Posts tagged ‘Discriminação Religiosa’

06/09/2012

Funcionário evangélico obrigado a assistir a pornô será indenizado


Ambev é condenada por assédio moral por promover reuniões com garotas de programa

Um funcionário da filial de Curitiba da Companhia de Bebidas das Américas (Ambev) poderá ser indenizado em R$ 50 mil, pela empresa porque, conforme entendimento da Justiça, passou por situações constrangedoras e vexatórias no ambiente de trabalho. Os magistrados avaliaram que o funcionário sofreu dano moral e, portanto, tem direito à indenização. A decisão foi divulgada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST) nesta segunda-feira (3) e segundo o Tribunal, a empresa já apresentou um novo recurso que será analisado.

Entre 2003 e 2004, o gerente do profissional indenizado levava garotas de programas às reuniões, o obrigava a assistir a shows de stripper e filmes pornôs e ainda se direcionava ao subordinado de maneira desrespeitosa. Tudo para ‘motivar’ o funcionário e alavancar o cumprimento de metas.

Após condenação em primeira e segunda instância, a Ambev recorreu da sentença no TST, porém, o colegiado não reconheceu o recurso, consequentemente, não o julgou.

Segundo o TST, a empresa alegou que o valor da indenização seria desproporcional e o dano sofrido pelo empregado seria mínimo. O ministro Brito Pereira, relator do processo, considerou que as decisões apresentadas para os confrontos de teses eram inespecíficas.

Durante dois anos, essas situações ocorreram mais de dez vezes. O profissional, que é casado e evangélico, descreveu nos autos que chegou a ser amarrado na própria sala de trabalho para assistir a filmes pornográficos e performances de strippers. Ainda segundo o profissional, o gerente organizava festas em chácaras, com a presença de garotas de programas, e os funcionários que atingiam as metas de venda ganhavam “vale garota de programa”.

A estratégia do supervisor já era conhecida pelo Ministério do Trabalho. Inclusive, a empresa firmou um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), junto ao órgão, no qual se comprometeu a orientar os funcionários para evitar condutas desrespeitosas.

Em nota, a Ambev se posicionou contra comportamentos indevidos a funcionários. “Reconhecida por sua gestão, a Ambev prega o respeito e valoriza o trabalho em equipe. A companhia, que conta com mais de 30 mil funcionários do Brasil, não pratica ou tolera qualquer prática indevida com seus funcionários. Casos antigos e pontuais não refletem o dia a dia da empresa. O bom ambiente de trabalho é refletido pelos inúmeros prêmios de gestão de pessoas que a Ambev recebe a cada ano”, diz a nota da empresa enviada ao G1.

Deixe o seu comentário.

Fonte: G1

10/05/2011

Gospel Gay: Grupos usam a internet para discutir temas pró-homossexualismo


Gospel Gay: Grupos usam a internet para discutir temas pró-homossexualismo

Muitos blogs e comunidades virtuais formadas por homossexuais cristãos estão usando o cyber espaço para harmonizar o cristianismo com suas práticas sexuais.

Devido aos debates entre pastores como Silas Malafaia e Marcos Feliciano que usam as redes sociais e também a TV para se posicionar contra as decisões sobre a união entre pessoas do mesmo sexo esses grupos de blogueiros conversam sobre esse “preconceito” dos líderes e lançam campanhas com posicionamentos políticos e também compartilham mensagens, trechos de filmes, vídeos e entrevistas compostas pelos membros do grupo.

Um frequentador desses grupos postou um texto falando sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal que aconteceu na última quinta-feira, 5, dando aprovação para que o Brasil passe a realizar a união civil entre homossexuais e também falando da hashtag que surgiu no Twitter com as palavras #todoscrentechora onde muitos internautas ofendiam e debochavam dos evangélicos e de pastores como os já citados que se manifestaram desaprovando a decisão do STF.

O texto é assinado por João Marinho e procura demonstrar os motivos para esse movimento no ciberespaço. Confira o texto retirado do site Gospel Gay:

Recentemente, nos trending topics do Twitter, a palavra-chave #todoscrentechora chegou entre as primeiras. Com certeza, algo a ver com a #uniaohomoafetiva – e foi a deixa para muitos acusarem os gays de preconceito contra evangélicos, ou ainda, de pagarem preconceito com preconceito.

Não digo que eu seja totalmente a favor da #todoscrentechora, pois, sim, conheço evangélicos esclarecidos – minha própria família, por exemplo – que apoiaram a decisão do Supremo. Ricardo Gondim é outro, que veio a público manifestar seu apoio ainda que colocando a cara a tapa frente a seus pares.

No entanto, por outro lado, é possível entender a reação de gays, lésbicas e de héteros que os apoiam. Graças a figuras como Silas Malafaia, Marco Feliciano, Júlio Severo, Rozangela Justino e outros, os homossexuais continuamente aviltados em um sem-número de audiências públicas na Câmara e no Senado, na internet, no rádio, na tevê.

Embora digam “amar o pecador, mas não o pecado”, muito pouco se viu, na realidade, de “amor ao pecador”, pois, em seus pronunciamentos, o pecador amado era o ofendido, sendo relacionado a toda sorte de práticas indesejáveis e até a crimes bárbaros, como a pedofilia. Foi tratado como “risco à família” (como se não tivéssemos família e brotassem da terra) e daí para baixo.

Infelizmente, para quem vê de fora a realidade evangélica (ou mesmo para quem vê de dentro!), vozes similares às de Malafaia & Cia. são mais numerosas e interferem mais no público do que as do ponderado Gondim – e esse eixo do mal evangélico (sim, me aproprio da figura de linguagem de George W. Bush) é seguido por milhares, que reproduzem, sem o mínimo de reflexão, as coisas absurdas que aqueles declaram.

Se há tantos evangélicos – e católicos! – praticantes e esclarecidos assim, é preciso, portanto, haver um movimento de dentro. Um movimento para que assumam a tribuna e diminuam a influência e poder de pessoas como Malafaia. Afinal, respeito é bom e todo mundo gosta: mas se você desrespeita primeiro, querer que o outro respeite você em seguida “não se aplica”, para adotar a expressão utilizada por Ayres Britto em seu voto – e ponhamos na balança.

O que é mais ofensivo? Um “#todoscrentechora” ou ser chamado de pedófilo e igualar as demandas de casais que se uniram pelo afeto há anos e simplesmente queriam REGULARIZAR ISSO, à zoofilia, à necrofilia, ao incesto, à poligamia não-legalizada?

Peço desculpas aos evangélicos esclarecidos pelos LGBTs que tripudiaram com a vitória no STF – mas peço também que eles entendam o porquê disso e que, mais do que ofensa, considerem um chamado para lutar contra a injustiça.

Homossexualismo e cristianismo não combinam. Ou combinam? Paralelo ao debate sobre a provação (ou não) de leis que reconheçam a união civil de casais do mesmo sexo, e da guerra midiática entre militantes pró-gay e líderes religiosos, surge um movimento que afirma encontrar um consenso.

Sim, pois não importa de que religião você seja, se seu Deus apoia ou não a homossexualidade, se você concorda ou não com o ser gay: se duas pessoas adultas e capazes se unem, constroem patrimônio juntas, dividem amor e responsabilidade juntas, deixá-las DESAMPARADAS legalmente é, sob quaisquer perspectivas, injustiça. E até onde sei, é ela também um pecado – e Deus tampouco se compraz de injustos. Amém.

Fonte: Gospel Prime /Pavablog

24/03/2011

Pesquisa revela que religião pode ser extinta em 9 países


Uma pesquisa baseada em dados do censo e projeções de nove países ricos constatou que a religião poderá ser extinta nessas nações.

Analisando censos colhidos desde o século 19, o estudo identificou uma tendência de aumento no número de pessoas que afirma não ter religião na Austrália, Áustria, Canadá, República Checa, Finlândia, Irlanda, Holanda, Nova Zelândia e Suíça.

Através de um modelo de progressão matemática, o estudo, divulgada em um encontro da American Physical Society, na cidade americana de Dallas, indica que o número de pessoas com religião vai praticamente deixar de existir nestes países.

”Em muitas democracias seculares modernas, há uma crescente tendência de pessoas que se identificam como não tendo uma religião; na Holanda, o índice foi de 40%, e o mais elevado foi o registrado na República Checa, que chegou a 60%”, afirmou Richard Wiener, da Research Corporation for Science Advancement, do departamento de física da Universidade do Arizona.

O estudo projetou que na Holanda, por exemplo, até 2050, 70% dos holandeses não estarão seguindo religião alguma.

Modelo

A pesquisa seguiu um modelo de dinâmica não-linear que tenta levar em conta fatores sociais que influenciam uma pessoa a fazer parte de um grupo não-religioso.

A equipe constatou que esses parâmetros eram semelhantes nos vários países pesquisados, resultando na indicação era de que a religião neles está a caminho da extinção.

“É um resultado bastante sugestivo”, disse Wiener.

“É interessante que um modelo tão simples analise esses dados…e possa sugerir uma tendência”.

“É óbvio que cada indivíduo é bem mais complicado, mas talvez isso se ajuste naturalmente”, disse ele. BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Fonte: Estadão

 

22/02/2011

Pastor é espancado enquanto orava por garoto de 8 anos


O pastor disse que o despojaram, após levá-lo para a estrada principal fora da aldeia.

Um pastor de Rajasthan estado da Índia foi despido, espancado e ferido por extremistas hindus no início deste mês ainda está traumatizado, enquanto a polícia ainda não investiga o caso devido aos receios da família de mais violência.

Pastor Hari Shankar Ninama, 65 anos, no dia 01 de fevereiro, estava orando em uma casa em Ambarunda, para a recuperação de um menino de 8 anos de idade que estava doente, quando pelo menos 10 extremistas hindus chegaram de moto e invadiram. Os assaltantes espancaram-no e, colocando-o em uma de suas motos, o levou para fora da aldeia, onde tirou suas roupas e golpeou-o.

Eles fugiram depois de roubar o relógio, telefone celular e uma pequena quantidade de dinheiro.

Pastor Ninama contou que ele estava visitando sua filha Galadh Mangiya Bujh na vila Ambarunda quando seu vizinho, Lasiya Bujh, pediu para ele orar por seu filho doente. Ambarunda é 17 quilômetros da vila em que Pastor Ninama mora.

“Enquanto eu orava, um grupo de pelo menos 10 homens interrompeu a oração e começou a me bater”, disse o Pastor Ninama.

Outros estavam aguardando a oração na casa da filha do pastor e testemunhou o ataque, incluindo Paasu Dindore.

“Eles bateram na filha do pastor Ninama Galadh e bateram no pai do menino doente”, disse Dindore. “Eu estava lá para pedir ao Pastor Ninama orar por mim, e logo que o ataque aconteceu eu fugi do local e testemunhei o fato à distância, escondido.”

Pastor Ninama identificou dois dos atacantes como Dhuliya e Gautam, os outros ainda não foram identificado.

“Acusaram-me com linguagem abusiva e acusações de conversão forçada e fez-me repetir as palavras depois deles,” Pastor Ninama disse, ainda visivelmente com dor e chorando.

O pastor disse que o despojaram, após levá-lo para a estrada principal fora da aldeia.

“Bateram-me uma e outra vez sem piedade com bastões de madeira e suas mãos, nos punhos e nas pernas”, disse ele. “Eles roubaram meu celular, agenda, alguns documentos, relógio de pulso e 500 rúpias (11 dólares EUA). Me ameaçando me matar se eu continuar a difundir o cristianismo, eles me deixaram nú na estrada e fugiram. ”

Ameaças
O Sub Inspetor Bhagwat Singh disse que a família do pastor tem medo de que uma investigação policial levaria a uma retaliação dos extremistas.
“Ninama filha e genro chegaram à delegacia pedindo a polícia não levar o caso adiante”, disse ele
Área fonte Sunny Meda, disse ao Compass que os extremistas ameaçaram incendiar a casa da filha de pastor Ninama se processar a polícia.
“Durante três dias Galadh e sua família não foram autorizados a deixar a vila ou até mesmo ir ao mercado”, disse Meda. “Há medo e terror entre as famílias cristãs na vila.”
A polícia ainda têm de fazer as prisões.
Dindore, um membro da igreja do Pastor Ninama, disse que não há cultos na igreja desde que ele foi atacado.
Apesar de fraco, porém, o Pastor Ninama disse ao Compass que ele vai continuar a evangelizar nas aldeias e orar pelas pessoas, onde e quando for chamado.
Sub Inspetor confirmou que o pastor Ninama andava nú, a cinco milhas do local do espancamento a caminho da delegacia.
“Eu coloquei algumas roupas quando ele chegou à delegacia”, disse Singh.

Lesões
O pastor recebeu tratamento no Centro Médico de Mahatma Gandhi durante dois dias antes de ser transferido para um hospital particular.
Dr. Ravi Upadhaya disse ao Compass que as lesões de Ninama são emocional, bem como a física.
“Ele tinha lesões de tecidos moles em muitas partes do seu corpo, incluindo as marcas de machucado em sua costa e coxa, variando de cinco centímetros a oito centímetros de comprimento e 2-5 cm de largura”, disse Dr. Upadhaya. “Ele também tinha uma ferida acentuada atrás do pescoço, que sangrou e, a vítima queixou-se de dor torácica interna. Mas mais que dor física, o homem de 65 anos, está mentalmente traumatizado. ”
Ele recebeu alta do hospital privado em 11 de fevereiro e ainda se queixa de ter dores no corpo.
Agricultor, pastor Ninama converteu do hinduísmo ao cristianismo há 12 anos. Ele e sua esposa têm seis filhas e dois filhos. Ele lidera uma igreja doméstica em sua casa com cerca de 40 pessoas e aldeias próximas, incluindo a vila onde o ataque ocorreu.
O Partido do Congresso está no poder, no Rajastão, com Ashok Gehhlot como ministro-chefe desde dezembro de 2008. Anteriormente, o Bharatiya Janata Party decidiu, passando por uma controversa “lei anti-conversão”, que proíbe a conversão forçada ou falsos, mas é freqüentemente utilizadas para perseguir cristãos com falsas acusações.
O projeto de lei de conversão torna uma ofensa inafiançável à prisão imediata, e até cinco anos de prisão. O projeto enfrentou forte oposição do então-Gov. Pratibha Devisingh Patil, atualmente presidente da Índia.

Fonte: Portal Padom
22/02/2011

Solenidades oficiais esquecem evangélicos e descumprem Lei


 

Pastor Robson Marcelo da Silva, o acordo fere o Estado laico, pois é inconstitucional e diante da situação os representantes das Igrejas Evangélicas do Piauí e seus fieis estão através de um documento protestando e pedindo aos deputados federais e senadores evangélicos para que votem contra esse acordo.

Lei determina que eventos devem dar vez ao menos dois credos, mas pastores são esquecidos.
A posse dos deputados estaduais no início do mês reascendeu a polêmica sobre direitos dos evangélicos no Estado Laico. A presença apenas de representante da Igreja Católica na Assembleia Legislativa foi alvo de críticas de entidades que pedem a presença de alguém dos credos em solenidades oficiais. E não se trata apenas de um pedido, mas cobrança para que a Lei número 5112, sancionada em 13 de dezembro de 1999, seja cumprida.
Diz a Lei prosposta pelo deputado estadual Hélio Isaias (PTB) que “As solenidades oficiais promovidas pelos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, quando da participação das autoridades eclesiásticas, de forma facultativa, deverão contar com a presença de representantes de pelo menos dois credos religiosos”.
O pastor Robson Marcelo, presidente da Associação Interdenominacional de Pastores do Piauí, pretende solicitar audiência pública com deputados estaduais e o Ministério Público para tratar desse e outros temas, como a permanência de imagens sacras, objetos do catolicismo, em órgãos públicos. Segundo ele, os evangélicos se sentiram discriminados por não terem representante na posse dos deputados, mesmo tendo procurado o cerimonial antecipadamente.
“Não somos contra a Igreja Católica. Somos contra a Assembleia Legislativa não contemplar as outras religiões”, disse o pastor, lembrando que na oportunidade foram empossados deputados evangélicos. “Não reconhecer a representação de um pastor é desconsiderar o cargo”, acrescentou.
Remédios Carvalho, presidente da Associação Evangélica Piauiense – AEPI -, se queixa que o descumprimento da Lei em diversas solenidades. Segundo ela, uma das raras exceções no Estado e municípios foi a posse do governador Wilson Martins em janeiro. A inauguração de prédios públicos costumam contar com um padre para benzer o local, mas pastores não são convidados.
“Se chamar um padre, tem que chamar um pastor, um representante evangélico. E isso não é cumprido. O que nós da associação pedimos são direitos iguais. Que as autoridades nos respeitem, assim como repeitam a Igreja Católica”, declarou.

Fonte: Notíias Cristãs / Cidade Verde

 

%d blogueiros gostam disto: