Posts tagged ‘islamico’

09/04/2018

Mais de 200 cristãos mortos na Nigéria por milícia islâmica este ano


Centenas de cristãos foram mortos desde o início do ano, resultado dos ataques coordenados das milícias islâmicas da etnia fulani na Nigéria. Segundo um novo relatório, esses jihadistas já superaram o Boko Haram como a maior ameaça na região norte da África.

Somente em março, foram 27 ataques a aldeias, que deixaram 225 cristãos mortos e forçaram mais de mil famílias a fugirem de suas casas. Igrejas foram queimadas e muitas propriedades destruídas. Foi o mês mais violento nos últimos dois anos, o que deixa a comunidade cristã do país preocupada sobre o crescimento da violência.

Segundo a organização de direitos humanos International Christian Concern (ICC), que produziu o relatório, o governo nigeriano não tomou nenhuma medida eficaz para que a perseguição acabe. O presidente Muhammadu Buhari é muçulmano e há vários relatos que ele ignora as denúncias contra os jihadistas.

A ICC diz que, em mais de 75% dos casos, os fulani atacaram civis desarmados e indefesos. Em contraste, o Boko Haram matou 37 pessoas no mesmo período, muitas das quais eram militares envolvidos em combate.

O documento da ICC afirma que “Esta situação séria requer uma resposta séria”. Exigiu uma posição do governo, que insiste em dizer que são conflitos tribais, quando fica evidente que o assassinato em massa é coordenado e os fulani estão recebendo armamentos do exterior.

Além de matar e expulsar os cristãos das aldeias, os jihadistas ficam com suas terras, animais e propriedades. Os fulani são uma das maiores etnias da África, sendo majoritariamente muçulmanos.

Embora o governo nigeriano venha tratando esses ataques como conflitos étnicos, existem vários relatórios que os homens estavam fortemente armados e alguns ataques tiveram cobertura de helicópteros. Com informações de Persecution

20/12/2015

Estado Islâmico mata 38 crianças deficientes e portadoras de Síndrome de Down


540x350_estado-islamico-criancasMais de 38 crianças com deformidades congênitas e portadoras de síndrome de Down foram supostamente mortas pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI), segundo informa a agência de notícias iraquiana Mosul Eye. 

Os assassinatos aconteceram depois que um fatwa (pronunciamento legal) foi emitido por um líder religioso do EI.

A maioria das crianças com deficiência ameaçadas pelo EI são filhos de “combatentes estrangeiros que se casaram com mulheres do Iraque, da Síria e da Ásia”, relata a agência de notícias.

As crianças foram mortas por injeções letais e asfixia na Síria e Mosul, ao norte do Iraque.

A fatwa foi emitida pelo saudita Abu Said Aljazrawi, um dos juízes da sharia, a lei islâmica.

Em junho, o site norte-americano Christian Post denunciou a segmentação, tortura e assassinatos de pessoas com deficiência pelo EI.

Além de visar as pessoas com deficiência, crianças são crucificadas por não jejuarem durante o Ramadã.

06/10/2015

Cristãos são assassinatos enquanto oravam o “Pai Nosso”


perseguicao_religiosaDoze cristãos foram brutalmente executados pelo Estado Islâmico, incluindo um menino de 12 anos, filho de um plantador de igrejas sírio. Segundo relatos os mártires foram fiéis até o fim. Uma das mulheres foi decapitada pelos terroristas e testemunhas dizem que ela morreu sorrindo e a última palavra saída de sua boca foi: “Jesus!”

A missão Christian Aid, que faz trabalho humanitário na região, está divulgando a execução ocorrida em agosto, em uma aldeia na região de Aleppo, na Síria. Seu relatório visa despertar o ocidente para a realidade que as mortes de cristãos não cessaram.

“Em frente a uma pequena multidão, os extremistas islâmicos cortaram as pontas dos dedos do menino, enquanto diziam a seu pai que aquilo só acabaria se ele, o pai, voltasse para o Islã”, afirma o material da Christian Aid.

Os soldados do Estado Islâmico executaram os cristãos de diferentes maneiras, incluindo uma crucificação. Todos os mortos eram ex-muçulmanos convertidos a Cristo. Como se recusaram a negar sua fé, as mulheres, com idades entre 29 e 33 anos, foram estupradas diante da população local. Em seguida, a maioria foi decapitada.

Enquanto esperavam pela execução, estavam de joelhos diante dos militantes islâmicos e começaram a orar em voz alta o “Pai Nosso”. Testemunhas contam que alguns afirmavam estar entregando sua alma para Jesus.  Isso irritou os militantes do EI, que deixaram os corpos dos mortos pendurados em cruzes por dias.oração

O grupo jihadista destruiu quase a totalidade de mosteiros cristãos, bem como todas as Bíblia e documentos que falem sobre a fé cristã.  Estima-se que na Síria, a população cristã hoje é apenas um terço do que era antes da guerra civil iniciada em 2011. No Iraque, a população cristã está à beira da extinção. Existiam cerca de 1,5 milhão em 2003, totalizando menos de 200.000 agora.

A International Christian Concern, grupo que defende os direitos humanos de cristãos, relata que muitas igrejas se tornaram verdadeiros “matadouros”. Durante cerimônias públicas, os cristãos vêm sendo mortos dentro dos templos.

Patrick Sookhdeo, diretor da Barnabas Fund, organização que visa ajudar os cristãos da Síria, acredita que o que o Estado Islâmico está fazendo é pior que o nazismo em matéria de barbárie.

“O que eles estão fazendo é perfeitamente normal, pois defendem a sharia. Eles não veem um problema nisso. Essa justificativa religiosa é que torna isso tão terrível.” Ele conta que não entende como as Nações Unidas se negam a classificar os atos do Estado Islâmico como “genocídio”. Com informações de Gospel Herald

06/10/2015

Jovens enfrentam perseguição na Inglaterra ao deixar o islã


jovens-perseguidosJovens britânicos de famílias muçulmanas estão desistindo do Islã e por isso enfrentam diversos problemas familiares. Os relatos foram feitos à BBC de Londres, onde os jovens afirmam que sofreram perseguições e até ameaça de morte por terem abanando a crença da família.

Um dos relatos é de uma garota de 17 anos que três anos atrás começou a questionar a religião e se rebelou contra o uso de hijab (véu que cobre a cabeça das mulheres muçulmanas). Em seguida a jovem moradora de Lancashire, na Inglaterra, resolveu que não queria mais ser muçulmana e foi ameaçada de morte pelo próprio pai.

A garota precisou chamar a polícia depois de ter apanhado muito e por este motivo seu pai foi condenado por crueldade infantil. Hoje ela está sob a guarda do pai de seu namorado, pois precisou se separar de sua mãe e seus irmãos.

Mas a jovem não está sozinha, uma jovem de 25 anos que mora em South Yorkishire resolveu deixar o islamismo quando estava na faculdade porque descobriu que seus pais haviam arranjado um casamento para ela.

Com medo de ser rejeitada pela família por deixar o Islã, a jovem resolveu não voltar mais para casa. “Eu sei que minha família não iria me machucar, não os meus pais e irmãos”, disse ela que não deixou que outras pessoas da família soubessem de sua decisão. “Meu pai me disse que se as pessoas erradas descobrissem, ele não saberia o que poderia acontecer.”

Através de um fórum on-line outros ex-muçulmanos conversam e falam sobre suas experiências e medos, a jovem de 25 anos participa desses debates e incentiva os participantes a conquistarem a independência financeira antes de contar aos seus pais sobre a decisão.

Os relatos de quem sofre por deixar a religião são impressionantes, há jovens que ouviram de parentes que por conta da sua escolha toda a família foi “manchada” e que seus irmãos e irmãs não poderiam mais se casar.

Outros preferem manter a decisão de não mais seguir a religião em segredo, com medo do que a comunidade em sua volta. “Eu vivia em Bradford e era bem discreta porque lá havia muitos muçulmanos na região. Eu ainda tenho esse medo contido, é difícil de explicar. Você simplesmente quer se manter calado a respeito disso. É mais seguro assim”, disse outro jovem.

Alguns países muçulmanos possuem leis severas que podem condenar à morte quem desiste da religião. A lei da blasfêmia mata muitas pessoas em países como o Paquistão. No Reino Unido não há esse tipo de lei, porém os muçulmanos vivem em comunidades fechadas e esse tipo de notícia pode prejudicar os relacionamentos de toda a família.

“Falei com minha mãe pelo telefone e ela berrou: ‘você não é mais meu filho!’ Aí meu irmão pegou o telefone e a mensagem que eles me passaram era de que eu não pertencia mais à família e, desde então, eu nunca mais pude falar com eles”, diz um jovem paquistanês que se mudou para o Reino Unido para estudar teologia e decidiu que não acreditava mais no Islã.

“Eu pessoalmente concluí que essa fé é extremamente misógina e isso se tornou um ponto de virada claro para mim. Todos os meus amigos muçulmanos ficaram chocados. Inicialmente, eles acharam que eu estava brincando, mas quando perceberam que era sério, eles começaram a me xingar, de uma forma leve no início, mas depois passaram a me atacar, me ameaçar”, revela o paquistanês.

Fonte: Gospel Prime

 

04/10/2015

Cristãos egípcios são ousados e destemidos na evangelização


egitoSer cristão é um grande desafio no Egito. Muitos egípcios foram julgados por serem cristãos e receberam sentenças que estão cumprindo em várias prisões, em todo o país. Esse risco se aplica a todos os que compartilham a mensagem do Evangelho com qualquer muçulmano.

Mas, apesar do risco, todos os que receberam o amor cristão têm sorrisos genuínos, e os corações compassivos, e isto ainda não é proibido pela lei egípcia, segundo eles. “Nós não seremos detidos porque temos a luz de Jesus brilhando sobre nossas vidas. E nós brilhamos em público, o que nos traz uma tremenda oportunidade de viver o verdadeiro evangelho”.

Os jovens egípcios são ousados quando se trata de cristianismo. No mês passado, um grupo de evangelização foi às ruas, segurando banners que continham mensagens de amor, na praça principal de uma cidade, em meio à festa do Ramadan, para felicitar seus vizinhos muçulmanos. Entregaram doces e causaram um verdadeiro impacto.

Entre as frases, lia-se: “Eu sou um cristão e eu amo todos os muçulmanos”. Essa mensagem chocou muitas pessoas, e atraiu o interesse de outras. Muitos não entenderam, mas alguns muçulmanos se aproximaram e apertaram as mãos dos cristãos. Muitas amizades nasceram naquele momento, conforme os relatos dos jovens que disseram que os cristãos devem ser os guardiões da verdadeira esperança da humanidade.

Fonte: Folha Gospel

04/10/2015

Netanyahu cala Assembleia da ONU ao denunciar acordo nuclear com Irã


xbenjamin-netanyahuCerca de 24 horas após o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, afirmar diante da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, que pode abandonar os acordos de paz,  quem usou a palavra foi o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Em um discurso considerado histórico, calou durante cerca de 45 segundos os representantes diplomáticos ali reunidos. Netanyahu denunciou o acordo nuclear das potências mundiais com o Irã.

Ele disse que aquele tempo devia servir para que o mundo “pensasse no que fez” em relação às ameaças de Teerã de destruir o Estado judeu. O silêncio do auditório, ironicamente, parece ter falado mais alto.

O premiê afirmou que seu governo “fará de tudo” para defender-se e reiterou que seu país está pronto a retomar “imediatamente” as conversas sobre paz com os palestinos.

“Após 70 anos do assassinato de 6 milhões de judeus, líderes iranianos prometem destruir meu país, matar meu povo. A resposta desta assembleia, de quase todos os governos aqui presentes, foi inexistente. Silêncio total. Silêncio ensurdecedor”, enfatizou.

Deixou ainda uma mensagem aos líderes do Irã: “seu plano para destruir Israel fracassará. E esta é a minha mensagem aos países da ONU: sejam quais forem as resoluções que vocês adotarem neste local, Israel fará todo o possível para defender seu Estado e seu povo”.

Netanyahu lembrou que as Nações Unidas são sempre rápidas em criticar e se postar contra Israel, mas tem falhado em impedir a morte de cerca de 300.000 civis na Síria.

Apesar das dificuldades crescentes nas relações com o governo Obama, o primeiro-ministro israelense tem uma visita agendada na Casa Branca mês que vem. Com informações de Jerusalém Post

Assista:

05/12/2012

Cristãos são degolados como ovelhas por grupo radical islâmico na Nigéria


Segundo depoimento de testemunha o grupo radical islâmico invadiu área ao sul da Nigéria predominantemente cristã e num ataque premeditado foram de casa em casa e atentaram contra a vida de 10 cristãos degolando-os, saqueando suas casas e atearam fogo logo em seguida. – Confira, ore e comente…

Dez pessoas foram degoladas por islamitas que passaram de casa em casa na noite de sábado no bairro cristão de Chibok, no norte da Nigéria, informaram autoridades locais.

“Os agressores chegaram às 21h00 cantando ‘Alahu Akbar’ (Deus é grande) (…) Eles entram em casas identificadas, em uma área predominantemente cristã da cidade, para matar 10 pessoas como ovelhas”, disse à AFP um funcionário local, que pediu anonimato.

“Quem mais, se não membros do (grupo islâmico) Boko Haram, poderia entrar nas casas e cortar as gargantas de 10 pessoas (…) eles estavam armados, mas decidiram agir como açougueiros contra suas vítimas”, afirmou outro funcionário local.

Chibok está localizado a 170 km de Maiduguri, um reduto do Boko Haram.

“Os homens vieram em grande número e entraram nas casas que foram escolhidas com precisão. Massacram 10 pessoas gritando ‘Allahu Akbar’”, relatou Ezequiel Damina, um residente de Myan, periferia de Chibok.

“Em seguida, eles atearam fogo às casas do bairro. Saquearam toda a área”, acrescentou.

A violência relacionada ao Boko Haram – cujo nome em Hausa significa “a educação ocidental é um pecado” – e sua sangrenta repressão pela polícia causaram mais de 3.000 mortes desde o início da insurgência islâmica em 2009.

A Nigéria, o país mais populoso da África com 160 milhões de habitantes, é o maior produtor de petróleo do continente. Está dividido entre um norte majoritariamente muçulmano e um sul dominado por cristãos.

Fonte: Inforgospel

20/11/2012

Construção de “megamesquita” em Londres gera protestos


Construção de “megamesquita” em Londres gera protestosUm grupo radical islâmico solicitou uma autorização para construir uma das maiores mesquitas do mundo, em Londres, local que já abrigou grandes personalidades do cristianismo.

A “megamesquita” apelido do que é chamado oficialmente de Centro Riverine de Abbey Mills, poderá abrigar até 10 mil fiéis. Ele será o maior edifício religioso na Grã-Bretanha e a maior mesquita da Europa.

Para termos de comparação, a maior catedral da Grã-Bretanha, a Catedral Anglicana de Liverpool, tem lotação de 3.000 fiéis, e a Catedral de São Paulo, um dos cartões postais do centro antigo de Londres, tem capacidade para 2.500.

O projeto para o local se estende por 30.000 metros quadrados, perto da Vila Olímpica de West Ham, e inclui dois minaretes de 15 metros, uma biblioteca islâmica, um refeitório, instalações esportivas, oito apartamentos para clérigos muçulmanos e centenas de vagas de estacionamento.

Grande parte do financiamento das obras da mesquita, com um custo estimado de 300 milhões de reais, deverá vir da Arábia Saudita.

O projeto de construção desse “espaço sagrado islâmico contemporâneo” foi apresentado por Tablighi Jamaat [Sociedade para a Difusão da Fé] uma espécie de líder do “movimento missionário muçulmano” atual e o maior grupo de treinamento de religiosos do mundo.

Mais ativo no sudoeste e sudeste da Ásia, na África e na Europa, acredita-se que esse grupo tem contribuído em muito para o crescimento explosivo de fervor religioso islâmico e de conversões em massa em diferentes partes do mundo.

Embora se esforce para projetar uma imagem pacífica, seus membros passaram a ser acusados de serem parte de uma organização terroristas muçulmana, depois de comprovada sua ligação com os responsáveis pelos atentados do 11 de setembro de 2001 (EUA) e 7 de julho de 2005 (Londres).

As autoridades americanas classificam o Tablighi Jamaat um “campo de recrutamento para a Al-Qaeda”. Funcionários da inteligência franceses descreveram o grupo como uma “antesala do fundamentalismo” e assinalam que o objetivo final do grupo é uma “conquista planejada do mundo”, no espírito da jihad.

O projeto tramita desde 1999, na prefeitura de Newham, que faz parte da região metropolitana de Londres. Ele já foi modificado várias vezes e a versão atual deverá ser votada por uma comissão de zoneamento no início de dezembro.

Ironicamente, cerca de um quilômetro do local em que a mesquita será edificada, ficava a sede do Centro Cristão Internacional Kingsway, a maior igreja evangélica da Europa, que reunia cerca de 12 mil fieis por domingo. O templo foi demolido em 2007 para que não região pudesse ser construído o novo estádio Olímpico. Até hoje, cinco anos mais tarde, o governo ainda não deu a permissão para a igreja cristã construir um novo local de culto novo em outro lugar da cidade.

O ex-vereador londrino Alan Craig lançou uma campanha contra a construção da megamesquita. Ele produziu 100 mil folhetos, que foram distribuídos na região. Embora afirme acreditar na liberdade de religião o problema dessa mesquita é ter sido planejada “por uma seita islâmica particularmente perturbadora, o Tablighi Jamaat. Eles ensinam que, se você quer ser um bom muçulmano deve se afastar dos não-muçulmanos… Eles estão em todo o mundo, é um grupo enorme e onde chegam criam barreiras, hostilidade e divisão, impondo o separatismo”.

Estas preocupações estranhamente são compartilhadas por muitos muçulmanos, que não querem na cidade o que chamam de “Islamismo medieval”. Asghar Bukhari, porta-voz da filial britânica do Comitê de Assuntos Públicos Muçulmanos, confirmou isso em uma entrevista recente. Traduzido de Gatestone Institute.

Fonte: Gospel Prime

27/09/2012

Justiça proíbe exibição no Brasil de filme que ofende Maomé


O YouTube tem dez dias para tirar do ar o trailer de ‘Inocência dos Muçulmanos’, que causou protestos em países islâmicos.

O Tribunal de Justiça de São Paulo proibiu nesta terça-feira, 25, o site YouTube de exibir o trailer do filme ‘Inocência dos Muçulmanos’ que, ofensivo ao islamismo, tem causado protestos em diversos países. Horas antes, a presidente Dilma Rousseff condenou a islamofobia no discurso de abertura da 67.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, em Nova York.

A decisão foi tomada nesta tarde pelo juiz Gilson Delgado Miranda, da 25ª Vara Cível, segundo informações da assessoria de imprensa do TJ, e acata um pedido da União Nacional Islâmica contra a Google Brasil, responsável pelo serviço de vídeos online.

O YouTube tem dez dias para tirar do ar o trailer no Brasil. A cada dia de descumprimento da medida, uma multa de RS 10 mil será cobrada da empresa, segundo o despacho do magistrado. Cabe recurso.

A reportagem entrou em contato com a Google Brasil para que a empresa comentasse o caso. Até o início desta noite, porém, os representantes do site não retornaram o pedido do Estado.

“O caso realmente envolve uma questão complexa e de difícil solução. Em verdade, traz um conflito claro em relação à liberdade de expressão e à necessidade proteção de indivíduos ou grupos humanos contra manifestações que possam induzir ou incitar a discriminação de preconceito de religião. Realmente, o nosso sistema constitucional consagra a liberdade de expressão por considerá-la um dos fundamentos essenciais de uma sociedade democrática (…). Cancelar o que é ilícito, no entanto, não ofende o valor relevante da liberdade de pensamento e de comunicação”, declarou o juiz em sua decisão, argumentando que a medida não representa censura. Leia o documento na íntegra.

O advogado da União Nacional Islâmica, Adib Adbouni comemorou a decisão e disse que o filme viola a Constituição, pois, em sua interpretação, viola o direito de liberdade de religião. Para o advogado, o vídeo “ofende a coletividade islâmica”.

Para o presidente da Associação Beneficente Islâmica do Brasil, Bilal Jumaa, que organizou uma passeata contra o filme, a decisão da Justiça foi acertada. “Foi bom para impedir que digam essas coisas ruins”, disse o religioso. “Isso é um ataque que mexe com todas as religiões e vai proteger a liberdade de religião.”

Ainda de acordo com Jumaa, o fato de a comunidade islâmica brasileira ter se mobilizado pode ter contribuído para a proibição do filme. “Pode ser, sim. A gente se mobilizou e mostrou que esse filme não é legítimo.

Fonte: Estadão

24/09/2012

Cristianismo já é maior que Islã no continente africano


Cristianismo já é maior que Islã no continente africanoCristianismo em seu todo, incluindo evangélicos, católicos, coptas e outros ramos, é hoje a maior religião da África, passando à frente do Islã. Um em cada cinco cristãos do mundo vive na África.

Esta é a conclusão de um estudo apresentado pelo sociólogo Massimo Introvigne, durante um congresso organizado pelo Centro de Estudos de Novas Religiões (CESNUR) da Universidade de El Jadida, no Marrocos.

Segundo os novos dados, os cristãos representam hoje 46,53% da população africana, em comparação com 40,46% de muçulmanos e 11,8% das pessoas que seguem religiões tradicionais africanas, conforme divulgou o jornal italiano La Stampa.

Também mostra que, enquanto em 1900 os cristãos da África eram 10 milhões, em 2012 as chegam a mais de 500 milhões. Em 1900 os africanos representavam 2% dos cristãos do mundo e hoje, são 20% do total dos seguidores de Cristo no mundo.

“Esses dados ainda estão sendo consolidados”, disse Introvigne, fundador da CESNUR, “mas têm grande significado histórico, cultural e político”.

Além disso, a pesquisa mostra que 31 países africanos têm maioria cristã, em contraste com os 21 que são islâmicos e seis que possuem religiões predominantemente tradicionais.

“Hoje há mais cristãos africanos praticantes do que os europeus praticantes. Eventualmente, isso vai mudar, não só na África, mas em todo o cristianismo”, comentou.

Obviamente, essa mudança de rumos no continente não agradou a todos. O estudioso acredita que este crescimento pode ser a principal causa do aumento dos ataques contra os cristãos em várias nações africanas. “O ultra-fundamentalismo islâmico considera escandaloso o fato de que há mais cristãos que os muçulmanos na África, por isso articulou para perseguir e matar cristãos em países como Nigéria, Mali, Somália, Quênia”, acrescentou.

Traduzido de Protestante Digital

%d blogueiros gostam disto: