Posts tagged ‘CONTRADIÇÃO’

26/09/2015

A super interessante cruzada anti-evangélica


xsuper-interessanteA capa de setembro da revista Super Interessante, editada pela Ed. Abril, saiu com o título: “Extremismo Evangélico”.

O subtítulo: “Milícias atacando cultos de outras religiões, minorias acuadas, teocracia no Congresso. Entenda como alguns radicais ameaçam incendiar o Brasil com ódio religioso”.

A primeira coisa a dizer é: Não há nenhuma surpresa. A revista é defensora de todas as atuais “causas progressistas”, nome abrandado para “causas da esquerda secular”.

A “Super” como se auto-apelida não faz segredo de sua militância pela descriminalização das drogas, mais do que isso, faz apologia do uso da maconha, publicando reportagens parciais que ignoram consensos científicos sobre os danosos efeitos do uso prolongado da droga.

Sobre a causa gayzista, inclusive abordada na reportagem, não preciso sequer dizer! A revista veste a camisa com o arco-íris! O mesmo ocorre com o aborto, além das bestiais reportagens pretensamente históricas sobre Jesus e/ou o cristianismo. Qualquer boato infundado vira capa.

Assim, havendo uma reportagem sobre os evangélicos em tal publicação, já se espera que seja em tom de contrariedade.

Perante o exposto, eu já sabia que viria pancada, mas acreditei que haveria uma mascarada tentativa de demonstração de isenção. Tática velha. Bateriam muito, mas abririam um espaçozinho para alguém fazer o “contraponto”. Para cada dez pancadas um assopro.

Seria o mínimo admissível para uma publicação do Grupo Abril, o maior do Brasil no setor.

Mas nem a isso se prestaram. Não há qualquer “respiro”. A reportagem diz simplesmente, de cabo a rabo, que os evangélicos estão aumentando em número e proporção e que isto representa um perigo para a estabilidade da nação!

Segundo ele, estamos entocados dentro das igrejas, formando grupos bélicos dispostos a impor o cristianismo na porrada!

A reportagem se abstém de distinguir o literal do metafórico. Informa a centenas de milhares de leitores, muitos destes alheios ao funcionamento real de uma igreja evangélica, que planejamos tomar o Congresso para estabelecer uma ditadura cristã!

Por fim, sugere ainda que a existência de evangélicos moderados (que no caso, são os de esquerda, tanto que o exemplificado é o “pastor” Ricardo Gondim, que disse certa vez: “Deus nos livre de um Brasil evangélico”!) é a única solução para conter o avanço dessa “agenda agressiva”.

Mesmo Olavo de Carvalho, católico, com sérias restrições ao protestantismo, publicou em seu facebook que a Super Interessante deveria ser processada por crime de ódio contra os evangélicos.

Não vou tão longe, embora não irei recriminar quem o for, mas recomendo que pelo menos enviemos e-mails à Redação, manifestando nossa indignação.

O e-mail é: superleitor@abril.com.br

Enviei o meu, que copio abaixo:

“Parcial, ofensiva, rasa, incapaz de distinguir o que é metáfora do que é literal. 

Acho interessante o modo como os evangélicos sempre são rotulados como propagadores do ódio, mas aqueles que propagam o ódio contra os evangélicos são sempre almas nobres, mensageiros da paz e da justiça. 

Os evangélicos se escudam na Constituição, que lhes garante liberdade de crença, para ter seus conceitos de certo e errado. Mas de forma alguma há propagação de ódio ou intolerância. Cremos que algumas práticas são pecaminosas e impróprias à luz da Bíblia, nosso manual de conduta, mas não impedimos ninguém de praticá-las. 

O uso de casos isolados, que representam absurdos, mas que ocorrem não apenas no meio evangélico, mas em todos os outros, INCLUSIVE NO LAICISTA, revela a parcialidade, já que a ocorrência em outros meios não suscita as mesmas reações. 

Os evangélicos são pessoas pacatas, que realizam obras assistenciais inequiparáveis dentro do país, e merecem ser respeitados, pois são cidadãos pagadores de impostos que vivem dentro da lei. 

Que qualquer abuso seja denunciado de acordo com a legislação vigente, punindo os responsáveis, mas somente eles, e não mais de 40 milhões de evangélicos inocentes.”

Por: Renan Alves da Cruz

Fonte: Gospel Prime

03/11/2012

CONTRADIÇÃO: Marcelo Rossi critica envolvimento de evangélicos com políticos


Marcelo Rossi critica envolvimento de evangélicos com políticosNa inauguração, amanhã, do Santuário Theotokos – Mãe de Deus, considerado a maior igreja católica do Brasil, estarão presentes o governador Geraldo Alckmin e o prefeito Gilberto Kassab. Mas o padre Marcelo Rossi esperava ver também no altar Fernando Haddad, prefeito eleito de São Paulo pelo PT.

Durante o período eleitoral, Dom Fernando Figueiredo, bispo da diocese de Santo Amaro, a qual Rossi pertence, recomendou que os padres deveriam abrir espaço a todos os políticos que quisessem falar nas paróquias. Quatro anos atrás, Figueiredo e o padre Marcelo dividiram palanque com Serra e Gilberto Kassab. Em 2012, José Serra recebeu novamente o apoio informal de Rossi que disse acreditar nele, segundo a Folha de São Paulo.

Além de José Serra (PSDB), Gabriel Chalita (PMDB) e Celso Russomanno (PRB) passaram pelo Santuário do Terço Bizantino, onde Rossi realizava suas missas, para receber a benção do padre eleito como o líder religioso mais influente do país.

Haddad esteve em uma missa em maio, mas o padre Marcelo não apareceu na celebração, pois teve um contratempo. O padre quebrara um dente na ocasião e foi levado às pressas para fazer um implante. Terminada a campanha, Rossi admite “Estava em falta com ele”.

O padre afirma ter uma boa expectativa sobre o governo Haddad. “Pelos projetos que apresentou, vai ser benéfico à população”.   Mas aproveitou para fazer uma ressalva “Eu acolhi todos, mas nunca apoiei”. E acrescentou “Jamais falei ‘vote neste ou naquele’, diferentemente do que fizeram alguns evangélicos. É complicado quando qualquer igreja mistura o religioso com o poder político”.

A exemplo da eleição presidencial de 2010, pastores, bispos e apóstolos evangélicos tiveram um papel de protagonistas. Em diferentes partes do país, os candidatos comemoravam o apoio de lideres religiosos e muitas igrejas, inclusive, dedicaram-se a fazer campanha, transformando-se em verdadeiros comitês eleitorais.  Curiosamente, o prefeito eleito Fernando Haddad criticou no primeiro turno o uso político da religião, mas no segundo conseguiu atrair vários pastores para sua campanha.

Obs: Tudo que a Igreja Catolica tem agradeça seu envolvimento na politica pois pelo contrario teria que pagar bilhoes pelo que conseguiu de graça envolvendo com os politicos, que conhece a historia da igreja catolica sabe disto.

01/11/2012

Contradição: Igreja Católica poderá aceitar pastores luteranos como sacerdotes em breve


Igreja Católica poderá aceitar pastores luteranos como sacerdotes em brevePerto do adversário de 500 anos da Reforma Protestante, que dividiu a Igreja Católica na Idade Média, pode parecer estranho ouvir-se as declarações do cardeal Kurt Koch. Ele é presidente do Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, e durante a XIII Congregação Geral do Sínodo dos Bispos sobre a Nova Evangelização, deu uma entrevista que está repercutindo em vários círculos teológicos.

Ele afirmou que o Vaticano analisa a possibilidade de ocorrer com pastores luteranos o mesmo que ocorreu com os pastore anglicanos em 2009.

Desde então, cerca de 100 ex-pastores e 8 ex-bispos anglicanos foram recebidos e re-ordenados para servir as congregações católicas, cuidando de um rebanho de aproximadamente 4000 fieis.

Na época do aceite, o documento papal Anglicanorum coetibus estabeleceu as condições de os sacerdotes da Igreja Anglicana serem reconhecidos pelos católicos. “O santo padre buscou uma solução que, na minha opinião, foi bastante aberta, levando em conta que as tradições eclesiásticas e litúrgicas dos anglicanos foram levadas em consideração. Se desejos semelhantes são expressos pelos luteranos, então precisamos refletir sobre eles. No entanto, a iniciativa cabe aos luteranos”.

Caso seja levado adiante, as comunidades anglicanas que desejarem poderá entrar em plena comunhão com a Santa Sé. O movimento de aproximação ocorre principalmente na Alemanha. O cardeal lembra que a “Declaração conjunta sobre da outrina da justificação”, assinada em Augusta, em 1999, por católicos e luteranos foi um grande passo à frente no diálogo.

“Resta-nos agora a tarefa de discutir o aspecto eclesiológico desta declaração conjunta. Sabemos que os evangélicos têm um entendimento diferente dos católicos sobre a Igreja. Não basta simplesmente reconhecermos uns aos outros como Igreja. Precisamos de um amplo diálogo teológico sério sobre o que constitui a essência da Igreja”, disse Koch.

Koch anunciou que, para 2017, aniversário de quinhentos anos da Reforma, o Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos está preparando um comunicado conjunto com a Federação Luterana Mundial.

O cardeal destacou ainda que há um bom diálogo com os membros das igrejas ortodoxas, que estão bastante envolvidos na preparação de um sínodo pan-ortodoxo. “Pessoalmente, estou convencido que, quando isso ocorrer, será um grande passo à frente no diálogo ecumênico. Por isso nós temos que apoiar os esforços dos ortodoxos e ter paciência. Nas comissões ecumênicas, continuamos o diálogo teológico sobre a relação entre a sinodalidade e o primado”, reafirmou.

Durante a entrevista, comentou o cinqüentenário do Concílio Vaticano II, que trouxe algumas mudanças na compreensão vigente de que a Igreja Católica é a única igreja. “Tento ver o Conselho igualmente como uma ruptura, mesmo que de uma maneira muito diferente. O santo padre tem questionado essa compreensão da hermenêutica conciliar e propôs uma hermenêutica da reforma, que une a continuidade e renovação”.

Traduzido e adaptado de Catholic Culture, Zenit e Anglicanink

Fonte: Gospel Prime

29/09/2012

No Paquistão, adolescente cristã é declarada inocente


No Paquistão, adolescente cristã é declarada inocenteO caso de Rimsha Masih, a cristã paquistanesa de 14 anos, que enfrentou a prisão por, supostamente , queimar o Alcorão, mas, em seguida, foi declarada “inocente” pela polícia, teve outra reviravolta: surpreendentemente, o caso não foi fechado, ao invés disso, ela será ouvida em um tribunal de menores.

Segunda-feira (24), um tribunal local, ordenou a transferência do caso de Rimsha para o tribunal de menores, de acordo com o advogado da garota, Tahir Naveed Choudhry. A decisão seguiu-se a uma audiência que aconteceu sábado (22), quando a polícia disse que Rimsha era inocente.

Depois de ser acusada por suposta blasfêmia, em 16 de agosto, Rimsha passou três semanas em uma prisão adulta preventiva, na Cadeia de Adiala, em Rawalpindi. Ela tinha sido acusada de queimar páginas do Alcorão (livro sagrado islâmico) e colocá-las em um saco de lixo. Rimsha foi libertada sob fiança, em 8 de setembro, depois que a polícia prendeu o clérigo de uma mesquita próxima, Imam Khalid Jadoon, por denunciá-la falsamente.

O juiz Raja Jawad Abbas do Distrito de Tribunal e Sessões disse: “Nós recebemos o relatório médico que confirma que ela tem 14 anos. Por isso, a investigação deve ser apresentada em um tribunal de menores.” Um relatório médico oficial classificou Rimsha como “ignorante” e com uma idade mental mais jovem do que seus anos de fato. Outros alegaram que ela tem 11 anos e sofre de Síndrome de Down.

Abdul Raheem Rao, advogado que representa  Malik Ammad, vizinho de Rimsha, e que a acusou originalmente, contestou o relatório médico, alegando que o documento estava errado e que Rimsha, na verdade, tem 21 anos de idade. O juiz alertou que ele deveria recorrer ao tribunal de menores, caso quisesse recorrer da decisão de sua libertação. O advogado de acusação também disse que Rimsha havia sido enviada para a Noruega, mas seu advogado, Tahir Naveed Chaudhry, disse que ela ainda está no Paquistão. Sua localização não pode ser divulgada devido a riscos de segurança. Seus pais receberam ameaças de morte.

Rimsha foi convocada a comparecer pessoalmente na próxima audiência do caso, em primeiro de outubro. Ao ser julgada com idade considerada juvenil, Rimsha poderá enfrentar uma pena máxima de sete anos de prisão. Se ela fosse julgada como adulta, poderia ser condenado à prisão perpétua.

Rimsha é declarada inocente

Um investigador de polícia disse sábado (22), no tribunal, em Islamabad, que não há nenhuma evidência de que Rimsha Masih tenha profanado o Alcorão.

Munir Hussain Jaffri comentou ainda que é possível que o Imam Khalid Jadoon tenha adulterado provas, colocando páginas do Alcorão em uma bolsa que Rimsha carregava. A polícia declarou que o clérigo deve enfrentar o julgamento em seu lugar.

Jaffri havia dito anteriormente que três testemunhas viram o clérigo acrescentando as páginas com versos do Alcorão às cinzas de Malik Ammad; entregue como prova contra Rimsha. Os três exortaram o líder muçulmano a não interferir e depositar os documentos, mas ele lhes disse: “Vocês sabem que esta é a única forma de expulsar os cristãos da área.” Mais de 600 cristãos fugiram do bairro após a detenção.

Mais uma vez, a polícia levou  Rimsha ao tribunal em um helicóptero e depois a encaminhou de volta para um local desconhecido.


Fonte: Portas Abertas

11/05/2012

Conflito entre ‘TV Record’ e revista ‘Veja’: Leia o artigo de Reinaldo Azevedo


O jornalismo da Rede Record teve acesso às gravações de telefonemas entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso acusado por 15 delitos, e o diretor da revista Veja em Brasília, Policarpo Júnior, que mostrou o esquema em que o contraventor controlava o que seria publicado na principal revista da Editora Abril.

Os documentos que o ‘Domingo Espetacular’ teve acesso com exclusividade trazem provas de que as informações trocadas entre Cachoeira e o diretor da Veja resultaram ao menos em cinco capas da revista de maior circulação do país.

As gravações registram ainda que a influência esbarra em outras esferas do poder, como na pressão para demissão da cúpula do Ministério dos Transportes, que havia se desentendido com um dos aliados do contraventor, a construtora Delta. Por meio do que Cachoeira passava para ser publicado na Veja, vários funcionários do ministério foram afastados.

Carlinhos Cachoeira é acusado por 15 delitos

Cachoeira se orgulha de “plantar” notícias na Veja em benefício próprio e sabe até quando determinadas matérias sairão.

A revista ainda não se manifestou abertamente em relação ao caso. O diretor de redação da Veja, Eurípedes Alcântara, publicou na internet artigo sem citar nomes em que afirma que “ter um corrupto como informante não nos corrompe”.

A reportagem do Domingo Espetacular ouviu especialistas, que registraram grave problema ético no tipo de jornalismo praticado pela Veja diante de tantas ligações criminosas.

“Ter um corrupto como informante não nos corrompe”, disse o diretor de redação da Veja, Eurípedes Alcântara

O professor Laurindo Leal Filho, da USP, avalia que o controle da publicação não pode ser da fonte. “O jornalista pode e deve falar com qualquer tipo de fonte desde que tenha o controle sobre a publicação e a matéria que ele está fazendo. Quando ele oferece à fonte o controle (…), ele rompe os limites éticos”, disse.

O presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Celso Schroder, critica o envolvimento da Veja no escândalo do Cachoeira. “Nesse caso, houve uma relação promíscua muito intensa, unilateral”.

O deputado federal Fernando Ferro (PT-PE) acredita que a CPI do Cachoeira, que começou os trabalhos na semana passada em Brasília, deve convocar não apenas o jornalista Policarpo Júnior, mas também o responsável pela editora que publica a Veja, Roberto Civita. “Na minha opinião, ele é o principal responsável. Ele é o dono dessa revista, e ele operou com vontade”.

O colunista Reinaldo Azevedo, do site da revista Veja, fala sobre o assunto em seu artigo: “Edir Macedo, que frauda o sentido da Bíblia ela-mesma, não será o autor de uma bíblia do jornalismo ético”. Confira!

Fonte: Verdade Gospel:

Veja:

10/10/2011

Revista IstoÉ destaca “Os 7 pecados da Igreja Católica”


Faz cerca de 140 anos que o número de católicos no Brasil segue ladeira abaixo. No século XIX, precisamente em 1872, o conglomerado de brasileiros que se assumia fiel à Igreja Católica beirava a totalidade da população, 99,7%. Durante os 100 anos seguintes, a cada década que se encerrava, aproximadamente 1% abandonava a religião. O índice dessa queda, atualmente, continua o mesmo. Mudou, porém, o fato de ele ocorrer a cada ano. Essa aceleração do declínio foi constatada pela pesquisa “Novo Mapa das Religiões”, realizada pelo Centro de Políticas Sociais da Faculdade Getulio Vargas.

Ao processar microdados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) produzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2003 e 2009, os estudiosos, capitaneados pelo economista Marcelo Neri, constataram que nesse intervalo de seis anos cerca de 6% da população deixou a religião romana – decresceu de 73,7% para 68,4%. O montante de fiéis que segue atualmente a doutrina preconizada pelo Vaticano é o mais baixo verificado no País.

E, pela primeira vez na história, em alguns Estados e capitais da maior nação católica do planeta, o número de adeptos da religião não chega nem à metade dos habitantes (leia quadro). Quais seriam, então, os deslizes patrocinadores da queda do status do catolicismo entre os brasileiros, como as estatísticas não se cansam de mostrar? ISTOÉ recorreu a um colegiado de profissionais da religião, gente que pensa a Igreja, para discorrer sobre os possíveis pecados da Santa Madre. Eis os sete principais confessados.

1 Romanização da Igreja

É cantada em prosa e verso, já há algum tempo, a rejeição dos fiéis contemporâneos a autoridades religiosas que impõem doutrinas e ritos. Imposição, obrigação e restrição são palavras proscritas em um cenário no qual cada vez mais as pessoas se habilitam a estar no comando do próprio destino. A Igreja Católica, no entanto, caminha na direção oposta. Vive um momento de reinstitucionalização de seus fiéis, de os disciplinar para que aprofundem a sua fé. Os bispos defendem um contato maior com os bens religiosos, como missas e novenas.

Esse processo preconizado pelo Vaticano é conhecido como romanização do catolicismo. “Bento XVI prefere uma Igreja menor e mais atuante em vez de uma maior sem atuação coerente e consistente”, afirma o cientista da religião Jung Mo Sung, da Universidade Metodista do Estado de São Paulo (Umesp). “A estratégia fortalece o fervor de uma minoria praticante, mas traz uma consequência não intencional da perda de adesão de católicos difusos.”

Esse efeito-rebote, somado à procura cada vez maior da população por curas e milagres que resolvam rapidamente seus problemas, tem levado esses católicos a migrar para outras denominações ou encorpar o grupo dos que fazem contato com o divino sem o intermédio de uma instituição. “A Igreja prefere que as pessoas que buscam soluções imediatas por meio de milagres não permaneçam nela”, diz o teólogo jesuíta João Batista Libanio. Diminui-se o número de católicos, mas, por outro lado, aumenta-se o dos praticantes conscientes.

2 Supermercado católico

Párocos têm relatado que seus templos estão existindo à imagem e semelhança de supermercados. Percebem que é cada vez maior o número de fiéis que procuram a igreja ocasionalmente, em busca de serviços religiosos como casamentos, missas de sétimo dia, batizados e bênçãos de lugares e objetos. Tratado como produto, o casamento, só para citar um dos “bens” católicos, se torna um evento alheio à doutrina. “Há casais que trazem o CD da novela que faz sucesso para tocar na cerimônia. Se você se nega, alguns inconformados batem boca com você, viram as costas e procuram quem o faça”, conta o padre José João da Silva, da paróquia São José Operário, em Itaquera, na zona leste da cidade de São Paulo. “Vivemos uma igreja fast-food.”

Nessa lógica de mercado, missa de sétimo dia tem se transformado em uma grande assembleia de gente que só foi ao templo por conta da ocasião e não está preocupada com o significado do ritual. Quanto aos batizados, explica o cônego Celso Pedro da Silva, da paróquia Santa Rita de Cássia, do Pari, zona norte de São Paulo, a Igreja supõe que quem quer que o filho se insira nela antes do uso da razão o faz porque dela faz parte e aceita suas regras. “O mesmo vale para a primeira comunhão, mas muitos pais não têm vínculos efetivos, nem foram casados na Igreja”, diz ele. “Acredito que uma dificuldade do catolicismo seja saber que o povo católico não é evangelizado e, mesmo assim, se comportar na prática como se ele fosse”, diz o cônego.

O padre João Carlos Almeida, teólogo e diretor da Faculdade Dehoniana (SP), foi vigário paroquial no Santuário São Judas Tadeu, na capital paulista, por três anos. E conta que passava quase o dia todo atendendo a confissões e abençoando automóveis. “Muita gente trazia seu carro recém-comprado para ser benzido e ia embora. Poucos rezavam ou participavam de uma missa”, lembra. Com a oferta religiosa na vitrine, católicos assistem a seus fiéis se afastando dos vínculos espirituais.

3 Fuga de mulheres

Está lá no “Novo Mapa das Religiões”. Entre as 25 denominações pesquisadas, apenas no catolicismo a mulher não constitui a maioria dos adeptos (leia quadro à pág. 70). Entre evangélicos, espíritas, religiões de matriz africana, oriental e asiática, elas superam os fiéis do sexo masculino. As católicas, porém, são cerca de 67,9%, enquanto os homens são 68,9%. Neri, o organizador do estudo da FGV, atribui o resultado, entre outras interpretações, ao fato de as alterações no estilo de vida feminino ocorridas nos últimos 30 anos não terem encontrado eco na doutrina católica, menos afeita a mudanças. De fato, seguem engessadas na Igreja, só para citar três tabus, as questões sobre os métodos contraceptivos, o divórcio e o aborto.

De acordo com o teólogo Jorge Cláudio Ribeiro, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), o catolicismo não gosta da mulher. “Ao que parece, elas, mal-amadas que são pela Igreja, estão se autorizando a não gostar da religião, a reagir”, diz ele. Seu colega de PUC, o padre e psicólogo João Edénio dos Reis Valle, afirma não ter dúvida de que a questão de gênero pesa na constante diminuição do número de católicos no País. “Ela pesa em especial nas mulheres de classes mais instruídas e em melhor posição socioeconômica”, afirma. “Essas não só percebem como discutem e não aceitam as posições da Igreja em relação a uma série de questões que as afetam.” E conclui discorrendo sobre a não participação clerical feminina. “Elas reivindicam um papel novo e ativo na vida da instituição.”

4 Escândalo de pedofilia

Em 2002, um grupo de mais de 500 pessoas levou à Justiça americana denúncias de abusos sexuais cometidos por sacerdotes e membros da arquidiocese de Boston, nos Estados Unidos. Esse escândalo foi a chama que fez arder uma fogueira de denúncias mundo afora, inclusive no Brasil. Na Irlanda, só para dar a dimensão do problema, a pedofilia acobertada por seis décadas pela hierarquia católica local foi tachada pela Anistia Internacional como o maior crime contra os direitos humanos já registrado na história daquele país. Para uma instituição que tem como bandeira a verdade sobre o mundo, ser atingida por problemas éticos que constituem crime representou um duro golpe. E a mazela dos escândalos de abuso sexual envolvendo crianças afastou muitos simpatizantes do catolicismo.

É o que defende o cientista da religião Sung. “O militante não terá sua fé abalada. Mas os que se sentiam católicos por uma afinidade de infância ou inspirados em alguma figura pública podem ter deixado de ser por causa desses fatos.”

Para piorar, a Igreja não foi hábil na cicatrização da ferida. “Ela trabalhou a questão na base do segredo e do corporativismo. A lógica interna de uma instituição que se protege e não ventila o problema levou a ampliar o fenômeno, tornando-o uma sensação nos meios de comunicação”, afirma a socióloga da religião Brenda Carranza, da PUC de Campinas. Só há pouco tempo Bento XVI decidiu ordenar que os bispos abrissem normativas internas contra padres suspeitos de ser pedófilos e informassem as autoridades civis. Em setembro, ao visitar sua terra natal, a Alemanha, que perdeu 180 mil adeptos no ano passado por conta dos abusos sexuais praticados por sacerdotes, disse: “Posso compreender que, em vista de tais informações, alguém diga: ‘Esta já não é a minha Igreja.’”

5 Ausência de lideranças

Dom Hélder Câmara, arcebispo emérito de Olinda e Recife, falecido em 1999 aos 90 anos, foi quatro vezes indicado ao Prêmio Nobel da Paz. Grande defensor dos direitos humanos durante a ditadura militar brasileira, homem de vida simples que morava no quartinho de uma sacristia no Recife, ele foi um expoente internacional da Igreja Católica. Multidões se mobilizaram ao seu redor, no Brasil e na Europa, para ouvi-lo. Atualmente, porém, não há entre o colegiado católico nacional símbolos como dom Hélder, capaz de cooptar fiéis por meio do exemplo. “Numa sociedade moderna, em que a adesão à religião acontece por opção pessoal, é preciso que haja nomes admirados publicamente”, diz Sung, da Umesp. As grandes figuras católicas da atualidade são os padres cantores.

Eles, porém, fazem eco entre os católicos militantes, explica Sung, mas não são referência para setores não atuantes do catolicismo. A Igreja deixou de ser representativa entre os brasileiros como algo a ser admirado há quase duas décadas. Dom Paulo Evaristo Arns, cardeal emérito de São Paulo que lutou contra a tortura e os maus-tratos a presos políticos durante a ditadura, e uma dessas figuras que inspiraram muitos católicos, se aposentou em 1998. “Dom Paulo é uma personalidade que enfrentou um regime militar, criava afinidade entre o povo e a instituição”, afirma o padre Libanio. Aos 90 anos, Arns vive recluso em Taboão da Serra, na Grande São Paulo, enquanto sacerdotes empunham microfones para cantar e fazer coreografias de suas músicas no altar.

6 Comunicação centralizada

Há comunidades dentro do catolicismo que lançam mão de tecnologias para se relacionar com os jovens. Elas têm escancarado à Igreja, segundo a socióloga da religião Brenda, que não é mais possível seguir com a ideia de que o fiel se encontra na paróquia. Estabelecida em sua maioria em grandes centros urbanos, essa turma mais nova sofre com o impacto da mobilidade, do crescimento acelerado, do consumo exacerbado, enfim, elementos que a fazem estabelecer relação com a crença muitas vezes a distância. Para a professora da PUC, a noção de participação das novas gerações urbanas é pautada pela afinidade. O jovem busca uma instituição quando se identifica com ela, independentemente da proximidade física. “Mas a noção da Igreja de paróquia é territorial”, diz Brenda. Para o padre Libanio, enxergar as demandas da população e repensar até onde a religião pode ir na direção delas é o caminho para o futuro do catolicismo. “Os fiéis querem aquilo que os satisfaz e têm buscado muito o mundo virtual”, diz ele. “A Igreja Católica tem de repensar a sua estrutura paroquial.”

7 Perda de identidade social

Houve um tempo, em muitas cidades do interior do País principalmente, que frequentar uma igreja era condição obrigatória para quem quisesse engatar um relacionamento amoroso sério. Quantos garotos não foram riscados por potenciais sogras da lista de pretendentes pelo fato de não irem à missa? Assumir-se membro de uma entidade religiosa – católica, de preferência – conferia pertençer a um grupo social. Diante da pressão para uma definição religiosa, muita gente tendia a assumir a crença na qual havia sido batizado, mesmo que exercitasse também a sua fé em terreiros de umbanda ou centros espíritas. “Católico era o imenso guarda-chuva cultural e religioso que permitia o trânsito espiritual”, diz Brenda Carranza, da PUC.

Com a disseminação do processo de secularização no campo religioso nacional, essa prática foi ficando obsoleta. A possibilidade de expressar a fé livre de preconceitos tem feito com que cada vez mais os brasileiros, quando submetidos a censos, assumam que não seguem os dogmas defendidos pela Santa Sé ou mesmo nenhum credo – daí o grupo dos sem-religião também estar em crescimento. O catolicismo, então, perdeu a status de produtor de identidade social.

Infografico Catolica Revista IstoÉ destaca Os 7 pecados da Igreja Católica

Fonte: Revista IstoÉ

11/06/2011

Apesar das rixas, Samuel Câmara participa do culto de abertura do Centenário promovido pela CGADB


Apesar das rixas, Samuel Câmara participa do culto de abertura do Centenário promovido pela CGADB

Na última quinta-feira, 9, a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) realizou no Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, em Belém do Pará, o culto que marca o inicio das comemorações do Centenário das ADs no Brasil.

Mas apesar de toda a polêmica dizendo que a festa realizada pela CGADB era uma forma de boicotar as comemorações organizadas pela igreja-mãe, o pastor Samuel Câmara, presidente da igreja centenária, esteve presente no culto.

Muito se falou sobre as duas festas para comemorar um centenário. Até a câmara de vereadores da cidade de Belém se manifestou sobre o caso, repudiando a atitude da CGADB de não convidar a igreja-mãe e seu presidente para a festa.

O pastor Silas Malafaia também saiu em defesa da igreja-mãe e pediu para que os pastores e líderes do Pará boicotassem a festa. Apesar disso, o Hangar estava cheio de membros e líderes que foram até Belém para festejar os 100 anos das ADs.

Na próxima semana começam as festividades da igreja de Belém do Pará. Do dia 16 ao dia 18 vários eventos acontecerão na capital paraense para relembrar a inauguração da maior igreja evangélica do país.

Fonte: Gospel Prime

10/06/2011

Judia ortodoxa pode ficar fora do europeu de basquete


Proibida de usar veste religiosa, atleta de Israel pode ficar fora do Europeu.

Judia ortodoxa, Naama Shafir pediu para jogar com blusa por baixo do uniforme, mas teve a solicitação negada pela organização do campeonato
Uma das principais jogadoras da seleção de Israel, Naama Shafir pode ficar fora do Europeu de basquete por não chegar a um acordo com a FIBA sobre seu uniforme na competição. Judia ortodoxa, a pivô, que atua no basquete universitário dos EUA, pediu para usar uma camisa por baixo da roupa de sua seleção, como faz no seu time. O pedido, no entanto, não foi atendido.
De acordo com o regulamento, todas as jogadoras devem usar o mesmo uniforme. Naama, no entanto, quer seguir as orientações de sua religião, que diz que as mulheres devem cobrir os ombros em público.
Os organizadores do campeonato, que será realizado na Polônia, neste mês, disseram que a jogadora não poderá usar a camisa durante o campeonato. Nesta quinta, Naama afirmou que, então, não vai participar da competição. A federação israelense chegou a apelar da decisão, mas não foi atendida.

Fonte: Notícias Cristãs / Coisas Judaicas

10/06/2011

Samuel Malafaia explica o voto favorável a PEC 23/2007


Samuel Malafaia explica o voto favorável a PEC 23/2007O deputado estadual do Rio de Janeiro, Samuel Malafaia, irmão do pastor Silas Malafaia, divulgou nota esclarecendo os motivos que o levaram a aprovar a emenda constitucional, a PEC 23/2007 que inclui a opção sexual nos direitos fundamentais previstos na Constituição Estadual.

De acordo com ele o texto não dá regalias especiais ao grupo LGBT, apenas reforça a não discriminação. A PEC 23/2007 incluiria a opção sexual no artigo 9º, §1º que diz: “ninguém será discriminado, prejudicado ou privilegiado em razão de nascimento, idade, etnia, raça, cor, sexo, estado civil, trabalho rural ou urbano, religião, convicções políticas ou filosóficas, deficiência física ou mental, por ter cumprido pena nem por qualquer particularidade ou condição.”

Leia a nota de Samuel Malafaia na íntegra:

“Em virtude da recente polêmica da PEC 23/2007, em alguns sites, quero informar que em várias ocasiões na Alerj manifestei veementemente minha opinião em favor da família, constituída por pai, mãe, homem, macho e fêmea. Assim fui ensinado, assim tenho minha opinião como cristão, como pai, como homem, como cidadão e como parlamentar. Por vezes, fui até vaiado pela platéia presente no plenário por ser contra privilégios para homossexuais.

O que não posso é ser preconceituoso, principalmente como parlamentar, pois a Constituição do Estado do Rio de Janeiro estabelece em seu art. 9º, §1º que: “ninguém será discriminado, prejudicado ou privilegiado em razão de nascimento, idade, etnia, raça, cor, sexo, estado civil, trabalho rural ou urbano, religião, convicções políticas ou filosóficas, deficiência física ou mental, por ter cumprido pena nem por qualquer particularidade ou condição.” A partir daí, quero esclarecer que na votação do dia 25 de maio, em primeira votação, por orientação das bancadas dos Partidos, vários evangélicos, inclusive eu, votamos a favor da tal emenda.

Naquele momento, entendemos que a proposta de emenda apenas reforçava a não discriminação pura e simples da pessoa homossexual, e que tão pouco não visava privilegiá-los. Note-se que seria uma grande contradição que a bancada evangélica – em quase sua totalidade – votasse a favor de uma idéia que vai de encontro aos preceitos bíblicos e nossas crenças; e até mesmo às nossas plataformas políticas, se não fosse em decorrência de uma interpretação errônea no afã de uma calorosa discussão em plenário. Aprofundamos nossa análise e entendemos que a PEC 23/2007 apresenta artimanhas que possibilitariam fundamentar legalmente condutas tão reprováveis em nossa sociedade, que visam destruir a família.

Dessa forma, estamos nos articulando para derrubar tal projeto na segunda votação. Portanto, lamentamos não ter percebido a sutileza das intenções do projeto na primeira votação, mas repudiamos as manifestações que queiram nos apresentar como contrários à causa do Evangelho.

Samuel Malafaia – Deputado Estadual”

Fonte: Gospel Prime

10/06/2011

Cantor norte-americano afirma ter cantado com um anjo


Cantor norte-americano afirma ter cantado com um anjoO cantor Jason Upton, líder do ministério norte-americano Key of David, contou na coletiva de imprensa da Conferência Livres 2011, que aconteceu em São Paulo, que durante sua apresentação que resultou na gravação de um CD, ele teve a oportunidade de cantar com um anjo.

O show de gravação aconteceu para 700 órfãos, o evento durou quatro horas e apenas uma canção foi cantada. “Nós dividimos em faixas para o CD, mas, na verdade, o álbum todo é composto por apenas uma faixa.”

No final dessa apresentação uma das crianças se dirigiu ao músico e disse que tinha visto um grande anjo cantando atrás dele. “Eu só concordei, olhei pro pessoal da banda e ri. Achei bonitinho, mas disse que deveria ser coisa de criança, que na igreja dela deveriam falar muito sobre anjos,” lembra.

Upton só passou a acreditar na visão daquela criança quando ele ouviu a gravação e percebeu que juntamente à sua voz podia se ouvir um som diferente. Questionando o engenheiro de som que trabalhou naquele CD ele tentou achar a resposta daquela segunda voz.

“Ele me disse que era uma interferência nos microfones e que me provaria separando o áudio de cada microfone e me mostrando que o tal som aparecia em todos eles.”

De acordo com o músico, o engenheiro de som dividiu os microfones e não encontrou nada até isolar o microfone principal e lá estava o som.

“O engenheiro de som me disse que era como se houvesse alguém cantando a uns cinco metros atrás de mim. Ele ficou sem palavras, apenas saiu, afirmando que precisava tomar um ar.”

Fonte: The Christian Post

%d blogueiros gostam disto: