Posts tagged ‘Centenário da Igreja Assembléia de Deus’

01/10/2012

Faleceu Pr. Anselmo Silvestre aos 96 anos


Faleceu neste domingo (30), aos 96 anos, pastor Anselmo Silvestre, presidente de honra da Assembleia de Deus Ministério de Belo Horizonte (MG). Evangelista e líder das Assembleias de Deus em Minas Gerais por mais de 50 anos, nasceu em 1º de junho de 1916 em Sabinópolis (MG).

Pastor Anselmo teve 62 anos de pastorado – boa parte como presidenete da Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus do Estado de Minas Gerais (COMADEMG).

Ele era conhecido em todo o país pelo seu vigor extraordinário, apesar da idade (sempre viajando), pelo seu bom humor e por gostar de cantar, nas igrejas e convenções, o hino cujo refrão conclama a todos ao avivamento, declarando que “tem que começar pelo altar”. Ele era viúvo desde 1986.

Um pouco da história

Consagrado a pastor em 1950 e na liderança da AD mineira desde o ano de 1959, o ministro tomou posse após o falecimento do missionário sueco pastor Algot Svenson. Teve ainda o privilégio de conviver com a maioria dos pioneiros do Movimento Pentecostal no Brasil, inclusive com um dos fundadores da AD, missionário Daniel Berg.

Em 1930, aos 13 anos, mudou-se para Belo Horizonte. Casou-se com Bernarda, com quem teve oito filhos. Sua conversão ao Evangelho aconteceu em maio de 1939, em Belo Horizonte, por meio da cura de sua esposa. Em dezembro deste ano, foi batizado nas águas, tendo já recebido o batismo no Espírito Santo. Em 1959 assumiu a presidência da igreja em Belo Horizonte.

Pastor Anselmo ocupou cinco vezes a vice-presidência da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), além de outros cargos na mesa diretora e, como conselheiro, em órgãos da Convenção. Em seu pastoreado, a AD em Belo Horizonte hospedou duas assembleias gerais da CGADB.

Viúvo desde 31 de dezembro de 1986, Anselmo Silvestre era conhecido em todo o país pelo seu vigor extraordinário, apesar da idade, pelo seu bom humor e por gostar de cantar, nas igrejas e convenções, o hino cujo refrão conclama a todos ao avivamento, declarando que “tem que começar pelo altar”.
Foram 73 anos dedicados ao ministério, dos quais 51 como Pastor Presidente da Assembleia de Deus – Ministério de Belo Horizonte. Até então, era também o Presidente da COMADEMG – Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus do Estado de Minas Gerais.
Ele deixou um legado de grandes conquista por todo o mundo e por onde passou ao longo de seus 73 anos à frente das Assembleias de Deus em Minas Gerais.
*”Pastor Anselmo Silvestre – Patrimônio do Centenário”

O Pastor Anselmo Silvestre, aos 96 anos de idade, é um dos pilares do movimento pentecostal no Brasil, razão que faz dele um patrimônio das Assembleias de Deus. São 73 anos de pastorado, 52 dos quais como Presidente da AD mineira. Desde o falecimento do missionário sueco – Pr. Algot Svenson, no ano de 1939, que o Pr. Anselmo Silvestre vem liderando esse grande rebanho, um dos mais importantes estados da nação.
As experiências agregadas ao longo desses anos todos faz dele um arquivo vivo do Centenário, especialmente por ter convivido de perto com a maior parte dos pioneiros do movimento pentecostal, inclusive Daniel Berg, que por muitas vezes hospedou em sua casa. Por cinco mandatos consecutivos, foi Vice-Presidente da CGADB – Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Também é o Presidente da COMADEMG – Convenção dos Ministros das Assembleias de Deus do Estado de Minas Gerais, desde a sua fundação. Atualmente, é o Presidente de Honra da AD Belo Horizonte, desde dezembro de 2009, quando passou a liderança ao seu neto, Pr. Moisés Silvestre Leal.No ano do Centenário, louvamos a Deus pela vida quase centenária deste homem honrado, admirado, amado e respeitado em todo o Brasil; uma vida marcada pela dedicação e empenho na obra de Deus e na expansão da denominação. Como ele próprio sempre diz, atravessando carvoeiras, valados e barrancas de rios, muitas vezes caminhando cem quilômetros a pé para levar a Ceia do Senhor a uma pessoa, tendo nisso grande gozo e alegria. Passados tantos anos, o Pr. Anselmo pode se alegrar em Deus por ver que o trabalho que recebeu com apenas 3 mil membros hoje conta com quase 100 mil, somente na região metropolitana de Belo Horizonte.

A Deus toda honra e toda glória! Ao Pr. Anselmo, o mais profundo respeito e admiração de toda a membresia e ministério da Assembleia de Deus – Belo Horizonte.

 
04/05/2012

Centenário da Assembleia de Deus no Pacaembu pode render multa de R$ 50 milhões


O promotor de Justiça Mauricio Antonio Riebiro Lopes, da Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo da cidade de São Paulo entrou com uma ação civil pública contra o Município, o prefeito Gilbero Kassab (PSD) e contra o pastor José Wellington Bezerra da Costa.

Para o MP a prefeitura utilizou o Estádio do Pacaembu indevidamente ao oferecer o espaço para que as Assembleias de Deus realizassem a festa de comemoração aos 100 anos da denominação. O evento aconteceu no dia 15 de novembro e reuniu milhares de fiéis, causando incomodo aos moradores da região em volta do Estádio.

Pela lei o Pacaembu só pode ser usado para eventos esportivos, sendo assim o prefeito teria agido contra a Lei ao ceder o local para uma comemoração religiosa.

Por esse motivo o prefeito está sendo acusado de improbidade administrativa e o Município poderá ser condenado a pagar uma multa por dano moral coletivo causado aos moradores do bairro do Pacaembu.

Já o pastor da Assembleia de Deus Ministério Belém, que também é presidente da Convenção Geral das Assembleias do Brasil (CGADB) também entrará nesse processo de improbidade e poderá ter que ressarcir o Estado em R$50 milhões juntamente com Kassab.

Com informações do Ministério Público de SP

Fonte: Fonte Gospel Prime

12/07/2011

Assembleia de Deus ratifica resolução da decência para usos e costumes


A decisão saiu da 40ª CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil), realizada em Cuiabá (Mato Grosso).

A Assembleia de Deus ratificou uma resolução de 12 anos atrás que orienta os fiéis como se comportar e o que vestir de modo a não incorrer na “indecência”, o que é, no entender dos evangélicos, como se sabe, um dos caprichos do Satanás.

A decisão saiu da 40ª CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil), realizada em abril em Cuiabá (Mato Grosso). Houve uma discussão acalorada. Os conservadores defenderam normas mais rígidas, sobretudo para as irmãs, e os liberais pediram algumas liberações, com o uso de bermuda, que é uma das reivindicações dos fiéis mais jovens. Por fim, houve um acordo para se manter a resolução de 1999.

O Mensageiro da Paz, publicação oficial da Assembleia de Deus, divulgou as principais orientações da resolução, cada uma delas com a menção do trecho da Bíblia que lhe deu origem e respaldo.

Assim, as igrejas têm de se abster de:

1 – Ter os homens cabelos crescidos, bem como fazer cortes extravagantes, bem como o uso de brincos.

Para a AD, tal proibição está expressa em 1 Coríntios 11.14-15: “Ou não vos ensina a mesma natureza que é desonra para o varão ter cabelo crescido? Mas ter a mulher cabelo crescido lhe foi dado em lugar de véu”.

2 – Mulheres que usem roupas que são peculiares aos homens e vestimentas indecentes e indecorosas, ou sem modéstias.

Os pastores evocaram, nesse caso, 1 Timóteo 2.9,10: “Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos, mas com boas obras”.

3 – Uso exagerado de pintura e maquiagem – unhas, tatuagens e cabelos.

Tais restrições estão em dois trechos da Bíblia – sempre de acordo com a interpretação dos pastores. Um dos trechos é o Lv 19.28,2: “Não façam cortes no corpo por causados mortos, nem tatuagens em si mesmos.”.

4 – “Uso de cabelos curtos em detrimento da recomendação bíblica.”

Trata-se de uma referência a 1 Coríntios 11.6, 15, que diz: (6) Portanto, se a mulher não se cobre com véu, tosquie-se também. Mas, se para a mulher é coisa indecente tosquiar-se ou rapar-se, que ponha o véu. (7) O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem. (8) Porque o homem não provém da mulher, mas a mulher do homem. (9) Porque também o homem não foi criado por causa da mulher, mas a mulher por causa do homem. (10) Portanto, a mulher deve ter sobre a cabeça sinal de poderio, por causa dos anjos. (11) Todavia, nem o homem é sem a mulher, nem a mulher sem o homem, no Senhor. (12) Porque, como a mulher provém do homem, assim também o homem provém da mulher, mas tudo vem de Deus. (13) Julgai entre vós mesmos: é decente que a mulher ore a Deus descoberta? (14) Ou não vos ensina a mesma natureza que é desonra para o homem ter cabelo crescido? (15) Mas ter a mulher cabelo crescido lhe é honroso, porque o cabelo lhe foi dado em lugar de véu.

5 – Mau uso dos meios de comunicação: televisão, internet, rádio, telefone.

Essa orientação foi extraída de dois trechos, o 1 Coríntios 6.12 (“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.”) e o Fp. 4.8 (Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.)

A resolução diz que caberá aos pastores indicar aos fiéis sobre o que podem ver na TV. Alguns deles simplesmente proíbem a compra de aparelho de televisão.

6. Uso de bebidas alcoólicas e embriagantes (Pv 20.1; 26.31; 1, Co 6.10; Ef. 5.18).

Esse último, por exemplo, diz: “Não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito.”

Na ratificação da resolução, houve pelo menos uma sutil modificação, mas que faz diferença quanto o uso de pintura e maquiagem e à utilização dos meios de comunicação. A palavra “proibição” foi substituída por “recomendação”.

A Assembleia de Deus tem mais de 22 milhões de seguidores no Brasil. Trata-se, a rigor, de um conglomerado de “religiões” que rumam no mesmo sentido, mas com uma razoável independência umas em relações às outras.

Isso significa, entre outras coisas, que as decisões da Convenção Geral como estas de usos e costumes sejam adotadas com muita flexibilidade, até por causa de suas contradições.

Algumas dessas contradições desmoralizam os guardiões da moralidade dos fiéis, como, por exemplo, a proibição por alguns templos aos fiéis de não possuírem TV, embora pastores da mesma denominação tenham programas de televisão. Ou ainda o veto ao uso de calça cumprida na escola, mas não no ambiente de trabalho. Todas as igrejas proíbem o uso de barba, mas algumas delas liberam o bigode.

O que perpassa toda resolução é o puritanismo condenatório da sensualidade, sobretudo e quase exclusivamente da mulher. Mulher não pode usar roupa que delineia o seu corpo de mulher. Porque, se assim fizer, ela terá de assumir a responsabilidade pelo pecado não só de sua ousadia, mas também pelo desejo dos outros.

É a negação do feminino, o que leva à velha questão da sexualidade mal resolvida dos puritanos.

Fonte: Paulopes / Folha Gospel

25/06/2011

Fieis lotam Mangueirão na abertura do Centenário da Assembleia de Deus


Fieis lotam Mangueirão na abertura do Centenário da Assembleia de DeusCerca de 60 mil pessoas lotaram o Estádio Olímpico do Mangueirão na noite de ontem (16), durante a abertura da programação oficial do Centenário da Assembleia de Deus, que se estende até o próximo sábado (18). A multidão acompanhou pregações e louvores de conferencistas e cantores nacionais e internacionais. A preletora da noite foi a missionária Helena Raquel.

O evento teve ainda a participação do pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), que deu uma palavra ao público que lotava o Estádio do Mangueirão, enfatizando a importância de “a igreja não deixar de lado os ensinamentos deixados pelos missionários”, destacou o líder.

O ápice do evento foi a apresentação do grupo paraense Celebrai, que interpretou um dos hinos do Centenário, “Avante Vai!”. Houve ainda queima de fogos e apresentação de uma coreografia que simulou a chegada dos pioneiros, Daniel Berg e Gunnar Vingren, em Belém, no ano de 1910.

Dona Hulda Vasconcellos, que é filha de um dos pastores pioneiros da Igreja em Belém, Alcebiades Pereira Vasconcelos, estava emocionada com a festa: “Foi tudo muito lindo. O momento do louvor com a coreografia e os fogos foi de arrepiar. Estou muito feliz em participar desse momento histórico para a Igreja e para Belém”.

Os familiares de Gunnar Vingren e Daniel Berg e caravanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Fortaleza e do interior do Pará marcaram presença no local, além de autoridades como o prefeito de Ananindeua, Helder Barbalho e o deputado estadual Raimundo Santos.

O presidente da Assembleia de Deus em Belém, pastor Samuel Câmara, disse que o momento reflete a força do povo e a gratidão a Deus por um século de vida da Igreja, que começou com dois homens em Belém e se expandiu por mais 176 países, alcançando milhões de pessoas em todo o mundo.
Centenário é destaque no Jornal Nacional

A festividade foi destaque na noite desta quinta-feira no Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão. A reportagem mostrou as milhares de pessoas que estão na capital paraense para a comemoração do Centenário da AD. No sábado (18), a Igreja Assembleia de Deus completará 100 anos de existência e foi em Belém que ela surgiu.

Fonte: CPAD NEWS

22/06/2011

Culto de Ações de Graças pelo Centenário das Assembleias de Deus reúne 20 mil fiéis


Culto de Ações de Graças pelo Centenário das Assembleias de Deus reúne 20 mil fiéisO culto de ações de graça pelas comemorações dos 100 anos da Assembleia de Deus no Brasil foi realizado na segunda, 20, no Centenário Centro de Convenções  em Belém do Pará e reuniu cerca de 20 mil pessoas.

O culto foi comandado pelo pastor Samuel Câmara, presidente Igreja-mãe, e teve a participação do Grupo Celebrai e das cantoras Alessandra Prado e Mary Monteiro, entre outras atrações.

Na ocasião o pastor lembrou das comemorações que aconteceram nos dias 16, 17 e 18 no Estádio Mangueirão e também lançou uma campanha para modernizar a TV Boas Novas que transmitiu ao vivo toda a programação do Centenário para 22 capitais e 90 cidades do país.

As comemorações do Centenário custaram cerca de R$ 25 milhões, incluindo a construção do Centro de Convenções que tem 13 mil metros quadrados. A programação teve início na última quinta-feira (16), com a inauguração dos três símbolos que marcaram o evento: o Museu da Assembleia de Deus, na rua João Diogo; a avenida Centenário (antiga Dalcídio Jurandir); e a inauguração do Centro de Convenções.

Fonte: Gospel Prime

17/06/2011

Inauguração do Centro de Convenções do Centenário reúne mais de 18 mil fiéis em Belém


 

Inauguração do Centro de Convenções do Centenário reúne mais de 18 mil fiéis em Belém Cerca de 18 mil pessoas participaram da inauguração do Centenário Centro de Convenções em Belém do Pará durante essa quinta-feira, 16, para comemorar os 100 anos da Assembleia de Deus no Brasil.

O centro possui 13 mil metros quadrados de área climatizada, foi erguida ao longo de um ano e sua inauguração marca um século do maior movimento pentecostal do mundo, uma referência para a comunidade evangélica.

A obra está localizada na Rodovia Augusto Montenegro, próximo ao Estádio Olímpico do Mangueirão, onde serão realizadas outras grandes celebrações alusivas ao Centenário que acontecem até o dia 18 de junho.

A reunião começou com uma oração do pastor presidente da AD de Belém, o pastor Samuel Câmara que agradeceu a Deus pelos 100 anos da igreja, pelas vitórias e pela história da maior denominação evangélica do país.

Várias autoridades políticas estiveram presentes na inauguração como o governador do Estado do Pará, Simão Jatene; a primeira dama Ana Jatene; o prefeito de Belém, Duciomar Costa; o prefeito de Ananindeua, Helder Barbalho, além de senadores, deputados e vereadores.

Os cantores Alessandra Prado, Cristina Mel, Gabriel Lima e o grupo Celebrai, entre outros, foram os responsáveis pelo louvor da noite.

Um pastor da Suécia também esteve presente na reunião, ele relembrou a importância da vinda de seus compatriotas Daniel Berg e Gunnar Vingren para a criação do movimento pentecostal, que atualmente congrega cerca de 700 mil pessoas, somente no Estado do Pará, em seus mais de 4 mil templos.

Muitos participantes vieram de outras regiões do Brasil só para participar das festividades que comemoram o Centenário das ADs. As comemorações acontecem até o dia 18.

Fonte: Gospel Prime

14/06/2011

Senado realiza sessão especial para comemorar os 100 anos da Assembleia de Deus no Brasil


Senado realiza sessão especial para comemorar os 100 anos da Assembleia de Deus no BrasilO Senado fez uma sessão especial na manhã desta segunda-feira, 13, para comemorar o centenário das Igrejas Evangélicas da Assembleia de Deus no Brasil, data celebrada no dia 18 de junho.

A solicitação para essa sessão foi feita pelo senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) que protocolou um requerimento para reconhecer a importância da Assembleia de Deus no país.

“Tal comemoração constituirá singelo reconhecimento do Senado a essa organização secular, que não se limita a prestar essencial assistência religiosa, mas que também atua de forma valorosa em várias causas sociais, principalmente aquelas desenvolvidas em prol dos mais desfavorecidos”, disse Crivella em seu requerimento solicitando a sessão especial.

Dia 18 completa 100 anos que os missionários suecos Daniel Berg e Gunnar Vingren fundaram a Assembleia de Deus no Brasil. Hoje ela é a maior denominação evangélica do país, com mais de 20 milhões de membros.

Fonte: Gospel Prime / Agência Senado

14/06/2011

Paraenses veem a celebração dos 100 anos como honra de Deus


Paraenses veem a celebração dos 100 anos como honra de Deus Cerca de 11 mil pessoas lotaram o estádio Evandro Almeida, o Baenão, no culto de encerramento das festividades dos 100 anos da AD no Brasil, em Belém do Pará. Segundo o tenente do Corpo de Bombeiros, Esaú Almeida, apesar do grande fluxo de pessoas. o movimento foi muito tranqüilo.

A reunião foi dirigida pelo deputado federal e pastor Ronaldo Fonseca, líder da AD em Taguatinga (DF), e contou com a presença da Mesa Diretora da CGADB, líderes de várias convenções do Brasil e exterior, parlamentares, além de caravanas de várias regiões do Brasil e do Pará. Os jovens e adolescentes também marcaram presença significativa na festividade.

Na abertura do cerimonial, ocorreu a entrada das bandeiras do Brasil, Israel, Suécia, Estados Unidos, Pará, Comieadepa, Assembléia de Deus, CGADB, CPAD e Centenário. Dois jovens entraram carregando uma chama pentecostal. Eles passavam por grupos de outros jovens que corriam pelo gramado representando a disseminação do Evangelho no país. Ainda na abertura dezenas de adolescentes entraram com as bandeiras representando todos os municípios paraenses. Entre eles estava Malcon Souza, 15 anos. Ele não conseguiu esconder a emoção de estar lá. “Fui escolhido para fazer parte deste momento e não é qualquer adolescente que tem este privilégio. Louvo ao Senhor por esta honra”.

Pastor Orcival Xavier, líder da AD em Brasília (DF), fez a leitura oficial no Salmo 100. O juiz Abner Apolinário da Silva entoou o Hino Nacional e o hino 244 da Harpa Cristã. Na sequência, pastor Gilberto Marques saudou aos convencionais, os parlamentares, e a todos os presentes e agradeceu a Deus pela presença do Espírito Santo no Pará. “Nós tivemos um trabalho intenso por todos esses dias, mas eu confesso que estou rejuvenescido. Foi um prêmio do céu a presença da CPAD, CGADB  e dos colegas de todo o Brasil que enriqueceu e muito a festa do Centenário. O nosso coração está jubiloso e Jesus foi em tudo glorificado”, enfatiza o pastor.

O louvor ficou por conta de cantores regionais, três bandas do Estado e os cantores Victorino Silva, Lilia Paz, Marcelo Santos, Alice Maciel, da Patmos Music, e Joe Vasconcelos, dos EUA.

No decorrer do culto, pastor José Wellington Bezerra da Costa, líder da CGADB, falou em nome da entidade e disse que se regozijava no Senhor pelos 100 anos da AD no Brasil. “Deus por sua bondade, pelo seu Espírito, derramou uma copiosa chuva de bênçãos sobre nós. O encerramento foi uma apoteose e parte da igreja permaneceu aqui e ficou com o coração cheio de alegria”, afirma o presidente.

A Palavra foi pregada pelo pastor Joel Freire, líder da Confraceb (EUA).  Ele leu em Gênesis 21.5 e deixou uma palavra de renovo para a igreja. Fez uma comparação da chamada de Deus na vida de Abraão com a chamada de Deus na vida dos missionários Gunnar Vingren e Daniel Berg. “Há 40 anos, a AD era conhecida como um povo ignorante (um Zé povinho). Hoje, 100 anos depois, a AD mostra que conhece Deus que é o dono da Palavra. Creio que estamos começando uma nova etapa na AD e estamos orgulhosos em ser assembleianos e brasileiros”, declarou.

Durante a celebração, o diretor- executivo da CPAD, Ronaldo Rodrigues de Souza, recebeu homenagem pelos anos à frente da editora. “Foi uma festa que reuniu a liderança do Brasil com o objetivo de continuar servindo o Senhor e Salvador Jesus Cristo e a CPAD que faz parte da história da Assembleia de Deus vai continuar a servir a igreja a fim de caminhar por mais 100 anos ou até a volta do Senhor Jesus”, destacou.

Nem a forte chuva que caiu no período da festividade impediu que a o povo de Deus glorificasse e se sentissem honrados por fazer parte de um momento ímpar na história da AD. Para o pastor João Alberto de Almeida, representante do ministério de Madureira, a comemoração do Centenário vem marcar uma história de unção e oração. “Ao longo dos 100 anos são tantas maravilhas que não se pode contar. Esse. O amor permanece no coração dos assembleianos”, conclui.

Para pastor Firmino Gouveia, a emoção e o sentimento não podem ser descritos. “Só os céus podem traduzir o que vai ao meu coração. Não palavras que podem evidenciar a grandeza desta oportunidade. Sou um milagre fui salvo, estou vivenciado o centenário e tive a honra de pastorear a igreja pioneira no Brasil. Portanto, só os céus podem traduzir o que vai ao meu coração. Cem anos não são 100 dias. É muita glória”, declara o pastor Firmino muito emocionado.

Fonte: CPAD News

11/06/2011

Casamento comunitário une mais de mil casais na Assembleia de Deus em Belém


Casamento comunitário une mais de mil casais na Assembleia de Deus em BelémO pastor Samuel Câmara, presidente da Assembleia de Deus de Belém vai realizar no dia 10 de junho o maior casamento comunitário já realizado no Pará. A cerimônia, que integra as comemorações pelo Centenário da Assembleia de Deus, acontece no Templo Central, a partir das 18h.

Mais de mil casais se inscreveram para a celebração nos últimos sete meses, quando a igreja começou a anunciar o trabalho de organização. Todos os anos a AD Belém realiza cerca de 300 a 400 casamentos, mas devido a comemoração dos 100 anos, a igreja pensou em realizar algo maior.

“A procura foi muito grande até porque esse casamento foi aberto a toda a sociedade paraense. Entre os participantes, estão pessoas de diversas idades, membros ou não da Assembleia de Deus”, detalha o pastor Oséas Soares, organizador da solenidade.

A celebração contará com um arranjo musical especial. Participarão do casamento a Orquestra da Assembleia de Deus, o Coral de Quatro Vozes e cantores da música gospel que receberão os casais ao som da marcha nupcial. “Certamente, será uma grande e maravilhosa festa”, completou o pastor.

Fonte: Gospel Prime


11/06/2011

Os primeiros passos da Assembleia de Deus no Brasil


Os primeiros passos da Assembleia de Deus no BrasilEm 19 de novembro de 1910, os suecos Gunnar Vingren e Daniel Berg, batizados no Espírito Santo, chegaram a Belém do Pará, procedentes dos Estados Unidos da América.  Ao crer na doutrina pentecostal pregada pelos dois missionários, em 2 de junho de 1911,  na Rua Siqueira Mendes, 67, na cidade de Belém, Celina de Albuquerque, membro da Igreja Batista de Belém, enquanto orava, foi batizada no Espírito Santo.

O fato teve repercussão imediata na Igreja Batista. Havia aqueles que aceitavam o batismo no Espírito Santo e aqueles que eram contrários à nova doutrina. Em 13 de junho, numa terça-feira, foram excluídos 13 membros da igreja: José Plácido da Costa, que ocupara o cargo de moderador da igreja até aquela sessão; Manuel Maria Rodrigues, ex-secretário; José Batista de Carvalho, ex-tesoureiro; Antonio Mendes Garcia, todos estes diáconos; Lourenço Domingos; João Domingos; Maria dos Prazeres Costa; Maria Pinto de Carvalho; Alberta Ribeiro Garcia; Manuel Rodrigues Dias; Jerusa Rodrigues. O secretário da igreja depois de anotar esses nomes, deixou para o fim os nomes de Celina Cardoso de Albuquerque e Maria de Jesus Nazaré, que, ao mencioná-los, fez chamando-as de “as profetisas”, e os de Gunnar Vingren e Daniel Berg.

Sob a liderança dos missionários Gunnar Vingren e Daniel Berg, os crentes batistas que aceitavam a doutrina pentecostal foram convocados a comparecer à casa onde se instalava a congregação batista na Cidade Velha, à Rua Siqueira Mendes nº1-A, residência da irmã Celina Albuquerque, para se reunir no dia 18 de junho de 1911, num domingo. Presentes estiveram onze irmãos excluídos no dia 13 daquele mês, da Igreja Batista, tendo faltado os irmãos Lourenço Domingos e Alberta Ribeiro Garcia. Compareceram, porém, três membros da igreja que não estavam excluídos, que foram Henrique Albuquerque, esposo de Celina; Maria Piedade da Costa, esposa de Plácido e Emília Dias. Além destes, foram arrolados mais quatro irmãos da referida congregação, cujos nomes são os seguintes: Joaquim Silva, Tereza Silva de Jesus, Izabel Silva e Benvinda Silva, todos de uma mesma família. Os três que ainda eram membros da Igreja Batista só foram excluídos no dia 12 de julho depois de que a mesma tomou conhecimento da posição assumida por eles. Quanto aos quatro congregados, não cabia a igreja discipliná-los porque não eram membros da igreja. Ao todo eram 18 pessoas para o início da Missão da Fé Apostólica, que mais tarde passou a se chamar Assembléia de Deus.

I – Começa a Missão da Fé Apostólica

A partir de 18 de junho de 1911, as igrejas pentecostais que iam sendo iniciadas no Pará, começando pela que se reunia na casa de Henrique e Celina Albuquerque, à Rua Siqueira Mendes 67, Cidade Velha, em Belém, passaram a ser chamadas pelo nome Missão da Fé Apóstolica.

Em 25 de outubro de 1914, chegaram a Belém do Pará os suecos Otto e Adina Nelson, procedentes dos Estados Unidos, para se juntarem a Vingren e Berg.

Em 8 de novembro de 1914, a igreja, que se reunia na Av. São Jerônimo, 224, seu segundo, endereço depois da casa de Celina Albuquerque (nesta casa se reuniram por mais ou menos três meses) se mudou para a Travessa 9 de janeiro, 75.

Em 18 de agosto de 1916, chegaram a Belém os suecos Samuel e Lina Nyström, os primeiros missionários oficialmente enviados pela Igreja Filadélfia de Estocolmo.

Em 3 de julho de 1917, Frida Vingren chegou a Belém, como missionária também enviada pela Igreja Filadélfia de Estocolmo.

II – Registrada a primeira “Assembleia de Deus”

Em 11 de janeiro de 1918, Gunnar Vingren registrou o Estatuto da Igreja no Cartório de Registro de Títulos e Documentos do 1º ofício, em Belém, no Livro A, Nº 2, de Registro Civil de Pessoas Jurídicas e outros papéis, número de ordem 131.448, sob o nome “Estatuto da Sociedade Evangélica Assembléa de Deus”, número de ordem 21.320, do Protocolo Nº 2.

Os extratos do Estatuto foram publicados no Diário Oficial do Estado do Pará, sob nº 766524.

Com esse registro, a igreja começou a existir legalmente como pessoa jurídica adequando-se aos Artigos 16 e 18 do primeiro Código Civil Brasileiro que acabara de entrar em vigor em 1º de janeiro de 1917.

III – Primórdios no Pará

Os primeiros lugares no Pará que receberam a mensagem pentecostal foram: Soure e Mosqueiro, na Ilha de Marajó (Daniel Berg, 1911); Bragança (Daniel Berg, 1912); Xarapucu e Catipuru (Daniel Berg, 1913); Estrada de Ferro Belém-Bragança, Igarapé-Assu, Benevides, Capanema, Timboteua, Peixe-Boi e Bragança (Clímaco Bueno Aza, 1913); Ilha Caviana (Daniel Berg, 1914); Afuá, Ilha de Marajó (Gunnar Vingren e Daniel Berg, 1914); São Luís do Pará (1915); Assaisal (Bonito) (Joaquim Amaro do Nascimento, Francisco Santos Carneiro e João Paraense, 1919); e vários outros lugares foram sendo visitados pelos primeiros missionários e crentes da AD de Belém.

IV – Primórdios fora do Pará

Os primeiros lugares fora do Pará que receberam a mensagem pentecostal foram: Uruburetama, CE (Maria de Nazaré, 1914); Maceió, AL (Gunnar Vingren, 1914; Otto Nelson, 1914); Campina Grande, PB (Manoel Francisco Dubu, 1914; Felipe Nery Fernandes, 1922); Roraima (Cordulino Teixeira Bastos, 1915); Manaus, AM (Severino Moreno de Araújo, 1917); Macapá, AP (Clímaco Bueno Aza, 1916); Recife (Adriano Nobre, 1916); Natal, RN (Pregadores de nomes desconhecidos e Adriano Nobre, 1918); João Pessoa, PB (Francisco Félix e esposa, 1920); Rio de Janeiro, RJ (Gunnar Vingren, 1920, 1923; alguns crentes do Pará, 1923); Santos, SP (Gunnar Vingren, 1920; crentes de Pernambuco,1923; Daniel Berg, 1924); Tubarão, SC (Gunnar Vingren, 1920); Criciúma, SC (Gunnar Vingren, 1920); Itajaí, SC (Gunnar Vingren, 1920); São Paulo, SP (Gunnar Vingren, 1920, 1923; Daniel Berg, 1927); São Bernardo, SP (Gunnar Vingren, 1920); São Luís, MA (Clímaco Bueno Aza, 1921); Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, noroeste de Mato Grosso (Paul John Aenis, 1922; Elói Bispo de Sena, 1923); Porto Velho (RO) (Paul John  Aenis, 1922); Vitória, ES (Galdino Sobrinho e esposa, Daniel Berg, 1922); Fortaleza, CE (Antonio Rêgo Barros, 1922); Niterói, RJ (Heráclito de Menezes, 1923); Porto Alegre, RS (Gustav Nordlund, 1924);  Canavieiras, BA (Joaquina de Souza Carvalho, 1926); Belo Horizonte, MG (Clímaco Bueno Aza, 1927); Aracaju, SE (Sargento Ormínio, 1927); Teresina, PI (Raimundo Prudente de Almeida, 1927) e Curitiba, PR (Bruno Skolimowski, 1928); Itajaí, SC (André Bernardino da Silva, 1931); Cruzeiro do Sul, AC (Manoel Pirabas, 1932); Goiânia, GO (Um grupo de crentes da AD de Madureira, RJ, deu início à AD de Goiânia em 1936 e Antônio Moreira, então diácono da AD de Madureira, foi enviado por Paulo Leivas Macalão para fundar a igreja.); Cuiabá, MT (Eduardo Pablo Joerck, 1936); Rio Branco, AC (Luís Firmino Câmara, 1943); e Campo Grande, MS (Juvenal Roque de Andrade, 1944).

V – Começa a imprensa pentecostal

As primeiras publicações da AD, que antecederam o jornal Mensageiro da Paz, foram o jornal “Voz da Verdade” (1917 a 1918), por Almeida Sobrinho e João Trigueiro da Silva; o jornal “Boa Semente” (1919 a 1930), por Gunnar Vingren e Samuel Nyström; e o jornal “O Som Alegre” (1929 a 1930), por Gunnar Vingren.

VI – Primeiros hinários

Também em 1917, a AD de Belém (PA) imprimiu o seu primeiro hinário que ficou pronto no dia 6 de outubro e continha 194 hinos e cânticos. Em 1922, era publicada no Recife a primeira edição da Harpa Cristã, que passou a ser o hinário oficial das Assembléias de Deus.

Fonte: Mensageiro da Paz

%d blogueiros gostam disto: