Posts tagged ‘Estados Unidos’

02/10/2012

Encontro de oração reúne 25 mil pessoas nos EUA


 Encontro de oração reúne 25 mil pessoas nos EUAExatamente 40 dias antes da eleição para presidente dos EUA, cerca de 25 mil pessoas se reuniram durante dois dias no Independence Mall, na Filadélfia, durante a maratona de oração “América para Jesus 2012”. O objetivo deste encontro que reuniu cristãos de todas as raças, partidos e denominações dos Estados Unidos, era orar pela cura da nação e chamar a América de volta a Deus. O local escolhido é histórico, pois foi o local onde Declaração de Independência foi assinada.
“Hoje chegamos a um lugar histórico para escrever a história espiritual na América”, disse o reverendo Billy Wilson, co-presidente do América para Jesus 2012. ”Hoje nós viemos a este lugar, porque acredito que a América está à deriva espiritualmente e precisa corrigir o rumo”.

O evento de dois dias começou com uma reunião de jovens na noite de sexta-feira. A bispa Anne Gimenez, da Rock Church International, de Virginia Beach, e co-presidente do movimento, disse aos milhares de adolescentes reunidos, “América para Jesus será um grito ouvido em todo o mundo. Este é um início de um empurrão pedindo por justiça na América. Estamos aqui para declarar a Palavra do Senhor. ”

No sábado, Tom Phillips, que trabalha no ministério de Billy Graham, leu uma carta de saudação e solidariedade do evangelista de 93 anos de idade, que afirmou estar orando pela  América e preocupado com o seu futuro.

“Nada poderia ser mais urgente do que para o povo de Deus para se unir e orar por nossa nação e nosso mundo”, escreveu Graham. ”Nossa única esperança é voltar-se para o Senhor Jesus Cristo em arrependimento e fé, para buscar obedecê-lo em todas as áreas de nossas vidas, como indivíduos e também como uma nação…”

O conhecido pastor televisivo Pat Robertson foi um dos palestrantes e declarou “Nós nunca iremos mudar nosso país através da política. Só mudaremos a América com um poderoso derramamento do Espírito Santo de Deus.”

Logo no início da maratona de oração, que durou nove horas, o pastor Wilson pediu um tempo de arrependimento para os sete pecados mortais: orgulho, avareza, luxúria, inveja, gula, ira e preguiça, que seriam as causas dos problemas da nação. Vários líderes cristãos fizeram  orações pedindo perdão por questões específicas e relacionadas com as questões sociais, como a pobreza, o tráfico de desemprego, sexo, crime e gestão governamental.

Na pauta das palestras e das orações durante o sábado estavam a condenação do aborto, o casamento gay e o controle populacional, além de críticas ao governo de Barack Obama.

Fonte:  ABC News

23/08/2012

Falando sobre reeleição, Obama afirma “Deus está no controle”


Falando sobre reeleição, Obama afirma “Deus está no controle”Uma pesquisa do Pew Research Center indica que 55% dos eleitores americanos acreditam que Obama é cristão e apenas 12% pensam que ele é muçulmano. De acordo com esta mesma pesquisa, 45% dos entrevistados disseram sentir-se confortáveis com a fé do presidente, enquanto 19% dizem estar desconfortáveis.

O relatório da Pew Research indica que 30% dos eleitores entrevistados não sabia a religião do presidente, 17% disseram acreditar que ele é muçulmano. Por outro lado, 60% identificaram corretamente o candidato republicano Mitt Romney como um mórmon.

Embora não discuta abertamente suas crenças religiosas, o presidente Obama aproveitou uma entrevista para a revista da Catedral Nacional de Washington para declarar que acredita que “Deus está no controle” de sua vida.

Embora o público duvide da força de sua fé cristã, o presidente reafirmou sua crença em Deus sobre seu futuro. “Em primeiro lugar, a minha fé cristã me dá a perspectiva e a segurança que eu sou amado. Haja o que houver, Deus está no controle”, disse Obama.

Ambos os candidatos tem recebido críticas pelas suas posturas religiosas, mas a percepção do público sobre as convicções religiosas de Obama mudaram dramaticamente desde que ele concorreu à presidência em 2008.

Mas Obama reafirma que sua crença em Deus ajuda-o a tomar decisões no governo. “A fé nos diz que há algo que nos faz desejar o bem-estar de uma criança que não pode receber os cuidados de saúde que necessita, ou um pai que não consegue encontrar trabalho depois que a fábrica fechou, ou uma família passando fome. A fé sempre proporcionou uma estrutura moral para este país enfrentar seus maiores desafios. Uma das grandes coisas sobre este país é que todas as pessoas podem defender sua fé e crenças e falar sobre o que as impulsiona e motiva”.

Como já ficou claro anteriormente, Barack e a primeira-dama Michelle Obama, tem uma perspectiva prática da fé. “Da escravidão ao movimento pelos direitos civis, a fé – e as obrigações morais que derivam de nossa fé – sempre nos ajudaram a enfrentar alguns dos nossos maiores desafios morais, com o reconhecimento que há algo maior acima de nós. Por isso temos obrigações que se estendem além do nosso próprio interesse”.

Perguntado sobre a crença de parte da população dos EUA de que ele é muçulmano, foi categórico.

“Não há muito que eu possa fazer sobre isso. Eu tenho um trabalho a fazer como presidente, e isso não envolve convencer as pessoas que minha fé em Jesus é legítima e real. Eu faço o meu melhor para viver minha fé, permanecer na Palavra, e fazer minha vida parecida com a dEle. O que eu posso fazer é continuar a segui-Lo, e servir aos outros”.

O presidente Obama tem sofrido críticas sobre suas posições sobre o aborto e o casamento gay, mas ele considera isso uma questão de respeito às decisões do próximo. “Como americanos, entendemos que, para garantir nossa capacidade de defender nossas posições, precisamos proteger a capacidade dos que pensam diferente de fazer o mesmo. A fé exige que vejamos a imagem de Deus no outro e a respeitemos”, finalizou.

A revista da Catedral Nacional deu o mesmo espaço para Mitt Romney. Ele ressaltou a importância da sua religião em sua vida. “Muitas vezes me perguntam sobre minha fé em Jesus Cristo”, disse Romney.

“Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus e o Salvador da humanidade. Cada religião tem sua própria doutrina e história. Elas não devem ser as bases da crítica, mas sim prova de nossa tolerância. A tolerância religiosa seria algo vazio se fosse reservado apenas para as religiões com as quais estamos de acordo.”

Traduzido e adaptado de Daily Mail

03/06/2012

Pastor morre ao ser picado por cobra durante culto


Mack Wolford, um pastor pentecostal de West Virginia, ficou conhecido por usar serpentes durante seus sermões. Ele foi destaque em novembro passado no jornal The Washington Post.

Parte de sua mensagem se baseava na promessa de Jesus que os cristãos seriam invulneráveis a picadas de serpentes e escorpiões (Marcos 16:17-18). Durante anos ele fez uso desses animais, que criava em uma sala da igreja. Mas no último domingo o inesperado aconteceu.

O pastor costumava fazer cultos na igreja Church of the Lord Jesus e ao ar livre. Quando ele pregava sobre o poder do Espírito Santo, boa parte da plateia falava em línguas estranhas enquanto ele manipulava cobras e assegurava os presentes que aquilo era um teste de fé para os cristãos, pois eles deviam confiar nas promessas de Deus.

Contudo, aos 44 anos de idade, ele faleceu, vítima da picada de uma cascavel que ele tinha em casa há anos. Curiosamente, a tragédia ocorrer na véspera de um grande evento promovido por ele no parque estadual Panther Wildlife Management Área. Nos dias anteriores, Wolford tinha postado várias mensagens na sua página do Facebook, pedindo às pessoas para comparecerem. “Estou esperando um grande movimento neste domingo”, escreveu. “Vai ser como nos velhos tempos. Teremos crentes cheios do Espírito Santo, línguas e sinais”.

Ele também convidou sua família, que em grande parte abandonou a prática de manipular serpentes, para irem ao parque.

“Em um momento ou outro, todos nós já usamos [serpentes], mas tínhamos parado”, explicou sua irmã, Robin Vanover. “Seu aniversário foi sábado, e tudo que ele queria era ver seus irmãos e irmãs na igreja juntos”, lembra.

Após o período de louvor e adoração, com cerca de 30 minutos, Wolford passou uma cascavel para um membro da igreja e sua mãe. Depois, ele se sentou ao lado da serpente. Foi quando ela o mordeu na coxa.

O culto foi interrompido, e Wolford levado para casa de um parente, na cidade de Bluefield, onde pretendia se recuperar apenas com orações, como sempre fez quando sofreu picadas de cobras anteriores. Ao final da tarde, ficou claro que desta vez era diferente, e as mensagens desesperadas começaram a surgir no seu perfil do Facebook, pedindo oração. Mas ele se recusou a ser levado ao hospital.

Um guarda florestal, que trabalha no parque estadual, disse que os funcionários não tinham conhecimento das atividades de Wolford e nem dado autorização para o culto. “Se tivéssemos conhecimento que ele carregava animais peçonhentos, nunca teríamos permitido isso”, disse.
Tragicamente, o pai de Wolford morreu em 1983, depois de ser mordido por uma cobra.

Foi então que parte da família abandonou a prática. Porém, Mack tentava manter viva essa antiga prática, comum no sul dos Estados Unidos, mas proibida na maioria dos estados.

(Traduzido e adaptado por Gospel Prime de WND e Washington Post)

Fonte:  O Verbo

18/06/2011

Pesquisa: Maioria é contra casamento gay nos EUA


Pesquisa: Maioria é contra casamento gay nos EUAUma pesquisa nacional encomendada pela união de um grupo jurídico conservador descobriu que 62 por cento dos americanos acreditam que o casamento deve ser definido somente como a união entre um homem e uma mulher. Segundo o diretor de pesquisa, os números são espelhos dos milhões de americanos em 31 estados que votaram a favor da Constituição sobre casamento, sem alterações.

Apesar de várias outras pesquisas mostrarem que a opinião nacional está tendendo para favorecer a legalização do casamento gay, este estudo patrocinado pelo Fundo de Defesa da Aliança mostra exatamente o oposto – os americanos ainda apóiam fortemente o casamento tradicional, como Deus concebeu.

A pesquisa simplesmente perguntou aos entrevistados se eles concordavam fortemente ou não com a declaração: “Acredito que o casamento deve ser definido apenas como uma união entre um homem e uma mulher.” A enquete foi feita a 1.500 adultos com idades a partir dos 18 anos em diferentes estados.

O resumo do inquérito afirma que 62 por cento concordam com a afirmação e apóiam uma definição tradicional do casamento. Apenas 38 por cento dos entrevistados discordaram.

Gene Ulm, diretor da pesquisa, disse que o apoio esmagador nacional para o casamento tradicional “não é surpreendente.” Ao contrário das outras pesquisas nacionais, Ulm disse que esta pesquisa reflete os próprios eleitores.

“Mais de 63 milhões de americanos em 31 eleições estaduais votaram para decidir sobre fazer, ou não, alterações na Constituição com relação ao casamento. Quarenta milhões de americanos votaram em todas para afirmar o casamento como uma união somente entre um homem e uma mulher”, disse ele em um comunicado.

Outras pesquisas mostram uma mudança no apoio ao casamento gay surgiu depois que o presidente Barack Obama anunciou em fevereiro que seu governo deixará de afirmar a constitucionalidade da Lei de Defesa do Casamento

A lei federal 1.996, promulgada sob a administração Clinton, define o casamento como uma união legal entre um homem e uma mulher para fins de todas as leis federais, e prevê que os estados não são obrigados a reconhecer “casamentos” entre pessoas do mesmo sexo.

O Dr. Albert Mohler, presidente do Seminário Teológico Batista do Sul disse: “Eu acho, infelizmente, que o casamento homossexual vai acabar sendo legalizado… É hora de os cristãos começarem a pensar sobre como lidar com isso, à luz da Bíblia.”

Esta última pesquisa dá esperança, porque os líderes conservadores da ADF disseram que os eleitores acreditam realmente no casamento.

“Os americanos afirmam fortemente que a vida fiel entre um homem e uma mulher é a pedra fundamental da civilização”, disseram.

Dentre os entrevistados, 43 por cento tinham menos de 45 anos. Setenta e oito por cento dos entrevistados eram brancos, 11 por cento são afro-americanos e 11 por cento eram hispânicos ou de origem espanhola de fundo.

Fonte: Christian Post / CPAD News

17/06/2011

Maior denominação evangélica dos EUA elege primeiro líder negro


 Maior denominação evangélica dos EUA elege primeiro líder negroA Convenção Batista do Sul dos Estados Unidos (Southern Baptist Convention – SBC) é a maior denominação evangélica daquele país, e uma das maiores organizações denominacionais protestantes de todo o mundo, com cerca de 16 milhões de membros nominalmente afiliados às igrejas sob sua jurisdição. Sua influência no Brasil foi enorme, já que foram seus missionários que trouxeram a fé batista para cá no século XIX e se mantiveram ativos e relevantes durante praticamente todo o século XX.

A única notícia boa antes do congresso anual, que começou na última segunda-feira em Phoenix (Arizona), era que houve um aumento no número de igrejas no último ano. Entretanto, os delegados chegaram ao evento já sabendo de alguns dados preocupantes sobre a situação que enfrentam:

1) o número anual de batismo caiu em 5% chegando ao menor nível em 60 anos, e é a 8ª vez nos últimos 10 anos que este número cai;
2) o número total de membros caiu pelo quarto ano seguido;
3) a frequência aos cultos diminuiu em 2%;
4) dízimos e ofertas despencaram para US$ 153 mil
5) o número de missionários mantidos pela Junta de Missões Internacionais teve uma redução drástica de 12%;
6) embora o número total de membros seja de aproximadamente 16 milhões, atualmente a frequência real às igrejas aos domingos mal chega aos 6 milhões

Ontem foi um dia histórico para os batistas do Sul, já que foi eleito para o cargo de vice-presidente da SBC o pastor Fred Luter, que está em New Orleans desde 1986, segundo informa o News Observer. É uma decisão que tem um valor simbólico extremamente importante porque a dolorosa divisão entre batistas do Norte e do Sul dos EUA se deu em 1845, justamente por causa de divergências incontornáveis em relação à escravidão naquele país, o que provocou a Guerra Civil em 1861 até 1865, também chamada de Guerra da Secessão, justamente dividindo nortistas e sulistas sobre a abolição da escravatura.

Significa também o rompimento definitivo com um passado que machucou muito os batistas do Sul dos EUA ao longo das décadas. Quem teve a oportunidade de conversar com eles ali pelos anos 1980, como eu tive, sabe como eles faziam de tudo para não se referir a essa parte triste de sua história. Agora se espera que este trauma seja superado, e a igreja toda se mobilize para recuperar o terreno perdido. O único sinal de alerta, entretanto, é uma palavra que ecoou pelo congresso nos últimos dias: “diversidade”. Muitos convencionais entendem que a “diversidade” é a palavra-chave para ser trabalhada a fim de evangelizar mais pessoas, mas o exemplo das outras denominações norteamericanas quanto a esta tal “diversidade” não é exatamente um bom modelo a ser seguido, já que boa parte delas descambou para o liberalismo desenfreado e a apostasia. Seria ótimo que os batistas do Sul percebessem que “diversidade” não é necessariamente antônimo de “unidade” e “coerência” com o que a Bíblia ensina. Queira Deus que os batistas do Sul tenham melhor sorte.

Fonte: Guia-me

09/06/2011

Estudante consegue liberação da justiça americana e faz oração em formatura


Estudante consegue liberação da justiça americana e faz oração em formatura Depois de ser proibida de falar sobre Deus em seu discurso de formatura, a jovem Angela Hildenbrand, formanda da turma de ensino médio de uma escola de Castroville (Texas, EUA), pode fazer uma oração assim que começou seu discurso.

A oradora do turma tinha sido proibida pela Justiça por um processo movido por um aluno de família agnóstica que moveu a ação baseada na Constituição dos Estados Unidos que garante a laicidade do Estado. Além disso, a família do garoto alegou que se na formatura a estudante oradora da turma falasse de religião, seu filho sofreria “danos emocionais irreparáveis”.

Na quarta-feira, 1 de junho, o juiz federal Fred Biery atendeu ao pedido da família agnóstica e proibiu Angela de fazer a oração. Essa decisão incomodou até o governador do Texas, Ricky Perry que deu apoio para que um recurso jurídico de emergência pudesse derrubar a decisão de Biery.

Na sexta-feira, 3, a Corte de Apelação anulou a proibição do juiz porque, no entendimento de seus magistrados, manifestações religiosas por parte de estudantes não podem ser consideradas como intromissão da religião no Estado.

Depois da oração a estudante enviou um recado para seu colega que não esteve presente na formatura. “Se você não quer se juntar a mim, fique à vontade para fazer o que acreditar que seja melhor”. E acrescentou: “Agradeço a Deus pelo apoio que recebi de toda a comunidade”.

A família agnóstica justificou sua ausência dizendo que ela não seria bem-vinda e também por temer a segurança, já que estava sendo alvo de comentários hostis.

Fonte: Gospel Prime

31/05/2011

Evangélicos apoiam candidatura de Bachmann nos EUA


Evangélicos apoiam candidatura de Bachmann nos EUAApós a zombaria da falsa campanha presidencial de Donald Trump acabar, e dois outros possíveis pré-candidatos, Mike Huckabee e Mitch Daniels, retirarem-se da disputa pela nomeação republicana, abriu-se um vazio na direita norte-americana, e os sinais apontam para Michele Bachmann como a provável vencedora do voto conservador, cristão evangélico.

Nesta primeira disputa pela nomeação no país, Bachmann tem um forte apoio  de um grande número de ativistas evangélicos e anti-aborto.

“Nossos telefones estão tocando sem parar, estão chovendo doações, e as pessoas estão dizendo: ‘Michele, entre na disputa’”, disse Bachmann à Fox News. Diz-se que ela está levantando fundos rápida e substancialmente, e garantindo uma vantagem na disputa.

Ultimamente, os comentaristas contrários a Bachmann parecem inclinados a levar sua candidatura a sério. “Bachmann tem carisma, e é ótima no palanque”, disse seu opositor Chris Matthews, âncora do programa “Hardball” da MSNBC.

Sarah Palin continua sendo uma grande sombra na disputa. Ela ficou num segundo lugar distante na pesquisa mais recente da Fox News sobre os candidatos e possíveis candidatos republicanos (atrás do ex-governador Mitt Romney de Massachusetts), perdeu cobertura da mídia e se distanciou de algumas figuras importantes de seu próprio partido.

É provável que em 2012, depois de todo o entusiasmo gerado entre as mulheres por conta da candidatura de Hillary Rodham Clinton para a presidência em 2008, as únicas candidatas mulheres com chances significativas sejam Bachmann e Palin.

Quase nenhuma mulher democrata emergiu como uma grande força política no início da corrida para as eleições de 2012.

A escassez de novas líderes nacionais no partido é notável – e até chocante – apenas três anos depois que Clinton, hoje secretária de Estado, proclamou triunfalmente seus 18 milhões de votos nas primárias. Mas agora Clinton não será uma força na disputa política e disse, sem equívocos, que não concorrerá à presidência novamente.

Isso “pode ser porque os democratas se preocupam mais com o mensageiro e os republicanos mais com a mensagem?”, perguntou um participante do meio político de Nova York que não quis se identificar, e confessou que não tinha resposta para sua própria pergunta.

Fonte: Uol Notícias / Redação CPAD News

30/05/2011

Estado americano processará pais que não levam os filhos ao médico por crer na “cura pela fé”


Estado americano processará pais que não levam os filhos ao médico por crer na “cura pela fé”

O estado americano de Oregon passará a punir os pais que não quiserem levar os filhos ao médico por crer em “cura pela fé”. Isso se a lei, que foi elaborada pelos parlamentares e já aprovada pelos Senadores, também for aceita pelos deputados.

O projeto de lei pretende invalidar a defesa jurídica de “cura pela fé”, defesa apresentada muitas vezes por pais que se justificam assim para explicar à justiça porque não levaram seus filhos ao médico antes que ele morresse.

Oregon tem cerca de 4 milhões de habitantes, nos últimos anos tem havido muitos casos de morte de crianças por motivo religioso, pois fiéis da seita Seguidores da Igreja de Cristo são orientados por pastores a não levarem seus filhos aos médicos e a hospitais “porque Deus providenciará a cura”.

Com a nova lei, esses religiosos não mais poderão, na Justiça, alegar que recorreram à cura pela fé e, no caso de morte, serão acusados de assassinato.

Esse projeto de lei ocorre no mesmo momento em que a Justiça tenta julgar o casal Timothy e Rebecca Wyland por maus-tratos. Eles se recusaram a levar ao médico sua filha de 18 anos com problema nos olhos. A moça acabou recebendo tratamento em decorrência de uma decisão judicial e assim se livrou de ficar cega.

No cemitério mantido pela seita há um grande número de lápides de crianças, fato que chama muita atenção.

Fonte: Gospel Prime /Paulopes

 

18/05/2011

Americano gasta mais de 100 mil dólares para anunciar o fim do mundo


Americano gasta mais de 100 mil dólares para anunciar o fim do mundo Convencido pelas ideias de Harold Camping, um aposentado americano, de 60 anos, gastou US$ 140 mil (cerca de R$ 220 mil) em anúncios espalhados por toda a cidade Nova York advertindo que o fim do mundo vai acontecer no dia 21 de maio.

Robert Fitzpatrick, que trabalhava no serviço de transporte público de Nova York, espalhou em diversos ônibus e vagões de metrô milhares de cartazes apocalípticos nos quais alerta que o dia do juízo final cairá no sábado da semana que vem.

A propaganda diz “Terremoto global! O maior de todos os tempos. Dia do juízo final: 21 de maio”. Os cartazes mostram também a esfera de um relógio a ponto de marcar as 12 horas sobre uma fotografia de uma paisagem noturna de Jerusalém e um versículo da Bíblia.

O americano gastou cerca de US$ 90 mil (R$ 146 mil) em propagandas no metrô e US$ 50 mil (R$ 81 mil) nos ônibus, indica a versão online do “Daily News”, que destaca que essa quantia representa as economias de toda a vida do homem.

Fitzpatrick começou a acreditar na fatídica profecia após conhecer o grupo cristão evangélico Family Radio, cujo pastor Harold Camping realiza presságios usando cálculos numerológicos e afirma que só os verdadeiros crentes se salvarão.

Camping chegou a essa conclusão após supostamente estudar a Bíblia e porque, segundo ele, é uma data exatamente 7.000 anos depois que Noé se salvou do Dilúvio.

Fonte: Gospel Prime / EFE

06/05/2011

Pastores americanos comentam a “alegria” do povo pela morte de Osama Bin Laden


Pastores americanos comentam a “alegria” do povo pela morte de Osama Bin LadenPastores americanos deram suas opiniões sobre a população ter se alegrado com a morte do inimigo número um dos Estados Unidos, Osama Bin Laden, que teve a morte confirmada pelo Presidente Barack Obama na noite do domingo, 1º de maio.

Para o pastor Jonh Piper, Deus está meio feliz e meio triste pela morte do terrorista. O líder da Igreja Batista de Belém em Minneapolis disse em um blog do ministério Desejando Deus que as emoções de Deus são complexas.

Citando versículos bíblicos ele mostra que Deus não tem prazer com a morte de um ímpio porque ele deseja que ele se converta dos seus caminhos e viva (Ezequiel 18: 23,32). Em outra citação ele lembra, porém, que Deus tem prazer no julgamento e morte dos malfeitores (Ezequiel 5:13 e Provérbios 1: 25 e 26).

“Minha sugestão é que a morte e a miséria do ímpio é dentro e dele mesmo e não um prazer para Deus,” escreve Piper. “Deus não é um sádico. Ele não é malicioso ou sanguinário. A morte e o sofrimento por si só não é o Seu deleite.”

Já o pastor Steven Furtick da “Elevation Church” ficou feliz com a morte do terrorista acusado das mais de 3000 mortes causadas pela queda das Torres Gêmeas de Nova Iorque em 11 de setembro de 2009.

“Eu SIM lamento a morte = A morte generalizada que a vida de Bin Laden causou. Hoje, devemos celebrar o sacrifício e vitória de nossas tropas,” escreveu o pastor em seu Twitter.

Outros pastores consideraram a comemoração como dar continuidade ao ciclo de violência.  ”Será que estamos aprendendo alguma coisa, ou simplesmente girando no ciclo de violência?” Questionou o pastor Brian McLaren.

Outro pastor que resolveu comentar sobre o assunto foi Greg Laurie da Harvest Christian Fellowship, em Riverside, Califórinia, que disse no programa de rádio Um Novo Começo que não lamenta o assassinato de Bin Laden.

Lendo Mateus 5:38-42, Laurie enfatizou que os ensinamentos do Sermão da Montanha se aplicam a crentes e não são a norma para reger uma sociedade.

“Deve um Cristão ser um pacifista completo? Não devemos nunca nos defender?” perguntou Laurie durante o programa. “Não, não existe um lugar para a auto-defesa. Há um lugar para manter-se firme.”

Para ele os soldados americanos são servos de Deus que estão fazendo o bem e citando Romanos 13 ele diz aos ouvintes que devem obedecer as autoridades e o governo que foram instituídos por Deus. “Ele não carrega a espada. Ele é um servo de Deus e do agente da ira para trazer a punição para o que faz errado,” disse o pastor sobre os soldados.

Fonte: Gospel Prime / The Christian Post

%d blogueiros gostam disto: