Posts tagged ‘Igreja Perseguida’

19/12/2015

Tradutores de Bíblia estão sendo presos e mortos em países muçulmanos, afirma ONG


Tradutores da Bíblia também tem sido submetidos a uma intensa perseguição em algumas partes do mundo,

Tradutores da Bíblia também tem sido submetidos a uma intensa perseguição em algumas partes do mundo,

Tradutores da Bíblia também tem sido submetidos a uma intensa perseguição em algumas partes do mundo, segundo revelou a Wycliffe Associates, organização que promove a tradução das Escrituras Saradas em diversas línguas.

Ao iniciar novos projetos de tradução de Bíblias este ano, muitos dos tradutores da organização enfrentaram duros desafios, particularmente em países predominantemente muçulmanos.

Na Índia, o grupo relatou que um tradutor foi arrancado de sua casa durante a madrugada e levou 17 tiros. Na mesma semana, 16 casos de tradutores presos e torturados foram registrados.

Outros tradutores têm enfrentado situações inexplicáveis. O líder de uma oficina de tradução no Sudeste Asiático perdeu a voz misteriosamente, enquanto um número significativo de participantes da oficina ficou doente. Um jovem tradutor do mesmo grupo também morreu enquanto cochilava durante o workshop.

De acordo com Bruce Smith, presidente da Wycliffe, o que os tradutores estão vivendo é uma parte esperada da guerra espiritual. Por outro lado, ele expressou alegria pelo fato de o grupo ter lançado 203 projetos de tradução em todo o mundo, dentro de um ano.

“Eu estava empolgado para testemunhar a Deus em um trabalho como este. Estávamos frustrados diante das nossas próprias forças. Mas quando oramos, quando reconhecemos o poder de Deus, Deus abre as portas”, disse Smith.

Atualmente, a organização está envolvida em um grande esforço chamado “Visão 2025”, um plano para ter a Bíblia traduzida em todas as línguas do mundo até 2025.

19/12/2015

Ex-feminista pede perdão aos cristãos por promover “beijaço gay” em frente à igreja


Uma das ativistas do movimento feminista Bastardxs, que promoveu um “beijaço gay” em frente à Igreja da Candelária, no Centro do Rio, se arrependeu do ato e pediu perdão aos cristãos, em um vídeo divulgado no YouTube nesta terça-feira (15).

Na ocasião, Sara Winter se colocou em frente a uma cruz seminua junto com sua amiga Bia Spring. As duas se beijaram e também proferiram palavras em repúdio ao discurso do candidato à presidência Levy Fidelix (PRTB) sobre a comunidade LGBT.

Imagem redimensionada“Pedir desculpas com certeza não é um ato fácil, mas é um ato louvável e de muita coragem”, desabafa Sara. “Nós exageramos muito e acabamos ofendendo muitas pessoas religiosas e não religiosas por conta desse protesto.”

Arrependida, Sara se classifica hoje como uma ex-feminista. Há menos de três meses a jovem de 23 anos deu à luz a seu primeiro filho, passou a se denominar pró-mulher e é contra o ato de abortamento. Nesta semana, traz a público seu livro digital “Vadia, Não! Sete Vezes que Fui Traída pelo Feminismo”, onde a ex-ativista relata a desilusão com o movimento por igualdade de gênero.

Após a maternidade, a ex-ativista conta que passou a valorizar mais sua vida espiritual. “Eu também tento seguir na minha vida os Dez Mandamentos, e para mim não existe nada mais lindo do que isso na face da terra. E eu gostaria que todos os seres humanos tentassem, seguir é muito difícil, mas tentassem seguir todos os dias”.

No entanto, o ponto-chave para o arrependimento foi durante uma ação social com crianças de uma comunidade carente, quando uma delas orou durante uma brincadeira.

“Isso me fez pensar em como as pessoas devem ter se sentido quando eu fiz essa blasfêmia no ano passado. Elas devem ter se sentido muito mal, muito bravas, muito magoadas, e eu entendo. É muito difícil a gente sentir empatia pelas pessoas, mas eu sinto agora e peço o seu perdão”, disse Sara. “Mesmo eu tendo demorado um pouco eu venho pedir perdão a todos os cristãos e todas as pessoas que eu tenha ofendido com esse protesto.”

Veja o Vídeo:

19/12/2015

Pastor canadense é condenado à prisão perpétua na Coreia do Norte


Pastor canadense é condenado à prisão perpétua na Coreia do Norte

Pastor canadense é condenado à prisão perpétua na Coreia do Norte

Um pastor canadense acusado de atividades subversivas foi condenado nesta quarta-feira na Coreia do Norte à prisão perpétua com trabalhos forçados, o último de uma série de missionários estrangeiros detidos por se intrometer nos assuntos do país, segundo autoridades.

Hyeon Soo Lim, nascido na Coreia do Sul, atuava em Toronto como pastor da Igreja Presbiteriana Coreana da Luz.

“O acusado Lim reconheceu todas as acusações apresentadas contra ele, entre elas a difamação viciosa de nosso sistema e de nossa suprema dignidade, assim como conspirar para derrubar o nosso Estado”, indicou a agência oficial norte-coreana, KCNA.

Segundo a agência, o promotor havia pedido à Suprema Corte que pronunciasse a pena de morte, alegando que os crimes do pastor mereciam “a punição mais severa”. Finalmente, o tribunal rejeitou sua recomendação.

Lim foi detido pelas autoridades norte-coreanas em janeiro depois de chegar da China. Segundo sua igreja em Toronto, estava no país em missão humanitária e já o havia visitado em várias ocasiões para trabalhar em orfanatos e residências de idosos.

Em agosto, a Coreia do Norte publicou um vídeo no qual Lim aparecia em uma missa na igreja Pongsu de Pyongyang confessando seus crimes diante de uma pequena congregação na qual também havia estrangeiros. “Cometi o pior crime de todos, insultar e difamar a dignidade e a dirigência da república”, dizia Lim no vídeo.

Os cidadãos estrangeiros detidos na Coreia do Norte são obrigados, em geral, a confessar publicamente seus crimes, seguindo um roteiro muito elaborado, para obter eventualmente sua liberdade.

“O julgamento demonstrou novamente o destino miserável que pessoas como Lim aguardam, seguidores dos regimes americano e sul-coreano, que sem cessar tentam aniquilar nosso sistema socialista e difamam a suprema dignidade de nossa república sagrada”, acrescentou a agência KCNA.

A condenação de Lim também ocorre depois do fracasso de incomuns negociações de alto nível entre as duas Coreias, que tinham por objetivo melhorar a relação bilateral.

Desconfiança com religiosos

O regime comunista de Pyongyang encara com muita desconfiança os missionários estrangeiros, embora autorize alguns a trabalhar em missões humanitárias.

Nos últimos anos vários religiosos cristãos foram detidos, em sua maioria americanos de origem coreana. Alguns puderam retornar, graças à intervenção de políticos americanos de primeiro nível.

A liberdade religiosa está contemplada na Constituição norte-coreana, mas na prática é inexistente. As atividades religiosas estão estritamente reguladas e limitadas a organizações reconhecidas pelo governo.

Os religiosos estrangeiros detidos na Coreia do Norte se expõem a elevadas penas de prisão, ou podem servir também de moeda de troca para obter concessões ou a visita de algum importante representante estrangeiro.

Assim, em novembro de 2014, Kenneth Bae, um cidadão americano de origem coreana, assim como Lim, foi libertado depois de ser condenado a 15 anos de trabalhos forçados.

Este missionário evangélico foi condenado por conspirar contra o regime norte-coreano. Foi libertado junto a outro americano ao término de uma missão secreta efetuada em Pyongyang pelo chefe da inteligência americana, James Clapper.

Um missionário sul-coreano detido na Coreia do Norte em outubro de 2013, Kim Jeong-Wook, cumpre atualmente uma condenação de prisão perpétua a trabalhos forçados.

Fonte: AFP

07/12/2015

Homem doente é acolhido por uma cristã norte-coreana e recebe a cura de Deus


coreia do norteShelter é uma norte-coreana conhecida por este nome em inglês, porque a tradução da palavra shelter é ‘abrigo’ ou ‘refúgio’. Os irmãos que são acolhidos por ela em sua casa na China dizem que ela transmite segurança até mesmo para aqueles que parecem estar no final de suas vidas.

“Eu estava tão doente, e realmente achei que morreria. Quando pensei que minha história estava no fim, entreguei minha vida a Cristo, mas tive uma surpresa: Jesus me curou. Eu sinto que estou vivendo um tempo extra agora, mesmo sem merecer, e não vou desperdiçar um momento sequer”, conta um dos acolhidos.

“Ela mora na cidade, e na frente de sua casa há pessoas vagando pelas ruas, procurando um lugar para dormir. Ela oferece não só esse lugar para passarem a noite, mas também algum alimento e, o principal, o amor”, revela um visitante da Portas Abertas que conheceu a cristã.

O curioso, segundo o visitante, é que essas pessoas podem seguir em frente, mas decidem voltar para saber por que Shelter oferece sua casa sem cobrar estadia. “É nessa hora que eu compartilho com eles sobre a Bíblia e a mensagem de salvação e muitos se convertem”, conta a cristã. Ela desabafa sobre o desgaste desse trabalho, mas garante que vale a pena. “Às vezes, eu fico muito cansada, mas eu dobro meus joelhos e Deus renova as minhas forças.”

Há treze anos, a Coreia do Norte está em primeiro lugar na Classificação da Perseguição Religiosa. A situação no país é uma das mais hostis ao evangelho, e é o lugar onde servir a Jesus tem custado a vida de muitos cristãos.

Motivos de oração

– Ore por Shelter, para que ela continue realizando a obra de Deus com a mesma força.
– Clame a Deus pelos cristãos perseguidos na Coreia do Norte; para que continuem perseverantes e testemunhando de Jesus a outras pessoas.
– Ore para que a Portas Abertas possa continuar encorajando e servindo aos cristãos nessas regiões.

07/12/2015

Cristão demonstra força e ousadia em Mianmar


País continua entre os dez mais violentos para os cristãos na Classificação da Perseguição Religiosa 2015

País continua entre os dez mais violentos para os cristãos na Classificação da Perseguição Religiosa 2015

Amod era um dos membros da comunidade rohingya, um dos povos mais perseguidos ao redor do mundo, por razões religiosas. Eles moram em Mianmar, onde prevalece o budismo. Recentemente tem ocorrido muitos ataques de budistas extremistas contra esse grupo étnico. Mas Amod agora se assume como um legítimo cristão e vive outro nível de perseguição. “Antes eu era perseguido pelos budistas e me refugiava em meu próprio povo, agora que sou um cristão, até mesmo minha família me persegue”, desabafa ele.

E continua: “Os muçulmanos da aldeia queriam me matar e tentaram por diversas vezes. Eles já cercaram a minha casa enquanto eu estava dormindo e atiraram pedras em nosso telhado. Mas eu não posso fingir que sou um muçulmano, como muitos fazem, e ter uma vida em segredo com Cristo. Eu entendo que se eu rejeitar Jesus, ele também me rejeitará no grande dia”. Amod disse que queria ser ousado e dizer a todos que era um seguidor de Cristo, então ele decidiu partir para a Índia. “Eu estou enfrentando muitas situações difíceis por causa da minha fé, mas eu não quero ser um cristão fraco e covarde. Eu quero fazer a minha conversão valer a pena para as pessoas que vivem ao meu redor”.

Hoje ele vive com um pequeno grupo de cristãos num campo de refugiados que fica na periferia de uma pequena cidade indiana. “Deus nunca se atrasa para responder as nossas orações. Ele mandou a equipe da Portas Abertas para nos ajudar, e eles nos auxiliam de todas as formas, mas o que eu considero mais valioso são os estudos bíblicos que recebo”, conta Amod.

O ousado cristão ainda visita a comunidade rohingya para ajudar os cristãos de lá, incentivá-los a frequentar os cultos e orar perseverantemente. “Eu necessito de lições da Bíblia, e eu tenho fome da palavra de Deus porque eu preciso ensinar a minha tribo. Estou muito feliz por ser útil na obra do Senhor. Tenho convicção de que tudo nessa vida passará, até as dores, a perseguição e a fome que enfrentamos, mas a palavra de Deus durará para sempre”, conclui Amod.

Motivos de oração

– Ore para que outras pessoas ouçam de Jesus e se convertam a ele em Mianmar.

– Peça a Deus que pessoas sejam enviadas a ensinar e compartilhar da Bíblia com esses cristãos.

– Agradeça a Deus pois, apesar da perseguição, a igreja em Mianmar continua firme e perseverante.

02/12/2015

Jovens cristãos fazem paródia para responder vídeo pró-aborto gravado por atores globais


pro abortoUm grupo de jovens cristãos fez uma paródia, com críticas abertas, ao vídeo pró-aborto “Meu Corpo, Minhas Regras”, estrelado por atores da TV Globo.

O vídeo em questão traz um discurso extremista de feminismo e prega a legalização do aborto como um reconhecimento de liberdades individuais da mulher. A repercussão nas redes sociais foi extremamente negativa, e o material tornou-se um dos que possui maior reprovação no YouTube.

A resposta dos jovens, intitulada “Meu Corpo, Teu Corpo”, traz argumentos contra o aborto, abordando passagens bíblicas que foram ironizadas no vídeo original.

“É impressionante quem teve o direito de nascer querer tirar o direito do outro nascer. Quem deseja o direito do próprio corpo, precisa respeitar o direito do corpo do outro”, diz o texto, ressaltando o valor da vida e os direitos das crianças.

“Nunca foi fácil ter uma criança no mundo. É milenar. Desde o tempo de Nossa Senhora […] a virgem Maria. Virgem? Virgem e mãe. Gravidez turbulenta. Família pobre. Treze anos e correndo o risco de ser morta apedrejada. Quanto medo, quanta insegurança. Essa sim tinha motivo de sobra para dizer não, mas ela disse ‘quero’, mesmo sem saber o que ia acontecer no futuro”, diz o texto, respondendo à argumentação dos defensores do aborto de que a virgindade de Maria seria um erro de tradução. Assista o vídeo:

Erro de tradução?

Assim que o vídeo viralizou nas redes sociais, o pastor Jackson Jaques gravou uma resposta aos produtores e falou sobre o contexto histórico e cultural para o uso da palavra hebraica “almah”, usada na profecia de Isaías sobre a concepção virginal de Jesus para descrever sua mãe, e explicou que eram usuais na época os termos não literais para descrever uma virgem.

Jaques acrescentou que 250 anos antes de Cristo, os tradutores que transcreveram o Velho Testamento para o grego tiveram a capacidade de compreender essa característica da literatura de séculos atrás: “Sempre que a Bíblia usa a palavra ‘almah’, está se referindo sim a uma virgem. A palavra ‘Bethulah’ se entende que toda moça em Israel é virgem. O termo usado para quando ela é nova é ‘Almah‘, porque seria uma redundância dizer que ela é virgem”.

Confira a resposta na íntegra aqui.

Fonte: Gospel Mais

26/11/2015

Cinco pastores foram presos na China por cometerem “atividades de culto”


Imagem redimensionadaA Igreja Cristã 71st Street, localizada na província de Henan, foi invadida por oficiais do governo durante um treinamento bíblico. Dentre os 70 líderes da igreja que estavam participando, cinco foram detidos por 15 dias pelo departamento policial de Xigong.

Os cinco pastores, identificados como Shen Jianghua, Li Jianghua, Li Jia’en, Ms Li Jiangtao e Liang Jing, foram acusados ??de “usar uma organização de culto para minar a aplicação da lei”.

A igreja foi forçada a encerrar todas as suas atividades, e suas reuniões foram proibidas. O pastor da 71st Street, Li Jia’en, disse que a igreja deve continuar pagando o aluguel do prédior, mas não poderá usá-lo.

“As lojas, nas proximidades, receberam cartões de segurança pública indicando que elas devem ligar para a polícia se observarem que estamos nos encontrando na igreja”, acrescentou Jia’en.

Repressão

A China tem reprimido o cristianismo como resposta ao relevante crescimento da religião no país. Cerca de 1.700 igrejas foram demolidas ou tiveram suas cruzes removidas na província de Zhejiang.

Ativistas acreditam que Zhejiang esteja sendo usada pelo governo como um teste inicial, e temem que as medidas anti-cristãs sejam brevemente implementadas em outras províncias.

Fonte: Guia-me

30/10/2015

Jogador é punido por comemorar “gol” agradecendo a Deus


Jogador é punido por comemorar “gol” agradecendo a Deus Enquanto no Brasil e em vários países do mundo jogadores profissionais comemoram gols e títulos agradecendo a Deus, nos EUA uma grande polêmica vem surgindo por causa disso.

Este mês, o quarterback do time de futebol americano Mexico High School, em Nova York, foi punido por apontar para o céu após marcar um touchdown, equivalente ao gol no futebol brasileiro.

O quarterback é o armador e capitão das equipes. Mas quando o jovem Dante Turo foi punido pelo árbitro, todo o time perdeu. Os juízes alegaram que o comportamento de Turo foi antiesportivo. Sua equipe teve de perder espaço para o adversário e acabou derrotado pelo time de Verona-Sherrill, pelo placar de 33 a 31.

Para marcar o touchdown, que significa cruzar a linha final do campo adversário, o jogador de 17 anos precisou correr mais de 60 metros com a bola oval nas mãos, desviando de seus adversários. Entrevistado pela rede Fox News, explicou: “Apontar para Deus é um símbolo internacional de glorificação a Jesus, e era isso o que estava tentando fazer”.

O pai do atleta, Geno Turo, o defendeu: “Ele queria fazer algo naquele momento para não receber o crédito e deu glória a Deus. Afinal, Deus nos dá a capacidade e o talento. Como cristãos, queremos ter a certeza de reconhecemos isso”.

O técnico da Mexico High School desabafou: “Os juízes disseram que era um insulto [aos não cristãos]. Eu disse a eles que Turo estava louvando a Deus. Como isso é um insulto?”.

A polêmica está longe de acabar, pois muitos acusam as autoridades esportivas americanas de querer eliminar qualquer manifestação religiosa das competições estudantis.

Um episódio similar ocorreu recentemente com o treinador de futebol americano Joe Kennedy de Bremerton High School, em Washington. Ele foi proibido de fazer orações com sua equipe antes e depois dos jogos.

Essa é uma tradição que ele mantém há sete anos, desde que assumiu o posto. Caso continue fazendo isso, corre o risco de ser demitido.  Após o jogo contra a equipe da Centralia High School, dia 17, ele foi para o meio do campo e orou com os jogadores de seu time.

Kennedy, que foi da Marinha durante 20 anos, antes de ser treinador, explicou que “Isso faz parte de um acordo pessoal com Deus, parte da minha fé. Eu quero dar-lhe a glória depois de cada jogo, e vou continuar fazendo isso”.

Chama atenção o fato de como nos Estados Unidos, um dos países responsáveis pela evangelização do mundo, nos últimos anos vem tentando eliminar todas as manifestações públicas de fé em Jesus Cristo. Ao mesmo tempo, seu governo defende tanto os direitos das minorias, impondo leis que punem qualquer discriminação, especialmente contra gays e muçulmanos. Com informações de Washington Times e Christian Post

29/10/2015

Revista Superinteressante ataca fé cristã (de novo)


Revista Superinteressante ataca fé cristã (de novo) Embora a revista Veja seja considerada por muitos um dos bastiões da imprensa contra o comunismo e favor dos conservadores, sua editora, a Abril, também é responsável pela Superinteressante.

Desde seu surgimento, na era da comunicação pré-internet, a publicação foi responsável por trazer uma série de informações que dificilmente eram encontradas fora de livros especializados. O foco da Superinteressante sempre foi abordar assuntos mais complexos em linguagem fácil e acessível. Contudo, nos últimos anos a revista tem feito uma série de reportagens que visam “desmistificar” a Bíblia e atacar as crenças do cristianismo.

Este ano duas capas geraram contrariedade no meio evangélico. Em setembro, o foco foi o chamado “Extremismo evangélico”. A capa exibia uma Bíblia coberta de sangue e a chamada dizia “Veja como os fundamentalistas ameaçam as liberdades individuais – e o próprio futuro das igrejas”. No miolo, reportagens tentando dizer que todos que defendem os preceitos da Bíblia são extremistas e tem sede de sangue, assim como os que corromperam os ensinamentos e se tornaram “inclusivos” em relação aos gays são os únicos que refletem o “amor”.

A edição que chega às bancas na próxima semana também promete uma série de distorções. Possivelmente por causa do sucesso da novela “Os Dez Mandamentos”, da Rede Record, os editores da Superinteressante dedicam a matéria de capa ao tema. Mas os primeiros anúncios mostram o tom do texto. “Como um rei megalomaníaco, muita geopolítica e uma farsa de proporções bíblicas criaram a saga de Moisés – o herói que foi sem nunca ter sido”, é a chamada divulgada nas redes sociais.

Superdesinteressante

Um dos autores do material é o jornalista Reinaldo José Lopes, que mantém o blog “Darwin e Deus”, onde procura constantemente mostrar como questões de fé podem ser explicadas pela ciência.

A Veja também já publicou material que atacava diretamente os ensinos de Jesus, além de questionar sua existência. Mas as matérias da Superinteressante são bem mais incisivas.

Curiosamente, quando a Super dedicou capas para falar do islamismo, o tom é bem menos crítico. “Os fundamentalistas são ínfima minoria no Islã, mas, com ações de grande repercussão, acertam em cheio os corações de milhares de muçulmanos com baixa autoestima – a causa antiocidental resgata a tão machucada identidade islâmica. Mas há também fundamentalistas islâmicos pacifistas e eles são a maioria”, dizia o texto do primeiro número dedicado ao assunto.

Em fevereiro de 2015, a matéria de capa abordava a vida de Maomé, o fundador do Islamismo. O texto é quase todo só de louvores ao Islã: “Uma religião humanitária, que, ao propor uma sociedade menos desigual e mais aberta ao diálogo, encarnou muito do que a humanidade tem de melhor. Que meia dúzia de psicopatas não acabem com esse legado”.

Com quase 40 marcas, que atingem 23 milhões de assinantes semanalmente (sem contar as edições digitais), o que faz com que a maior editora de revistas do Brasil ataque os relatos bíblicos e defenda os do Alcorão?

29/10/2015


Imagem redimensionadaDeputados apresentaram nesta segunda-feira (26) recursos para levar o projeto do Estatuto da Família (PL 6583/13) à votação no Plenário da Câmara. A proposta foi aprovada em comissão especial no último dia 8 e, por tramitar em caráter conclusivo, seguiria diretamente para o Senado.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) e o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ), no entanto, conseguiram as assinaturas necessárias para solicitar a análise do projeto em Plenário. Não há prazo para essa votação e quem define a data é o presidente da Câmara. Em caso de aprovação do recurso, o Plenário da Câmara terá de votar o estatuto. Já em caso de rejeição do recurso, o estatuto seguirá para o Senado.

O texto causa polêmica por definir família como o núcleo formado a partir da união entre um homem e uma mulher. Erika Kokay argumenta que o estatuto deixa de contemplar vários arranjos familiares presentes no Brasil, como a união entre pessoas do mesmo sexo, já reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Imagem redimensionada“Esse estatuto define uma lógica de família que exclui as demais e as joga no limbo do processo de discriminação. Com o recurso, é suspenso o poder conclusivo e, enquanto ele não for apreciado, o projeto não caminha para o Senado. Penso que a Câmara, na sua maioria, não vai concordar com um projeto que é obscurantista e inconstitucional, porque o Supremo já decidiu sobre isso”, afirmou a deputada.

Na apresentação dos recursos de Erika Kokay e Jean Willys, nesta segunda-feira, vários representantes de movimentos sociais, principalmente LGBTs, fizeram manifestação na Câmara, com palavras de ordem e cartazes em que classificam o Estatuto da Família de “discriminatório”, “homofóbico”, “machista”, “patriarcal” e “inconstitucional”.

O Estatuto da Família foi aprovado na comissão especial com o apoio maciço das bancadas religiosas, sobretudo a evangélica.

Expectativa de aprovação

O relator da matéria, deputado Diego Garcia (PHS-PR), afirmou que o recurso para apreciação em Plenário já era esperado e não deve reverter a tendência de aprovação do texto na Câmara. “Estamos muito bem seguros de que o texto apreciado no Plenário também será aprovado com grande maioria. É uma oportunidade de a sociedade brasileira saber o que cada parlamentar pensa a respeito de todos os ataques que a família vem sofrendo no dia a dia”, disse.

O estatuto também trata de direitos da família e das diretrizes das políticas públicas voltadas para valorização e apoio à “entidade familiar”. O projeto cria ainda os Conselhos da Família, que seriam órgãos permanentes e autônomos com poder para auxiliar na elaboração de políticas públicas, além de acompanhar e fiscalizar sua implementação.

Íntegra da proposta:

PL-6583/2013

Fonte: Agência Câmara Notícias

%d blogueiros gostam disto: