Posts tagged ‘Nigéria’

07/12/2015

Crianças órfãs, de famílias cristãs, são encontradas na Nigéria


Crianças órfãs, de famílias cristãs, são encontradas na NigériaCrianças órfãs da Nigéria, que sofreram com os conflitos entre cristãos e muçulmanos, são encontradas pela equipe da Portas Abertas e recebem ajuda. As crianças eram de famílias cristãs e moravam na cidade de Yola, capital do estado de Adamawa, onde houve um grande ataque e milhares de cristãos morreram.

“Eu vi meu pai sendo baleado e queria ficar com ele, mas ele dizia para eu correr com a multidão, que Deus cuidaria de mim. Eu pensei que minha mãe e meus irmãos estavam no meio daquelas pessoas, então eu corria e procurava por eles. Mas eu estava sozinha, perdi minha família e fui levada para um campo de refugiados”, conta Zira, uma das crianças.

A menina contou para um dos analistas de perseguição que, muitas vezes, eles iam dormir sem comida e que nem sempre havia esteiras para passar a noite, então eles dormiam no chão. “Todos ali tinham perdido seus pais e irmãos para o Boko Haram e estávamos na mesma situação”, diz a menina.

Além de Zira, há outras 15 crianças sendo cuidadas pela Portas Abertas, recebendo alimentos e outros suprimentos, além de bastante amor e atenção. “Nós estamos aqui na Nigéria ajudando órfãos deslocados e muitas viúvas. Temos igrejas tanto na Nigéria como em Camarões, assim podemos prestar também o trabalho espiritual e cuidar do lado emocional desses cristãos que enfrentaram tantas perdas. Eles vão ficar bem, porque Jesus está com eles”, conclui o analista.

13/12/2012

Dez pessoas morreram e quatro igrejas foram queimadas na Nigéria


Dez pessoas morreram e quatro igrejas foram queimadas na Nigéria

Há alguns dias, no nordeste da Nigéria, dois ataques separados contra cristãos resultaram na morte de dez pessoas e na destruição de quatro igrejas, que foram queimadas. Ambas as ações ocorreram em primeiro de dezembro e foram provocadas por homens armados, supostamente membros do Boko Haram.

As vítimas – nove cristãos e um muçulmano – foram mortas na aldeia de Kwaple, área gerenciada pelo governo local Chibok, Estado de Borno. Membros do grupo islâmico passaram fazendo balburdia; eles queimaram 20 casas e uma igreja na região. As outras três congregações mencionadas foram queimadas em Gamboru Ngala.

“Acabo de receber notícias de nossos irmãos em Chibok e Ngala Gamboru dizendo que quatro de nossas igrejas foram atacadas por militantes nesta manhã. Dez pessoas foram mortas em Kwaple”, relatou o diretor da Associação Cristã da Nigéria do Estado de Borno, Tito Pona, em uma mensagem de texto enviada ao presidente da Associação, em 2 de dezembro.

Nuhu Clark, ex- presidente do conselho governamental de Chibok, afirmou que os atacantes entraram na aldeia cerca das 9 horas de sábado e, em seguida, incendiaram casas; também utilizaram armas e facões para matar suas vítimas.

“A maioria dos mortos foi enterrada hoje”, disse Clark, no domingo (2). “É lamentável que isso tenha acontecido em uma vila tão tranquila.” De acordo com Tito Pona, em Gamboru Ngala os atacantes queimaram os seguintes templos: Igreja dos Irmãos, Igreja de Cristo na Nigéria e Igreja Deeper Life (“Vida Profunda”, tradução livre). A mídia local informou o que testemunhas oculares narraram sobre o fato: cerca de 50 insurgentes chegaram em carros e motocicletas, disparando tiros e gritando “Allahu Akbar”; depois, atearam fogo às igrejas, edifícios de imigração e em um posto policial.

Pona soube que outro edifício da Igreja dos Irmãos foi queimado em Chibok. “É, claramente, um ataque contra os cristãos por parte dos membros do Boko Haram, já que o governo local de Chibok é predominantemente cristão”, disse um líder da igreja na região, que pediu anonimato porque as congregações tinham acordado que somente o presidente da Associação Cristã da Nigéria falaria à imprensa. “O governo está preocupado com a implicação deste ataque e está oferecendo apoio na reconstrução das igrejas afetadas”, acrescentou.

O jornal Nigerian Tribune informou que o ataque em Gamboru Ngala foi direcionado aos cristãos que vivem e trabalham na cidade fronteiriça. A publicação afirmou que os cristãos locais tinham sido pressionados anteriormente, por meio de uma carta do grupo islâmico, a deixarem a área ou, então, corriam o risco de serem atacados.

Segunda-feira (3), o governador do Estado reuniu-se com autoridades estaduais e municipais da Associação Cristã, o conselho local, membros do governo e líderes comunitários. Eles determinaram como apoiariam as famílias afetadas.

“As famílias atingidas serão compensadas, mas o preço das vidas perdidas não pode ser pago”, disse o líder cristão anônimo. “O ataque provocado por membros do grupo islâmico que, aparentemente, não são da comunidade, foi injustificado e temos a garantia do governo de que as medidas necessárias serão tomadas para evitar uma recorrência”, pontuou.

Sunday Oibe, porta-voz do grupo do norte da Associação Cristã da Nigéria, condenou os levantes contínuos contra cristãos, que, segundo ele, não estavam recebendo suporte e assistência do governo.

“O que as pessoas têm ouvido é apenas uma pequena fração da violência à qual os cristãos são submetidos” comentou Oibe. “É lamentável quando o presidente (da Associação Cristã da Nigéria) fala sobre o assunto e o acusam de não estar sensível à situação ou de levantar alarme falso. É difícil manter a calma diante de ataques provocativos como o do último sábado (1) em Borno.”

O Estado de Borno é a atual sede do grupo Boko Haram, que já lançou várias ações terroristas no país, matando centenas de pessoas. No mês passado, o Tribunal Penal Internacional determinou que os ataques desses insurgentes na Nigéria se constituem em crimes contra a humanidade.


Fonte: Portas Abertas

05/12/2012

Cristãos são degolados como ovelhas por grupo radical islâmico na Nigéria


Segundo depoimento de testemunha o grupo radical islâmico invadiu área ao sul da Nigéria predominantemente cristã e num ataque premeditado foram de casa em casa e atentaram contra a vida de 10 cristãos degolando-os, saqueando suas casas e atearam fogo logo em seguida. – Confira, ore e comente…

Dez pessoas foram degoladas por islamitas que passaram de casa em casa na noite de sábado no bairro cristão de Chibok, no norte da Nigéria, informaram autoridades locais.

“Os agressores chegaram às 21h00 cantando ‘Alahu Akbar’ (Deus é grande) (…) Eles entram em casas identificadas, em uma área predominantemente cristã da cidade, para matar 10 pessoas como ovelhas”, disse à AFP um funcionário local, que pediu anonimato.

“Quem mais, se não membros do (grupo islâmico) Boko Haram, poderia entrar nas casas e cortar as gargantas de 10 pessoas (…) eles estavam armados, mas decidiram agir como açougueiros contra suas vítimas”, afirmou outro funcionário local.

Chibok está localizado a 170 km de Maiduguri, um reduto do Boko Haram.

“Os homens vieram em grande número e entraram nas casas que foram escolhidas com precisão. Massacram 10 pessoas gritando ‘Allahu Akbar’”, relatou Ezequiel Damina, um residente de Myan, periferia de Chibok.

“Em seguida, eles atearam fogo às casas do bairro. Saquearam toda a área”, acrescentou.

A violência relacionada ao Boko Haram – cujo nome em Hausa significa “a educação ocidental é um pecado” – e sua sangrenta repressão pela polícia causaram mais de 3.000 mortes desde o início da insurgência islâmica em 2009.

A Nigéria, o país mais populoso da África com 160 milhões de habitantes, é o maior produtor de petróleo do continente. Está dividido entre um norte majoritariamente muçulmano e um sul dominado por cristãos.

Fonte: Inforgospel

17/10/2012

Igreja Universal promove projeto de alfabetização na Nigéria


Igreja Universal promove projeto de alfabetização na NigériaIniciou em agosto a primeira turma de alfabetização do Centro de Ajuda da Igreja Universal do Reino de Deus na Nigéria. Apesar do pouco tempo de aula, os alunos já começaram a testemunhar suas esperanças por um futuro melhor.

A Nigéria é o país mais populoso do continente africano, mas 60% de sua população sofre com o analfabetismo, por isso a IURD resolveu criar o Projeto Educacional de Adultos, com o objetivo de ensiná-los a ler e a escrever e também aproveitando a oportunidade para falar sobre a salvação.

Duas voluntárias da Igreja Universal aceitaram este desafio de trabalhar com a alfabetização de adultos, Ainna Funmilayo e Christiana Abiodum trabalharam juntas na elaboração deste projeto acreditando que ele tem a responsabilidade de contribuir para o país através da educação.

Entre os alunos dessa primeira turma está Ime Thompson que já começou a reconhecer as letras. “Agradeço muito a Deus pela iniciativa da IURD. Logo após as primeiras aulas, já consigo ver benefícios. Já consigo identificar as letras e escrever alguma coisa”, disse ao portal Arca Universal.

Já a aluna Eucharia Ozonnodi garante que participar do curso tem feito com que sua autoestima melhore. Ela é a primeira a chegar na sala de aula todos os sábados pela manhã, confiando em um futuro melhor com novas oportunidades de trabalho.

O projeto pioneiro da Igreja Universal pretende se expandir para toda a Nigéria e passar a oferecer educação de qualidade desde a pré-escola até a universidade.

Fonte: Gospel Prime

16/07/2012

Massacre em igreja na Nigéria deixa mais de 50 mulheres e crianças mortas


Pelo menos 104 pessoas morreram em vários ataques supostamente cometidos por muçulmanos armados da etnia fulani no fim de semana na Nigéria, informa o jornal Nation.

Segundo a publicação, o número de mortos, que em uma primeira contagem era de cerca de 30, disparou depois que foram descobertos mais de 50 corpos, em sua maioria de mulheres e crianças, na Igreja de Cristo na Nigéria (COCIN, na sigla em inglês), para onde elas haviam fugido em busca de refúgio durante o ataque.

“Os criminosos, mais ou menos 100 homens que estavam fortemente armados com fuzis e usavam roupas camufladas e coletes à prova de balas, mataram vários moradores da região e queimaram muitas casas”, diz um comunicado das Forças Especiais de Intervenção (STF). “Soldados das STF foram ao local para tentar controlar a situação, mas trocaram tiros com os homens armados em uma ação que durou várias horas”, acrescenta o texto, no qual é admitido que as autoridades tinham subestimado a importância do ataque.

“No confronto, os criminosos mataram dois de nossos soldados, mas acabamos com 21 deles. Detivemos outro e confiscamos armas e munição”, encerra a nota. O grupo de homens armados invadiu as cidades de Berom, Kakuruk, Kuzen, Ngyo, Kogoduk, Ruk, Dogo, Kufang, Kpapkpiduk e Kai no sábado, mas os enfrentamentos se intensificaram no domingo, com outro ataque durante o funeral das pessoas que tinham morrido no dia anterior.
Nesse último incidente, novamente muçulmanos da etnia fulani abriram fogo contra os presentes ao funeral e mataram dois legisladores nigerianos – o senador por Plateau Norte, Gyang Daylop Dantong, e um membro do parlamento estatal de Plateau, Gyang Filani. Após os casos de violência, o presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, deu ordens para que as agências de segurança se assegurem de que os assassinos de Dantong e Filani sejam capturados e levados à justiça.

10/05/2011

Confronto na Nigéria deixa 16 cristãos mortos


Confronto na Nigéria deixa 16 cristãos mortos Homens armados não identificados atacaram o vilarejo agrícola no Estado de Bauchi, um dos estados mais atingidos pelos tumultos após as eleições no mês passado, matando 16 moradores e queimando 20 casas.

“Houve um ataque à aldeia Kurum por pistoleiros desconhecidos com 16 pessoas foram mortas e 20 casas queimadas”, disse Amama Abakasanga, Bauchi comissário da polícia estadual, à AFP por telefone.

O ataque aconteceu em Borogo, área do governo local e ao longo da fronteira com a violência wracked estado do Planalto, cuja capital Jos tem sido um foco de agitação.

A polícia já está na área para evitar a propagação da violência pela região, conhecida por confrontos entre cristãos e agricultores muçulmanos.

Estado de Bauchi é predominantemente muçulmano, mas vizinhos Bogoro e distritos Tafawa Balewa são habitados principalmente por cristãos da tribo Sayawa. Os muçulmanos nômades de Fulani estão em minoria lá, mas as tensões étnicas e religiosas e animosidade entre os dois grupos mantiveram-se elevadas.

“Vamos identificar os agressores, mas o problema das pessoas na área é que elas não estão dispostas a viverem em paz”, disse Abakasanga.


Fonte: AFP

19/04/2011

Violentos protestos atingem a Nigéria devido a vitória eleitoral de presidente oriundo do sul cristão


Violentos protestos atingem a Nigéria devido a vitória eleitoral de presidente oriundo do sul cristãoProtestos violentos explodiram nesta segunda-feira (18) em vários pontos do norte da Nigéria, de maioria muçulmana, quando jovens enfurecidos com a vitória eleitoral do presidente Goodluck Jonathan (oriundo do sul cristão) incendiaram igrejas e casas e montaram barricadas em chamas.

A Cruz Vermelha disse que muitos foram mortos, mas não deu um número preciso. “Muitas pessoas foram mortas, mas relatos iniciais continuam chegando”, disse a autoridade da Cruz Vermelha Umar Mairiga.

A contagem dos votos indicou que Jonathan, da região petrolífera do Delta do Níger, no sul do país, venceu Muhammadu Buhari, ex-governante militar do norte do país, no primeiro turno da eleição.

Observadores descreveram o pleito como mais justo em décadas na Nigéria, o país mais populoso da África, mas os partidários de Buhari acusam o partido governista de fraude. Os resultados revelam a forte polarização política do país, com Buhari vencendo no norte muçulmano e Jonathan no sul, de maioria cristã.

Autoridades do Estado de Kaduna, no norte, decretaram toque de recolher por 24 horas após manifestantes terem ateado fogo à residência do vice-presidente Namadi Sambo na cidade de Zaria e invadido a prisão central, libertando detentos.

Uma testemunha contou que o corpo de um menino pequeno atingido no peito por uma bala perdida foi levado a uma delegacia de polícia.

“Eles destruíram nossos carros e casas. Tive que fugir para não morrer e agora estou abrigada na casa dos meus vizinhos”, disse Dora Ogbebor, residente de Zaria vinda do sul do país.

Nuvens de fumaça se erguiam no céu em partes da capital estadual, enquanto os manifestantes ateavam fogo a barricadas feitas de pneus. Forças de segurança atiraram no ar e usaram gás lacrimogêneo para dispersar grupos de jovens que gritavam “Queremos Buhari, queremos Buhari.”

Um porta-voz de Buhari disse que este ainda não tinha dado nenhuma declaração sobre os distúrbios.

Soldados usaram chicotes para dispersar pessoas nas ruas de Kano, a cidade mais populosa do norte do país. Manifestantes atiravam pedras nas ruas menores. Várias igrejas foram incendiadas, e as autoridades impuseram toque de recolher.

Um centro comercial foi incendiado e comércios e escolas foram fechados. Um correspondente da agência de notícias France Presse disse que a multidão atacou ainda dois cristãos e que paravam os veículos para forçar os motoristas a declarar apoio a Buhari.

Em Potiskum, no Estado de Yobe (noroeste), testemunhas explicaram que a multidão tentou imolar uma cristã, colocando um pneu ao redor de seu corpo. Ela foi salva por alguns presentes e membros do serviço médico.

A Nigéria tem um histórico de eleições fraudulentas e violentas, mas o pleito do sábado foi considerado por muitos nigerianos e por observadores estrangeiros como um avanço enorme em relação ao passado, com o processo eleitoral ordeiro e poucos distúrbios no dia.

O observador eleitoral chefe da União Europeia, Alojz Peterle, disse que “o processo eleitoral foi de modo geral pacífico e ordeiro no dia da eleição”. Observadores da UE consideraram as eleições de 2007 não dignas de crédito.

Uma contagem dos resultados feita pela Reuters atribuiu quase 23 milhões de votos a Jonathan, contra pouco mais de 12 milhões para Buhari. A Comissão Eleitoral Independente Nacional deveria anunciar os resultados nesta segunda-feira (18) e declarar Jonathan formalmente como vencedor.

Fonte: AFP / Reuters

08/04/2011

Colunista da Veja publica texto sobre cristãos


 

 Colunista da Veja publica texto sobre cristãos

Esta semana, um dos colunistas da revista Veja escreveu em seu blog um texto intitulado “A religião verdadeiramente perseguida no mundo hoje é o cristianismo! Ou: de corajosos e covardes”. Em seu texto, Reinaldo Azevedo, responsável por análises políticas, discorre sobre a questão da tolerância religiosa em todo o mundo, aproveitando a ocasião dos protestos contra a queima do Alcorão.

Azevedo afirma: “Atenção! Há, sim, uma religião perseguida no mundo hoje. É o cristianismo!”.  Ele explica que a quase totalidade de mortes em razão de perseguição religiosa se dá contra cristãos na Nigéria, no Sudão, na Indonésia e em quase todos os países árabes, sejam eles aliados do Ocidente ou não.

No texto, o autor relata que na Arábia Saudita há quase dois milhões de filipinos católicos fazendo o trabalho que os nativos se negam a fazer e eles são proibidos de cultuar sua religião. A transgressão é considerada um crime grave. Indignado, Azevedo conta que na Nigéria, no Sudão ou na Indonésia,  não se queimam exemplares da Bíblia, queimam-se pessoas!

Acesse o blog da Veja e leia mais sobre este texto e dê sua opinião.


Fonte:  Revista Veja / Portas Abertas

 

02/02/2011

Tradutor da Bíblia continua desaparecido no Tarok


Tradutor da Bíblia continua desaparecido no Tarok

Em meados de dezembro, o Projeto de tradução do Antigo Testamento para a língua Tarok foi brutalmente prejudicado depois que o coordenador da ação, Stephen, foi sequestrado.  Um mês e meio depois, o paradeiro de Stephen continua indefinido.

Stephen foi sequestrado em Jos, na Nigéria, em 16 de dezembro, e embora ele não tenha voltado para casa, o ministério The Seed Company ( Companhia de Sementes) recebeu recentemente um relatório com informações de que ele manteve contato com sua esposa em duas ocasiões distintas.

O ministério continua a se preocupar com seu tradutor, pois sua mais recente conversa telefônica com a esposa faz mais de três semanas.

Entretanto, o projeto Tarok continua a sofrer o resultado. Mais de 70% das pessoas em Tarok aceitaram a Cristo como resultado do lançamento do Novo Testamento e estão esperando ansiosamente o Antigo Testamento. Stephen é uma peça fundamental na realização deste Projeto.

Embora Stephen tenha feito contato com sua esposa, não podemos deixar de orar por esse irmão em Cristo. “Ore para que Deus proteja Stephen e fortaleça-o diante desse terrível adversidade; para que os captores vejam a sua fé em Cristo e se voltem para o Senhor; para que Stephen seja liberado; volte para sua família, para que o Evangelho continue a avançar com a tradução para o Tarok e assim as pessoas possam conhecer mais sobre Deus através dos escritos do Antigo Testamento”, afirma a equipe do Ministério.


Fonte: MNN

28/12/2010

Ataques na Nigéria no Natal


Ataques na Nigéria no Natal

Os ataques e atentados com explosivos que causaram a morte de pelo menos 86 pessoas na Nigéria desde a noite de Natal deram uma nova dimensão às tensões entre cristãos e muçulmanos neste país.

Os confrontos ocorridos no Natal no centro da Nigéria, onde convivem cristãos e muçulmanos, deixaram 86 mortos, superando em mais que o dobro as cifras fornecidas até agora, segundo informou nesta terça-feira uma agência governamental.

A polícia, que informou sobre 35 mortos (32 na sexta-feira e três no domingo) em Jos, continua afirmando que o saldo é muito menor que o fornecido por esta entidade governamental, a Agência Nacional de Situações de Emergência, que insiste que seus dados, obtidos em hospitais, são corretos.

Uma onda de enfrentamentos foi registrada no fim de semana na Nigéria e três igrejas foram atacadas no norte do país.

Jos, capital do estado de Plateau, fica no meio do caminho entre o norte predominantemente cristão e o sul, habitado majoritariamente por comunidades cristãs.

Um grupo islamita, que pode ser a seita Boko Haram, reivindicou nesta terça-feira em um site os atentados.

O grupo, que promoveu uma sangrenta sublevação em 2009, advertiu que continuará atacando os “ímpios e seus aliados”.

“Nações do mundo, saibam que os ataques de Suldaniyya (Jos) e Borno na véspera do Natal foram cometidos por nós, Jama’atu Ahlus-Sunnah Lidda’Awati Wal Jihad”, diz a declaração postada na internet.

O nome do grupo significa “Povo consagrado aos ensinos do Profeta para a propagação da guerra santa” (Jihad).

Os atentados marcam “o começo das vingança depois das atrocidades cometidas contra os muçulmanos nessas regiões e no país”, afirma o comunicado.

“Seguiremos atacando os ímpios e seus aliados e todos aqueles que os ajudam até o triunfo de Alá”, conclui o texto.

O Papa Bento XVI denunciou no domingo a “violência absurda” contra cristãos depois dos ataques contra cristãos nigerianos.

Os confrontos intercomunitários deixaram nos últimos anos centenas e mortos em Jos e seus arredores. No entanto, os atentados a bomba ocorridos na sexta-feira passada são os primeiros desse tipo. O uso de explosivos representa uma intensificação da crise, segundo Chidi Odinkalu, diretor do programa africano da Open Society Justice Initiative, uma ONG que promove os valores democráticos.

Grupos de defesa dos direitos humanos nigerianos afirmam que mais de 1.500 pessoas foram vítimas da violência entre cristãos e muçulmanos apenas este ano.

As eleições na Nigéria estão marcadas para o mês de abril, e observadores internacionais já alertaram para um aumento da violência ligado à aproximação do pleito.

O presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, prometeu no sábado que o governo faria todo o possível para que os responsáveis pela morte de “nigerianos inocentes, tanto cristãos quanto muçulmanos”, fossem levados à justiça.

Mas, para muitos militantes dos Direitos Humanos, o Estado nigeriano é incapaz de levar ante a justiça os autores da violência em Jos, seja por razões políticas ou outra qualquer razão.

Para os observadores, a tensões nigerianas são o resultado de uma complexa mistura de problemas étnicos, religiosos, políticos e econômicos.

O colonialismo britânico e sua herança de fronteiras artificiais também têm um papel importante na situação.

Na região de Jos, os Beroms e outras etnias cristãs se julgam os autóctones da região, enquanto que os muçulmanos Hausas e Peuls são tidos como os “colonos”, mesmo que tenham chegado ao centro do país há várias décadas.

Os Hausas se instalaram na região de Plateau (centro) para trabalhar na indústria do estanho há mais de um século. Os Peuls, que são nômades, chegaram à zona buscando pastos para alimentar seu gado.

Estes dois grupos étnicos se mesclaram para depois combater os Beroms, a fim de tomar o poder político e econômico da região.

Os observadores opinam que muitos políticos utilizam esta situação incitando as diferentes etnias à violência e recrutando jovens sem emprego e mergulhados na pobreza.


Fonte : AFP

%d blogueiros gostam disto: