Posts tagged ‘pastor Samuel Câmara’

27/05/2011

Desfile do Centenário


Desfile do Centenário A Assembleia de Deus de Terenos (MS) realizou um desfile para comemorar o centenário das Assembleias de Deus n Brasil. Paralelo a esse evento, ocorreu o desfile cívico da cidade. “Os cidadãos terenenses receberam com muitos aplausos e elogios e muitos disseram que a Assembleia de Deus no Brasil está de parabéns pela sua ousadia e persistência em levar o evangelho”.

Crianças, jovens e adultos saíram pelas ruas com faixas e cartazes anunciando as Boas Novas da Salvação e cantando louvores. Todos os participantes estavam uniformizados com as camisas do centenário.

Fonte: IEAD

27/05/2011

Silas Malafaia pede para que membros boicotem comemorações do Centenário promovidas pela CGADB


pastor Silas MalafaiaO pastor Silas Malafaia volta a usar seu programa para denunciar as intenções da Convenção Geral das Assembleia de Deus do Brasil (CGADB) e também da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), que estão organizando eventos paralelos ao da Igreja Assembleia de Deus do Belém que completa 100 no próximo mês.

O líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo lembrou que a igreja presidida pelo pastor Samuel Câmara é a única igreja das ADs que está completando 100 anos.

O problema é que a CGADB está organizando eventos uma semana antes da programação oficial, para Malafaia o objetivo da convenção geral é atrapalhar os eventos oficiais com o sentimento movido por interesses políticos.

Aos membros e pastores da Igreja no estado do Pará, o pastor Silas Malafaia mandou um recado pedindo para que eles só participem da programação que acontecerá entre os dias 16 e 18 de junho. Que são os eventos oficiais.

“Não participe dessa baixaria nojenta, esses homens não honram a igreja, honram seus cargos,” disse o apresentador do Vitória em Cristo.

Além do ex-vice-presidente da CGADB os vereadores da cidade de Belém também se manifestaram contra a convenção emitindo na semana passada uma nota de repúdio, condenando a atitude de criar eventos paralelos para impedir os membros e líderes de participarem do evento oficial.

Fonte: o verbo

25/05/2011

Samuel Ferreira é destaque na revista Isto É; “Um pastor moderno entre os radicais”


Samuel Ferreira é destaque na revista Isto É; “Um pastor moderno entre os radicais” O evangélico desavisado que entrar no número 560 da ave­nida Celso Garcia, no bairro paulistano do Brás, poderá achar que não está entrando em um culto da Assembleia de Deus. Maior denominação pentecostal do País – estima-se que tenha 15 milhões de adeptos, cerca de metade dos protestantes brasileiros –, historicamente ela foi caracterizada pela postura austera, pelo comedimento na conduta e, principalmente, pelas vestimentas discretas de seus membros. Por conta dessa última particularidade, tornou-se folclórica por forçar seus fiéis a celebrarem sempre, no caso dos homens, de terno e gravata e, entre elas, de saia comprida, camisa fechada até o punho e cabelos longos que deveriam passar longe de tesouras e tinturas. Era a igreja do “não pode”. Não podia, só para citar algumas interdições extratemplo, ver tevê, praticar esporte e cultuar ritmos musicais brasileiros. A justificativa era ao mesmo tempo simples e definitiva: eram coisas do capeta.

No templo do Brás, porém, às 19h30 do domingo 15, um grupo de cerca de vinte fiéis fazia coreografias, ao lado do púlpito, ao som de uma batida funkeada. Seus componentes – mulheres maquiadas e com cabelos curtos tingidos, calça jeans justa e joias combinando com o salto alto; homens usando camiseta e exibindo corte de cabelo black power – outrora sofreriam sanções, como uma expulsão, por conta de tais “ousadias”. Mas ali eram ovacionados por uma plateia formada por gente vestida de forma parecida, bem informal. Palmas, também proibidas nas celebrações tradicionais, eram requisitadas pelo pastor Samuel de Castro Ferreira, líder do templo e um dos responsáveis por essa mudança de mentalidade na estrutura da Assembleia de Deus, denominação nascida em Belém, no Pará, que irá festejar seu centenário no mês que vem. “Muitos chamam de revolução, mas o que eu faço é uma pregação de um evangelho puro, sem acessórios pesados”, afirma ele, 43 anos, casado há vinte com a pastora Keila, 39, e pai de Manoel, 18, e Marinna, 14. “A maior igreja evangélica do País está vivendo um redescobrimento.”

Sentado em uma cadeira logo ao lado do coral, Ferreira, que assistiu à televisão pela primeira vez na casa do vizinho, aos 7 anos, escondido do pai, Manoel Ferreira, pastor assembleiano, desliza o dedo indicador em um iPad segunda geração enquanto o culto se desenrola. Acessa a sua recém criada página no Twitter por meio da qual, em apenas um mês, amealhou mais de 110 mil seguidores. Quando se levanta para pregar a palavra, deixa visível o corte alinhado de seu terno e a gravata que combina com o conjunto social. Não que o pastor se furte em pregar de jeans, tênis e camisa esporte – tem predileção por peças da Hugo Boss –, como faz em encontros de jovens. “Samuel representa a Assembleia de Deus moderna, com cara de (Igreja) Renascer (em Cristo)”, opina o doutorando em ciências da religião Gedeon Alencar, autor de “Assembleias de Deus – Origem, Implantação e Militância” (1911-1946), editora Arte Editorial. “Os mais antigos, porém, acham o estilo dele abominável.”

Natural de Garça, interior de São Paulo, formado em direito e com uma faculdade de psicologia incompleta, Ferreira é vice-presidente da Convenção de Madureira, que é comandada por seu pai há 25 anos e da qual fazem parte 25 mil templos no Brasil, entre eles o do Brás. Os assembleianos não são uma comunidade unificada em torno de um líder. Há, ainda, os que seguem a Convenção Geral, considerada o conglomerado mais poderoso, e o grupo formado por igrejas autônomas. Ferreira assumiu o templo da região central da capital paulista há cinco anos e passou a romper com as tradições. Ao mesmo tempo, encarou uma cirurgia de redução de estômago para perder parte dos 144 quilos. “Usar calça comprida é um pecado absurdo que recaía sobre as irmãs. Não agride a Deus, então liberei”, diz o pastor, 81 quilos, que até hoje não sabe nadar e andar de bicicleta porque, em nome da crença religiosa, foi proibido de praticar na infância e na adolescência.

Sua Assembleia do “pode” tem agradado aos fiéis. “Meu pai não permitia que eu pintasse as unhas, raspasse os pelos ou cortasse o cabelo”, conta a dona de casa Jussara da Silva, 49 anos. “Furei as orelhas só depois dos 40 anos. Faz pouco tempo, também, que faço luzes”, afirma Raquel Monteiro Pedro, 47 anos, gerente administrativa. Devidamente maquiadas, as duas desfilavam seus cabelos curtos e tingidos adornados por joias pelo salão do Brás, cuja arquitetura, mais parecida com a de um anfiteatro, também se distingue das igrejas mais conservadoras.

A relativização dos costumes da Assembleia de Deus se dá em uma época em que não é mais possível dizer aos fiéis que Deus não quer que eles tenham vaidade. A denominação trabalha para atender a novas demandas da burguesia assembleiana, que, se não faz parte da classe média, está muito perto dela, é urbana e frequenta universidades. É esse filão que está sendo disputado. Uma outra igreja paulista já promoveu show no Playcenter. No Rio de Janeiro, uma Assembleia de Deus organiza o que chama de Festa Jesuína, em alusão à Festa Junina. Segundo o estudioso Alencar, as antigas proibições davam sentido ao substrato de pobreza do qual faziam parte a grande maioria dos membros da Assembleia de Deus. “Era confortável para o fiel que não tinha condição de comprar uma televisão dizer que ela é coisa do diabo. Assim, ele vai satanizando o que não tem acesso.”

Importante figura no mundo assembleiano, o pastor José Wellington Bezerra da Costa, 76 anos, presidente da Convenção Geral, não é adepto da corrente liberal. “Samuel é um menino bom, inteligente, mas é liberal na questão dos costumes e descambou a abrir a porta do comportamento”, afirma. Ferreira, por outro lado, se diz conservador, principalmente na questão dos dogmas. Em suas celebrações, há o momento do dízimo, do louvor, da adoração e um coral clássico. Ao mesmo tempo, é o torcedor do Corinthians que tuita pelo celular até de madrugada – dia desses, postou que saboreava um sorvete às 4h30 –, viaja de avião particular e não abre mão de roupas de grife. Um legítimo pastor do século XXI.

Fonte: Isto É

20/05/2011

AD Guarulhos realiza 1ª Santa Ceia em Família


AD Guarulhos realiza 1ª Santa Ceia em FamíliaA Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Belém, (setor 19) Guarulhos, realizou no sábado dia 14 de maio de 2011, no Ginásio Thomeuzão,  a 1ª Santa Ceia em Família em comemoração ao Centenário das Assembleias de Deus no Brasil.

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério do Belém em São Paulo é presidida pelo pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB); e o pastor vice-presidente José Wellington Costa Junior, que é pastor setorial na cidade de Guarulhos.

O evento, realizado com todas as 96 igrejas Assembleia de Deus do Belém da cidade, foi preparado desde o início do ano e contou com o apoio do prefeito e de seus secretários, para que se realizasse na cidade o evento da melhor maneira possível, como informaram os coordenadores, pastores Josanias Ramos e Alexandre Junior.

O Thomeuzão ficou pequeno para os cerca de 10 mil membros da Igreja. O evento contou com a presença de cantores, de um coral de 1.700 irmãs do Círculo de Oração, presidida pela coordenadora geral Lídia Dantas Costa, esposa do pastor vice-presidente, de uma orquestra e uma banda com 120 músicos e de três corais: um de 1.200 jovens, outro com 1.200 adolescentes e um de vozes, com 180 pessoas.

Na ocasião, estiveram presentes o prefeito de Guarulhos, Sebastião Almeida, e sua esposa Lurdes Almeida; o deputado estadual Alencar; o secretário de Cultura, Hélio Arantes; a vereadora Marta Costa (São Paulo); entre outras.

Para o pastor setorial de Guarulhos, José Wellington Costa Junior, o evento foi uma bênção,. “Estou lisonjeado e agradecido a Deus por ser um dos maiores eventos que a Igreja realizou na cidade”,.

Pastor Wellington Junior, agradeceu a Deus pelos 100 anos da Igreja no Brasil, pela vida do pastor presidente José Wellington Bezerra da Costa, que ministrou a Palavra, e de sua esposa irmã Wanda Costa, pela presença do prefeito Sebastião Almeida e seus secretários, aos dirigentes e todas as pessoas que colaboraram com a realização do evento. No final, proclamou bênçãos sobre a cidade de Guarulhos.


Fonte: Ministério Belém

19/05/2011

Belém ganha uma avenida que homenageia o Centenário das Assembleias de Deus


O prefeito da cidade de Belém (PA), Duciomar Costa, sancionou nesta terça-feira, 17, a homologação da Avenida Centenário, uma homenagem a comemoração dos 100 anos da Igreja Assembleia de Deus.

O ato aconteceu no Centenário Centro de Convenções e contou com a participação de mais de 80 pessoas entre vereadores municipais, o pastor Samuel Câmara (presidente da Assembleia de Deus em Belém) e demais membros da Igreja.

A lei altera o nome da antiga Avenida Dalcínio Jurandir – que liga as avenidas Júlio Cezar e Augusto Montenegro – para avenida Centenário da Assembleia de Deus. O projeto de lei foi aprovado por unanimidade em abril pelos vereadores da Câmara Municipal de Belém.

Na ocasião Duciomar Costa ressaltou a importância da Assembleia de Deus não só para a comunidade cristã evangélica, mas para a sociedade em geral, já que a Igreja nasceu em solos paraenses e se disseminou por mais 176 países, firmando-se como um patrimônio histórico e cultural de Belém.

“É um orgulho fazer parte dessa história e a avenida Centenário é mais uma prova de que aos olhos de Deus nada é impossível. Sempre digo que quando Deus quer, o homem sonha e a obra nasce. O projeto de lei da avenida, o Centro de Convenções e a inauguração do Museu Nacional da Assembleia de Deus são exemplos disso. É uma honra para mim e para toda a Câmara Municipal sancionar essa lei hoje, neste lugar abençoado”, afirmou o prefeito de Belém.

Emocionado, o pastor Samuel Câmara agradeceu ao prefeito e aos vereadores pela aprovação da lei e disse estar satisfeito por ter alcançado mais um dos desafios do Centenário: “É muito gratificante receber todos esses presentes no ano do Centenário da nossa Igreja, pois no ano passado fomos questionados pelas autoridades religiosas do país e do Estado se Belém teria infraestrutura para sediar essa festa. Hoje, comprovamos que é possível e só Deus poderia realizar tudo isso. Foi Ele quem escolheu esse local para ser o berço da Assembleia de Deus e não podia nos deixar de fora da comemoração dos 100 anos de fundação da Igreja. É uma vitória de todos nós”.

Fonte: Gospel Prime

03/05/2011

Silas Malafaia critica comemorações do centenário das Assembleias de Deus


Neste sábado, 30 de abril, o pastor Silas Malafaia falou da PL 122/2006, que é sobre crimes homofóbicos e criticou a diretoria da Convenção Geral das Assembleias de Deus.

Durante o programa exibido no dia de hoje, 30, o pastor Silas Malafaia convidou a todos os cidadãos brasileiros a entenderem melhor o que está escrito no texto do Projeto de Lei 122/2006 que foi desarquivado pela Senadora Marta Suplicy.

O texto redigido com a intenção de acabar com crimes homofóbicos acaba condenando todo tipo de crítica voltada ao grupo de homossexuais, bissexuais e transgênicos.

O pastor comparou então o texto da PL 122 com Constituição Federal em principal o artigo 5º que garante a manifestação de expressão, concluindo que o texto da PL afeta diretamente o que a CF garante ao cidadão, sendo então uma lei anticonstitucional.

Malafaia deixou claro que tem o direito de criticar a homoafetividade, mas que é completamente contra ao crime de homofobia e que vai continuar alertando a população sobre os exageros da referida lei.

O líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo também deixou claro que não ficou satisfeito com a emenda que a senadora do PT fez ao projeto permitindo que os pastores e demais líderes religiosos apenas fale sobre o homossexualismo dentro de seus templos.

Para protestar e impedir que esse projeto seja aprovado o pastor Silas Malafaia está organizando uma passeata em Brasília no dia 29 de junho e convida todos os que defendem os direitos da família a estarem com ele neste dia.

Centenário e disputas políticas nas Assembleias de Deus

A segunda parte de seu programa foi voltada a denuncia contra a diretoria da Convenção Geral das Assembleias de Deus que por questões de rixas políticas não mencionam a Igreja Mãe das ADs, a Assembleia de Deus de Belém, nos folhetos de comemoração do Centenário.

“A única igreja que está completando 100 anos é a Assembleia de Deus de Belém”, lembra Silas Malafaia que diz não estar defendendo o pastor Samuel Câmara que é quem está sendo “desprezado” pela CGADB por ter disputado as eleições para presidência da convenção juntamente com o pastor José Wellington.

Malafaia diz que a igreja tem que ser prioridade, acima da convenção que é só uma organização política. “Vocês dizem que amam a Assembleia de Deus, mas na verdade vocês só amam os seus cargos”.

O pastor denuncia também que a CGADB fará comemorações da cidade de Belém uma semana antes do que planeja a igreja local para que os líderes presentes não voltem na semana do dia 16 para participar das festividades coordenadas por Samuel Câmara.
Ele também faz coro com as declarações já dadas pelo pastor Câmara que diz que toda convenção regional que não apoia a CG acaba rachando, sem o apoio da diretoria.

“A nossa denominação está cheia de gerentes”, diz Malafaia que traça perfis diferentes entre líderes e gerentes, citandos inclusive, os nomes de antigos presidentes da convenção geral que agiram como líderes, prezando o bem comum das igrejas e não o lado pessoal.

Fonte: Folha Gospel

29/04/2011

Centenário da Assembleia de Deus busca união entre pastores


Depois de tantas polêmicas, os pastores José Wellington, Malafaia, Câmara, Manoel Ferreira foram convidados para a festa da denominação.

18 de junho de 2011. Nesta data a Assembleia de Deus comemora cem anos de fundação, após a chegada de Daniel Berg e Gunnar Vingren.

Mesmo com antas divisões, inclusive de campos e costumes, a Assembleia de Deus busca a união no centenário. José Wellington, Silas Malafaia, Sâmuel Câmara, Manoel Ferreira foram convidados para programação que acontecerá entre os dias 16 e 18 de junho em Belém do Pará.

Já que foi lá que tudo comecou, deve ser lá o principal ponto de comemoração. Sâmuel Câmara, bispo Manoel Ferreira e Silas Malafaia já confirmaram participação e inclusive sendo um dos preletores.

José Wellington até o momento ainda não confirmou presença. Mas a expectativa é que ele participe confirmando a união dos assembleianos no Brasil.

O convite já foi protocolado na secretaria da Convenção Geral das Assembleias de Deus. No site do Centenário, a CGADB informa que fará no dia 09 um culto em gratidão pelo Centenário. Mas a torcida é que os líderes estejam juntos nesta importante data para o pentecostalismo. Tanto que já circula na internet uma campanha de oração para que as barreiras de costumes sejam derrubadas e os líderes estejam juntos na festividade.

Fonte: Creio

20/04/2011

Pastor Samuel Câmara faz severas críticas contra a CGADB


Pastor Samuel Câmara faz severas críticas contra a CGADB

Durante a 40ª Assembleia Geral Ordinária, que aconteceu na semana passada, o pastor Samuel Câmara da Assembleia de Deus de Belém do Pará  fez críticas severas contra o presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, o pastor José Wellington.

O líder da Igreja Mãe começa seu discurso mostrando sua indignação com a reunião que aconteceu na manhã daquele dia onde foi dito que os membros da Convenção do Pará são desviados, bandalheiros e arruaceiros. Ele então pede para que o presidente prove essas acusações na próxima reunião.

Caso contrário, a Igreja do Pará que tem sido desrespeitada saberá do que foi dito e romperá com a convenção geral. “Aqui não se desrespeitam Igrejas, nem caráter de indivíduos”, disse Câmara sobre a AGO.

O microfone do pastor Samuel chegou a ser cortado diante das acusações que seguiram sobre vários desentendimentos que os dois tiveram no passado. Outro assunto que foi levantado foi sobre o linchamento de um pastor que aconteceu com a permissão da mesa diretora da Convenção Geral.

Câmara também denuncia que as convenções estaduais que apóiam outros candidatos pra disputarem as eleições na CGADB passam a não ter apoio dos aliados do presidente reeleito, José Wellington. As últimas palavras do pastor Samuel Câmara são: O poder dos senhores não é eterno!

Fonte: Gospel Prime

%d blogueiros gostam disto: