Posts tagged ‘igreja e Justiça’

14/09/2012

Justiça manda Igreja Mundial pagar direitos trabalhistas a ex-pastor


Justiça manda Igreja Mundial pagar direitos trabalhistas a ex-pastorNuma decisão polêmica, a Justiça do Trabalho de Araçatuba, São Paulo, reconheceu o vínculo empregatício de Givanildo de Souza, um ex-pastor da IMPD, que trabalhou na igreja por mais de quatro anos.

Na decisão em primeira instância, assinada pelo juiz Maurício Takao Fuzita, condena a igreja a pagar todos os direitos trabalhistas referentes ao período trabalhado e mais uma indenização por dano moral, cujo valor não foi revelado. O valor total dos pagamentos usará como base o salário de R$ 1.825 que o ex-pastor recebia. Em sua decisão, o juiz exige que a igreja a pague ao ex-pastor aviso prévio, férias, décimos-terceiros, indenização do seguro-desemprego, FGTS mais 40% e adicional de transferência mais reflexos.

Givanildo de Souza, 34, era motorista de caminhão. Entusiasmado com as promessas de Valdemiro Santiago, resolveu trocar o caminhão pelo púlpito. Virou obreiro da Mundial e trabalhou em várias cidades. Foi transferido, em setembro de 2009, para Araçatuba, onde era pastor regional, responsável por 14 igrejas.

O ex-pastor afirma que era conhecido por “arrebanhar” fiéis e seria responsável pelo crescimento das diversas filiais abertas onde ele passou. Segundo a advogada dele na ação, Daniela Parizotto Capóssoli, Givanildo nunca foi registrado pela IMPD, que se limitava a pagar a contribuição ao INSS baseado em um salário mínimo. Além do salário, a igreja pagava suas despesas de moradia e convênio odontológico para toda a família.

Ele alega que todas as suas atividades eram fiscalizadas, com horários determinados de funcionamento do templo para pregação, funções administrativas e financeiras e até mesmo controle dos cultos. Também eram estabelecidas “metas” de faturamento, que ele tinha de cumprir.

A advogada cita, na ação movida contra a sede da Mundial, que é de fundamental importância que se considere esta relação como relação empregatícia. Além disso, o processo cita reportagens que apontam desvios de conduta da igreja, que teria adotado “sistemas de arrecadações forçadas através dos seus pastores”.

Segundo a advogada, a IMPD estaria “exercendo atividade lucrativa com contorno empresarial” e, por isso, seus trabalhadores devem ser regidos pelas disposições da Lei Consolidada.

No episódio que culminou na sua saída, o ex-pastor diz que foi ameaçado e teve de confessar um crime que não cometeu durante um culto, com cerca de 3.000 pessoas. Depois do ocorrido, Givanildo pediu substituição de suas funções e chegou a pregar escoltado por seguranças. Por causa das perseguições que sofria, Givanildo saiu de Araçatuba e, segundo a advogada, trabalha como comerciante em outro Estado, onde mantém grupos de oração.

A assessoria da IMPD não se pronunciou sobre o caso.

Com informações UOL

17/03/2011

Pastor da Assembléia de Deus em Rio Preto está na mira da justiça por suposta falsidade ideológica


De acordo com jornal Diário Web a diretoria da Igreja Assembleia de Deus Ministério Rio Preto acham desnecessária a quebra de sigilo bancário da igreja e de outros seis membros da instituição que estão sendo investigados pela justiça.

A mega-igreja da cidade de São José do Rio Preto está na mira da justiça por um suposto crime de falsidade ideológica cometido pelo atual presidente da igreja, pastor Wanderley Melo.

Melo é acusado de usar assinatura falsa do pastor morto José Perozin para assumir a presidência da igreja em 2009. Ou outros cinco membros da igreja são acusados de receber carros e outros presentes de Melo para dar apoio no controle da igreja.

Por meio de nota oficial, eles alegaram que não é necessário abrir o sigilo bancário e que “uma simples solicitação aos pastores e a diretoria da igreja dos documentos era suficiente para que fosse entregue.”

Ainda de acordo com a nota da assessoria da igreja os pastores Osório Guson, João Nilton de Melo, Devair Garuti e o ex-gerente administrativo André Faustino Machado não receberam carros da entidade. Todos alegaram que pagam financiamento dos veículos.

O promotor de Justiça Antônio Baldin deve receber nos próximos dias o inquérito policial com o pedido da quebra do sigilo das contas bancárias dos membros da igreja. Em seguida o pedido da quebra de sigilo será encaminhado para análise do juiz da 3ª Vara Criminal, Diniz Fernando Ferreira da Cruz. O caso chegou ao Fórum na última sexta-feira.

Entenda o caso

Em 2009 falece o pastor presidente da Assembleia de Deus Ministério Rio Preto, José Perozin e um documento supostamente assinado por ele dava a diretoria da igreja para o pastor Wanderley Melo.

O pastor Aparecido Perozin, irmão do pastor falecido, reivindica para si a sucessão. E duas pericias constataram que a assinatura do documento apresentado por Melo era falsa.

Aparecido Perozin faz denuncias que Melo presenteava pastores para receber apoio e continuar no controle da igreja. De acordo com ele, Wilson Luiz da Silva teria recebido um Corsa; Osório Guson, um Honda Civic; João Newton de Melo, irmão do atual presidente da igreja e tesoureiro, um Renault Mégane; Devair Garutti, um Renault Sandero e André Faustino, um Corsa.

Fonte: Gospel Prime

%d blogueiros gostam disto: