Archive for dezembro 19th, 2015

19/12/2015

Tradutores de Bíblia estão sendo presos e mortos em países muçulmanos, afirma ONG


Tradutores da Bíblia também tem sido submetidos a uma intensa perseguição em algumas partes do mundo,

Tradutores da Bíblia também tem sido submetidos a uma intensa perseguição em algumas partes do mundo,

Tradutores da Bíblia também tem sido submetidos a uma intensa perseguição em algumas partes do mundo, segundo revelou a Wycliffe Associates, organização que promove a tradução das Escrituras Saradas em diversas línguas.

Ao iniciar novos projetos de tradução de Bíblias este ano, muitos dos tradutores da organização enfrentaram duros desafios, particularmente em países predominantemente muçulmanos.

Na Índia, o grupo relatou que um tradutor foi arrancado de sua casa durante a madrugada e levou 17 tiros. Na mesma semana, 16 casos de tradutores presos e torturados foram registrados.

Outros tradutores têm enfrentado situações inexplicáveis. O líder de uma oficina de tradução no Sudeste Asiático perdeu a voz misteriosamente, enquanto um número significativo de participantes da oficina ficou doente. Um jovem tradutor do mesmo grupo também morreu enquanto cochilava durante o workshop.

De acordo com Bruce Smith, presidente da Wycliffe, o que os tradutores estão vivendo é uma parte esperada da guerra espiritual. Por outro lado, ele expressou alegria pelo fato de o grupo ter lançado 203 projetos de tradução em todo o mundo, dentro de um ano.

“Eu estava empolgado para testemunhar a Deus em um trabalho como este. Estávamos frustrados diante das nossas próprias forças. Mas quando oramos, quando reconhecemos o poder de Deus, Deus abre as portas”, disse Smith.

Atualmente, a organização está envolvida em um grande esforço chamado “Visão 2025”, um plano para ter a Bíblia traduzida em todas as línguas do mundo até 2025.

19/12/2015

Ex-feminista pede perdão aos cristãos por promover “beijaço gay” em frente à igreja


Uma das ativistas do movimento feminista Bastardxs, que promoveu um “beijaço gay” em frente à Igreja da Candelária, no Centro do Rio, se arrependeu do ato e pediu perdão aos cristãos, em um vídeo divulgado no YouTube nesta terça-feira (15).

Na ocasião, Sara Winter se colocou em frente a uma cruz seminua junto com sua amiga Bia Spring. As duas se beijaram e também proferiram palavras em repúdio ao discurso do candidato à presidência Levy Fidelix (PRTB) sobre a comunidade LGBT.

Imagem redimensionada“Pedir desculpas com certeza não é um ato fácil, mas é um ato louvável e de muita coragem”, desabafa Sara. “Nós exageramos muito e acabamos ofendendo muitas pessoas religiosas e não religiosas por conta desse protesto.”

Arrependida, Sara se classifica hoje como uma ex-feminista. Há menos de três meses a jovem de 23 anos deu à luz a seu primeiro filho, passou a se denominar pró-mulher e é contra o ato de abortamento. Nesta semana, traz a público seu livro digital “Vadia, Não! Sete Vezes que Fui Traída pelo Feminismo”, onde a ex-ativista relata a desilusão com o movimento por igualdade de gênero.

Após a maternidade, a ex-ativista conta que passou a valorizar mais sua vida espiritual. “Eu também tento seguir na minha vida os Dez Mandamentos, e para mim não existe nada mais lindo do que isso na face da terra. E eu gostaria que todos os seres humanos tentassem, seguir é muito difícil, mas tentassem seguir todos os dias”.

No entanto, o ponto-chave para o arrependimento foi durante uma ação social com crianças de uma comunidade carente, quando uma delas orou durante uma brincadeira.

“Isso me fez pensar em como as pessoas devem ter se sentido quando eu fiz essa blasfêmia no ano passado. Elas devem ter se sentido muito mal, muito bravas, muito magoadas, e eu entendo. É muito difícil a gente sentir empatia pelas pessoas, mas eu sinto agora e peço o seu perdão”, disse Sara. “Mesmo eu tendo demorado um pouco eu venho pedir perdão a todos os cristãos e todas as pessoas que eu tenha ofendido com esse protesto.”

Veja o Vídeo:

19/12/2015

Pastor canadense é condenado à prisão perpétua na Coreia do Norte


Pastor canadense é condenado à prisão perpétua na Coreia do Norte

Pastor canadense é condenado à prisão perpétua na Coreia do Norte

Um pastor canadense acusado de atividades subversivas foi condenado nesta quarta-feira na Coreia do Norte à prisão perpétua com trabalhos forçados, o último de uma série de missionários estrangeiros detidos por se intrometer nos assuntos do país, segundo autoridades.

Hyeon Soo Lim, nascido na Coreia do Sul, atuava em Toronto como pastor da Igreja Presbiteriana Coreana da Luz.

“O acusado Lim reconheceu todas as acusações apresentadas contra ele, entre elas a difamação viciosa de nosso sistema e de nossa suprema dignidade, assim como conspirar para derrubar o nosso Estado”, indicou a agência oficial norte-coreana, KCNA.

Segundo a agência, o promotor havia pedido à Suprema Corte que pronunciasse a pena de morte, alegando que os crimes do pastor mereciam “a punição mais severa”. Finalmente, o tribunal rejeitou sua recomendação.

Lim foi detido pelas autoridades norte-coreanas em janeiro depois de chegar da China. Segundo sua igreja em Toronto, estava no país em missão humanitária e já o havia visitado em várias ocasiões para trabalhar em orfanatos e residências de idosos.

Em agosto, a Coreia do Norte publicou um vídeo no qual Lim aparecia em uma missa na igreja Pongsu de Pyongyang confessando seus crimes diante de uma pequena congregação na qual também havia estrangeiros. “Cometi o pior crime de todos, insultar e difamar a dignidade e a dirigência da república”, dizia Lim no vídeo.

Os cidadãos estrangeiros detidos na Coreia do Norte são obrigados, em geral, a confessar publicamente seus crimes, seguindo um roteiro muito elaborado, para obter eventualmente sua liberdade.

“O julgamento demonstrou novamente o destino miserável que pessoas como Lim aguardam, seguidores dos regimes americano e sul-coreano, que sem cessar tentam aniquilar nosso sistema socialista e difamam a suprema dignidade de nossa república sagrada”, acrescentou a agência KCNA.

A condenação de Lim também ocorre depois do fracasso de incomuns negociações de alto nível entre as duas Coreias, que tinham por objetivo melhorar a relação bilateral.

Desconfiança com religiosos

O regime comunista de Pyongyang encara com muita desconfiança os missionários estrangeiros, embora autorize alguns a trabalhar em missões humanitárias.

Nos últimos anos vários religiosos cristãos foram detidos, em sua maioria americanos de origem coreana. Alguns puderam retornar, graças à intervenção de políticos americanos de primeiro nível.

A liberdade religiosa está contemplada na Constituição norte-coreana, mas na prática é inexistente. As atividades religiosas estão estritamente reguladas e limitadas a organizações reconhecidas pelo governo.

Os religiosos estrangeiros detidos na Coreia do Norte se expõem a elevadas penas de prisão, ou podem servir também de moeda de troca para obter concessões ou a visita de algum importante representante estrangeiro.

Assim, em novembro de 2014, Kenneth Bae, um cidadão americano de origem coreana, assim como Lim, foi libertado depois de ser condenado a 15 anos de trabalhos forçados.

Este missionário evangélico foi condenado por conspirar contra o regime norte-coreano. Foi libertado junto a outro americano ao término de uma missão secreta efetuada em Pyongyang pelo chefe da inteligência americana, James Clapper.

Um missionário sul-coreano detido na Coreia do Norte em outubro de 2013, Kim Jeong-Wook, cumpre atualmente uma condenação de prisão perpétua a trabalhos forçados.

Fonte: AFP

%d blogueiros gostam disto: