entre 16 de dezembro e 8 de janeiro.

Esta é a primeira campanha publicitária nacional desse tipo na história da Igreja Católica americana, afirma Tom Peterson, presidente da ONG Catholics Come Home com sede em Roswell, Georgia. O objetivo é alcançar não apenas os católicos afastados, mas também atrair pessoas que nunca pertenceram a uma igreja e que podem estar procurando ajuda espiritual.

“Os anúncios vão ao ar mais de 400 vezes durante três semanas em grandes redes como CBS e NBC e canais de TV a cabo como a TNT e CNN. Os telespectadores serão convidados a “voltar para casa” durante o período de festas e Ano Novo”, explica Peterson.

Os comerciais de 30 e de 60 segundos serão transmitidos em Inglês e Espanhol. Estima-se que 250 milhões de pessoas, em mais de 10.000 cidades serão atingidos.

Essa mesma campanha já foi usada no passado, mas apenas em algumas regiões, como Seattle, Omaha, Nebraska, e Rode Island. A igreja acredita que conseguiu atrair de volta algumas centenas de milhares de pessoas.  O objetivo da campanha nacional é “trazer mais de um milhão de pessoas de volta para a fé católica”, acredita o líder da ONG.

Cerca de 65 milhões de pessoas identificam-se como católica nos EUA.  Mas, de acordo com dados de uma pesquisa recente do Centro de Pesquisa Aplicada ao Apostolado, somente 33% católicos vão à missa semanalmente. Isso significa que 42,7 milhões, ou dois terços dos católicos americanos não vão à missa. É esse o público que a campanha deseja alcançar. Nos últimos anos os as igrejas católicas foram abaladas por uma sucessão de escândalos por causa das acusações de pedofilia contra dezenas de padres e bispos.

Peterson lembra o americano comum passa, em média, 38 horas por semana usando a TV e a Internet.  ”Empresas como Coca-Cola, Microsoft, IBM sempre usaram publicidade para promover um produto. Faz sentido que os cristãos fiéis utilizem meios modernos para promover a coisa mais importante no mundo, e que é a fé em Jesus Cristo. ”

O comercial da ONG americana foi traduzido em diversas línguas e foi exibido no Brasil alguns anos atrás.

Relembre no vídeo abaixo.

Fonte: Gospel Prime de MSN

%d blogueiros gostam disto: