Archive for ‘NOTICIAS.’

10/12/2019

A arte de permanecer casados


Texto básico: Malaquias 2.12-16

Versículo-chave: Malaquias 2.15
“…Portanto, cuidai de vós mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade”.

Alvo da lição:
Ao estudar esta lição, você se dedicará de modo sábio e cristão à manutenção de um casamento saudável.

Leia a Bíblia diariamente:
seg   1Pe 3.9-12
ter    Rm 12.14-21
qua   Mt 19.4-6
qui    Pv 4.25-27
sex    Pv 14.1; 24.3-4
sáb    Mc 10.2-12
dom  Gn 2.18-25

A lição de hoje trata de alguns princípios sobre a manutenção do casamento:

1. Casamentos são realizados com a previsão de durarem a vida toda.

2. Os casamentos não duram a vida toda naturalmente, sem algum esforço e cuidado.

3. Devemos descobrir e tomar atitudes claras e eficazes para que o casamento seja durável.

O estudo da lição não tem a intenção de acusar ou trazer um peso ainda maior aos que experimentaram o divórcio. O fato é que mesmo as pessoas que passaram por divórcio entendem que o casamento é feito para durar toda a vida. Também não teremos segredos garantidos e fáceis para as pessoas permanecerem casadas, mas alguns princípios que tenham fundamento na palavra de Deus, e que poderão ajudar na construção de casamentos mais saudáveis e mais duráveis.

Quando alguém assume um grande compromisso, geralmente, espera que logo acabe. Do outro lado, quando alguém aceita um compromisso de longa duração, espera que o valor do compromisso esteja diluído de tal maneira que se torne bastante pequeno, aceitável. No casamento, as duas dimensões estão presentes: trata-se de um compromisso intenso e, ao mesmo tempo, um compromisso extenso, para toda a vida. Nossa lição evitará o trabalho de defesa da durabilidade do casamento, e se dedicará a oferecer orientações básicas que ajudem as pessoas “na arte de permanecerem casadas”.

I. Casamentos duráveis demonstram presença equilibrada de amor e compromisso (Mc 10.7-8)

Aqueles que são casados há muitos anos, geralmente, testemunham que “só o amor não sustenta uma relação”. Aqueles que se separaram um dia demonstram na prática que “só o compromisso não sustenta uma relação”. Ainda assim, ambos concordarão que uma relação duradoura depende tanto de amor como de compromisso – muito amor, e compromisso firme!

A maneira bíblica de descrever compromisso no casamento está na célebre frase proferida em Gênesis (2.24-25) e pelo próprio Senhor Jesus: “Por isso, deixará o homem a seu pai e mãe e unir-se-á a sua mulher, e, com sua mulher, serão os dois uma só carne” (Mc 10.7-8). Duas expressões são especialmente contundentes ao ensinarem a intensidade do compromisso: “unir-se” e “uma só carne”. Segundo os estudiosos, “unir-se” tem o significado de um elo forte que não será jamais quebrado, envolvendo duas características: lealdade inabalável e amor ativo, permanente, que não desiste. Do outro lado, tornar-se uma só carne (que inclui relação sexual e todas as dimensões adicionais afetivas e físicas) significa uma natureza de união tão forte que seria impossível desunir (separar, cortar, dividir) sem que marcas profundas sejam manifestas. Para se ter uma ideia da natureza desse modelo de união, a Bíblia o chama de mistério e declara ser essa a representação mais completa do relacionamento entre Cristo e Sua igreja (Ef 5.31-32).

Um compromisso de tamanha magnitude e com tamanhas implicações não é assumido com facilidade. Por isso, alguns chegam a temer o casamento. A base do comprometimento tem que ser o amor, pois ele expulsa o medo (1Jo 4.18 NVI). Desse modo, enquanto o compromisso dá sustentação para o sentimento de amor, o amor torna possível a manutenção do compromisso.

II. Casamentos duráveis pedem manutenção sistemática

A atitude própria de todas as pessoas que adquirem um bem durável é programar-se para o natural cuidado de sua manutenção. Assim fazemos quando adquirimos uma casa, um carro ou mesmo algum eletrodoméstico. Na verdade, até mesmo a garantia da maioria dos bens depende de sua manutenção adequada. O mesmo acontece quando se deseja construir um casamento durável. Sem manutenção adequada, os casamentos se tornam vulneráveis e frágeis.

Entre as diversas formas de se cuidar da manutenção de um casamento, duas serão destacadas aqui.

1. Disposição e capacidade de lidar com conflitos

Podemos evitar muitos dos conflitos que surgem no casamento bastando para isso uma atitude mais cuidadosa por parte de cada um de nós. A disposição para aceitar as diferenças, por exemplo, diminui de modo decisivo o potencial de um casal para se envolver em conflito – homens são diferentes de mulheres (que bom!), pessoas criadas na família “A” são diferentes de pessoas criadas na família “B”, e assim por diante. Nossas diferenças se manifestam na maneira como reagimos aos problemas, na escala de valores da família, no gosto por alimentos, ambientes, humor e de tantas outras maneiras. Há casais que não conseguem conviver porque um dos cônjuges deseja mudar o outro e fazê-lo ser exatamente igual a ele. Há casos em que a disposição para “implicar” com o outro e com a maneira de ele ser e perceber as coisas acaba por tornar insustentável a vida comum.

O texto de 1Pedro 3.1-7 (NVI) oferece exemplo de postura favorável para lidarmos com as diferenças quando orienta as mulheres cristãs a tratarem até mesmo com um marido que não obedece à Palavra: “Do mesmo modo, mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, a fim de que, se ele não obedece à palavra, seja ganho sem palavras, pelo procedimento de sua mulher, observando a conduta honesta e respeitosa de vocês” (v.1-2). O ensino alcança diversas áreas da vida familiar, e orienta também os homens a serem sábios no convívio com a própria esposa… “e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e coerdeiras do dom da graça da vida…” (v.7).

2. Habilidade de lidar com mudanças necessárias e inevitáveis

Além das questões que podem ser vistas como “diferenças”, o casamento inclui enganos, erros e pecados por parte dos membros da família. O fato é que somos pecadores! A maneira como lidamos com os nossos próprios erros e com os erros do cônjuge será fundamental para definir a continuidade saudável do casamento. Isso significa aprender a pedir perdão (embora os exemplos bíblicos sejam tantos, temos a tendência de achar que é humilhante pedir perdão, e acabamos optando por atitudes prejudiciais ao casamento, como negar, “deixar o tempo passar”, ficar irritado quando confrontado, culpar o outro, etc.), ter capacidade para entrar em acordo com o outro e disposição para perdoar. A Bíblia nos ensina que devemos ser “uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou” (Ef 4.32). Do outro lado, se existe um lugar em que deve ser aplicado o ensinamento de Jesus a Pedro segundo o qual devemos perdoar nossos irmãos até “setenta vezes sete”, esse lugar é no casamento.

A atitude de perdão, segundo a Bíblia, é antecedida por uma cuidadosa advertência contra os pecados relacionais que nos dividem e fazem nascer conflito. Em Efésios 4.25-31, somos exortados a ser cuidadosos para “não mentir uns aos outros (v.25), não nos entregar à raiva de uns para com os outros (v.26-27), não roubar uns dos outros (v.28), não dizer palavras que machuquem uns aos outros (v.29), e viver (inclusive em casa) de maneira que permaneça “Longe de vós, toda amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda malícia” (v.31).

III. Casamentos duráveis recebem investimentos constantes

Um casamento saudável não se sustenta “naturalmente”, sem investimento.

1. De natureza física

Resumidamente, o investimento no casamento inclui o cuidado com o corpo (higiene, saúde, aparência…) e o uso de todas as potencialidades do corpo, incluindo as expressões físicas de carinho (de caráter sexual ou não).

 2. De natureza emocional

Podemos investir no casamento também por meio do uso adequado das emoções, especialmente quando oferecemos ao outro a segurança de que é importante, especial, alvo de amor. O livro de Cantares tem sido usado como um verdadeiro manual de investimento físico e emocional no casamento.

3. De natureza espiritual

Felizes são os casais que oram um pelo outro e juntos, que leem a Bíblia e cultuam juntos e que, especialmente, são capazes de aplicar os ensinamentos da palavra de Deus nas atitudes diárias e em todas as dimensões do relacionamento conjugal (veja Tg 1.22).

A Bíblia trata bastante desse tipo de relacionamento de cumplicidade e proximidade.

  • Eclesiastes 4.9-12 registra que “Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará?”
  • Provérbios 31 apresenta uma mulher chamada de virtuosa e diz que a vida em família é muito agradável, entre outras razões, porque o marido confia na mulher (v.11), e “ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida” (v.12).
  • 1Coríntios 13 lembra-nos ainda que, havendo amor, há paciência nos momentos de sofrimento, confiança, e disposição para esperar e suportar as eventuais lutas da vida (v.7).

Vale a pena observar alguns conselhos apresentados pelo Dr. Ed Wheat no livro O Amor que não se Apaga.

a. Nada é tão essencial qual a saúde de seu casamento e o desenvolvimento de união entre vocês.

b. Concentrar-se no conhecimento mútuo e em construir um relacionamento íntimo agrada ao Senhor.

c. É necessário tempos juntos para lançar adequadamente os alicerces do casamento.

d. É essencial que o marido aprenda a satisfazer às necessidades da esposa.

e. O conhecimento do cônjuge é necessário a fim de ver segundo os padrões bíblicos. Você deve conhecê-lo em profundidade se quiser amá-lo, compreendê-lo e encorajá lo.

f. Os cônjunges devem ser companheiros de equipe unidos para servirem a Deus eficazmente. Para vocês se tornarem uma equipe, é preciso tempo e colaboração numa atmosfera tão livre de distrações quanto é possível.

g. De acordo com a sabedoria de Criador, o primeiro ano é crucial em todo casamento, devendo ser vivido com cuidado e prudência.

Conclusão

Nesta lição estudamos sobre a arte de permanecer casados – um casamento durável, para a vida toda. Dois lembretes são importantes. Primeiro, que a vida é curta, e devemos gozá-la com discernimento e alegria, sempre que possível, na companhia da pessoa com quem nos casamos. Segundo, que não basta ter um casamento duradouro. É preciso viver bem, com alegria e felicidade. Mais do que aparências e convenções sociais, é preciso construir relacionamento saudável e feliz, de modo que permanecer casados seja um privilégio, uma alegria, e não um dever enfadonho e sofrido.

13/03/2019

A missionária sueca perseguida no Brasil, internada em hospício e ‘esquecida’ pela História


Frida Maria Strandberg Vingren morreu aos 49 anos, no dia 30 de setembro de 1940, na Suécia, nos braços da filha. Abatida, ela pesava 23 quilos.

Frida Maria Strandberg Vingren morreu aos 49 anos, no dia 30 de setembro de 1940, na Suécia, nos braços da filha. Abatida, ela pesava 23 quilos.

No decorrer dos cinco anos anteriores, entre idas e vindas em um hospital psiquiátrico de Estocolmo, a missionária sueca perdera quase 40 quilos. Ela fora internada pela primeira vez no dia 12 de janeiro de 1935, levada da estação central da cidade, quando tentava tomar um trem que a levaria para Portugal – de onde, acredita-se, pegaria um navio de volta para o Brasil.

Casada com o sueco que fundou, em Belém do Pará, a Assembleia de Deus, Frida se tornou uma das mais importantes lideranças da igreja no decorrer dos 15 anos em que esteve no Brasil. Ajudou a construir o ministério no Rio de Janeiro, comandava um jornal e pregava em praça pública.

Suas atribuições – muitas até então reservadas apenas aos homens –, entretanto, desagradaram pastores brasileiros e suecos, fizeram com que ela fosse perseguida e pressionada a voltar a seu país de origem, onde teve um fim trágico.

história da missionária passou décadas esquecida e, nos últimos anos, vem sendo resgatada tanto na Suécia quanto no Brasil. Foi tema de livro, de tese de doutorado e voltou a alimentar o debate – atual e ainda polêmico – sobre o papel da mulher na Assembleia de Deus, a maior religião pentecostal do país, com 12 milhões de fiéis.

Belém do Pará, onde tudo começou

Frida embarcou para Belém em 1917, aos 26 anos, enviada pela Igreja Filadélfia, uma denominação pentecostal baseada em Estocolmo.

Veio para juntar-se a Gunnar Vingren, que, sete anos antes, havia fundado a Assembleia de Deus no Brasil. Eles haviam se conhecido naquele mesmo ano, quando o missionário estava na Suécia para arrecadar fundos e visitar a família.

“Ele conta a ela sobre a missão e ela se apaixona pela ideia do Brasil”, diz Valéria Vilhena, pesquisadora da Universidade Metodista, que baseou o doutorado na vida da missionária e que lança neste ano um livro sobre sua história.

Frida, Gunnar e dois filhos

 chegou ao Brasil sete anos antes de Frida, em 1910; o casal teve seis filhos

Três meses depois de desembarcar no Norte do país, ela se casa com Gunnar, em uma cerimônia realizada pelo pastor sueco Samuel Nyström, que, ironicamente, se tornaria um de seus maiores antagonistas.

No início, Frida restringe seu trabalho aos serviços sociais da igreja, tradicionalmente entregues às mulheres. Cuidar dos filhos, zelar pelos órfãos, visitar os idosos e os doentes.

A jovem ia com frequência aos centros afastados que isolavam pacientes com hanseníase do restante da população – os chamados leprosários, que surgiram no Brasil naquela época –, diz Kajsa Norell, jornalista sueca autora de Halleljua Brasilien!, lançado em 2011, que conta a história do surgimento da Assembleia de Deus no Brasil.

O marido, missionário “por vocação”, na definição de Vilhena, estava constantemente viajando, buscando expandir o trabalho da igreja. A saúde frágil fazia com que ele quase sempre voltasse para casa doente. As particularidades da região que escolheu para pregar não ajudavam: pegou malária diversas vezes.

“Ele ficava muito tempo de cama”, diz o sociólogo Gedeon Freire de Alencar, autor de Matriz Pentecostal Brasileira: Assembleias de Deus, 1911-2011 e um dos primeiros a redescobrir a história de Frida, no início dos anos 2000.

Com o tempo, a missionária assume cada vez mais as atribuições de Gunnar em Belém. Talentosa, ela começa a traduzir os hinos da igreja sueca para o português. Canta, toca e começa a pregar.

“Ela transforma os boletins entediantes dos missionários (publicados nos jornais da igreja sueca) em histórias incríveis. Um dos textos conta sobre a prisão que ela visitava toda semana em Belém, que mantinha 200 garotos entre cinco e 20 anos de idade, alguns que estavam ali simplesmente por não terem pai”, conta Norell, que passou meses entre os arquivos da Igreja Filadélfia, mantidos em um castelo nas redondezas de Estocolmo.

Frida com presos

Direito de imagemACERVO CPAD-CEMPImage captionFrida na escola dominical em que lecionava, em uma prisão no Rio de Janeiro

Frida passa então a bater de frente com o pastor Samuel Nyström – à frente do jornal da Assembleia de Deus, batizado de Boa Semente –, que era radicalmente contra que as mulheres pudessem pregar.

Em sua correspondência com a liderança da igreja na Suécia, Nyström passa a reclamar da missionária em toda oportunidade que lhe aparece. “Nas cartas que escrevia a Lewi Pethrus (uma das maiores figuras do pentecostalismo sueco) o tom é de fofoca mesmo: ‘Hoje ela fez isso e isso, ontem foi isso e isso'”, afirma Norell.

Em 1924, com quatro filhos, o casal Frida e Gunnar decide então se mudar para o Rio de Janeiro para fundar um novo ministério. “Eles decidem sair de Belém porque a tensão já era insustentável”, ressalta Vilhena.

 

O ministério feminino no Rio de Janeiro

Na capital carioca, Frida expande seu trabalho. Torna-se a primeira mulher da religião a dirigir uma escola bíblica dominical, fundada em uma prisão, e inicia o jornal Som Alegre, através do qual passa a defender o ministério feminino.Frida

Seus textos citam com frequência trechos da Bíblia que, em sua visão, deixavam claro que as mulheres poderiam pregar, ensinar ou doutrinar.

O comportamento desagrada também pastores brasileiros, incluindo Paulo Leivas Macalão, gaúcho, de família abastada e com tradição militar, que estava à frente da Assembleia de Deus Madureira, hoje uma das maiores do país.

“Parte dos pastores da igreja no Rio de Janeiro já não queria se submeter a sueco pobre e semiletrado. A mulher, muito pior”, acrescenta Alencar.

Ele lembra que, no início do século 20, a Suécia era um país pobre, onde a igreja luterana era a religião oficial. Perseguidos, os pentecostais migraram especialmente para os Estados Unidos. Os que vieram para o Brasil escolheram Belém porque, na época, graças à riqueza gerada pela borracha, era uma das cidades mais ricas do país.

A convenção de 1930 e o ‘enquadramento’

As tensões culminam na convocação da primeira grande convenção da Assembleia de Deus, realizada no dia 12 de julho de 1930, em Natal (RN).

“O motivo da convocação foi Frida”, destaca Isael Araújo, pastor da Assembleia de Deus em Niterói e autor da biografia Frida Vingren, lançada em 2014.

No encontro, os pastores definiram as atividades que poderiam ser desempenhadas pelas mulheres na igreja. Elas não chegaram a ser expressamente proibidas, por exemplo, de pregar – mas a atribuição não estava na lista do que as religiosas “tão somente” poderiam fazer.

“Foi um enquadramento”, acrescenta Araújo, que foi chefe do Centro de Estudos do Movimento Pentecostal (CEMP) da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD). Em todo o processo, Gunnar ficou ao lado da esposa e defendeu o ministério feminino, mas foi voto vencido.

Nos meses que se seguiram, a situação ficou pior. Frida usou seu espaço no jornal da Assembleia para desafiar as decisões tomadas na convenção e para pedir que as mulheres não recuassem. “Um dos textos dessa época tinha como título ‘Deus nos convoca para a guerra’. Era uma demonstração direta de insubordinação”, diz Alencar.

Frida Strandberg Vingren

Direito de imagemACERVO CPAD-CEMPImage captionPressionada, Frida deixa o Brasil em 1932

O clima de conflito fica claro nas cartas trocadas entre os missionários e em outros

documentos da época: “Eles (os missionários brasileiros) precisam de homens. De preferência, com as mesmas qualidades de liderança como a de Frida e Adina (Nelson, esposa de Otto Nelson), mas do sexo masculino”, escreve o pastor A.P. Franklin no jornal da igreja na Suécia, chamado The Harald.

A situação escalou depois de um suposto caso de adultério de Frida com um brasileiro. Apesar de não haver uma confirmação documental do romance que a missionária teve com o rapaz, bem mais novo que ela, os indícios levam a crer que isso de fato aconteceu.

“Eu realmente acredito que seja verdade”, diz Norell, que entrevistou um dos filhos de Frida e algumas de suas netas enquanto escrevia o livro e que identificou o assunto em cartas enviadas à Suécia “por pessoas que não eram hostis a ela”.

O pastor que era ‘uma mistura de Edir Macedo com Silas Malafaia’

A situação fica insuportável no Brasil e, em de 1932, o casal, que na época tinha seis filhos, decide retornar à Suécia. Antes de partir, contudo, eles perdem a filha mais nova – e Gunnar morre pouco tempo depois de chegar à Europa.Frida e Gunnar (esq.) foram casados pelo pastor Samuel Nyström (dir.), que viveu no Brasil com a esposa, Lina (também na foto)

Direito de imagem’HALLELUJA, BRASILIEN!’/CORTESIA KAJSA NORELLImage captionFrida e Gunnar (esq.) foram casados pelo pastor Samuel Nyström (dir.), que viveu no Brasil com a esposa, Lina (também na foto)Frida quer retomar a vida de missionária, mas a liderança da igreja no Brasil não aprova seu retorno. Na Suécia, suas aspirações também são tolhidas por Lewi Pethrus, um dos maiores líderes da igreja pentecostal no país.

Inimigo poderoso, ele era “mistura de Edir Macedo com Silas Malafaia”, define o pastor Araujo. A comparação com o fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, denominação neopentecostal, e com o pastor do ministério Vitória em Cristo, ligado à Assembleia de Deus, dá conta do espírito “empreendedor” de Pethrus e de sua postura muitas vezes polêmica.

Em 1964, Pethrus fundaria o partido democrata-cristão sueco – o Kristdemokraterna (KD) –, de centro-direita.

Diante dos reiterados pedidos de Frida, o líder afirma que seu trabalho no Brasil havia prejudicado a missão e dá-lhe um não definitivo.

Ela levanta então recursos por conta própria e decide ir para Portugal.

O hospício e o esquecimento

Detida na estação de trem de Estocolmo, ela já sai com uma camisa de força em direção ao hospital psiquiátrico.

A igreja lhe tira a guarda dos filhos e doa todos os seus pertences.

Para Kajsa Norell, é difícil dizer se, naquele momento, Frida realmente tinha algum tipo de doença psiquiátrica. “Ela estava esgotada, física e mentalmente, já tinha tido malária no Brasil e, provavelmente, sofria de alguma doença na tireoide”.

Em nenhum dos prontuários médicos, contudo, há o diagnóstico de que ela sofria de algum distúrbio mental.

Frida Strandberg Vingren

Direito de imagemACERVO CPAD-CEMPImage captionFrida morreu aos 49 anos

Durante sua pesquisa, a autora percebeu “alguma coisa estranha” nos olhos de Frida. Quanto mais recente a fotografia, mais saltados eles pareciam. A partir dos registros médicos da missionária, especialistas concluíram que ela tinha possivelmente hipertireoidismo – doença que provavelmente a matou.

Para o pastor Araújo, o conflito direto com as maiores lideranças da igreja está entre as razões para o ‘esquecimento’ de Frida. Ele nega que a biografia, publicada pela editora da Assembleia de Deus, seja uma ação de reparação à missionária.

“Gunnar Vingren, o pioneiro da igreja, já tinha uma biografia. A esposa, ainda não. Não quis fazer uma biografia crítica, porque não sou sociólogo”, justifica.

Ele diz ter se deparado com a história quando trabalhava no Dicionário do Movimento Pentecostal, em 2007, e viajou à Suécia em 2008. Os diários de Gunnar e parte do acervo que estava com a família, incluindo fotos, hoje se encontram no Brasil.

Na Suécia, a Igreja Filadélfia foi confrontada com a trajetória de Frida quando o livro de Kajsa Norell foi lançado.

“Aquilo era uma novidade completa para nós”, diz Gunnar Swahn, que foi secretário de missões da Igreja Filadélfia até recentemente, quando se aposentou. “Foi horrível o que fizeram com ela. Muita gente ficou chocada com a forma como ela foi tratada pelas antigas lideranças”.

O livro, ele acrescenta, se soma a outras obras publicadas nos últimos anos na Suécia que revelam traços e atitudes polêmicas de Lewi Pethrus, em relação ao qual a igreja tem hoje uma postura crítica. “Digamos que ele não é idolatrado pelos fiéis, apesar de ainda ser uma figura importante”.

Igreja Filadélfia, em Estocolmo

Direito de imagemSIMEON HAGSTRÖM/CORTESIAImage captionA Igreja Filadélfia, que mandou Frida para o Brasil, tem hoje visão bastante crítica em relação a Lewi Pethrus, um dos maiores líderes da denominação e poderoso inimigo da missionária

Questionado sobre as mulheres, se elas hoje podem ser pastoras, ele se apressa: “Ah, sim! Nós gostamos de pensar que somos uma igreja progressista.”

A BBC News Brasil não teve retorno da Assembleia de Deus Belém sobre o pedido de entrevista e não conseguiu contato com a Assembleia de Deus Madureira, no Rio de Janeiro.

A Assembleia de Deus e as mulheres

As mulheres têm ganhado cada vez mais espaço dentro das Assembleias de Deus no Brasil, diz Alencar. Essa tendência, contudo, é bastante assimétrica nas diferentes regiões do país, justamente pelas características da religião.

Ao contrário da Igreja Católica, bastante hierarquizada, sua estrutura é congregacional. “É como se fosse uma democracia direta”, compara o sociólogo. Cada congregação define suas liturgias, “tem lugar que aceita mulher, tem lugar que não aceita”.

Em 2005, ele exemplifica, o pastor Manoel Ferreira – filiado ao PSC e presidente da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil – Ministério de Madureira (Conamad) –, ao consagrar Jairo Manhães como pastor, acabou consagrando, sem aviso prévio, sua esposa, Cassiane – “cantora gospel de sucesso e milionária”.

Depois disso, afirma Alencar, todas as esposas de pastores do ministério de Madureira também foram ordenadas como pastoras. “Já a minha igreja, a Betesda, consagra pastoras desde 1994”, ele acrescenta.

Fonte: BBC Brasil

09/03/2019

Troca de pastores gera confusão e protestos na Igreja do Evangelho Quadrangular


A determinação para a troca de pastor na Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ) do Jardim São Camilo, na zona norte de Sorocaba, causou confusão e motivou protestos dos fieis contra a decisão adotada pela direção da denominação.

Com um documento assinado pela superintendência da igreja, líderes religiosos, entre eles o deputado estadual Carlos Cezar (PSB) teriam arrombado os portões da unidade na última segunda-feira (4) para dar acesso ao novo escolhido para ser o pastor local, mas fieis impediram a troca.

O pastor titular da IEQ do São Camilo, Amauri de Almeida, registrou um boletim de ocorrência por dano, exercício arbitrário das próprias razões e constrangimento ilegal.

Após a tentativa, os frequentadores da igreja se reuniram nesta terça-feira (5) para um culto e também para reafirmar a posição contrária à troca do pastor que, segundo eles, está há 30 anos à frente da comunidade, tendo sido o principal responsável inclusive pela construção do prédio.

Eles, que alegam que a motivação para a tentativa de troca do pastor seria divergência de doutrina, deram um “abraço” no entorno do imóvel depois de trocarem as fechaduras e cadeados que foram arrombados.

Os fieis ainda acusam o grupo que se dirigiu à unidade de agir com “truculência e ameaças”. O caso foi registado em vídeos que circulam nas redes sociais.

Segundo o vice-presidente da Igreja Quadrangular do São Camilo, Edilson Gonçalves, que estava acompanhado do pastor auxiliar César Magno, a ordem para a troca de pastor teria partido de Carlos Cezar. Ainda conforme ele, seguranças armados acompanhavam os membros da comitiva que se dirigiu ao local para efetuar a mudança.

“Foi uma situação muito desconfortável. Arrombaram aqui, sofremos ameaças de agressão e o nosso pastor sequer teve tempo de dialogar com eles”, disse.

A Igreja do Evangelho Quadrangular, por meio da Sede Regional 726, sob a superintendência do reverendo Zarias Alves de Campos, esclarece que mediante a declaração pública de desligamento do próprio pastor Amauri de Almeida em culto realizado no último domingo (3), a instituição foi impelida a nomear outro pastor para liderar a igreja em questão.

Na qualidade de procurador da IEQ na região eclesiástica 726, o pastor Zarias afirmou, por meio de nota enviada pela assessoria de imprensa, que agiu legitimamente amparado pelo Estatuto da Igreja, já que o patrimônio móvel e imóvel pertence à denominação nacional, visto que é regida pelo princípio da unidade patrimonial nacional e doutrinária.

Diante dos fatos, diz a nota, o superintendente regional tomou a decisão de nomear outro pastor para a igreja local, que já está oficializado para dar prosseguimento aos trabalhos naquele bairro.

A assessoria ainda esclarece que o pastor Carlos Cezar da Silva esteve, juntamente com o superintendente, alguns pastores e membros da IEQ nesta ação de posse do novo pastor, na condição de integrante do Conselho Fiscal da denominação em nível nacional.

Fonte: Jornal Cruzeiro do Sul

08/03/2019

Autoridades chinesas prendem crianças, grávidas e idosos durante culto


Segundo relatos do ministério China Aid, autoridades do governo comunista da China prenderam dezenas de membros da Igreja Early Child Covenant no último dia 24 de fevereiro.

Entre os presos estavam 11 crianças, entre elas um bebê de apenas 2 meses. Mulheres grávidas também foram presas e a mãe do pastor Wang Yi, de 74 anos, foi espancada pela polícia, de acordo com o site.

O grupo ficou detido na Delegacia de Polícia de Chengdu e seus celulares foram retidos. Durante o tempo de detenção, o grupo não teve acesso a alimentos. A soltura de alguns aconteceu só no outro dia pela manhã.

“Até agora, 11 pessoas foram condenadas a detenção administrativa. Os condenados a uma detenção de 14 dias são Zhang Jianqing, Zhixue Wei, Xiaoguang Zhu, Hou Hong’en, Luo Zhipeng, Yang Duli, Zhang Guanya, Huang Guangtai e Tang Chunliang. Tanto A como Yang Jian receberam uma sentença de detenção de dez dias”, diz Bob Fu, líder do ministério.

O Irmão A-Xin, um tradutor, ouviu falar sobre a prisão arbitrária de crianças, idosos e mulheres grávidas e relatou o caso no Facebook. Por conta disto, ele foi preso em sua casa por quase dez policiais.

As autoridades chinesas permanecem perseguindo os cristãos na tentativa de frustrar o crescimento da religião no país.

Fonte: Gospel Prime

07/03/2019

Bancada evangélica acusa Gaviões da Fiel de intolerância religiosa


Líderes evangélicos não gostaram da escola de samba Gaviões da Fiel que levou para o sambódromo paulista uma representação do embate entre Satanás e Jesus num embate em que o primeiro aparenta sair vitorioso.

Após a repercussão, a escola publicou em suas redes sociais fotos de outro momento do desfile, em que Jesus sai vencedor da disputa, com os dizeres “Jesus venceu o mal”.

A Frente Parlamentar Evangélica da Câmara dos Deputados disse, em nota divulgada nesta segunda (4), manifestar “profunda indignação e repúdio ao espetáculo” apresentado na madrugada deste domingo (3) pela escola de samba ligada ao Corinthians, que fez uma releitura do samba-enredo de 1994 “A Saliva do Santo e a Serpente do Veneno”, sobre a história do tabaco.

Para o presidente da bancada religiosa, Lincoln Portela (PR), “uma apresentação pública ofensiva e desrespeitosa a todos nós, cristãos, ao vilipendiar e escarnecer o Senhor Jesus Cristo e a nossa fé”.

Diz a nota assinada por Portela: “Entendemos que aquela apresentação não é arte, é crime. Nenhum direito é absoluto, logo o direito à manifestação artística não se sobrepõe à inviolabilidade da consciência e da crença”.

Coreógrafo da Gaviões, Edgar Junior teve uma entrevista à Globo recuperada. Nela, diz que o foco da comissão de frente da escola, que trouxe o embate entre Jesus e o Diabo, “era chocar”.

“Alcançamos nosso objetivo que era mexer com a polêmica Jesus e o Diabo e a fé de cada um.”

“Manifestações dessa natureza estimulam o desrespeito e a intolerância, caminho inverso àquele que nós, brasileiros, estamos buscando consolidar  continuadamente”, afirma a bancada evangélica.

Candidata derrotada a deputada federal e ex-feminista convidada para trabalhar no ministério de Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos), a católica Sara Winter afirmou à Folha de S. Paulo que entrará com representação no Ministério Público contra a Gaviões.

“Até o momento recebi mais de 600 emails de pessoas interessadas em processar a Gaviões”, diz.

A deputada Lauriete (PR-ES), casada com o ex-senador Magno Malta, e pastora como ele, também diz que vai acionar a Procuradoria contra a Gaviões. “São cenas preconceituosas, afrontosas e de vilipêndio  ao sagrado para o povo cristão, que tem também meu repúdio.”

Lider da Igreja Batista Atitude, frequentada pela primeira-dama Michelle Bolsonaro, o pastor Josue Vallandro Jr. também se pronunciou sobre o desfile. “Se fosse uma encenação destruindo um altar de culto de outra religião e dando uma surra num preto velho [entidade umbandista], o que acham que o MP, os partidos de esquerda, a liga de escolas de samba fariam?”

Em redes sociais, a escola introduziu Edgar Junior, 33, como idealizador de uma “comissão de frente que chega forte para o desfile em 2019”.

Fonte: Folha de S. Paulo

07/03/2019

MUNDO CRISTÃO“Pastores precisam plantar igrejas lideradas pelo Espírito Santo e não por suas preferências pessoais”


Palestrando durante a Conferência Exponencial, na terça-feira, na First Baptist Orlando em Orlando, Florida, o pastor Francis Chan falou sobre a necessidade de os pastores realmente aceitarem que Jesus Cristo, e não eles, quem manda nas igrejas, referindo-se a Efésios 5.

“Ele é o nossa cabeça. Então, à luz dessa verdade, como devo agir? Todos nós acreditamos que Ele é o cabeça, certo? E se ele não fosse o chefe da Igreja? Como você faria as coisas de maneira diferente? Pense nisso ”, pediu Chan, que abandonou seu ministério como pastor de uma megaigreja nos EUA para dedicar-se a escrever e trabalhar com discipulado individual.

“Eu percebo que muitas vezes eu não ajo como se Jesus fosse o chefe da Igreja. Eu não ajo como se eu fosse apenas um braço. Eu realmente não me humilho, ‘Senhor, você é o cabeça da Igreja. O que você quer que eu faça? O braço não faz nada a menos que a cabeça diga a ele para fazer isso’”, argumentou.

Para o teólogo, é preciso que os pastores declarem constantemente: “Deus, por favor, mate minha carne”. Destacou que sempre pede “que Cristo viva através de mim”. “De vez em quando, vejo o pequeno Francis. Mate-o, Deus. Não há nada para defender aqui. Eu quero ele crucificado. Eu realmente quero que Cristo viva através de mim”.

O preletor usou o exemplo de uma “piscina de ondas” que ele viu recentemente. Para Chan, aquilo “lembra da Igreja”.

Albert Tate, líder da Fellowship Church em Monrovia, Califórnia, e outro pregador da conferência, implorou para que os pastores “parem de construir igrejas que se pareçam com vocês e comecem a construir igrejas que se parecem com Jesus”.

Ele não poupou críticas ao que vê em seu país: “Nessas igrejas… todo mundo se veste da mesma forma, todos fazem compras no mesmo lugar, todas têm as mesmas coisas, todos são quase da mesma idade. Deixe-me dizer uma coisa, você tem uma igreja que está pronta para o domingo, mas não está pronta para o céu”.

03/02/2019

Mais um pastor de uma megaigreja comete suicídio


Mais um caso de pastor que comete suicídio choca a comunidade cristã. Desta vez, o caso aconteceu com um pastor de uma megaigreja nos Estados Unidos.

Jim Howard, pastor líder do campus Valência, da Real Life Church (RLC), na Califórnia, igreja com mais de 6.000 membros, matou-se fatalmente em casa na quarta-feira depois de uma prolongada batalha contra uma doença mental.

“É com o coração pesado que posso confirmar que sofremos uma perda trágica em nossa equipe da igreja esta semana. Na quarta-feira, 23 de janeiro de 2019, Jim Howard – um pastor amado aqui na RLC tirou a própria vida”, disse Rusty George, pastor líder da Igreja Real Life em um comunicado divulgado no Facebook na última quinta-feira.

“Como todos nós que conhecemos Jim podemos atestar, ele era um homem maravilhoso com um profundo amor por Jesus e uma paixão por compartilhar a graça de Deus com qualquer um que conhecesse. Ele também foi um furacão, sempre procurando novos desafios e oportunidades para ministrar aos outros ”, disse George.

Detetives disseram ao site The Signal que começaram a investigar a morte de uma pessoa que suspeitam ter morrido de um ferimento a bala auto-infligido no quintal de uma casa em Valência na quarta-feira.

Pouco antes das 15h40, os paramédicos do Corpo de Bombeiros do Condado de Los Angeles foram despachados para a casa na North Sunny Creek Drive e a polícia foi chamada para investigar um tiro na cabeça.

Em sua declaração na quinta-feira, George observou que Howard estava lutando contra uma doença mental por um tempo e até havia falado publicamente sobre sua luta contra esta doença. Howard também teria servido na Igreja Real Life por mais de três anos.

“Infelizmente, Jim sofreu em privado com desafios de saúde mental alguns dos quais ele bravamente discutiu em público e estava lutando com algumas questões pessoais nos últimos meses. Esta semana ele tomou a trágica decisão de acabar com sua dor. Ele será profundamente sentido por sua família, amigos, a família RLC e todos aqueles que foram abençoados em conhecê-lo”, disse George.

Ele ainda instou os membros da igreja que estão lutando e precisam de ajuda, para chamar a igreja.

A Fundação Jared Monroe, uma organização sem fins lucrativos da Califórnia dedicada a promover a conscientização, o entendimento e o apoio ao Transtorno Bipolar, também instou aqueles que sofrem com doenças mentais a procurar ajuda.

“Nossas sinceras condolências à família do pastor Jim Howard, amigos e família RLC. Os desafios de saúde mental afetam TODOS. Não sofra sozinho. Estenda a mão se você precisar conversar. Você não precisa sofrer sozinho ”, disse a fundação em um comunicado na sexta-feira.

“Algumas pessoas vão querer falar agora, e o mais incrível é que estamos falando de suicídio, morte por suicídio”, disse Sharon Brubaker, especialista em tratar traumas. “Não é mais um estigma e temos que conversar sobre isso dia após dia.”

Fonte: The Christian Post

02/02/2019

Porta-voz dos Bombeiros elogia israelenses e desmente comandante que criticara ajuda em Brumadinho


Tenente Pedro Aihara

O tenente-coronel Eduardo Ângelo deu uma declaração polêmica ao jornal Folha de São Paulo dizendo que os equipamentos trazidos Exército israelense para os resgates em Brumadinho (MG) “não são efetivos para esse tipo de desastre”.

Mas o porta-voz dos Bombeiros em Brumadinho, tenente Pedro Aihara, desmentiu essas declarações e elogiou a eficiência dos israelenses que chegaram ao Brasil no domingo (27) em uma comitiva de 132 pessoas.

“A informação de que esses equipamentos não seriam efetivos é extremamente equivocada. Estive com o coronel Ângelo, que é responsável pelas operações. Ele informou que cooperação tem sido extremamente efetiva. Então, a gente já está trabalhando com ele no local”, declarou o porta-voz.

Os israelenses e os Bombeiros estão trabalhando em conjunto e o equipamento de scanner de calor está sendo usando em locais com maior potencialidade de retornos. “Isso porque é nessa área que estima-se as pessoas sob maior profundidade. Portanto, será benéfico para nossas atuações”, disse Aihara ao jornal O Estado de Minas.

Além do scanner de calor, trazido pelos israelenses para encontrar vítimas, os soldados trouxeram também outros equipamentos tecnológicos para atuarem no resgate. “Entre elas estão dispositivos de localização celular, construção de estruturas destinadas ao trabalho na água e técnicas adicionais de busca”, explicou a porta-voz de Israel para a América Latina, Paula Frenkel, em entrevista ao Metrópoles.

Fonte: Gospel Prime.

01/02/2019

Vídeo da Barragem de Brumadinho Rompendo


Veja:

01/02/2019

Cristã chinesa revela que foi forçada a blasfemar contra Cristo


Alguns cristãos chineses deram depoimentos importantes que revelaram sobre a “doutrinação” e o abuso mental que tem ocorrido no país. Uma delas afirmou que foi forçada a blasfemar contra Cristo.

Jian Yongjiu, membro da Igreja do Deus Todo Poderoso, disse à revista Bitter Winter que foi presa sob a seguinte acusação: “prejudicar a aplicação da lei estatal através de uma organização”.

Por conta disso, foi enviada a um “centro de educação legal” na cidade de Hangzhou, na província de Zhejiang. De acordo com o Christian Post, Jian revelou que dentro desse “campo de doutrinação” foi impedida pelos policiais de dormir por não ter negado o nome de Cristo. Apesar de não sofrer danos físicos, sofreu tortura mental.

“Para uma pessoa de fé, ser submetida à doutrina deles não só causa angústia mental, mas a alma fica sujeita a uma repressão e agonia insuportáveis”, relatou. Segundo ela, a vigilância é constante, 24 horas por dia, 7 dias por semana, dentro de quartos pequenos, com cadeados e pouca iluminação.

Os “presos” possuem tutores que são treinados para ajudar os detidos a passar por “transformação ideológica”. Eles não saem do lado dos detidos nem mesmo durante a noite. Além disso, há câmeras por todo lado para evitar que os cristãos orem secretamente.

Durante o dia, Jian participou de aulas de doutrinação por horas, onde foi forçada a assistir a vídeos de propaganda do Partido Comunista Chinês. Depois teve que estudar sobre os ensinamentos do presidente chinês Xi Jinping e cantar canções agradecendo ao Partido.

“Todos os dias, eu fui forçada a assistir ao conteúdo que condenou e caluniou minha fé, mas não tive permissão para refutar isso”, disse. Certa vez, os tutores disseram para ela escrever claramente palavras blasfemas sobre Deus. Ela se recusou a fazê-lo e perguntou: “A constituição nacional prevê expressamente a liberdade de crença dos cidadãos. Por que você atormenta e persegue os cristãos?”.

Um deles respondeu: “Para quem há liberdade de crença? Você nasceu na China, então você tem que obedecer ao Partido Comunista. A crença em Deus é a que o Partido Comunista mais odeia. Se você quer liberdade, você não vai conseguir a menos que você vá para o exterior”.

“Se eu não fosse guiada pela palavra de Deus, teria ficado louca. O PCC é mau”, garantiu. Apesar de estar livre agora, a cristã continua a ser assediada e ameaçada pela polícia e é constantemente monitorizada por uma mulher que se identifica com um bracelete vermelho escrito “serviço especial”.

Fonte: Gospel Prime

%d blogueiros gostam disto: