Posts tagged ‘BARACK OBAMA’

14/09/2013

Presidente russo dá uma aula de cristianismo a Obama


Presidente russo dá uma aula de cristianismo a ObamaDe um lado, o ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 2009 e líder da que foi chamada durante muitos anos de “a maior nação evangélica do mundo”. Do outro, um polêmico presidente de um país que durante mais de 70 anos tentou exterminar todas as religiões e instaurar o ateísmo comunista.

Vladimir Putin, presidente da Rússia, e Barack Obama, dos EUA, estão no centro do debate internacional sobre a necessidade (ou não) de uma intervenção militar estrangeira na Síria. Putin tem seus interesses, pois é aliado do atual presidente Bashar al-Assar. Obama, embora não admita, sabe que a CIA tem fornecido armas aos rebeldes e, de maneira surpreendente, se aliado à Al-Qaeda.

No que parecia ser a véspera do ataque americano, Moscou sugeriu a Damasco que entregasse suas armas químicas, as destruísse e participa-se da Convenção pelo Banimento de Armas Químicas. Para surpresa de muitos, a Síria respondeu positivamente. Obama foi forçado a mudar o discurso e declarou que a resposta da Síria era um “desenvolvimento potencialmente positivo”.

A hipótese de invasão ainda não está totalmente descartada, mas os especialistas em relações internacionais apontam para o fato de que isso pode resultar rapidamente em um conflito muito maior, que atingirá grande parte do mundo, em especial os países do Oriente Médio. Como sempre, um ataque a Israel é apontado pela Síria e pelo Irã como a primeira forma de “represália”.

Mas dia 11, quando se lembrava o 12º aniversário do ataque que marcou o início do século XXI e foi usado de justificativa para a invasão do Iraque e do Afeganistão, uma outra surpresa. O New York Times, um dos jornais mais influentes do mundo, publicou o artigo “Um apelo da Rússia: o que Putin tem a dizer aos EUA sobre a Síria”. É uma espécie de “carta aberta” que repercutiu na imprensa mundial.

Quem agia como embaixador pela paz era o presidente russo e alguns trechos do material tem um peso histórico. Obama tem jogado a responsabilidade de algumas decisões militares para o Congresso dos Estados Unidos. Vladimir Putin fez uma crítica certeira ao que é quase um dogma na política externa, a chamada “excepcionalidade” da nação americana, fruto direto de uma antiga e persistente mentalidade que o destino manifesto dos EUA é ser o guardião do planeta.

Eis alguns trechos do artigo, que para muitos analistas é uma aula de política externa e de cristianismo a Obama. Curiosamente, o presidente americano tomou posse pedindo ajuda a Deus para governar. Mesmo assim, para um número crescente de americanos ele é um “muçulmano disfarçado” e para 25% da população trata-se do próprio Anticristo.

Leia:

“As relações entre nós já passou por diferentes estágios. Estivemos uns contra os outros durante a guerra fria. Também já fomos aliados e juntos vencemos os nazistas… Esse potencial ataque dos Estados Unidos contra a Síria, mesmo com a oposição de muitos países e dos maiores líderes políticos e religiosos, incluindo o Papa, terá como resultado mais vítimas inocentes e, numa escalada que espalhará potencialmente, o conflito muito além das fronteiras da Síria.

Um ataque só intensificará a violência e irá iniciar uma nova onda de terrorismo. Isso pode minar os esforços multilaterais para resolver a questão nuclear iraniana e o conflito Israel-Palestina, além de desestabilizar o Oriente Médio e o Norte da África.

Poderá desequilibrar todo o sistema da lei e da ordem internacional… O Departamento de Estado dos EUA classifica como organizações terroristas a Frente Al-Nusra, o Estado Islâmico do Iraque e o Levante, que lutam ao lado da oposição [da Síria].

Esse conflito interno, sustentado por armas estrangeiras fornecidas aos rebeldes, é um dos mais sangrentos do mundo… Não estamos protegendo o governo sírio, mas o direito internacional… Ninguém duvida que gás venenoso foi usado na Síria.

Mas existem todos os motivos para acreditar que não foram utilizados pelo Exército sírio, mas sim pelas forças de oposição, visando provocar uma intervenção de seus poderosos patrões estrangeiros, que se mantêm ao lado dos fundamentalistas… Um número crescente de nações vem procurando adquirir armas de destruição em massa.

É uma questão lógica: ninguém vai desafiar quem tem a bomba em seu arsenal… Analisei atentamente seu pronunciamento à nação na ultima terça-feira. E gostaria de discordar do que ele [Obama] disse sobre a excepcionalidade dos Estados Unidos, ao declarar que a política do país é “o que torna os EUA diferentes.

É o que nos torna excepcionais”. É extremamente perigoso encorajar as pessoas a considerar a si mesmas excepcionais, seja qual for a intenção… Existem nações grandes e pequenas, ricas e pobres, com tradições democráticas antigas e aquelas que ainda procuram seu caminho em rumo à democracia. Suas políticas também diferem.

Somos todos diferentes, mas, quando pedimos as bênçãos de Deus, devemos nos lembrar de que Ele criou a todos nós como iguais”.

23/08/2012

Falando sobre reeleição, Obama afirma “Deus está no controle”


Falando sobre reeleição, Obama afirma “Deus está no controle”Uma pesquisa do Pew Research Center indica que 55% dos eleitores americanos acreditam que Obama é cristão e apenas 12% pensam que ele é muçulmano. De acordo com esta mesma pesquisa, 45% dos entrevistados disseram sentir-se confortáveis com a fé do presidente, enquanto 19% dizem estar desconfortáveis.

O relatório da Pew Research indica que 30% dos eleitores entrevistados não sabia a religião do presidente, 17% disseram acreditar que ele é muçulmano. Por outro lado, 60% identificaram corretamente o candidato republicano Mitt Romney como um mórmon.

Embora não discuta abertamente suas crenças religiosas, o presidente Obama aproveitou uma entrevista para a revista da Catedral Nacional de Washington para declarar que acredita que “Deus está no controle” de sua vida.

Embora o público duvide da força de sua fé cristã, o presidente reafirmou sua crença em Deus sobre seu futuro. “Em primeiro lugar, a minha fé cristã me dá a perspectiva e a segurança que eu sou amado. Haja o que houver, Deus está no controle”, disse Obama.

Ambos os candidatos tem recebido críticas pelas suas posturas religiosas, mas a percepção do público sobre as convicções religiosas de Obama mudaram dramaticamente desde que ele concorreu à presidência em 2008.

Mas Obama reafirma que sua crença em Deus ajuda-o a tomar decisões no governo. “A fé nos diz que há algo que nos faz desejar o bem-estar de uma criança que não pode receber os cuidados de saúde que necessita, ou um pai que não consegue encontrar trabalho depois que a fábrica fechou, ou uma família passando fome. A fé sempre proporcionou uma estrutura moral para este país enfrentar seus maiores desafios. Uma das grandes coisas sobre este país é que todas as pessoas podem defender sua fé e crenças e falar sobre o que as impulsiona e motiva”.

Como já ficou claro anteriormente, Barack e a primeira-dama Michelle Obama, tem uma perspectiva prática da fé. “Da escravidão ao movimento pelos direitos civis, a fé – e as obrigações morais que derivam de nossa fé – sempre nos ajudaram a enfrentar alguns dos nossos maiores desafios morais, com o reconhecimento que há algo maior acima de nós. Por isso temos obrigações que se estendem além do nosso próprio interesse”.

Perguntado sobre a crença de parte da população dos EUA de que ele é muçulmano, foi categórico.

“Não há muito que eu possa fazer sobre isso. Eu tenho um trabalho a fazer como presidente, e isso não envolve convencer as pessoas que minha fé em Jesus é legítima e real. Eu faço o meu melhor para viver minha fé, permanecer na Palavra, e fazer minha vida parecida com a dEle. O que eu posso fazer é continuar a segui-Lo, e servir aos outros”.

O presidente Obama tem sofrido críticas sobre suas posições sobre o aborto e o casamento gay, mas ele considera isso uma questão de respeito às decisões do próximo. “Como americanos, entendemos que, para garantir nossa capacidade de defender nossas posições, precisamos proteger a capacidade dos que pensam diferente de fazer o mesmo. A fé exige que vejamos a imagem de Deus no outro e a respeitemos”, finalizou.

A revista da Catedral Nacional deu o mesmo espaço para Mitt Romney. Ele ressaltou a importância da sua religião em sua vida. “Muitas vezes me perguntam sobre minha fé em Jesus Cristo”, disse Romney.

“Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus e o Salvador da humanidade. Cada religião tem sua própria doutrina e história. Elas não devem ser as bases da crítica, mas sim prova de nossa tolerância. A tolerância religiosa seria algo vazio se fosse reservado apenas para as religiões com as quais estamos de acordo.”

Traduzido e adaptado de Daily Mail

21/05/2011

Pastores brasileiros participam de café com Obama


Pastores brasileiros participam de café com Obama Durante café da manhã com pastores latinos hoje, o presidente Obama pediu aos líderes religiosos para “continuarem orando” pela reforma imigratória.

O National Hispanic Prayer Breakfast, como é conhecido o tradicional evento, é organizado pela Esperanza, uma aliança religiosa latina que representa 600 pastores e líderes religiosos. Pelo menos 10 pastores brasileiros, nove de Boston e um da Flórida, compareceram ao evento.

O brasileiro Júnior Ramos, pastor da igreja Revival Church for the Nations de Framingham, disse que o presidente foi imparcial em seu discurso. “Em momento nenhum ele fez política pessoal. Ele está levando em consideração a unidade dos partidos,” disse Ramos, cuja igreja tem 350 membros.

Pastor Júnior ressaltou que o grupo de pastores até esperava um interesse político do presidente, a 19 meses das eleições. O pastor até ressaltou que o ex-presidente George W. Bush também teve o apoio dos evangélicos. Mas, disse ele, em nenhum momento Obama usou o tema como campanha. Segundo o pastor, um deputado de Ohio foi até mais “contundente” na sua defesa da reforma imigratória.

“O presidente foi um pouco indefinido, mas disse que está fazendo o que pode,” acrescentou o pastor Júnior Ramos.

Nas últimas semanas, o presidente realizou três reuniões com políticos, artistas e ativistas hispânicos para falar de reforma imigratória. Obama sofreu pressão dos latinos que pediam para que ele usasse o poder executivo que tem para suspender as deportações dos estudantes indocumentados. Obama se negou a atender o pedido, dizendo que vai respeitar o poder constitucional do Congresso.

Mas o poder de mobilização dos líderes religiosos é incontestável. Segundo estudo publicado pelo instituto Pew Hispanic Center, 68% dos imigrantes de origem hispânica são católicos, e 15% são evangélicos protestantes.

Segundo o mesmo estudo, 2/3 dos hispânicos admitiram que a religião influencia na forma de analisar política, e 48% dos católicos hispânicos disseram que votam para os democratas, e apenas 17% para os republicanos.

Depois do café da manhã, o presidente Obama anunciou que vai se reunir ainda hoje com congressistas republicanos – mas a reunião deve acontecer a portas fechadas.

Fonte: Guia-me

06/05/2011

Pastores americanos comentam a “alegria” do povo pela morte de Osama Bin Laden


Pastores americanos comentam a “alegria” do povo pela morte de Osama Bin LadenPastores americanos deram suas opiniões sobre a população ter se alegrado com a morte do inimigo número um dos Estados Unidos, Osama Bin Laden, que teve a morte confirmada pelo Presidente Barack Obama na noite do domingo, 1º de maio.

Para o pastor Jonh Piper, Deus está meio feliz e meio triste pela morte do terrorista. O líder da Igreja Batista de Belém em Minneapolis disse em um blog do ministério Desejando Deus que as emoções de Deus são complexas.

Citando versículos bíblicos ele mostra que Deus não tem prazer com a morte de um ímpio porque ele deseja que ele se converta dos seus caminhos e viva (Ezequiel 18: 23,32). Em outra citação ele lembra, porém, que Deus tem prazer no julgamento e morte dos malfeitores (Ezequiel 5:13 e Provérbios 1: 25 e 26).

“Minha sugestão é que a morte e a miséria do ímpio é dentro e dele mesmo e não um prazer para Deus,” escreve Piper. “Deus não é um sádico. Ele não é malicioso ou sanguinário. A morte e o sofrimento por si só não é o Seu deleite.”

Já o pastor Steven Furtick da “Elevation Church” ficou feliz com a morte do terrorista acusado das mais de 3000 mortes causadas pela queda das Torres Gêmeas de Nova Iorque em 11 de setembro de 2009.

“Eu SIM lamento a morte = A morte generalizada que a vida de Bin Laden causou. Hoje, devemos celebrar o sacrifício e vitória de nossas tropas,” escreveu o pastor em seu Twitter.

Outros pastores consideraram a comemoração como dar continuidade ao ciclo de violência.  ”Será que estamos aprendendo alguma coisa, ou simplesmente girando no ciclo de violência?” Questionou o pastor Brian McLaren.

Outro pastor que resolveu comentar sobre o assunto foi Greg Laurie da Harvest Christian Fellowship, em Riverside, Califórinia, que disse no programa de rádio Um Novo Começo que não lamenta o assassinato de Bin Laden.

Lendo Mateus 5:38-42, Laurie enfatizou que os ensinamentos do Sermão da Montanha se aplicam a crentes e não são a norma para reger uma sociedade.

“Deve um Cristão ser um pacifista completo? Não devemos nunca nos defender?” perguntou Laurie durante o programa. “Não, não existe um lugar para a auto-defesa. Há um lugar para manter-se firme.”

Para ele os soldados americanos são servos de Deus que estão fazendo o bem e citando Romanos 13 ele diz aos ouvintes que devem obedecer as autoridades e o governo que foram instituídos por Deus. “Ele não carrega a espada. Ele é um servo de Deus e do agente da ira para trazer a punição para o que faz errado,” disse o pastor sobre os soldados.

Fonte: Gospel Prime / The Christian Post

04/05/2011

Missionários pedem oração pela Paz após morte de Bin Laden


Missionários pedem oração pela Paz após morte de Bin Laden Grupos Missionários estão pedindo aos cristãos dos EUA para orar pela Paz e segurança, e pela oportunidade de divulgar o Evangelho enquanto a notícia da morte de Osama Bin Laden se espalha pelo mundo.

O Conselho de Missão Internacional da Convenção Batista do Sul diz que tem mais de 5 mil membros do pessoal que presta serviço internacional, muitos dos quais têm vindo a reivindicar a sede da Virgínia hoje com uma mensagem para os americanos.

“Ao invés de comemorar, os cristãos deveriam cair de joelhos e orar por uma oportunidade para compartilhar o Evangelho,” disse Wendy Norvelle, vice-presidente associado e porta-voz da Convenção.

Norvelle observou que, quando existe morte, as pessoas recorrem à fé para o conforto. No episódio da morte de Bin Laden, muitas pessoas querem se sentir mais seguros. “Quando há uma necessidade de segurança e de paz, há também uma oportunidade para espalhar a mensagem de paz para superar o entendimento humano,” disse ele.

O diretor da CIA, Leon Panetta emitiu um alerta de terror na segunda-feira, pedindo aos americanos e aliados dos EUA para se manter vigilante.

Dr. Richard Land da Comissão de ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul, louvou a Deus pelas ações militares dos EUA. “Se alguém merecia a cassação de sua vida por crimes contra a humanidade, esse foi Osama Bin Laden”.

As notícias também estimularam uma série de demonstrações emocionais e ações de cidadãos americanos. Multidões empolgadas de americanos alegres se reuniram na noite de domingo em Washington, DC, e Nova York, os locais dos ataques do 11/9, para comemorar a notícia.

No entanto, alguns líderes da Igreja expressaram uma resposta mais cautelosa. Brian McLaren, líder da Igreja emergente que está atualmente no Reino Unido, disse que as imagens dos estudantes americanos “gritando, cantando na Casa Branca não refletem bem no meu país”.

Essas ações, por extensão, também não refletem o sentimento dos cristãos. Norvelle incentivou os Cristãos a exercer as exposições bíblicas “de oração, paz e perdão”.


Fonte: Christian Post

04/05/2011

Presidente dos Gideões Missionários da Última Hora, pastor Cesino Bernardino é indicado ao prêmio Nobel


Presidente dos Gideões Missionários da Última Hora, pastor Cesino Bernardino é indicado ao prêmio NobelO pastor Cesino Bernardino foi indicado ao prêmio Novel da Paz por sua luta “pela causa da família cristã” conforme revelou os pastores participantes do 29º Congresso Internacional de Missões dos Gideões Missionários da Última Hora onde foi anunciado a indicação.

Durante a solenidade para a entrega da placa representativa “Diploma de indicação ao Prêmio Nobel da Paz 2010/2011 como apóstolo social”. Entre os feitos que fizeram jus a indicação do Pastor, é citado a reconstrução do Haiti.

Pastor Cesino é o primeiro catarinense a ser indicado ao famoso galardão que já premiou Barack Obama, Nelson Mandela, Tenzin Gyatso (Dalai Lama), Madre Teresa de Calcutá, entre outros. Outro famoso líder evangélico brasileiro que já foi indicado ao Prêmio foi o Pastor Manuel Ferreira, da Igreja Assembléia de Deus de Madureira.

30/04/2011

Obama confessa ser seguidor da Igreja Cristã Batista


Depois de três semanas da oficialização de sua candidatura à reeleição, o presidente dos EUA, Barack Obama, teve de provar aos americanos que nasceu em Honolulu, no Havaí, às 19h24 de 4 de agosto de 1961. Ontem, a Casa Branca divulgou uma cópia autenticada da certidão de nascimento de Obama, providenciada na segunda-feira. A iniciativa busca pôr um ponto final nas teorias conspiratórias de setores mais radicais da oposição republicana de que o presidente é estrangeiro. “Não temos tempo para esse tipo de bobagem”, declarou o próprio Obama.

Na última semana, a suspeita foi disseminada novamente pelo bilionário Donald Trump, pré-candidato republicano para as eleições presidenciais de 2012. Em entrevista à CNN, Trump foi além de seu conhecido bordão de que a certidão de nascimento de Obama havia “desaparecido” e afirmou ter encomendado investigações no Havaí. “Disseram-me que o documento não existe. Isso é um grande problema”, disse o empresário.

Com o cuidado de não mencionar Trump, Obama alcunhou indiretamente o bilionário de “camelô de carnaval”. Argumentou que o período eleitoral cria “debates sérios”, como convém a uma democracia. Mas advertiu que não eles serão realizados a contento se os candidatos passarem o tempo “difamando uns aos outros”.

Embora apimentada pela disputa eleitoral já em curso, essa suspeita acompanha Obama desde sua candidatura à presidência, em 2008. Há dois anos, a Casa Branca desmentiu a “ficção absurda” sobre o nascimento de Obama fora dos EUA. Agora, publicou a cópia da certidão no seu site na internet. Mas outra paranoia eleitoralmente mais perigosa para o candidato democrata continua alimentada pelos republicanos: a de que o presidente seria muçulmano.

Pesquisa do jornal USA Today concluiu que, dos 1.013 consultados, 38% estão certos de que o presidente nasceu nos EUA. Outros 18% disseram que “provavelmente” ele é americano e apenas 9% mostraram-se certos de que Obama é estrangeiro. Segundo pesquisa do Pew Research, caiu de 47% para 34% o porcentual de americanos que acreditam que seu presidente é cristão. Subiu de 12% para 18% o número de americanos que acreditam que ele é muçulmano. Obama se confessa seguidor da Igreja Cristã Batista.


Fonte: O Estado de S.Paulo

28/04/2011

´Não temos tempo para bobagem`, diz Obama


´Não temos tempo para bobagem`, diz Obama O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fez um incomum pronunciamento à imprensa nesta quarta-feira e afirmou que não há tempo a perder com a polêmica sobre sua certidão de nascimento e os boatos de que teria nascido no Quênia e não no Havaí.

“Eu sei que este assunto não será esquecido”, admitiu Obama. “Mas não temos tempo para esta bobagem. Temos coisas mais importantes para fazer. [Eu] tenho coisas mais importantes para fazer”.

Pouco antes, a Casa Branca divulgou a versão integral da certidão de nascimento do presidente. A medida foi uma estratégia para acabar com os boatos de que o democrata não é americano e, portanto, não poderia ser eleito para cargos políticos nos Estados Unidos.

Obama já havia apresentado uma versão padrão mais curta da sua certidão de nascimento, reconhecida em seu Estado natal, o Havaí, e usada comumente lá como documento. A versão curta foi postada na internet pela equipe de Obama durante a campanha presidencial de 2007-2008, depois que seus adversários colocaram em dúvida o fato de o então candidato não ser americano.

A versão mais longa comprova que Obama efetivamente nasceu em Honolulu, no Havaí, às 19h24 de 4 de agosto de 1961.

“Este assunto ocorre há dois anos e meio. Eu confesso que assisti com divertimento e fiquei confuso”, disse o democrata, explicando que decidiu vir à público comentar quando viu que, há duas semanas, quando debatia o novo Orçamento com os republicanos e cuja aprovação impediria a paralisação do Estado, “a história dominante na mídia era sobre minha certidão”.

“Normalmente eu não comentaria sobre isso, eu tenho outras coisas para fazer”, admitiu o presidente, em um pronunciamento dos mais inusitados da história do país.

Obama aproveitou para pedir um esforço bipartidário de congressistas republicanos e democratas para os temas mais importantes, como desemprego, alta dos combustíveis e o deficit.

“Isso vai gerar debates grandes e sérios, debates importantes. Haverá discordâncias, mas isso é bom, é como a democracia funciona”, disse o presidente.

“Acredito que democratas e republicanos podem se unir e resolver os problemas, mas não poderemos fazer se estivermos distraídos, se estivermos perdendo tempo vilanizando uns aos outros”, completou Obama, em um aparente recado ao empresário, apresentados e candidato presidencial para 2012 Donald Trump, que realimentou a polêmica recentemente ao questionar porque Obama não divulgava a versão integral de sua certidão.

Fonte: Folha Online

28/04/2011

Franklin Graham volta atrás e diz que não quis criticar Obama


Franklin Graham volta atrás de suas declarações dadas no domingo de Páscoa dizendo que o presidente Barack Obama não tinha nascido nos Estados Unidos e que também não era um cristão legítimo. Diante da repercussão de suas palavras o pastor desconversa e diz que acredita que Obama está qualificado sim para tentar a reeleição.

Ao Cristianismo Hoje, revista fundada por seu pai, Billy Graham, Franklin Graham disse que não quis criticar o atual presidente dos Estados durante uma entrevista no canal ABC e que apenas respondeu ao que Christiane Amanpour lhe perguntou.

Sobre a alegação do nascimento de Obama ele diz: “Eu nunca levantei isso. Christiane Amanpour foi quem trouxe o assunto. Foi Donald Trump quem trouxe o assunto. Eu nunca trouxe o assunto como uma questão sobre a certidão de nascimento,” disse ele. “Eu não me importo se ele nasceu no Kansas, ou se ele nasceu no Havaí.”

Na entrevista dada no domingo ao “This Week” da ABC, Graham questionou por que Obama não revelou a sua certidão de nascimento quando lhe foi perguntado sobre reivindicações de Trump sobre o nascimento dele.

“Eu nasci em um hospital em Ashville, NC, e eu sei que meus registros estão lá. Provavelmente, você pode até mesmo ir lá e descobrir o quarto que minha mãe estava quando eu nasci,” disse Graham no “This Week”. “Não sei por que ele não pode providenciar isso.”

Essas palavras desagradaram a Casa Branca que por meio de seu porta-voz lamentou as acusações do pastor. “Acho que é lamentável que um líder religioso escolha o domingo de Páscoa para fazer acusações absurdas,” disse Jay Carney aos jornalistas.

Outro assunto que repercutiu mal foi quando Graham questionou a fé de Obama. “Para ele, ir à Igreja significa que ele é um Cristão. Para mim, a definição de um Cristão é saber que temos dado a nossa vida a Cristo e segui-lo na fé, e temos confiança nele como nosso Senhor e Salvador,” disse.

Mas na terça-feira as suas palavras foram outras, à revista Cristianismo Hoje ele disse que não acredita que o presidente dos Estados Unidos seja um mulçumano, já que ele diz que é cristão. Entretanto Graham acrescentou que sob a lei (islâmica) sharia, Obama ainda é considerado um Muçulmano porque seu pai é um muçulmano.

Por último o filho mais velho de Billy Graham preferiu não dizer quem irá apoias nas próximas eleições. “Eu não vou me envolver no processo político,” afirma Graham. “Haverá pessoas que eu gosto e desgosto.”

Ele revelou sua vontade de que gostaria que “um verdadeiro seguidor de Jesus Cristo e não apenas por nome” na Casa Branca. Ele reconheceu que Trump disse que ele vai à Igreja quando pode e Obama, também vai à Igreja quando ele pode.

Fonte: Gospel Prime

Com informações Christian Post

27/04/2011

Franklin Graham prefere Donald Trump a Obama


Franklin Graham prefere Donald Trump a Obama Franklin Graham, filho do evangelista Billy Graham, disse que os Estados Unidos estão com um “grande problema” sob a liderança do presidente Barack Obama. Ele afirmou ainda que está tendo uma visão cada vez mais positiva do bilionário Donald Trump, pré-candidato à presidência pelo Partido Republicano.

“Obama é um homem muito bom e muito gentil,” disse Graham à jornalista Christiane Amanpour, da emissora ABC no domingo de Páscoa. “Mas, acho que nosso país está em apuros”, completou Graham, que é presidente da Associação Evangelística Billy Graham e da instituição de ação social Samaritan’s Purse.

Graham não especificou porque os Estados Unidos estão em apuros com Obama, mas expressou apoio ao questionamento de Trump quanto às razões pelas quais Obama não apresentou sua certidão de nascimento.

“Eu não sei por que ele não pode apresentar aquilo (certidão de nascimento). Não sei, mas é uma questão que parece que ele poderia responder rapidamente”, disse Graham.

Graham foi um dos líderes cristãos, juntamente com o pastor Tim Keller, convidados para discutir o tema “Deus e o governo” em uma entrevista com a jornalista Christiane Amanpour.

Entre seus comentários mais surpreendentes, Graham disse que se encontra politicamente atraído por Donald Trump. Graham descreve Trump como um homem “muito capaz”.

Quando Amanpour perguntou se Trump poderia ser “o candidato da escolha” de Graham, ele respondeu: “Claro que sim, com certeza”.

Em uma entrevista recente a David Brody da Rede de Transmissão Cristã de TV, Trump disse que ele era um cristão e um presbiteriano. Mas, a descrição de sua vida religiosa deixou alguns americanos perplexos e cépticos sobre a sua fé cristã.

Trump, em entrevista a CBN, disse que é “uma pessoa que vai à igreja nos domingos, Natal, Páscoa, ocasiões importantes e tanto quanto eu posso”. E ele revelou que guarda todas as Bíblias que as pessoas enviam.

“Jamais eu iria jogar fora uma Bíblia, então o que fazemos é manter todas”, disse Trump. “Tenho medo de fazer algo diferente, por isso armazeno todas elas e, às vezes, as dou a outras pessoas”.

Graham também questionou a definição de Obama como cristão, dizendo para o presidente que um cristão não pode ser simplesmente alguém que vai à igreja.

“Para mim, a definição de cristão é saber que temos dado a nossa vida a Cristo e o seguimos. Temos confiança nEle como nosso Salvador e Senhor”, disse Graham, cujo pai, Billy Graham, recebeu Obama na Carolina do Norte em sua casa em abril de 2010. “Essa é a definição de um cristão, não é que você é membro de uma igreja. A associação não faz de você um cristão”.


Fonte: Christian Post

%d blogueiros gostam disto: