Posts tagged ‘Crianças’

08/03/2019

Autoridades chinesas prendem crianças, grávidas e idosos durante culto


Segundo relatos do ministério China Aid, autoridades do governo comunista da China prenderam dezenas de membros da Igreja Early Child Covenant no último dia 24 de fevereiro.

Entre os presos estavam 11 crianças, entre elas um bebê de apenas 2 meses. Mulheres grávidas também foram presas e a mãe do pastor Wang Yi, de 74 anos, foi espancada pela polícia, de acordo com o site.

O grupo ficou detido na Delegacia de Polícia de Chengdu e seus celulares foram retidos. Durante o tempo de detenção, o grupo não teve acesso a alimentos. A soltura de alguns aconteceu só no outro dia pela manhã.

“Até agora, 11 pessoas foram condenadas a detenção administrativa. Os condenados a uma detenção de 14 dias são Zhang Jianqing, Zhixue Wei, Xiaoguang Zhu, Hou Hong’en, Luo Zhipeng, Yang Duli, Zhang Guanya, Huang Guangtai e Tang Chunliang. Tanto A como Yang Jian receberam uma sentença de detenção de dez dias”, diz Bob Fu, líder do ministério.

O Irmão A-Xin, um tradutor, ouviu falar sobre a prisão arbitrária de crianças, idosos e mulheres grávidas e relatou o caso no Facebook. Por conta disto, ele foi preso em sua casa por quase dez policiais.

As autoridades chinesas permanecem perseguindo os cristãos na tentativa de frustrar o crescimento da religião no país.

Fonte: Gospel Prime

20/12/2015

Estado Islâmico mata 38 crianças deficientes e portadoras de Síndrome de Down


540x350_estado-islamico-criancasMais de 38 crianças com deformidades congênitas e portadoras de síndrome de Down foram supostamente mortas pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI), segundo informa a agência de notícias iraquiana Mosul Eye. 

Os assassinatos aconteceram depois que um fatwa (pronunciamento legal) foi emitido por um líder religioso do EI.

A maioria das crianças com deficiência ameaçadas pelo EI são filhos de “combatentes estrangeiros que se casaram com mulheres do Iraque, da Síria e da Ásia”, relata a agência de notícias.

As crianças foram mortas por injeções letais e asfixia na Síria e Mosul, ao norte do Iraque.

A fatwa foi emitida pelo saudita Abu Said Aljazrawi, um dos juízes da sharia, a lei islâmica.

Em junho, o site norte-americano Christian Post denunciou a segmentação, tortura e assassinatos de pessoas com deficiência pelo EI.

Além de visar as pessoas com deficiência, crianças são crucificadas por não jejuarem durante o Ramadã.

07/12/2015

Crianças órfãs, de famílias cristãs, são encontradas na Nigéria


Crianças órfãs, de famílias cristãs, são encontradas na NigériaCrianças órfãs da Nigéria, que sofreram com os conflitos entre cristãos e muçulmanos, são encontradas pela equipe da Portas Abertas e recebem ajuda. As crianças eram de famílias cristãs e moravam na cidade de Yola, capital do estado de Adamawa, onde houve um grande ataque e milhares de cristãos morreram.

“Eu vi meu pai sendo baleado e queria ficar com ele, mas ele dizia para eu correr com a multidão, que Deus cuidaria de mim. Eu pensei que minha mãe e meus irmãos estavam no meio daquelas pessoas, então eu corria e procurava por eles. Mas eu estava sozinha, perdi minha família e fui levada para um campo de refugiados”, conta Zira, uma das crianças.

A menina contou para um dos analistas de perseguição que, muitas vezes, eles iam dormir sem comida e que nem sempre havia esteiras para passar a noite, então eles dormiam no chão. “Todos ali tinham perdido seus pais e irmãos para o Boko Haram e estávamos na mesma situação”, diz a menina.

Além de Zira, há outras 15 crianças sendo cuidadas pela Portas Abertas, recebendo alimentos e outros suprimentos, além de bastante amor e atenção. “Nós estamos aqui na Nigéria ajudando órfãos deslocados e muitas viúvas. Temos igrejas tanto na Nigéria como em Camarões, assim podemos prestar também o trabalho espiritual e cuidar do lado emocional desses cristãos que enfrentaram tantas perdas. Eles vão ficar bem, porque Jesus está com eles”, conclui o analista.

08/08/2012

Line Records prepara DVD da Turminha da Fé


Line Records prepara DVD da Turminha da FéEstá previsto para outubro o lançamento do DVD da Turminha da Fé com clipes de músicas voltados ao público infantil. O projeto ganha o selo da Line Records tendo como criação a Educação Bíblia Infanto-Juvenil (EBI).

As gravações desse trabalho aconteceram na última semana em Jacarepaguá, zona Oeste do Rio de Janeiro. Com a direção de Vlad Aguiar foram gravados os clipes das músicas “Vem Cantar”, “Herói” e “Vem Cantar com a Turminha da Fé”.

Fazem parte dessa turminha divertida as crianças Izak, Megui, Dinho, Jú, Luci e Levi, o bebê Biel, o robozinho Tronic e o cachorro Pantufa. Com a ajuda das intérpretes Renata Lucy e Alice Melody o grupo consegue alcançar seu objetivo que é transmitir para as crianças os valores cristãos de uma forma leve e divertida.

O lançamento desse DVD vai acontecer no mês das crianças, uma boa sugestão de presente para parentes e amigos que querem oferecer para os pequenos um entretenimento repleto de valores cristãos. A Turminha da Fé também tem um CD com 14 faixas, músicas dançantes com letras educativas para crianças de todas as idades.

Durante essas gravações Renata e Alice mostraram um pouco do que estava acontecendo para ir aumentando a curiosidade dos fãs dessa Turminha.

Veja o vídeo:

09/06/2011

Trabalho missionário com crianças é ameaçado no Uruguai


Trabalho missionário com crianças é ameaçado no Uruguai O casal missionário no Uruguai, pastor Daniel e Clélia Duarte, pede aos irmãos em Cristo no Brasil que orem pelo projeto Casa Minha Esperança, localizado no bairro San Isidro, na periferia de Las Piedras, onde boa parte das famílias moram em assentamentos. O projeto atende mais de 30 crianças carentes, dando-lhes lanches, roupas e, principalmente, alimento espiritual.

O projeto é desenvolvido no terreno da casa onde moram seus líderes, Mário e Rosita, que chegaram a construir um pequeno salão para a realização de atividades com as crianças. O grande problema é que esse terreno pertence à Comunidade Católica e está no processo de doação para passar a escritura aos seus moradores. Recentemente, as freiras responsáveis pela administração desse terreno iniciaram uma espécie de perseguição, negando cestas básicas às famílias que permitem que seus filhos participem do projeto Casa Minha Esperança, inclusive realizando as reuniões para entrega no mesmo horário da escola bíblica.

Apesar dessa ameaça, os pais continuaram levando suas crianças para o projeto. Então, no último fim de semana as religiosas decidiram dar o golpe final. Elas chamaram os líderes do projeto para dizer que, caso eles não interrompam as atividades com as crianças não receberão a transferência da escritura do terreno e terão que se retirar da casa.

“Sabemos que essa luta não é contra as freiras, mas sim contra os opositores espirituais da maldade que querem impedir que a esperança do Reino domine os corações dessas crianças e de suas famílias. Ore pelo casal de líderes, que ama esse ministério, mas ficaram muito abatidos com a ameaça. Peça por sabedoria e discernimento do Senhor para que encontremos novas portas. Interceda também pelas freiras, a fim de que os ciúmes e a religiosidade não as impeçam de permitir fazer o bem”, pede o pastor Daniel.

Fonte: Junta de Missões Mundiais

27/05/2011

Crianças são afetadas pelas Leis da “blasfêmia”


As leis da “blasfêmia” do Paquistão estão colocando até mesmo as crianças em risco, e os cristãos do país afirmam que os tempos em que podiam ensinar respostas sagazes para proteger seus filhos das acusações de menosprezar o Islã ou o seu profeta, parecem ter passado.

Uma mulher paquistanesa de 30 anos que mora em Lahore revelou que seus pais cristãos lhe ensinaram uma fórmula para preservá-la de cair na rede de acusações contidas nos códigos de blasfêmia, como por exemplo, “Eu sou cristã, e só posso lhe falar dEle.” Mas, agora, os radicais islâmicos começaram a influenciar a sociedade paquistanesa, e os pais já instruem seus filhos em idade escolar para não conversarem sobre religião no colégio, disse ela. “Nós dizemos aos nossos filhos, ‘Não converse sobre religião na escola.’ Este é um terreno minado no momento.”

Milhares de paquistaneses que pensam e crêem de forma diferente do “politicamente correto” muçulmano estão correndo risco de serem indiciados na lei da blasfêmia. Vizinhos que usam a lei para executar vinganças pessoais, assim como colegas de trabalho e adversários, se encontram entre os casos mais freqüentes de apelo à lei, de acordo com Paul Marshall do Centro para Liberdade Religiosa do Instituto Hudson. Ele afirmou que há mais vítimas provocadas por pessoas físicas e grupos de fanáticos do que pelo governo paquistanês, mas que o governo tem sido cúmplice dos abusos, pois não protege as vítimas de calúnia.

O Paquistão está se tornando rapidamente um país dirigido pelo medo dos radicais islâmicos, onde até os políticos moderados assumem posições conservadoras para aplacar as ameaças dos islamitas, garante Sara Taseer Shoaib, filha do governador da província de Punjab, Salman Taseer, que foi assassinado por se opor às leis da blasfêmia. “O Paquistão está se tornando uma nação mais extremista e de direita quando se trata de religião”, ela afirma.

Fonte: Portas Abertas

26/05/2011

‘Ensino gay’ nas escolas causa reação e professor teme aumento da ‘homofobia’


Ministério Público Federal, invoque o princípio de que o Estado é laico e acabe com o proselitismo religioso nas escolas.

Ministério da Educação prepara ‘kit gay’; Igreja Católica reage e condena decisão do Supremo sobre união homossexual.

O Ministério da Educação (MEC) preparou um material com o ‘tema gay’ – três filmes e um guia de orientação aos professores – para ser distribuído nas escolas de todo o Brasil. O projeto-piloto está sendo analisado pelo MEC e o plano inicial é distribuir 6 mil kits nas escolas públicas do país ainda este ano. O objetivo é levar para o ambiente escolar o tema como forma de reconhecimento da diversidade sexual e enfrentamento do preconceito. Mas a idéia de instituir o ‘ensino gay’ nas escolas está provocando reação em todo o País, começando pela Igreja Católica.

A polêmica proposta já provocou caloradas discussões no Congresso Nacional. O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) acusou o Ministério da Educação e grupos LGBT de “incentivar o homossexualismo” e de tornar “nossos filhos presas fáceis para pedófilos”.

Aqui em Maceió o tema começa a repercutir com fortes reações contrárias ao que alguns chamam de “homossexualização da comunidade estudantil”. Nossa reportagem ouviu dois professores da Escola Estadual Irene Garrido, no Tabuleiro, para saber o que acham da ideia de fragmentar o tema para mostrar, nas escolas, apenas um lado da controversa questão sexual.

O professor de geografia Marcos Damasceno é a favor do combate à homofobia, mas não apóia, nem de longe, a proposta de ensinar o homossexualismo nas escolas. “Eu estou trabalhando com crianças, que ainda estão em formação sexual e a homossexualidade envolve muito mais do que apenas a questão moral”.
Na opinião do professor, o importante é discutir na escola a sexualidade de forma ampla e abrangente porque existe a homossexualidade e também a heterossexualidade. “O ideal é falar sobre sexo amplamente, desde as doenças sexualmente transmissíveis, gravidez na adolescência até os gêneros. Se o tema é fragmentado, a discussão é empobrecida”.

Ele se revelou preocupado com a forma como o tal ‘kit gay’ será implementado na sala de aula. “Que preparação terá o professor e a professora? Que suporte e ferramentas serão usados? Para que depois não venha se fazer apologia de algo que você não segue”.

Damasceno afirmou que o debate sobre o tema tem que acontecer em todos os segmentos sociais porque, não sendo assim, corre-se o risco de reforçar o preconceito e ódio contra homossexuais. E citou um exemplo que testemunhou na sua sala de aula, quando um aluno homossexual sentou na cadeira de um aluno evangélico, que posteriomente se recusou sentar na cadeira onde um homossexual havia sentado. “Ele expressou seu fundamentalismo religioso. Se a gente não discutir e o assunto não for bem trabalhado, vamos viver situações de confronto em sala de aula”.

Assim como Marcos Damasceno, a professora de português Gasparina Cavalcante acredita que discutir a sexualidade de forma ampla é a melhor maneira de orientar os alunos sobre o homossexualismo. “Eu defendo a sexualidade de forma ampla e só o homossexualismo não. Por que chamar tanta atenção para o tema? Se a todo momento aprendemos que não devemos discriminar? Então o ensino tem que ser de forma globalizada”.
De acordo com a professora o homossexualismo dentro das escolas é uma realidade, mas isso não é motivo para que o tema seja aplicado em sala de aula fora de um contexto. “Os jovens encaram a vida como pode tudo e querem experimentar de tudo. E se o tema for recorrente, por conta da curiosidade natural da idade, eles podem sim querer experimentar uma relação com pessoa do mesmo sexo”.

Ela acrescentou que, se o projeto do MEC começar, como está previsto, no segundo semestre de 2011, o que vai acontecer é a supervalorização do tema. “Se passar a dizer que usar droga é bom, é o máximo, então vamos supervalorizar isso, e com a homossexualidade pode ser assim”.

Gasparina afirma que não é contra o homossexualismo. Para ela essa é uma questão de nascença: nasce ou não homossexual. “Agora ser orientado de que a homossexualidade é normal, é natural, isso não vai favorecer? Isso não vai facilitar e induzir o jovem a achar isso natural? É complicado”.

Igreja Católica condena decisão do STF

No início de maio, o Supremo Tribunal Federal reconheceu por unanimidade a relação entre pessoas do mesmo sexo. Agora devem ser aplicadas a esse tipo de relação às mesmas regras da união estável heterossexual, prevista no Código Civil. A Corte não relacionou os direitos que decorrem da decisão. Mas, por analogia, os gays poderão pleitear, por exemplo, a declaração conjunta de Imposto de Renda, pensão em caso de morte ou separação, partilha de bens e herança. A pessoa só precisa comprovar que integra uma “convivência pública, contínua e duradoura”, como diz a lei.

Emanoella Remigio, presidente da Comissão de diversidade sexual da OAB/AL, disse que as uniões homoafetivas são antigas e que já era tempo de efetivar os direitos desses casais. “Essas uniões constituem-se com os mesmos requisitos e as mesmas características da união estável heterossexual, com a única diferença do sexo dos envolvidos. O que não constitui restrição de direito, e nem poderia, nos termos na Constituição Federal de 1988”.
Para ela a decisão do STF foi muito acertada. “O Supremo fez um belíssimo trabalho ao reconhecer a qualidade de entidades familiares para esses casais, mostrando que o Direito está acima de quaisquer preconceitos. Essa não foi uma vitória apenas de um grupo, mas da democracia”.
Segundo a advogada esses são sinais de maturidade de uma sociedade que começa a entender que o povo se faz de maioria e minoria e que o direito de todos precisa ser equilibrado no sistema. “Foi uma decisão histórica e de muita sensibilidade. Isso é verdadeiramente um Estado Democrático de Direito”.

A Igreja Católica, através da CNBB, reagiu de pronto à ideia de ensinar o homossexualismo nas escolas. Aqui em Maceió, o arcebispo dom Antônio Muniz preferiu se situar diante da questão invocando a posição assumida pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) que emitiu nota oficial em que proclama:

“As pessoas que sentem atração sexual exclusiva ou predominante pelo mesmo sexo são merecedoras de respeito e consideração. Repudiamos todo tipo de discriminação e violência que fere sua dignidade de pessoa humana. Tais uniões não podem ser equiparadas à família, que se fundamenta no consentimento matrimonial, na complementaridade e na reciprocidade entre um homem e uma mulher, abertos à procriação e educação dos filhos. Equiparar as uniões entre pessoas do mesmo sexo à família descaracteriza a sua identidade e ameaça a estabilidade da mesma.

É atribuição do Congresso Nacional propor e votar leis, cabendo ao governo garanti-las. Preocupa-nos ver os poderes constituídos ultrapassarem os limites de sua competência, como aconteceu com a recente decisão do Supremo Tribunal Federal. Não é a primeira vez que no Brasil acontecem conflitos dessa natureza que comprometem a ética na política.

A instituição familiar corresponde ao desígnio de Deus e é tão fundamental para a pessoa que o Senhor elevou o Matrimônio à dignidade de Sacramento. Assim, motivados pelo Documento de Aparecida, propomo-nos a renovar o nosso empenho por uma Pastoral Familiar intensa e vigorosa”.

Fonte: Primeira Edição

17/05/2011

Evangelizando crianças na Argentina


Evangelizando crianças na Argentina Há um mês a cidade de Leandro Alén, na Argentina, ganhou uma unidade do Pepe (Programa de Educação Pré-Escolar).

Segundo a coordenadora para América Latina, missionária Lídia Klava, o processo para a escolha do local começou em novembro de 2010, juntamente com o treinamento de equipes de três igrejas.

Um salão comunitário abandonado foi limpo e restaurado para a ministração das aulas.

Os pais participaram de reuniões e as inscrições dos alunos foram feitas. A missionária percebe que os responsáveis chegam um tanto desconfiados às reuniões, porque estão habituados a serem explorados e não ajudados.

“Eles chegam sedentos pelo Evangelho e carentes de amor. Os desafios são muitos. Porém, o principal é que não temos como receber a todas as crianças interessadas em participar. Mas espaço ainda é pequeno”, lamenta a missionária.

A coordenadora glorifica ao Senhor por mais uma unidade que entra como uma ferramenta para ganhar vidas para o Reino de Deus.


Fonte: JMM

12/04/2011

Concerto vai angariar fundos para crianças surdas do Quênia


Concerto vai angariar fundos para crianças surdas do QuêniaNo dia 16 de abril uma igreja em Kennington, Londres, realizará um concerto para angariar fundos que ajudem crianças surdas de uma remota área do Quênia.

O amplo programa musical que prioriza o Evangelho inclui diferentes ritmos, como rap, hip hop, mímica, dança e linguagem de sinais.

O evento inclui artistas cristãos e membros da comunidade em geral. Todos se comprometeram com a realização exclusivamente com a finalidade de angariar fundos para proteger estas crianças vulneráveis.

As crianças que serão beneficiadas são estudantes da Escola Cristã Lambwe para Surdos. Muitos são órfãos e vivem em pobreza extrema. Todos sofreram rejeição e ainda estão em risco.

Este evento teve origem no encontro de duas mulheres – ambas lutam pelas crianças vulneráveis – e enfrentam dificuldades incríveis neste trabalho.

Nelda Kroll viveu no Quênia por vezes em um cenário perigoso, chegando a ver o marido ser brutalmente assassinado durante uma rebelião e ainda optou por permanecer lá com seus filhos. Quando idosa, ela criou e passou a liderar este refúgio seguro para as crianças na Lambwe devido a uma promessa feita a um amigo do Quênia em seu leito de morte.

A outra mulher notável e corajosa, cujo caminho estava destinado à cruz com Nelda’s, chama-se Rhoda Agangan. Esta britânica sofreu com anemia falciforme durante toda sua vida, teve derrames, infecções e estadias prolongadas no hospital. No entanto, ela explica que Deus lhe deu a missão de ajudar crianças que sofrem em todo o mundo. Antes de uma viagem ao Quênia, há quatro anos, ela procurou o Alto Comissariado queniano, indagando sobre como poderia ajudar essas crianças. Eles, então, a colocaram em contato com Nelda Kroll.

“Eu prometi a Nelda que ajudaria as crianças em situação de risco do Lambwe”, conta Rhoda. “Eu disse que, após o meu retorno, gostaria de organizar um concerto de angariação de fundos para elas. Nelda respondeu: ‘Eu quero ver esse show antes de eu morrer’”, completa.

Nelda agora, nos meados dos seus 90 anos e vivendo na Grã-Bretanha, fez sua última e árdua jornada para a área remota do Lambwe alguns anos atrás.

A Escola Cristã Lambwe para Surdos é um projeto apoiado pela cúpula da caridade cristã do Ministério Siloé.

Seu diretor, o britânico Richard Norton, explica que “a água potável continua a ser uma necessidade urgente em Lambwe. Com a seca, a área enfrenta agora uma perigosa escassez de água. E são necessárias vinte mil libras para trazer um suprimento confiável de água potável para a escola”.

“Além de água potável, isto permitiria um sistema de saneamento e instalações sanitárias que, se consseguido, irá transformar a vida dessas crianças vulneráveis”.

Fonte: Christian Today /  CPAD News

14/03/2011

Programa de rádio leva crianças a Cristo


Programa de rádio leva crianças a CristoNos últimos sete anos, o ministério Compaixão Internacional oferece ajuda às crianças carentes em todo o mundo através de um programa de rádio chamado “Speak Up com compaixão.”

Wess Stafford, presidente da Compaixão e apresentador do programa de rádio de um minuto disse que o programa “realmente oferece voz às crianças, fazendo com que as pessoas que tomam decisões sobre elas – sejam pais, professores, pastores, os executivos da missão – compreendam a importância das crianças”.

“Nós temos correspondentes em 26 países. Eles reúnem perguntas que as crianças gostariam de perguntar. A experiência é assim: uma criança pede sua pergunta, que é traduzida em Inglês”, explica Stafford.

Em seguida, Stafford responde à pergunta. “Nós falamos sobre a questão que essa criança levantou”.

Então, o apresentador aborda outras questões específicas para a criança, a área em que vive, ou as lutas que as crianças que vivem na pobreza ou lares desfeitos enfrentam diariamente.

Em última análise, o “Fale com Compaixão” encoraja as crianças de perto ou ao redor do mundo. “Se Deus coloca uma criança em sua vida por apenas 60 segundos, você tem a chance de talvez ser o único que diz as coisas certas ou faz a coisa certa que pode mudar a vida dessa criança”, observa Stafford.

Stafford disse o programa têm levado as crianças a tornarem-se até pastores. Compaixão constantemente fala do amor para as crianças, incentivando-as a chegarem a Cristo.


Fonte: Mission Network News

%d blogueiros gostam disto: