Posts tagged ‘Jean Wyllys’

27/09/2012

Pastor Marco Feliciano responde críticas de Jean Wyllys


O pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) publicou em seu site uma nota em resposta aos ataques feitos pelo deputado federal Jean Wyllys (PSOL – RJ) a respeito de uma polêmica em torno de uma pregação feita pelo pastor durante o Congresso Gideões Missionários da Última Hora.

Na ocasião, Feliciano afirmou que há uma conspiração envolvendo o governo e ativistas gays para impor à sociedade princípios que são ofensivos às práticas cristãs, e pontua que a AIDS é uma doença predominantemente homossexual.

O deputado Jean Wyllys, em resposta ao pastor, publicou um artigo em seu site afirmado que Marco Feliciano era o “pastor e deputado do ódio e da mentira” e que o discurso dele era “fundamentalista e fascista”.

Na tréplica de Feliciano, o pastor disse que o aborrecimento de Wyllys no assunto se deu por ter sido contrariado: “O senhor Jean Wyllys demonstra ser um parlapatão, pois fica deblaterando sobre um assunto que ele desconhece, acusando a multidão que me ouviu de incultos e incautos, e a mim de um mentiroso homofóbico desprovido de intelectualidade, simplesmente por ter lembrado a eles e aborrecido a este sobre o assunto da perversão sexual, da imoralidade e da doutrinação imposta pela comunidade GLBT à nossa geração”.

-Ao deputado Jean Wyllys explico, o púlpito de uma igreja não é lugar para demonstração de intelectualidade nem desfile de títulos honoríficos – ressaltou Feliciano.

A respeito da possibilidade de infecção com o vírus HIV, Feliciano observou que “a chamada AIDS pode atingir qualquer pessoa independente de preferência sexual, mas a própria ciência revela o predomínio de infecção por esta doença em pessoas manifestamente homossexuais”.

O pastor ainda confrontou o deputado e ativista gay a respeito da acusação de desonestidade: “Quando esse cidadão se refere a minha pregação como desonestidade intelectual pergunto: quem é desonesto, quando se refere a um culto a Deus e uma pregação da palavra como se fosse discurso, a quem ele pensa que está enganando? Em um culto evangélico não há discurso político ou intelectual, o objetivo do discurso religioso é espiritual, coisa que o senhor Jean nunca vai entender”.

Open in new windowMarco Feliciano aproveitou a nota para reafirmar seu compromisso de pregação contra a prática homossexual: “Todos os dias da minha vida pregarei o que diz a Palavra, que a prática do ato íntimo entre dois homens ou duas mulheres é e continuará sendo pecado e ponto. Não discuto o que é pregado no púlpito fora do momento da pregação”.

Confira abaixo, a íntegra da nota publicada pelo pastor e deputado federal Marco Feliciano em resposta ao deputado federal Jean Wyllys:

Jean Wyllys, parlapatão, néscio e desorientado… mas digno de minhas orações

Em resposta ao artigo postado na internet por sua Excelência o Deputado Jean Wyllys, eleito com pouco mais de 10 mil votos, pelo Estado do Rio de Janeiro que estima-se em sua Parada do Orgulho Gay, reuniu milhares de militantes da causa, quero dizer que primeiramente na qualidade de cristão aprendi que ao sofrer um injusto ataque devemos oferecer a outra face e esse conceito nunca mudará no meu coração, portanto minha resposta será sempre de forma a respeitar o direito que tens de dizer aquilo que tiver vontade mas também tenho direito de discordar.

O senhor Jean Wyllys por ser desavisado ou por qualquer outro motivo se refere a minha manifestação numa pregação da Palavra de Deus em uma reunião numa igreja, local esse onde qualquer cidadão deveria saber que é prevista total liberdade de manifestação religiosa prevista na constituição pois aquele local é um púlpito onde quem professa a mesma fé que eu, crê que tudo o que se fala ali é a pura inspiração da pregação da palavra. Ninguém em sã consciência usa um púlpito para fazer desabafos, nem atacar quem quer que seja, pelo contrário, ali pregamos que o humilde será exaltado e quem exaltar-se será humilhado, e por isso me acusa de fundamentalista.

Ao deputado Jean Wyllys explico, o púlpito de uma igreja não é lugar para demonstração de intelectualidade nem desfile de títulos honoríficos pois pessoas simples quando são tomadas pela força do Espírito Santo fazem os mais notáveis intelectuais aceitarem a Palavra de Deus e sua indubitável sabedoria.

Nunca discuto o que Deus me manda falar no momento que estou pregando mas devo dar uma resposta a esse senhor. Todos sabemos que a chamada AIDS pode atingir qualquer pessoa independente de preferencia sexual mas a própria ciência revela o predomínio de infecção por esta doença em pessoas manifestamente homossexuais, tanto é verdade que quando se doa sangue na entrevista se for declinada a condição de homossexual essa doação é recusada pois a medicina entende que se trata de grupo de risco e tenho sim o dever de alertar os fiéis que estão me ouvindo esperando uma revelação de Deus em suas vidas. Quando esse cidadão se refere a minha pregação como desonestidade intelectual pergunto: Quem é desonesto, quando se refere a um culto a Deus e uma pregação da palavra como se fosse discurso, a quem ele pensa que está enganando? Em um culto evangélico não há discurso político ou intelectual, o objetivo do discurso religioso é espiritual, coisa que o senhor Jean nunca vai entender visto que julga que estou me aproveitando da publicidade que é dado aos cultos evangélicos, inclusive gravados em DVD, alcançando os mais longínquos pontos da Terra. Quero ver este senhor apresentar uma única religião conhecida que aprova a união de pessoas do mesmo sexo. Será difícil pra ele conseguir isso, pois em alguns templos nem a sua entrada será permitida quando não professar a fé correspondente aquele culto.

Todos os dias da minha vida pregarei o que diz a Palavra, que a prática do ato íntimo entre dois homens ou duas mulheres é e continuará sendo pecado e ponto. Não discuto o que é pregado no púlpito fora do momento da pregação. Quem não suporta saber que professamos uma fé que difere da sua e usa dos meios de comunicação ao seu alcance e suas prerrogativas como autoridade legislativa para tentar confundir pessoas, inclusive levianamente taxando-as de ignorantes, pergunto: quem é fundamentalista? Cada vez mais me convenço que estou na Câmara dos Deputados por um desígnio de Deus pois imagino se aquele lugar fosse tomado por maioria de pessoas inconformadas com quem, como já disse, pensa diferentemente deles.

Quando no início da atual legislatura na Câmara Federal ouvi muitas crítica pela forma de como a legislação eleitoral permite que pessoas como o senhor Jean Wyllys se elejam com voto de outros candidatos e com pouco mais de 10 mil votos consigam um mandato de deputado federal, saí em sua defesa afirmando que é regra estabelecida e temos que respeitar e novamente pergunto: Quem é fundamentalista?

Quando as estatísticas apontam que pessoas que se identificam como membros do movimento LGBT são menos de 5% do total da população, mas que, por causa da militância, que não aceita crítica e que face a qualquer manifestação contrária usa o termo “homofobia” pergunto: quem é fundamentalista? Sempre afirmei que não tenho nada contra qualquer pessoa que professe qualquer religião ou qualquer comportamento social, o que critico é o radicalismo pois Deus ama o pecador mas não suporta o pecado. Quando o senhor Jean Wyllys em seu blog faz um ataque contra a minha pessoa ele coloca 3 tópicos tirados totalmente do contexto e fala sobre um jovem gay submetido a uma sessão de cura, e uma pesquisa não sei tirada da onde que indica que homofóbicos sentem excitação por homossexuais e finalmente cita um pastor pedófilo, pergunto novamente: quem é fundamentalista?

Senhor Jean Wyllys finalizo conclamando o senhor e todos os seus leitores para que entendam que a nossa convivência tem que ser pacífica, com tolerância, paz e Deus no coração pois quando o senhor pergunta quem me deu o título de profeta eu respondo procure essa explicação na Bíblia que é o único livro que norteia a minha vida, todos os outros milhares que leio e que já li ilustram o meu intelecto mas não satisfazem a minha alma. Não carrego ódio no meu coração como o senhor afirmou nem uso o púlpito para fins políticos pois todos sabem eu estou deputado mas nunca deixarei de ser pastor pois para isso fui chamado, suas criticas para mim nada mais são do que balsamo para revigorar a minha fé e força para continuar pregando o evangelho de Cristo, do qual não me envergonho e convido todos a visitarem uma Igreja e meditar sobre a palavra de Deus tenho certeza haverá mudanças substanciais pois essa sim é a indubitável verdade o resto é do maligno.

Em minha pregação conclamei os fiéis a lembrarem-se do que diz a bíblia: Não se conformar com este mundo… Rm.12:2, e também que a igreja é Sal da Terra e a Luz do mundo… Mt.5:13-14, ou seja, nas palavras de Jesus sem a pregação do evangelho o mundo apodrece e fica em trevas.

Em seu blog, o senhor Jean Wyllys demonstra ser um parlapatão, pois fica deblaterando sobre um assunto que ele desconhece, acusando a multidão que me ouviu de incultos e incaltos, e a mim de um mentiroso homofóbico desprovido de intelectualidade, simplesmente por ter lembrado a eles e aborrecido a este sobre o assunto da perversão sexual, da imoralidade e da doutrinação imposta pela comunidade GLBT à nossa geração.

Em alguns dias, mostrarei a todo o Brasil o vídeo gravado no Seminário presidido pelo senhor Jean Wyllys sobre Orientação sexual na primeira infância, e então veremos a reação dos Brasileiros a respeito do que o nobre deputado e seus companheiros de militância gay inseridos no MEC, no conselho de Psicologia e afins pensam e preparam para os nossos filhos, e então veremos quem é de fato o fundamentalista.

Por algum tempo tentei, e agora vejo que inutilmente, me aproximar do senhor Jean Wyllys para juntos pensarmos de maneira intelectual sobre os assuntos que legitimam nossos mandatos, mas fui inocente. Pensei que nossa discordância se dava apenas na pessoa jurídica, mas ao ver seu blog, percebi que não há respeito nem a pessoa física.

Não sou seu inimigo repito, mas de agora em diante, serei mais incisivo sobre estes temas e denunciarei com mais veemência cada um de seus maléficos planos de desestabilizar a família brasileira, de ofender a igreja cristã e sobre as formas que tentará usar para doutrinar a próxima geração com esse estilo que de longe deve ser chamado de estilo de vida.

Fonte: Gospel +

27/12/2011

Silas Malafaia responde à proposta de Jean Wyllys de punir igrejas que “curam gays”


Silas Malafaia responde à proposta de Jean Wyllys de punir igrejas que “curam gays”

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) acredita que pastores e padres devem ser impedidos de usarem o espaço de programas de TV e rádio para falarem que o homossexualismo é uma doença e que os gays podem ser “curados”.

Ele disse que os religiosos “são livres para dizerem no púlpito de suas igrejas que a homossexualidade é pecado”. Para ele, contudo, o problema é o uso de concessões públicas para “demonizar e desumanizar uma comunidade inteira, como é a comunidade homossexual” e sugere que isso seja considerado crime como o racismo. O assunto rapidamente passou a ser comentado nas redes sociais e gerou reações de apoio e também críticas, principalmente no Twitter.

O novelista Aguinaldo Silva apoiou o deputado: “Concordo com Jean Wyllis: instituições que dizem curar gays devem ser processadas por estelionato. Eu, por exemplo, conheço vários gays que disseram estar ‘curados’. O problema é que todos eles tiverem recaídas. Também conheci vários heteros que disseram: ‘dessa água não beberei!’. Mas beberam”, afirmou ele no Twitter

O pastor Silas Malafaia entrou no debate. Afirmou que a homossexualidade é uma questão comportamental e não pode ser comparada ao racismo. Suas declarações foram postadas no seu perfil do Twitter para rebater os argumentos de Jean Wyllys, a quem o pastor classificou de “mentiroso de marca maior”.

Malafaia também negou que há igrejas que prometem a cura dos gays. “Os pastores pregam a libertação de qualquer tipo de pecado. São os próprios homossexuais que pedem ajuda para serem libertos”, afirmou.

O pastor apontou várias coisas que o deputado “finge que não sabe”:

1. Que ninguém nasce homossexual.

2. É uma questão comportamental, portanto não se pode comparar a racismo. Vamos ter que fazer leis para todos os comportamentos do ser humano.

3. Crime de injúria já esta previsto em lei seja para homossexuais, seja para heterossexuais.

4. Criticar homossexuais, evangélicos, ou seja lá quem quer que seja, é principio basilar do Estado Democrático de Direito.

Wyllys reagiu pelo Twitter e escreveu que sua bíblia são as “cláusulas pétreas da Constituição Cidadã”. Sem citar diretamente o pastor, Wyllys afirmou que é a Constituição que “garante a pluralidade dos homens e mulheres e a laicidade do Estado, fundamental para a diversidade religiosa”.

Jean Wyllys continua defendendo o projeto de Lei que criminaliza a homofobia, conhecido por PL 122. Ele considera que as mudanças feitas pela senadora Marta Suplicy deixaram o texto “defasado”. “O próprio texto cria um novo tipo penal e reduz a homofobia a uma mera questão de agressão e assassinatos, né. Como se a homofobia se expressasse apenas e tão só nessa forma letal”, escreveu.

O pastor Malafaia tem sugerido uma consulta pública para que os brasileiros digam se apoiam ou não a união afetiva entre homossexuais. “O medo de Jean Wyllys: Uma consulta popular nas próximas eleições para o povo decidir se apoia ou não a união homoafetiva. Ele já sabe qual ė o pensamento da sociedade Brasileira: NÃO!”.

Por fim, o pastor afirmou que “o grupo social mais intolerante da pós modernidade são os homossexuais, que querem calar e criminalizar a opinião. É só ler o famigerado PLC 122 que ele defende, para confirmar todas as minhas palavras”.

Com informações Verdade Gospel, Terra e Folha

08/06/2011

Jean Wyllys irá propor uma moção de aplausos para o pastor Ricardo Gondin


Jean Wyllys irá propor uma moção de aplausos para o pastor Ricardo GondinO deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) escreveu em seu Twitter que irá propor uma moção de aplausos para o pastor Ricardo Gondin.

A conversa surgiu quando ele elogiava o texto do Frei Betto, um representante de Igreja Católica que saiu em defesa dos direitos civis para homossexuais e em defesa do Estado Laico.

Por causa dessa luta em favor do grupo LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis), Jean Wyllys estava propondo aprovar na Câmara uma moção de aplausos para o religioso.

Uma de suas seguidoras pediu para ele incluir o pastor da Igreja Betesda nesta moção já que ele vem sofrendo uma série de “retaliações” da comunidade evangélica por também defender a causa LGBT.

Fonte: Gospel Prime

20/03/2011

Deputado Marco Feliciano enfrenta Jean Wyllys e o convida para um debate


Deputado Marco Feliciano enfrenta Jean Wyllys e o convida para um debate

Os primeiros pronunciamentos dos deputados federais empossados em fevereiro deste ano já mostraram que a pauta deste mandato será voltada para a discussão sobre os direitos civis aos homossexuais. De um lado a bancada evangélica juntamente com a Frente da Família tenta impedir que projetos como a PLC 122 sejam aprovados e do outro lado o deputado Jean Wyllys, o primeiro parlamentar homossexual assumido, juntamente com outras frentes tentam apoiar entre outras coisas o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

O clima esquentou quando a frente evangélica tentou impedir que os parceiros homossexuais fossem colocados como dependentes no Imposto de Renda. Para debater essa afronta, Jean Wilis disse que pedirá para que todas as igrejas evangélicas prestem contas publicamente daquilo que arrecadam.

Assim que foi noticiado esse desejo do parlamentar, o deputado federal e pastor Marco Feliciano usou seu pronunciamento para mandar um recado ao colega e chamá-lo para um debate “sem preconceito”.

“Quando o assunto passa para questionamento da prestação de contas das igrejas, o nobre deputado envereda pelo campo do confronto, demonstrando vontade de atuar em todas as direções,(…) aconselho o nobre colega a verificar na internet, a prestação de contas de todas as igrejas”, disse o líder do Ministério Tempo de Avivamento.

Feliciano lembrou aos deputados presentes na sessão que muitas igrejas desenvolvem trabalhos sociais relevantes, tirando drogados das ruas e amparando órfãos e idosos. Lembrou também que muitas vezes as despesas dessas instituições superam, e em muito, as receitas.

O pastor disse que não quer desentendimentos, mas quer dar voz aos seus eleitores. “Não estamos aqui para municiar debates midiáticos e sim, para bem representar os milhões e milhões de brasileiros que professam uma fé calcada no que Ensina o Livro Sagrado – Uma família é constituída por pai, mãe e filhos – base para qualquer sociedade se desenvolver no trabalho, na educação e ser feliz”.

Encerrando, o pastor Marco Feliciano convida o parlamentar para uma conversa. “Graças a Deus, esta Casa é um parlamento democrático e convido o nobre colega para um debate de idéias, sem preconceitos e para que possamos como gente civilizada e hoje, na posição de legisladores, podermos encontrar um caminho para o bem comum.”

Fonte: Gospel Prime

03/03/2011

Deputado ex-BBB questiona imunidade fiscal de igrejas


 Deputado ex-BBB questiona imunidade fiscal de igrejas

Para frear contestação de benefício no Imposto de Renda para casais homossexuais, deputado ameaça questionar falta de prestação de contas por parte das igrejas. Ele diz que crítica a portaria da Fazenda “mascara” homofobia.

Primeiro gay a se eleger deputado federal defendendo a bandeira dos homossexuais, Jean Wyllys (PSOL-RJ) anuncia uma contra-ofensiva à iniciativa de parlamentares evangélicos de tentar derrubar na Justiça a principal novidade da declaração do Imposto de Renda deste ano: a inclusão de parceiros homossexuais como dependentes para fins de dedução fiscal. A decisão da Receita vai de encontro ao texto da Constituição Federal, que não reconhece união homossexual como casamento. O deputado do PSOL disse que vai discutir essa semana com outras lideranças da Frente Parlamentar Mista pela Cidadania GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgênero), ainda em reestruturação, uma maneira de barrar o movimento articulado pelo deputado federal Ronaldo Fonseca (PR-DF), que chamou a atenção para a ilegalidade do benefício.

Jean Wyllys afirmou ao Congresso em Foco que pretende utilizar o mesmo argumento “legalista” do colega, que é pastor da Assembléia de Deus, para cobrar que as igrejas, que têm imunidade fiscal, passem a prestar contas à sociedade. “Posso recorrer também à legalidade para exigir do ministro da Fazenda que ele explique por que as igrejas não prestam contas à sociedade. Se os partidos políticos prestam, por que igrejas não?”, questionou.

Pastor da Assembleia de Deus, Ronaldo Fonseca tem em mãos, desde a quinta-feira passada, um parecer técnico elaborado na Câmara (leia a íntegra) que contesta a concessão dos benefícios aos homossexuais, conforme noticiado pelo CPAD News. O deputado do DF está recorrendo à Justiça e apresentar um projeto de decreto legislativo para sustar os efeitos da portaria da Fazenda que garantiu o benefício aos homossexuais. Ele também cogita chamar à Câmara o ministro Guido Mantega para dar explicações sobre sua portaria.

Apoiado no parecer, o deputado ressalta que a medida é inconstitucional, pois viola o artigo 226 da Constituição e precisaria do aval do Congresso para entrar em vigor. Ronaldo Fonseca tem o apoio da Frente Parlamentar Evangélica. “Na canetada, eu não vou [aceitar], não. Tem de ter o debate”, disse Fonseca na quinta-feira.

“Ele disse que na canetada, não. Eu digo que no grito da falsa legalidade, nós também não vamos aceitar”, respondeu Jean Wyllys. Para o parlamentar, a ofensiva evangélica sobre o assunto tem motivação homofóbica.  “A máscara do discurso deles é da legalidade, mas isso tem uma motivação homofóbica disfarçada”, acusou.

O deputado fluminense alega que a portaria que beneficia os homossexuais é legal por estar amparada em parecer da Procuradoria-Geral da Fazenda, que está ancorado no artigo 87 da Constituição, que define os poderes de Estado, e também no artigo 5, que diz que “todos são iguais perante a lei” no Brasil. Por isso, para ele, a portaria da Fazenda é legal. “O direito é extensivo aos homossexuais. Em nenhum momento, a lei diz que companheiro ou companheira tem de ser heterossexual. Pode ser tanto homossexual ou heterossexual”, afirmou o deputado, ignorando o texto claro do artigo 226 da Constituição. O Estado não pode, via uma Portaria, atropelar o próprio texto legal.

Jean Wyllys diz que vai tratar do assunto na terça-feira em reunião com a deputada Manuela D’Ávila (PCdoB-RS) e na quarta, com a senadora Marta Suplicy (PT-SP), responsáveis pela reativação da frente parlamentar que defende os direitos dos homossexuais. Sobre a colocação de que, além de a ilegal, a Portaria do governo está abrindo precedente a outras categorias ao atender às reivindicações dos homossexuais, Wyllis disse que não. Ele conta ainda que pediu um estudo à sua assessoria técnica para levantar de quanto será a renúncia fiscal com a dedução do Imposto de Renda por parceiros do mesmo sexo. “O impacto será muito pequeno. A Receita só vai aceitar a inclusão como dependente de casais reconhecidos pela Justiça, que ainda são muito poucos no Brasil”, afirmou.

O deputado diz que não pretende tratar a bancada evangélica como “inimiga”, mas cobra “respeito” dos parlamentares religiosos “à causa dos direitos humanos e civis e à tolerância de credo”. “A liberdade religiosa deles, em geral, só vale para um lado, não pensam em termos de pluralidade. Eles vêm sempre agindo nisso. Com minha presença e por estar trabalhando na frente parlamentar, isso acirra mais os ânimos. Não sou inimigo, nosso espaço é do diálogo. Se eles tiverem projeto de interesse coletivo, vou defender. Mas eles têm de se abrir ao diálogo, e não ficarem presos a dogmas”, declarou.

A nota da Consultoria da Câmara ressalta que o artigo 226 é claro ao afirmar que que se reconhece no Brasil apenas “a união estável entre o homem e a mulher”. A nota fala de perda fiscal e alega ainda que a concessão desse benefício aos homossexuais abrirá brecha para outros segmentos da sociedade exigirem novas isenções de imposto. O texto cita como exemplo os irmãos solteiros que moram juntos; os filhos  solteiros que permanecem morando com os pais, às vezes adotando filhos; e as pessoas celibatárias que vivem juntas fraternalmente. A consultoria da Câmara entende que o governo federal foi descuidado ao tentar encaixar os gays nas hipóteses de dedução de imposto. Em nota enviada ao Congresso em Foco para se defender, a Procuradoria da Fazenda diz ter “plena convicção da constitucionalidade e legalidade de seu parecer”, que embasou a decisão do ministro Guido Mantega.

Fonte: Congresso em foco

11/02/2011

Ex-big brother promete briga com bancada evangélica em favor dos homossexuais


Ex big brother promete briga com bancada evangélica em favor dos homossexuais 250x156 Ex big brother promete briga com bancada evangélica em favor dos homossexuais

Ex big brother promete briga com bancada evangélica em favor dos homossexuais

O deputado Jean Wyllys (PSol-RJ) recém empossado como deputado federal já promete encarar uma briga com a bancada evangélica. O ex-big brother promete entrar na defesa dos homossexuais e já sabe com quem fará alianças para apoiar seus projetos em favor desse grupo.

Com o apoio de deputadas ligadas ao movimento feminista, Jean Wyllys quer substituir o projeto de união estável de homossexuais por um projeto de casamento civil entre os gays, a exemplo dos casais heterossexuais. Ele sabe das dificuldades que vai encontrar e pretende contornar o cenário desfavorável com o apoio da Frente das Mulheres e do movimento negro.

“A oposição vende o preconceito,” disse Jean que pretende assumir a Frente Parlamentar pela Livre Expressão Sexual. Militantes das causas gays fizeram barulho no Salão Verde, num discurso contra a homofobia e ciceronearam o deputado que encampou a causa.

Fonte: Gospel Prime

%d blogueiros gostam disto: