Archive for ‘Homens de Deus’

13/01/2017

Um cristão pode perder a salvação?


salvacao

Pergunta: “Alguém que se arrependeu de seus pecados, converteu-se a Jesus e experimentou o novo nascimento pode perder sua salvação?

Resposta: Não, é impossível perder a salvação! No contexto geral, e em muitas passagens individuais, a Bíblia fala tão claramente sobre a eterna bem-aventurança de um filho de Deus, que não é possível que em outras passagens anule a garantia de salvação eterna. Se alguns versículos deixam dúvidas, devem significar algo diferente. Lendo atentamente essas passagens críticas, e observando o contexto geral das Escrituras, teremos o entendimento correto de seu sentido.

Somos salvos única e exclusivamente pela pessoa de Jesus Cristo. Lemos em João 17.19, na conhecida oração sacerdotal de Jesus: “E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados na verdade”. Isso significa que todo aquele que crê em Jesus é santificado em Sua santificação – pela sua posição “em Cristo”. Portanto, uma pessoa que se tornou crente assumiu sua posição em Cristo. Ela passa a ser vista por Deus, o Pai, na posição de Seu Filho. Jesus deu Sua vida perfeita pelos pecadores, para que a vida deles pertencesse ao Pai. Ele é a base e o fundamento. Se alguém se torna crente, nascendo de novo, sua vida é transferida para a vida de Cristo, e esta jamais pode ser perdida. Por isso, Jesus ora na oração sacerdotal de forma muito concreta: “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste…” (Jo 17.24). Todos os que nasceram de novo são dados ao Filho pelo Pai. Estarão com o Filho e ficarão para sempre com Ele e verão a Sua glória. Esse grupo de pessoas é a Sua Igreja, um só corpo, inseparável e indivisível.

A declaração de João 6.37-39 aponta nessa mesma direção: “Todo aquele que o Pai me dá, esse virá a mim; e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora. Porque eu desci do céu, não para fazer a minha própria vontade, e sim a vontade daquele que me enviou. E a vontade daquele que me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia”. Se um nascido de novo pudesse perder sua salvação, entendo que isso seria uma afronta ao sacrifício de Jesus na cruz. A doutrina que ensina que o crente pode perder a salvação tira a honra de Jesus e faz com que a graça deixe de ser graça. Em relação à obra completa de Jesus, é da vontade do Pai que não se perca ninguém que veio a Cristo e pertence a Ele. Jesus consumou uma vitória plena, e Seu triunfo consiste em termos sido resgatados do inimigo de uma vez por todas e agora pertencermos ao Seu reino.

O apóstolo Paulo escreve em Romanos 8.38-39: “Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor”. Esse é o amor experimentado pelos salvos. Não é o amor de Deus por todos os homens em geral, mas o Seu amor por aqueles que encontraram a Cristo. Não existe argumento mais evidente e mais abrangente! A expressão “nem a morte, nem a vida”, inclui tudo o que possa ter alguma influência na nossa vida. Uma pessoa realmente renascida não pode se separar de Deus; isso só é possível para alguém que não nasceu de novo, mesmo que aparente ser cristão. Na vida ou na morte nada poderá nos acontecer que esteja fora da esfera da vontade de Deus. Mesmo no mundo dos espíritos não há poder ou potestade que exerça alguma influência que nos separe de Jesus. Não há acontecimento, presente ou futuro, que possa nos separar do Senhor. Nem mesmo o poder do pecado, nada que seja elevado ou profundo, nem qualquer criatura tem esse poder de nos separar do amor de Deus. Por que não? Porque a obra do Gólgota transcende a tudo. Lemos em Romanos 8.34: “Quem os condenará? É Cristo quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós”.

A salvação eterna não está baseada em nossas obras, mas somente na graça. Tomemos como exemplo o direito civil: você nasceu num país e é cidadão desse país. Você não fez nem poderia ter feito qualquer coisa para receber sua nacionalidade. Se não obedecer às leis do país, poderá ser punido, mas sua cidadania não poderá ser questionada. Você pode perder muitas coisas: sua liberdade, dinheiro, trabalho, casa e bens, mas não sua cidadania. Portanto, a graça deixaria de ser graça se um filho de Deus pudesse perder sua salvação. Se colocamos em dúvida a segurança da salvação eterna, estamos outra vez dentro do círculo vicioso da justificação pelas obras, e aí ninguém poderia ter certeza de sua salvação.

Em Efésios 2.8-9 está escrito: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie”. A graça de Deus é o único fundamento para sermos e estarmos salvos. Sempre que se tratar do pacote do presente da salvação eterna, é a graça que o torna possível. Se pudéssemos nos perder depois de termos sido salvos, teríamos de ganhar nossa certeza de salvação pelas nossas obras.

William MacDonald escreve: “O único caminho em que Deus podia dar uma firme salvação ao homem era pela graça, por meio da fé. Salvação pela graça significa que tudo reside em Deus e nada depende do homem. Mas se tudo repousa unicamente em Deus, não há falha”. No que diz respeito à graça e à salvação, Jesus Cristo é o Autor e Consumador da nossa fé. Lemos em Hebreus 12.2: “olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus”, e em Filipenses 1.6: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus”. (Norbert Lieth)

Por: Chamada da meia Noite

26/06/2015

Ex-gays contam suas histórias na Câmara a convite de Marco Feliciano


xjoide-miranta-300x200.jpeg.pagespeed.ic.nDNdmtVoVUMarco Feliciano (PSC-SP) realizou na Comissão de Direitos Humanos da Câmara desta quarta-feira (24) uma sessão para ouvir oito pessoas que abandonaram a prática homossexual e alguns especialistas no assunto.

A audiência pública convocada pelo parlamentar com pastores e psicólogos para debater a vida de quem deixa de ser gay tem o objetivo de combater o preconceito sofrido por aquelas pessoas que decidiram não ser mais gays.

Para a audiência foram convidados três pastores, uma missionária, dois psicólogos, um estudante de teologia, e uma estudante de psicologia. Além dos convidados, durante a sessão representantes do Conselho Federal de Psicologia (CFP) distribuíram um material sobre o posicionamento da entidade.

O CFP proíbe os profissionais da área de abordarem o tema. Durante a audiência, o vice-presidente do órgão, Rogério de Oliveira Silva, lembrou que o conselho proíbe os psicólogos do país de tratar de casos de homossexualidade, sob ameaça de punição da entidade.

Alvo do movimento gay desde 2013, quando foi presidente da CDHM, Feliciano é pastor evangélico e sua intenção é debater o posicionamento das pessoas convidadas sobre a questão e os problemas por elas enfrentados na sociedade.

No depoimento dos convidados todos apontaram abusos sexuais e abandono como causas por terem desenvolvido o comportamento homossexual e defenderam que as pessoas que deixaram a prática homossexual tomaram tal decisão por estarem certas de que não nasceram gays.

Os convidados também reclamaram da dificuldade de conseguir ajuda, tanto psicológica quanto médica, para tratar seus casos quando decidiram mudar de orientação sexual.

O pastor, professor e radialista Arlei Lopes Batista, afirmou que mesmo nas igrejas encontrou dificuldades para conseguir ajuda. “Eu encontrei a fé cristã e meu início foi muito difícil porque ela também não está preparada para essa acolhida”, disse

Fonte: Gospelprime

20/09/2013

Assessoria de Marco Feliciano divulga vídeo de beijo gay durante culto


Assessoria de Marco Feliciano divulga vídeo de beijo gay durante cultoA assessoria do deputado federal, pastor Marco Feliciano, divulgou em seu canal do Youtube o exato momento em que duas jovens são presas no domingo (15), durante o Glorifica Litoral, depois de se beijarem. Ao contrário do que foi mostrado pela imprensa, as jovens foram erguidas por seus amigos e começaram a se beijar com a intenção de provocar o pastor.

O locutor do evento chegou a alertar aos presentes que pela lei o local de culto é protegido e que a polícia estava ali para intervir em qualquer manifestação que tivesse o objetivo de prejudicar a reunião religiosa.

As jovens aparecem se beijando entre os fiéis enquanto o pastor se preparava para iniciar a pregação. Joana Palhares, de 18 anos, e Yunka Mihura, de 20, foram retiradas pela Polícia Militar e depois de serem levadas à delegacia passaram a afirmar que foram agredidas pelos policiais.

Para o colunista da Veja, Rodrigo Constantino, o episódio mostra que os homossexuais são os mais intolerantes. O jornalista também afirma que o beijo não foi inocente, mas que as garotas foram até o local de culto com a intenção de “chocar”, “prejudicar” e “avacalhar” o culto evangélico.

Rodrigo afirma que muitos do movimento gay se julgam acima da lei e que se a situação fosse contrária, se Feliciano fosse para uma parada gay se manifestar contra a homossexualidade, certamente seria hostilizado.

“Infelizmente, o movimento gay não parece mais lutar por direitos, e sim por uma agenda coletivista, autoritária e intolerante. São os “fascistas do bem”. Julgam-se detentores de uma causa tão nobre que não enxerga mais indivíduos do outro lado, e não quer saber de limites, nem mesmo os legais”, escreveu Rodrigo.

O colunista também afirma que Feliciano representa milhares de eleitores e milhões de crentes evangélicos e que estes merecem respeito. “O movimento gay precisa entender isso. Caso contrário, vai apenas prejudicar os gays que querem apenas preservar sua liberdade individual, sem, todavia, impor essa agenda política de intolerância”, escreveu.

O pastor Marco Feliciano desabafou no Twitter dizendo que só “fazem isso contra evangélicos porque somos pacatos, de paz…”. Silas Malafaia também criticou a atitude das ativistas e disse que as jovens mereciam ser presas.

Assista:

 

18/09/2013

Biografia de cristão lidera as bilheterias e é forte candidato ao Oscar


Eugene Allen pode ser um nome desconhecido da história. Contudo, um mordomo negro que serviu durante 34 anos na Casa Branca, conviveu de perto com 8 presidentes diferentes, certamente tem muitas histórias para contar.

 

Desde o tempo de Harry Truman na década de 1950, quando os negros ainda sofriam segregação, até Barack Obama, o primeiro presidente negro, ele era uma testemunha privilegiada dos acontecimentos mais importantes da história.

 

Nascido em 1919, Allen viu seu pai ser assassinado por causa da cor. Ele teve uma vida pessoal sofrida e morreu em 2010. Essa história só ficará conhecida da maioria das pessoas este ano. Sua biografia foi adaptada para o cinema no longa “The Butler” [O Mordomo], que está por três semanas em primeiro lugar nas bilheterias americanas. O sucesso imediato é confirmado pelo fato de já estar sendo apontado como o principal candidato ao Oscar de 2014.

 

No elenco, Forest Whitaker vive o mordomo e Oprah Winfrey interpreta sua esposa, Gloria. Dirigido por Lee Daniels, o elenco conta ainda com nomes de peso como Jane Fonda, Cuba Gooding Jr, Robin Williams e o cantor Lenny Kravitz.

 

O que chega as telas, porém, não é um relato totalmente biográfico do neto de escravos que chegou a ser o chefe dos empregados da Casa Branca. Renomeado como Cecil Gaines, o mordomo retratado é apenas inspirado na biografia de Eugene Allen. Embora seja uma verdadeira aula de história política, outro aspecto importante de sua vida foi suprimido.

 

Durante quase 60 anos, Eugene Allen foi um membro fiel da Primeira Igreja Batista de Washington, serviu como diácono. Era visto por todos como um homem humilde e de muita fé. Os obreiros da igreja predominantemente negra que conviveram com ele, o descrevem como um “pacificador”. Dedicado, além de recepcionar todo domingo as pessoas que chegavam para o culto, ele arregaçava as mangas e ajudava na cozinha quando haviam jantares especiais.

 

O pastor Robert Hood, que conviveu com Allen declarou: “Ele não foi apenas um serviçal na Casa Branca… também estava fazendo o trabalho do Senhor.”

 

O sucesso nas bilheterias da produção que custou 30 milhões de dólares já arrecadou quase 100, se deve, em parte, aos membros das igrejas de negros americanas. Um trabalho especial de divulgação foi feito para mostrar o lado “religioso” da película.

 

No filme, Cecil e Gloria Gaines são retratados como um casal cristão, com um crucifixo sobre a cama e que leem a Bíblia. Mas o filme faz apenas uma abordagem política, mostrando os duros tempos da segregação racial, passando pela luta dos direitos civis dos negros e lembrando como foi o governo de oito presidentes.

 

O diretor Lee Daniels, que foi criado numa família evangélica, disse que era importante para o filme incluir elementos religiosos. Ele disse que lutou para incluir uma cena que mostra o mordomo num jantar da igreja na qual um coro canta um hino. “Você não pode contar uma história sobre o movimento dos direitos civis, sem a música gospel e os pastores negros”, disse ele. “Isso é impossível”.

 

O filme acaba sendo atrativo para os cristãos, pois mostra uma mensagem positiva de alguém que compartilhava de sua fé, mas está longe de ser um filme “gospel”. Por isso, grupos cristãos questionam por que o estúdio que produziu o longa suprimiu em grande parte a importância da fé de Allen.

 

Talvez como resposta a isso, a empresa The Weinstein Co., contratada para a campanha publicitária, elaborou inclusive um “guia espiritual”, para ser usado pela igrejas interessadas. O material faz um paralelo de temas do filme com reflexão e passagens das Escrituras. O guia afirma em sua introdução: “O objetivo é ajudar a relacionar a comovente história de Cecil Gaines às nossas próprias histórias pessoais enquanto nos esforçamos para viver uma vida cristã mais autêntica.”

 

Até mesmo um trailer diferenciado foi produzido para ser divulgada pela mídia cristã, onde a trilha é uma balada gospel e mostra Whitaker orando na igreja com o áudio “Acho que Deus estava cuidando de nós”. As informações são de Religion News e Washington Post.

 

O filme ainda não tem previsão de estreia no Brasil.

Assista o trailer:

18/09/2013

Evangélico comanda presídio e unidade se torna modelo


Evangélico comanda presídio e unidade se torna modelo O presídio de Sapé, cidade localizada a 55 km de João Pessoa, na Paraíba, é dirigido por Antônio Silva Neto, 46 anos, evangélico da Igreja Universal o Reino de Deus que tem feito da unidade um modelo de gestão para todo o Estado.

Silva Neto implantou um modelo de qualificação para os detentos e o método tem gerado tantos resultados que o presídio passou a ser referência e o diretor tem viajado para diversas cidades brasileiras para palestrar sobre administração prisional.

Mas antes de chegar ao sucesso profissional, o evangélico passou por momento de muito sofrimento, um tiro acidental tirou a vida de sua esposa e por este motivo, ele como policial militar, foi condenado a 15 anos e 8 meses de prisão.

Nascido em Patos, também na Paraíba, Silva Neto teve bom comportamento e logo teve a pena reduzida para o regime semiaberto passando a trabalhar como vigilante da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) e em 2011 passou a atuar como diretor da cadeia pública em Sapé.

“Fui muito criticado por colegas que integram a Segurança, mas, graças a Deus, venho desempenhado meu trabalho com sucesso e isso me fez ser convidado para participar de seminários e palestras no país e até mesmo na Bolívia, abordando o modelo de administração prisional”, diz.

Em Sapé os presidiários podem terminar o ensino fundamental ou médio e também participar de cursos de culinária, pintura, artesanato e outros. Fora isso, o presídio de Silva Neto é o que tem o menor índice de reincidência. “De 100 presos liberados, apenas dois retornam”, diz. Com informações Portal Correio e Eu sou a Universal.

Assista ao vídeo onde o diretor do presídio de Sapé comenta sobre seu trabalho modelo:

 

18/09/2013

Silas Malafaia comenta prisão de lésbicas durante culto de Feliciano


Silas-Malafaia 1O pastor Silas Malafaia escreveu um texto em seu site Verdade Gospel comentando sobre a prisão de duas jovens que foram presas por se beijarem durante a pregação do pastor Marco Feliciano no último domingo (15) na cidade de São Sebastião, litoral de São Paulo.

Feliciano percebeu a movimentação dos ativistas, uma das jovens era a organizadora do “beijaço gay” que pedia a saída do pastor da Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara (CDHM), e pediu para que a polícia retirassem as jovens que estavam desrespeitando o local de culto.

Para Malafaia a atitude mostra que o ativismo gay é intolerante e não sabe respeitar quem diverge de suas práticas. O pastor também criticou a atitude da imprensa que, ao noticiar o caso, tomou partido colocando o deputado como o grande vilão da história.

Para o apresentador do Programa Vitória em Cristo o caso não foi encerrado da forma como se deveria, pois baseado na lei as jovens cometeram um crime e mereciam ser presas.

“Essas duas lésbicas mereciam ir para a cadeia porque cometeram dois crimes. Um, contra a lei maior, a Constituição Brasileira, que no artigo 5º, no inciso 6″, diz ele citando o trecho que garante a proteção do Estado ao local de culto. O segundo crime seria o de perturbar e escarnecer o local de culto como está previsto no Artigo 208 do Código Penal.

“Isto é apenas um pequeno sinal do que eles desejam impor à sociedade e o que eu lamento é que ainda tem muitos pastores e cristãos que estão na cegueira espiritual e não conseguem ver a trama diabólica para nos obrigar a aceitar suas práticas.”

18/09/2013

Cláudio Duarte lança canal no YouTube


Cláudio Duarte lança canal no YouTube Cláudio Duarte, pastor conhecido por suas palestras sobre sexualidade e por usar o humor para atrair a atenção do público ao explicar valores cristãos, divulgou através das redes sociais que está estreando um canal no YouTube que se chamará “Um pastor cheio de graça”.

Auxiliar da Igreja Batista Monte Horebe em Campo Grande, Rio de Janeiro, o extrovertido pastor promete abordar temas polêmicos com a mesma linguagem engraçada usada em suas palestras. Enquanto vários de seus vídeos são compartilhados pelas redes sociais, e multiplicam-se os convites de igrejas, ele pretende alcançar mais pessoas através dos vídeos publicados na internet.

“Toda a segunda às 11 da manhã um novo vídeo estará sendo postado. Compartilhe com suas redes sociais. Diversos temas estarão sendo abordados, polêmicos, é verdade. Mas de uma forma bem divertida, bem extrovertida. Com certeza vale a pena estar conosco participando e principalmente compartilhando com suas redes sociais”, disse o pastor.

Na estreia do novo projeto Duarte fez comentários engraçados sobre o tema “Cerveja zero” e foi enfático ao afirmar que é totalmente contra o consumo de cerveja, mas destacou que não pode considerar pecado, pois a Bíblia condena a embriaguez e não o consumo.

Assista:

10/09/2013

Assembleia de Deus investe dízimos na construção de casas para membros sem moradia


casa-para-membros-ad-100x70Fábio Mendonça é o pastor da Assembleia de Deus Ministério Lagoinha, em Araruama, Rio de Janeiro. Quando não está cuidando do seu rebanho, ele é sargento da Polícia Militar da 25ª CIA, em Cabo Frio.

Sua igreja tem cerca de 200 membros e tem chamado atenção por fazer um investimento surpreendente: usar dízimos e ofertas para construir casas para os membros em condições de vulnerabilidade social. Além disso,a igreja possui duas vans que transportam os membros que moram em lugares como Regamé, Km 30, Rio do Limão e Fazendinha.

Andréa Silva Rocha, que recebeu uma das casas comemora: “Fui amparada na hora que mais precisei, hoje tenho a segurança de um lar”.

O pastor Fábio Mendonça diz que em seu trabalho na Polícia Militar ele adquiriu experiência na área de projetos. Percebendo a necessidade de outros irmãos carentes, decidiu ajudar a cavar a fundação das casas.

Ele conta que a igreja no princípio se assustou com a ideia, mas logo começou a participar ativamente. O critério para a entrega é “o grau de dificuldades das pessoas”, explica.

Foram construídas quatro casas onde os dízimos e ofertas custearam a obra. Além do pastor, três pedreiros ajudam nas construções trabalhando voluntariamente durante os finais de semana. No momento, estão sendo construídas quatro quitinetes, que devem ficar prontas até o dia 12 de outubro.

As primeiras beneficiadas deverão ser as duas senhoras que hoje estão alojadas na igreja, uma delas dorme no gabinete pastoral e a outra na “salinha das crianças”.  O pastor diz que não pede dinheiro, mas tem conseguido pagar as contas. “Acredito que quando o trabalho é direito, o Espírito Santo se encarrega de mover o coração das pessoas ao desejo de ofertar. E assim foi: um membro doou mil tijolos, outro duas pias…”, conta.

Mas a iniciativa não é isenta de criticas “Alguns pastores me perguntaram se eu não estava “arrumando” muito trabalho. Se Deus pensasse no trabalho que o ser humano dá a Ele em relação à desobediência a seus princípios, não teria feito o mundo. Tudo que fazemos na vida pode nos gerar problemas, você não compra um carro, por exemplo, pensando que o pneu pode furar um dia, mas no benefício que você vai ter com o veículo”, desabafa.

Por fim, ele deixa um “recado” para os líderes evangélicos: “As igrejas devem ficar mais atentas à necessidade do povo. Sejam elas materiais ou espirituais. Há igrejas em que a maioria dos membros não possui necessidades financeiras, mas sempre há os que precisam de ajuda espiritual e aqueles que precisam de ajuda material”. Com informações de O Cidadão RJ.

Veja o Vídeo:

09/09/2013

Pastor afirma que artistas gospel estão “prostituindo a Noiva”


Homens de Deus

Homens de Deus

O apóstolo Luiz Hermínio estava ministrando em um congresso e acabou tocando em um assunto bastante controverso no cenário evangélico: a cobrança de cachê para eventos religiosos e o enriquecimento dos artistas gospel.

O vídeo com o trecho dessa ministração foi postado no Youtube e levantado novamente esta discussão sobre ser permitido ou não cobrar grandes quantias de dinheiro para louvar a Deus. O ministério pode ser transformado em profissão?

Para o apóstolo da igreja M.E.V.A.M. (Missões Evangelísticas Vinde Amados Meus) quem ganha a vida com a igreja está prostituindo a Noiva de Cristo, por isto ele chama os promotores de eventos evangélicos de “cafetões”.

“Eu não sustento artista no púlpito, sustentamos pobres em lugares carentes (…) Um dia esse povo vai ter que acertar as contas com Deus, aonde está o dinheiro dos CDs, aonde está o dinheiro dos livros, aonde está o dinheiro dos shows?”, questiona.

“Você que tem abusado da igreja, promoter, Deus vai te pegar. Você que trata a Igreja como prostituta, seu cafetão… A Noiva não é prostituta”, continua.

Luiz Hermínio pede aos presentes para que não convidem para suas igrejas cantores que cobram para pregar e cantar. “Quem cobra para uma noite de intimidade é a prostituta”, afirma.

A mensagem era “Entendendo o tempo e o modo de Deus”, mas em pouco mais de dois minutos o pastor enviou este recado para aqueles que trabalham no segmento evangélico chegando a chamar os cantores de ladrões. “Quanto é que você cobra por duas horas, quanto custa vinte músicas sua, seu ladrão? Mas a Noiva não é prostituta, ela tem um Noivo e ele vai vir buscá-la”, disse o apóstolo.

Assista:

Assista na integra:

 

%d blogueiros gostam disto: