Posts tagged ‘Historia de Israel’

13/12/2012

Bispo Jacques Soares e Fred Berry participam do Avivamento de Israel


Bispo Jacques Soares e Fred Berry participam do Avivamento de IsraelA Terra Santa receberá em 2013 um grupo de 300 cristãos que irão clamar pelo derramar do Espírito de Deus. Muitos líderes religiosos estão confirmando sua participação nesta viagem promovida pela Terra Santa Viagens, entre eles o bispo Jacques Soares que é presidente da União de Pastores de São Paulo (Unipas).

A viagem que vai acontecer durante o Pentecostes 2013 vai marcar os presentes com diversos atos proféticos pedindo o avivamento de Israel.

O projeto ganhou atenção do bispo Soares que acreditou na importância do projeto como uma forma de cumprir a missão da Unipas que é pregar a união das igrejas e a programação da salvação de Jesus para todo o mundo.

“É um projeto inovador, uma viagem histórica, não estamos indo somente para passear, mas sim com um propósito de levarmos um mover de avivamento para a Terra Santa”, disse.

“Além de conhecer de perto os locais onde Jesus Cristo nasceu, cresceu, fez ministério, morreu e ressuscitou será uma experiência indescritível. Cada palmo de chão na Terra Santa está repleta de história fundamental para o cristianismo e para a humanidade”, concluir o bispo Jacques.

Além do presidente da Unipas, o apóstolo Fred Berry também confirmou sua participação. Ele é representante do Aviva Street Mission.

Mais informações sobre o projeto, roteiro e valores podem ser encontrados no link: www.terrasantaviagens.com.br/avivaisrael/

30/11/2012

Irã possui bomba nuclear três vezes maior que as de Hiroshima e Nagasaki


Irã possui bomba nuclear três vezes maior que as de Hiroshima e NagasakiApós meses de debates sobre a veracidade do programa nuclear existir com fins bélicos, um relatório da agência de notícias Associated Press confirmou que inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA) sabem que o Irã está construindo uma grande bomba nuclear.

Os diagramas divulgados no início desta semana mostram os cálculos do “rendimento explosivo nuclear”, indicando que se trata de uma carga de 50 quilotons.

Funcionários da IAEA, que falaram à agência de notícias, confirmaram que a agência teve acesso às plantas e dizem estar frustrados com a forma como as potências ocidentais estão lidando com essa situação perigosa e urgente.

Um dos inspetores observou que a construção dessa bomba desmente todas as reivindicações iranianas de que seu programa nuclear tem apenas fins civis, ou seja, de geração de energia elétrica.

Para efeitos de comparação, 50 quilotons é o triplo da capacidade das bombas usadas durante a Segunda Guerra Mundial que destruíram as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki.

Cada uma delas tinha 15 quilotons. Por que motivos o Irã construiria uma arma dessas se não fosse para intimidar um inimigo. Não por acaso, os lideres iranianos já anunciaram várias vezes sua intenção de “varrer Israel do mapa”, algo que seria fácil com uma bomba como essa.

A Agência Internacional de Energia Atômica suspeita que o Irã já realizou testes de explosivos convencionais que poderiam ser usados para detonar uma arma nuclear em Parchin, base militar ao sudeste da capital, Teerã. A Associated Press lembra que o Irã repetidas vezes rejeitou os pedidos da AIEA para visitar o local, que a agência teme estar passando por uma grande limpeza, visando eliminar quaisquer vestígios dessas experiências.

Os cientistas nucleares Mohsen Fakhrizadeh, Majid Shahriari e Fereidoun Abbasi seriam os responsáveis pelo desenvolvimento da bomba. O Irã tem impedido há anos as tentativas da AIEA de questionar Fakhrizadeh sobre seu suposto envolvimento em programas secretos.

Shahriari foi assassinado em 2010 e Irã sempre alegou que foi uma execução de agentes secretos israelenses. Abbasi, hoje chefe da agência nuclear do Irã, ficou ferido em uma tentativa de assassinato diferente que ocorreu no mesmo dia que Shahriari foi morto. Traduzido de Israel Today e AP.

21/11/2012

Nome da operação de Israel anti-Hamas tem significado bíblico


Nome da operação de Israel anti-Hamas tem significado bíblicoO nome da campanha de Israel contra o Hamas divulgado para a imprensa, em inglês, é “Operação Pilar da Defesa”. Mas a leitura do nome da ação em hebraico poderia provocar surpresa ao se constatar que é “Operação Pilar de Cloud”

Um porta-voz das Forças de Defesa de Israel explicou que a maioria dos israelenses reconheceria o termo “coluna de nuvem”, sendo essa uma referência bíblica.

“Nos baseamos na coluna de nuvem que acompanhou a nação de Israel durante o Êxodo, enquanto eles saiam o Egito e viajavam para a terra prometida”, disse Eytan Buchman, chefe  de mídia das Forças Armadas de Israel. “Eles queriam ter proteção contra os problemas do deserto, ladrões, povos inimigos, cobras e escorpiões.”

Buchman disse que o nome da operação anti-Hamas comunica a mensagem de que se trata de uma manobra defensiva.

“Estamos chegando a uma década de foguetes sendo disparados indiscriminadamente contra civis”, explica Buchman, referindo-se às ações do Hamas no sul de Israel. A atual operação militar do Estado judaico, ressalta, “é como uma nuvem proverbial que está chegando para proteger.”

A primeira referência bíblica a uma coluna de nuvem está em Êxodo 14:19-20, que descreve a fuga dos israelitas da escravidão, culminando com a divisão do Mar Vermelho feita por Moisés.

De acordo com o rabino Shmuel Herzfeld, que lidera a Sinagoga Nacional, em Washington, a ideia da coluna de nuvem refere-se à proteção física e espiritual: “A mensagem espiritual aqui é sobre a oração a Deus pedindo proteção”, disse Herzfeld. ”Em Êxodo, a coluna de nuvem é a proteção espiritual dos israelenses”.

A coluna também aparece no livro de Salmos, em um versículo que lembra que Deus falou com os líderes hebreus como Moisés, Arão e Samuel “na coluna de nuvem”.

Mesmo com muitas críticas pela opção de associar um ataque militar a uma manifestação divina, Buchman disse que ele o exército de Israel simplesmente queria enfatizar a “natureza defensiva da operação”. Ele lembrou ainda que operações anteriores de Israel já usaram referências bíblicas.

Em 2002, disse ele, as forças de defesa usaram o nome “Operação Arca de Noé” na apreensão de um navio palestino carregado com foguetes, mísseis e explosivos. Em 2008, a operação em Gaza foi chamada de “Chumbo Fundido”. Ela começou durante o feriado judaico do Chanuká e faz referência a uma canção religiosa popular neste período do ano. Traduzido de CNN.

20/11/2012

Ataques a Gaza prejudicam o turismo em Israel


Ataques a Gaza prejudicam o turismo em IsraelOs combates na Faixa de Gaza tem distanciado os turistas que planejavam visitar Israel nos próximos dias. A Terra Santa é o principal ponto de turismo religioso do mundo e atrai milhares de pessoas todos os anos.

Mas com os ataques dos últimos dias muitos hotéis, junto com a empresa EI AI tiveram cancelamentos e a expectativa é que nos próximos dias mais pessoas desistam de visitar Israel.

O Ministério do Turismo ainda não deu estatísticas oficiais, mas está ciente que o número de desistências tende a aumentar. “Houve cancelamentos mínimos atualmente, mas é óbvio que essa é uma situação que se desenvolve”, disse uma fonte à agência Reuters.
Enquanto o governo israelense monta uma intensa campanha aérea contra a Faixa de Gaza para deter os foguetes lançados pelos palestinos que só aceitarão o cessar fogos depois que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu tirar os israelenses da região.

O primeiro foguete dos palestinos atingiu a região da Cisjordânia na última sexta-feira (15) deixando três israelenses mortos.

O clima de tensão tomou conta da região e os turistas começaram a cancelar suas viagens, como conta o porta-voz do Fattal, a maior rede de hotéis de Israel. “Vemos o início de uma tendência, mas apenas em alguns dias seremos capazes de ver em que direção caminha a tendência geral”, disse.

Belém também está sentindo com a crise, a cidade onde está localizada a Igreja da Natividade recebe milhões de turistas, mas já perdeu metade de suas reservas devido a violência em Gaza.

Quem participa de cruzeiros também está evitando aportar em Israel, no último domingo a Rádio Israel anunciou que quatro cruzeiros, transportando 6.000 turistas no total, evitaram a região com medo dos ataques.

Fonte: Gospel prime

01/07/2011

Arqueólogos confirmam autenticidade de ossuário da neta de Caifás


Arqueólogos confirmam autenticidade de ossuário da neta de Caifás Arqueólogos israelenses descobriram um ossuário de 2 mil anos de antiguidade que pertence à neta de Caifás, sumo sacerdote que presidia o Sinédrio durante o julgamento de Jesus,  conforme relata os evangelhos de Mateus e João, e o livro de Atos dos Apóstolos.

A descoberta foi entregue à Autoridade de Antiguidades de Israel há três anos, após seu roubo por profanadores de tumbas antigas, mas somente agora os pesquisadores da Universidade de Tel Aviv e da de Bar-Ilan confirmaram sua autenticidade.

Notícia é mais uma prova da historicidade de Jesus Cristo e dos escritos neotestamentários para a comunidade cética quanto à Bíblia Sagrada.

Em seu exterior, o ossuário tem gravado em aramaico – língua vernácula da região naquela época – a inscrição “Miriam, filha de Yeshua, filho de Caifás, sacerdote de Maaziah da Casa de Imri”.

“A importância da inscrição está na referência aos ancestrais da morta e na referência à conexão entre eles e a linhagem sacerdotal de Maaziah e a Casa de Imri”, declararam os pesquisadores em comunicado.

A pesquisa revelou que o ossuário de sua descendente provinha de uma caverna funerária no Vale de Elá, onde eram as planícies da Judéia, cerca de 30 quilômetros ao sudoeste de Jerusalém.

Os ossuários da região são pequenos cofres que os judeus costumavam utilizar nos séculos I e II para um segundo enterro de seus parentes e onde costumavam depositar unicamente seus ossos.

O cofre que chegou às mãos da Autoridade de Antiguidades está decorado na parte frontal com um estilizado motivo floral, em cima do qual está gravada a inscrição que revela a identidade da morta.

Maaziah é o último elo da linhagem dos 24 grandes sacerdotes que serviram no Templo de Jerusalém, e mesmo mencionado no Antigo Testamento, a descoberta representa a primeira referência epigráfica descoberta sobre essa personagem.

Por ter sido extraído sem registro científico, a análise do cofre foi prolongada e exaustiva a fim de determinar tanto sua autenticidade como a da inscrição.

Fonte: EFE /CPAD News

01/06/2011

Igrejas em Jerusalém farão encontro de oração pela paz na Terra Santa


No dia 11 de junho próximo as Igrejas em Jerusalém realizarão um encontro de oração pela reconciliação, a unidade e a paz dos cristãos na Terra Santa.

O encontro chega este ano à sua sexta edição.

A oração comunitária, que terá lugar na igreja do Patriarcado Latino de Jerusalém e será presidida pelo Patriarca Fouad Twal, se realizará em coincidência com a Vigília de Pentecostes, que este ano todos os cristãos celebrarão na mesma data.

Tal iniciativa teve início em 2005, em Jerusalém, por iniciativa de um grupo de monges e leigos durante uma Vigília de oração noturna no Santo Sepulcro.

Por fim, conta no programa deste ano também uma Véspera solene que será feita em latim, árabe e hebraico, na Vigília de Pentecostes.

Fonte: Rádio Vaticano / Folha Gospel

25/05/2011

Primeiro Museu Judaico do Brasil será montado em uma sinagoga no centro de São Paulo


Primeiro Museu Judaico do Brasil será montado em uma sinagoga no centro de São PauloComeçou no dia 23 de maio, segunda-feira, as obras de adaptação do Museu Judaico que será montado na Sinagoga Beth El (Casa de Deus) localizado no centro de São Paulo. De acordo com a diretora da sinagoga, Roberta Sundfeld, o objetivo do museu é difundir a história judaica para toda a sociedade brasileira.

O acervo do museu será composto por mais de 1,5 mil peças utilizadas por imigrantes judeus da Europa Oriental e de países do Oriente Médio, datados dos séculos 18 e 19, quando a imigração judaica foi mais intensa no País.

Esse projeto é inédito no Brasil e contará a história da imigração judaica no País, mostrando sua influência na formação da sociedade contemporânea.

“Também haverá um espaço destinado a falar sobre os judeus no Brasil, como foram recebidos aqui e quem são as personalidades que se destacaram na sociedade brasileira”, complementa Roberta.

Farão parte do acervo ainda obras de arte dos primeiros artistas judeus que se estabeleceram no País, como a prestigiada pintora francesa Bertha Worms, que migrou para o Brasil em 1892.

O futuro museu contará também com uma biblioteca temática, que servirá como centro de referência para pesquisas sobre a história judaica.

Ainda de acordo com Roberta Sundfeld, a previsão de inauguração é para o segundo semestre de 2012 “Será um projeto demorado, porque vamos manter a construção da antiga sinagoga,” diz a diretora que também quer usar o espaço para passar uma mensagem de tolerância. “Queremos mostrar como os judeus foram integrados à sociedade e fazem parte dela hoje.”

Fonte: Gospel Prime /Arca Universal

21/05/2011

Google terá que excluir buscas contra judeus


Google terá que excluir buscas contra judeus A Justiça argentina aceitou um pedido da organização israelita Daia (Delegación de Asociaciones Israelitas Argentinas) e ordenou que o Google elimine de suas buscas palavras que indiquem preconceito contra judeus.

O pediu partiu porque, segundo a delegação, ao inserir o termo “judeu” o campo de buscas da ferramenta, o recurso autocompletar automaticamente sugeria termos antissemitas.

Fora isso, Agência de Notícias do Poder Judicial da Argentina divulgou também que o juiz Carlos Molina Portela também ordenou que o Google remova de seus resultados 76 sites apontados pela organização como racistas. Outros 22 deles também estão proibidos de receber publicidade do gigante das buscas.

De acordo com a sentença do juiz, “a aquisição pelo réu de links para conteúdo existente em páginas de cunho racista e/ou a inclusão em seu diretório de tal conteúdo poderia ser classificado como atos de discriminação ou, pelo menos, de incentivo a ela”, proferiu ele na sentença.


Fonte: Gospel Prime / com informações Info

12/05/2011

Festa na Terra Santa, Israel completa 63 anos


Festa na Terra Santa, Israel completa 63 anos

O dia 10 de maio é um dos mais festejados do ano em Israel, pois a data marca a independência do país do mandato britânico. Em 2011, A Terra Santa completa 63 anos, apesar de ter sua existência constantemente questionada por grupos terroristas e até mesmo por estados soberanos.

Mesmo assim, os israelenses comemoram. É feriado nacional e todos saem às ruas, que são enfeitadas de azul e branco (as cores da bandeira do país).

A sociedade israelense comporta pessoas de todas as nações e religiões. Lá, muçulmanos, judeus e cristãos coexistem e a liberdade religiosa é praticada sem qualquer intervenção do Estado.

Com apenas 63 anos de vida, Israel possui nove prêmios Nobel e destaca-se no cenário mundial nos campos da ciência, cultura e tecnologia, contribuindo para a humanidade de forma inestimável. Um exemplo disso é que, mesmo sendo um deserto, aprendeu a racionar sua água e hoje exporta flores.

Mesmo que Israel seja menor que o estado brasileiro do Sergipe, ainda é  considerado o maior foco de resistência da democracia no Oriente Médio.

Fonte: Arca Universal

26/04/2011

As lições do fermento pascal


As lições do fermento pascal A palavra fermento vem do latim “fermentum” (fermento) e que traduz o termo grego “zimé”. Por outro lado, o hebraico possui os termos “hamets”, que significa “aquilo que é fermentado”; “homets”, que quer dizer vinagre, azedo; e “mahmetset”, que refere-se a qualquer coisa fermentada.

A tradição judaica extra-bíblica era extremamente rigorosa em relação ao uso ou não do fermento. De acordo com a Enciclopédia Judaica na noite precedente da Páscoa, é exigido de todo lar judeu que observe, o que denominam de cerimônia do Bedikat Chametz, isto é, a “A Busca do Fermento”.

O ritual extremamente meticuloso orienta o chefe da família a andar por toda a casa a procura de pedacinhos de pão fermentado – o “chametz”, durante os dias que dura a cerimônia pascal. O propósito de tal rito é certificar-se de que somente o “matzar”, isto é, o pão sem fermento pode ser comido.

O cerimonial detalha ainda que aquele que foi encarregado dessa missão deve munir-se de uma vela, uma colher de pau, e um espanador de penas de galinha ou de ganso para que caso encontre algum resíduo de pão possa espanar para dentro da colher. Tendo feito isso então ele pronuncia a bênção: “Abençoado seja tu, (…) que ordenaste que removêssemos o fermento”.

No dia seguinte ele queima o fermento encontrado! Se porventura alguém fosse encontrado com fermento durante esse período era punido com a pena de 39 chicotadas! O ritual, portanto, era em extremo rigoroso no antigo judaísmo a ponto dos utensílios da cozinha serem banhados em água fervente, ou vigorosamente esfregados na areia.

Embora essa tradição hebraica revele vários aspectos de um judaísmo posterior, e que em muitos aspectos difira dos costumes adotados pelo cerimonial mosaico (Êx 12), todavia mostra como o povo judeu ao longo do tempo levou a sério a simbologia por trás do uso do fermento em suas cerimônias religiosas.

Para ler esse artigo na íntegra adquira o Jornal Mensageiro da Paz, edição de Abril 2011, através do telefone: 0800 021 73 73.


* José Gonçalves é pastor, escritor, comentarista de Lições Bíblicas da CPAD, professor de hebraico, grego, Teologia Sistemática e vice-presidente da Comissão de Apologia da CGADB.

Fonte: CPAD NEWS

%d blogueiros gostam disto: