Posts tagged ‘Filmes’

02/10/2015

Filme cristão de baixo orçamento vira fenômeno nos cinemas e causa espanto em Hollywood


fime cristãoUm filme cristão de baixo orçamento e que arrecadou, até agora, 16 vezes o valor de seu custo, tornou-se o centro das atenções na mídia especializada dos Estados Unidos e tem sido visto, pelos cristãos, como o símbolo de um recado à indústria de Hollywood.

“War Room” (“sala de guerra”, em tradução livre) é uma produção com orçamento de US$ 3 milhões e que arrecadou mais de US$ 50 milhões em bilheteria até agora. O roteiro do filme fala sobre um casal com problemas conjugais que contorna as dificuldades juntos, através da oração.

fime cristão3A produtora do filme, Sherwood Pictures, é a mesma de títulos como “À Prova de Fogo”, “Desafiando Gigantes” e “Corajosos”, e surgiu de um ministério da Igreja Batista de Sherwood.

De acordo com informações do Charisma News, o apoio da American Family Association (“Associação da Família Americana” – AFA) à produção é responsável por parte do sucesso do filme.

“Atuamos em muitas questões pesadas ​​da sociedade, mas nós gostamos de ir ao cinema também”, disse o presidente da AFA, Tim Wildmon. “Quando o entretenimento, no entanto, derruba nossa sociedade e é uma influência negativa sobre os nossos filhos, nós sentimos que devemos intervir. Ao mesmo tempo, quando há opções maravilhosas para as famílias para assistir juntos, nós queremos trazer esses filmes para a atenção de todos. Por décadas, a tela grande tem sido dominada pela violência, sexo, drogas e crime. Mas há um pouco de luz, e as famílias cujos dólares são conduzidos por seus valores terão um grande filme”, acrescentou.

Wildmon comentou ainda a queda na audiência dos cinemas norte-americanos, que tem vivido uma redução no número de pessoas que vão às sessões, e afirmou que o povo está cansado dos excessos, por isso, filmes como “War Room” se sobressaem: “Esperamos que esta tendência seja um vislumbre do que está por vir e nossa cultura mostre alguma evidência disso”.

18/09/2013

Biografia de cristão lidera as bilheterias e é forte candidato ao Oscar


Eugene Allen pode ser um nome desconhecido da história. Contudo, um mordomo negro que serviu durante 34 anos na Casa Branca, conviveu de perto com 8 presidentes diferentes, certamente tem muitas histórias para contar.

 

Desde o tempo de Harry Truman na década de 1950, quando os negros ainda sofriam segregação, até Barack Obama, o primeiro presidente negro, ele era uma testemunha privilegiada dos acontecimentos mais importantes da história.

 

Nascido em 1919, Allen viu seu pai ser assassinado por causa da cor. Ele teve uma vida pessoal sofrida e morreu em 2010. Essa história só ficará conhecida da maioria das pessoas este ano. Sua biografia foi adaptada para o cinema no longa “The Butler” [O Mordomo], que está por três semanas em primeiro lugar nas bilheterias americanas. O sucesso imediato é confirmado pelo fato de já estar sendo apontado como o principal candidato ao Oscar de 2014.

 

No elenco, Forest Whitaker vive o mordomo e Oprah Winfrey interpreta sua esposa, Gloria. Dirigido por Lee Daniels, o elenco conta ainda com nomes de peso como Jane Fonda, Cuba Gooding Jr, Robin Williams e o cantor Lenny Kravitz.

 

O que chega as telas, porém, não é um relato totalmente biográfico do neto de escravos que chegou a ser o chefe dos empregados da Casa Branca. Renomeado como Cecil Gaines, o mordomo retratado é apenas inspirado na biografia de Eugene Allen. Embora seja uma verdadeira aula de história política, outro aspecto importante de sua vida foi suprimido.

 

Durante quase 60 anos, Eugene Allen foi um membro fiel da Primeira Igreja Batista de Washington, serviu como diácono. Era visto por todos como um homem humilde e de muita fé. Os obreiros da igreja predominantemente negra que conviveram com ele, o descrevem como um “pacificador”. Dedicado, além de recepcionar todo domingo as pessoas que chegavam para o culto, ele arregaçava as mangas e ajudava na cozinha quando haviam jantares especiais.

 

O pastor Robert Hood, que conviveu com Allen declarou: “Ele não foi apenas um serviçal na Casa Branca… também estava fazendo o trabalho do Senhor.”

 

O sucesso nas bilheterias da produção que custou 30 milhões de dólares já arrecadou quase 100, se deve, em parte, aos membros das igrejas de negros americanas. Um trabalho especial de divulgação foi feito para mostrar o lado “religioso” da película.

 

No filme, Cecil e Gloria Gaines são retratados como um casal cristão, com um crucifixo sobre a cama e que leem a Bíblia. Mas o filme faz apenas uma abordagem política, mostrando os duros tempos da segregação racial, passando pela luta dos direitos civis dos negros e lembrando como foi o governo de oito presidentes.

 

O diretor Lee Daniels, que foi criado numa família evangélica, disse que era importante para o filme incluir elementos religiosos. Ele disse que lutou para incluir uma cena que mostra o mordomo num jantar da igreja na qual um coro canta um hino. “Você não pode contar uma história sobre o movimento dos direitos civis, sem a música gospel e os pastores negros”, disse ele. “Isso é impossível”.

 

O filme acaba sendo atrativo para os cristãos, pois mostra uma mensagem positiva de alguém que compartilhava de sua fé, mas está longe de ser um filme “gospel”. Por isso, grupos cristãos questionam por que o estúdio que produziu o longa suprimiu em grande parte a importância da fé de Allen.

 

Talvez como resposta a isso, a empresa The Weinstein Co., contratada para a campanha publicitária, elaborou inclusive um “guia espiritual”, para ser usado pela igrejas interessadas. O material faz um paralelo de temas do filme com reflexão e passagens das Escrituras. O guia afirma em sua introdução: “O objetivo é ajudar a relacionar a comovente história de Cecil Gaines às nossas próprias histórias pessoais enquanto nos esforçamos para viver uma vida cristã mais autêntica.”

 

Até mesmo um trailer diferenciado foi produzido para ser divulgada pela mídia cristã, onde a trilha é uma balada gospel e mostra Whitaker orando na igreja com o áudio “Acho que Deus estava cuidando de nós”. As informações são de Religion News e Washington Post.

 

O filme ainda não tem previsão de estreia no Brasil.

Assista o trailer:

16/11/2012

Três Histórias, Um Destino chega a 14 estados


Três Histórias, Um Destino chega a 14 estadosEm apenas 11 dias de estreia o filme “Três Histórias, Um Destino” já foi assistido por mais de 150 mil pessoas, o sucesso de público foi tanto que agora o longa com temática evangélica estará sendo exibido em 14 estados brasileiros.

A estreia do filme baseado no livro homônimo escrito pelo missionário R.R. Soares aconteceu no dia 2 de novembro e se tornou um grande sucesso de audiência logo no primeiro final de semana.

“É o momento do cinema cristão e não podemos deixar passar isso”, diz Ygor Siqueira, diretora da Graça Filmes, empresa que está por trás desse grande lançamento.

A equipe de marketing do longa conta com o apoio dos evangélicos para poder fazer com que o maior número de pessoas tenha contato com a história que tem emocionado milhares de pessoas.

Na trama três situações diferentes acontecem com os personagens principais fazendo com que eles escolham o mesmo destino. O filme é evangelístico e por isso a Graça Filmes insiste na campanha para que cada espectador leve dois amigos, assim a mensagem alcançará cada vez mais pessoas.

Ygor Siqueira também avisa que quanto maior for o número de pessoas que assistirem ao longa, mais tempo ele ficará em cartaz. No site oficial de”Três Histórias, Um Destino” é possível conferir os cinemas nesses 14 estados que estão exibindo o filme.

Acesse e confira: www.treshistoriasumdestino.com.br.

31/10/2012

4U Filmes procura atores voluntários para gravação de longa


A 4U Films está procurando atores voluntários para participarem da gravação do filme “Metanoia”. Os figurantes precisam entrar em contato com a produtora para receber mais informações sobre as filmagens.

A cena que necessita de pessoal estará reproduzindo a Cracolândia, área localizada no centro da capital paulista onde há uma grande quantidade de usuários de drogas.

As filmagens acontecerão ainda no mês de setembro em São Paulo, interessados precisam enviar duas fotos, de corpo e de rosto para o e-mail 4ufilmscasting@gmail.com junto com informações pessoais: nome completo, idade e telefone.

O longa está sendo produzido em parceria com a Cia de Artes Nissi e vai abordar o submundo das drogas. O projeto será exibido nas salas de cinema de todo o Brasil, mas ainda não há previsão de estreia.

Fonte: Gospel Prime

31/10/2012

Nicolas Cage estrelará remake de Deixados para Trás


O ator Nicolas Cage foi escalado para ser o protagonista da série “Deixados para Trás” que vai ganhar um remake. A trama, antes lançada apenas em DVD, deve ser produzida para o cinema tendo Vic Armstrong como diretor.

A trilogia foi escrita por Tim LaHaye e Jerry Jenkins e adaptada pela produtora Cloud Ten Pictures. O dono da empresa, Paulo Lalonde, agora está no comando da Stoney Lake que deve controlar as novas filmagens.

O filme tem temática cristã voltada para a vida na Terra após o arrebatamento. O anticristo governa o mundo e um grupo de novos cristãos tenta ajudar aqueles que foram “deixados para trás” a alcançar a salvação.

A série de 12 livros foi adaptada para três longas entre 2001 e 2005, nessa primeira produção o ator principal foi Kirk Cameron (A Prova de Fogo) que interpretava o jornalista Buck Williams.

De acordo com o site Hollywood Reporter, o filme com a participação de Cage está orçado em US$15 milhões, as gravações devem começar entre março e abril para que o primeiro filme seja lançado no final de 2013.

Gospel Prime

27/09/2012

ECAD participa pela primeira vez da Expocristã


O Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) está participando da Expocristã, evento que começou nesta terça-feira (25) e segue até o dia 30. Esta é a primeira vez que o órgão participa da feira voltada para líderes, pastores, lojistas, livreiros e o público cristão evangélico.

Durante os dias da feira, a equipe do Ecad estará trabalhando na divulgação de seus trabalhos e ainda promoverá algumas palestras. Serão dois temas abordados: Ecad. Tec Cia Rádio – sistema próprio de captação, gravação e identificação automática das músicas tocadas nas rádios – e sobre o Banco de áudio digital do Ecad.

Para quem não sabe o Ecad desenvolve o trabalho de arrecadação e distribuição dos direitos autorais de execução pública musical e também promove algumas campanhas junto a cantores e compositores, como a campanha “Vozes em Defesa do Direito Autoral. E que Vozes!” Essa mobilização conta com o apoio de grandes nomes da música evangélica como Davi Sacer, Andre Valadão e Aline Barros.

O objetivo dessa campanha é alertar a sociedade sobre a importância do pagamento do direito autoral e do uso autorizado da obra musical. Interessados em saber mais sobre essa e outras mobilizações do Ecad podem procurá-los na Expocristã ou acessar o site www.ecad.org.br.

14/09/2012

Produtor de filme “anti-Islã” promete lançar série de TV sobre o assunto


Produtor de filme “anti-Islã” promete lançar série de TV sobre o assuntoSam Bacile foi identificado como o escritor, diretor e produtor do filme de duas horas “Inocência dos muçulmanos”, que provocou protestos que levaram à morte do embaixador dos EUA, Chris Stevens, na Líbia além de ataques a consulados americanos em outros países.

Bacile diz que vive na Califórnia, onde trabalha no setor imobiliário. Na verdade, o mistério sobre sua identidade aumentou quando um consultor do filme afirmou que o senhor Bacile não existe, uma vez que não apareceu em público.

Nas entrevistas que tem dado, quase todas por e-mail ou telefone, Bacile afirmou que o filme foi financiado com a ajuda de mais de 100 doadores judeus. Ele acrescentou que trabalhou com 60 atores e 45 extras para rodar o filme em um período de três meses no ano passado. “É um filme político. Não é um filme religioso”, finalizou.

Um trecho de 14 minutos do filme foi postado no YouTube em julho e ao ser dublado para o árabe recentemente geou protestos entre os muçulmanos pois o profeta Maomé é retratado como um homem mulherengo violento.

O material tem gerado protestos contra os Estados Unidos em diversos países do Oriente Médio e também foi divulgado pelo pastor Terry Jones, que já é desafeto dos muçulmanos por ter queimado exemplares do Alcorão.

No primeiro dia de protestos, egípcios rasgam bandeira dos EUA. No segundo dia, o embaixador dos EUA e 3 funcionários foram mortos na Líbia. Hoje, no terceiro dia, a embaixada dos EUA no Iêmen foi cercada e atacada. Pelo menos uma pessoa morreu e outras 20 ficaram feridas informaram fontes médicas às agências de notícias.

O governo americano teme que isso evolua para uma onda de ataques terroristas a outros alvos em todo o mundo. Manifestações também foram registradas nesta quinta em Bangladesh, Iraque, Marrocos, Sudão, Tunísia e na Faixa de Gaza.

Steve Klein afirma ter trabalhado na produção e disse à revista Atlantic que o nome Sam Bacile era um pseudônimo e que ele não era judeu. Mesmo assim, ele também tem uma visão negativa do Islã. E acrescentou: “Eu não sei muito sobre ele. Eu o conheci, falei com ele por uma hora. Ele não é de Israel, não. Eu posso dizer isso com certeza, o Estado de Israel não está envolvido… Seu nome é um pseudônimo. Duvido que ele seja judeu. Eu suspeito que isso seja uma campanha de desinformação”.

Segundo o jornal New York Post, autoridades norte-americanas identificaram o homem que diz ser Bacile como Nakoula Basseley, um cristão copta de 55 anos. A agência Associated Press descobriu que os dois são a mesma pessoa após rastrear o número de celular usado por Bacile em uma entrevista por telefone. O telefone estava sendo usado da casa de Nakoula.

Entre as últimas afirmações, atribuídas a Bacile na entrevista à Associated Press, está a declaração que ele pretende fazer filmes adicionais. “Meu plano é fazer uma série de 200 horas sobre o mesmo assunto”, disse ele. E foi mais além: “O principal problema é que eu sou o primeiro a colocar na tela alguém sendo [retratando] Maomé. Isso os deixou loucos. Mas nós temos que abrir a porta. Após o 11 de setembro seria bom todo mundo lembrar que estará na frente do juiz, Jesus”.

O governo americano busca se distanciar do vídeo. Nesta quinta-feira, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse que os EUA “nada têm a ver” com o filme, que classificou de “repugnante e repreensível”.

Traduzido de Telegraph e Associated Press

31/08/2012

Pressão evangélica faz Renato Aragão desistir de filme


O colunista Lauro Jardim, no site da Veja, divulgou nesta sexta-feira (31) que Renato Aragão desistiu de fazer o filme ‘O Segundo Filho de Deus’.

O projeto já estava aprovado pela Ancine para captação de recursos no mercado.

Nos últimos dias, Renato sofreu retalhiações em vários sites evangélicos. Os portais reproduziram a informação de como seria o filme: Didi vindo à Terra para cumprir uma missão que Jesus Cristo não conseguiu.

A Focus Filmes, produtora do projeto, nega que a história do longa seria essa e a Ancine não detalha o roteiro no site.

A repercussão ruim aliada a falta de apoio da Sony Pictures fizeram Renato Aragão deixar a ideia de lado por enquanto, disse Lauro Jardim.

22/08/2012

Projeto estimula cristãos a exigirem mais “arte bíblica” no cinema e na TV


Projeto estimula cristãos a exigirem mais “arte bíblica” no cinema e na TVUma nova organização deseja encorajar os cristãos a usarem a sua “influência e poder de compra coletivo” para influenciar a produção de filmes, música e programas de televisão.  ”O objetivo do AS1 é levar a Igreja de volta ao seu papel histórico de promotor das artes”, disse Jonathan Bock, fundador da AS1.

Bock disse em uma entrevista recente que há necessidade de os cristãos voltarem a ter “relação” com a comunidade artística. Ao invés da pintura e escultura dos séculos anteriores, a arte de hoje envolve o mundo do entretenimento, principalmente a produção de música, filmes e televisão, ele disse.

Houve um tempo em que o cristianismo era “parceiro e inspiração dos grandes artistas”, trabalhando com eles para criar grandes obras, lembra Bock. Hoje, no entanto, “temos praticamente abandonado as artes”, disse, explicando que as gerações atuais de cristãos decidiram se “afastar da cultura pop e criar sua própria subcultura”, a fim de promover os valores positivos e evitar a corrupção do mundo secular.

Embora essa mudança tenha sido “bem-intencionada”, a cultura pop continuou a prosperar e os cristãos ficaram para trás. Ao invés de classificar os artistas como inimigos, devemos encorajá-los a contar a nossa perspectiva cristã do mundo.

Curiosamente, o momento atual parece apontar para uma enorme oportunidade uma vez que vários projetos envolvendo a Bíblia estão sendo preparados.

Por exemplo, o renomado produtor Mark Burnett está filmando uma série de 10 horas sobre as histórias da Bíblia para o History Channel. Russell Crowe irá estrelar um novo filme sobre Noé  e Steven Spielberg vai dirigir um novo filme sobre Moisés.

Bock disse que a comunidade cristã sempre terá a oportunidade de direcionar e apoiar esses projetos bíblicos, transformá-los em sucessos, para que a indústria do entretenimento seja  incentivada a fazer mais obras do gênero.

Para ele, os fiéis não podem simplesmente esperar que a cultura seja criada para, então, reagir a ela, disse.  Os cristãos devem buscar parcerias durante o processo de criação. Bock espera que AS1 seja um caminho para a comunidade cristã a unir, a fim de construir essas parcerias.

O movimento da AS1 espera usar sua “vibrante comunidade online.” Em apenas uma semana o AS1 atraiu mais de 6.000 fãs no Facebook, e através das mídias sociais quer estimular um contínuo debate e compartilhar de ideias.  Em última análise, Bock espera que o esforço faça os cristãos mostrarem que tem interesse em promover e valorizar as manifestações artísticas.

“Precisamos mostrar que somos um público exigente, mas rentável para Hollywood”, finalizou.

Traduzido e adaptado de Christian Telegraph

Fonte: Gospel Prime

14/08/2012

Protagonista da série “Todo mundo odeia o Chris” grava música gospel para novo filme


Protagonista da série “Todo mundo odeia o Chris” grava música gospel para novo filme Tyler James Williams (da série “Todo Mundo Odeia o Chris“) nasceu em uma família evangélica e começou bem jovem sua carreira artística.  Dois anos atrás participou de um vídeo clip da música NY2LA, gravada pelo grupo gospel Press Play. Também acompanhou a banda em alguns shows cantando rap.

Tyler ficou famoso aos 13, quando se tornou protagonista da série sobre a vida do humorista Chris Rock em sua infância. Durante 3 anos ele interpretou o personagem. Agora, aos 20 anos, ele retoma sua carreira de duas maneiras diferentes. Está em “Go on”, nova série do canal NBC estrelada por Matthew Perry, de “Friends”. Também é protagonista de Let It Shine, filme do canal Disney feito para a TV, que estreia no Brasil Dia 19 de agosto com o título “Batalha de Rap”.

A novidade é que Tyler voltou a gravar como cantor. O enredo de Let It Shine [Deixe Brilhar, no original] é uma versão moderna inspirada nas cartas secretas de amor do clássico “Cyrano de Bergerac”. O longa é estrelado por Tyler James Williams, Coco Jones (da Radio Disney “N.B.T.”) e Trevor Jackson (do seriado “Cold Case”).

Ambientada no mundo do hip-hop, a história mostra a trajetória de Cyrus DeBarge (Tyler)  um músico tímido e talentoso que escreve versos de rap românticos. Porém por causa de sua timidez, ele não se declara para Roxanne Andrews (Coco Jones), e por isso atribui tudo a seu melhor amigo Kris McDuffy (Trevor Jackson), jovem carismático, conhecido na escola pelos seus passos de dança.

Um dos motivos para Cyrus se assumir como rapper é que seu pai, o pastor Jacob DeBarge (Courtney B. Vance), desaprova fortemente a cultura hip-hop. Por isso, não quer que o filho frequente o Off The Street, clube onde os jovens cantores sobem ao palco para disputar o título de “Rei do Rap”.

Assumindo o pseudônimo de Thruth [Verdade] o jovem cristão Cyrus compõe uma música de amor para Roxanne, que deixará Kris famoso pois ele assume o lugar do amigo tímido. Mas ao ver que a jovem começa a se apaixonar por Kris, Cyrus precisa tomar algumas decisões que não são fáceis para um adolescente.

A trilha sonora de “Let It Shine” possui 12 canções originais, compostas por conhecidos produtores musicais e compositores, incluindo Rock Mafia, vencedor de um Grammy.  Como o  filme tem parte da história filmada no ambiente de uma típica igreja negra americana, músicas com teor gospel foram gravadas por Tyler James Williams, como Joyful Noise e a música-tema  Let It Shine uma versão adaptada do conhecido hino “Minha Pequena Luz”. Apesar do sucesso de público e de crítica, Tyler diz que não pretende gravar um álbum gospel por enquanto, mas não descarta a possibilidade no futuro.

Traduzido e adaptado de Bet.com e Gospel Music Bites

%d blogueiros gostam disto: