Posts tagged ‘Pr. Youcef Nadarkhani’

07/10/2012

Advogado do pastor Youcef Nadarkhani está preso


Advogado do pastor Youcef Nadarkhani está presoO advogado de direitos humanos Mohammad Ali Dadkhah, que não é cristão e representou com sucesso o pastor Youcef Nadarkhani, foi preso neste fim de semana em um dos presídios mais terríveis do Irã: Prisão de Evin.

O governo iraniano havia anteriormente condenado Dadkhah a nove anos de prisão por defender Pastor Nadarkhani, o qual foi acusado pelo Irã de apostasia. O governo também proibiu Dadkhah de praticar ou ensinar Direito por dez anos, multou-o em 1.900 dólares e deu a ele a escolha de cinco chibatadas ou um adicional de 450 dólares. Mas, o advogado estabeleceu um acordo que lhe permitiu continuar representando o pastor Nadarkhani, impedindo-o de enfrentar a punição.

O Irã, porém, acaba de condená-lo mais uma vez. Dadkhah está cumprindo a pena em Evin, uma prisão notória pelos maus-tratos de prisioneiros.

Em maio de 2011, as autoridades sírias prenderam a jornalista da Al Jazeera Dorothy Parvaz também em Evin, após acusá-la de espionagem. Ela compartilhou lembranças de seu encarceramento em um artigo para PBS.org, recordando, entre os tratamentos perturbadores, um no qual ela ficou com os olhos vendados e sujeita a um interrogatório cruel.

“Acabar em Evin é o pesadelo para qualquer iraniano”, Parvaz disse. Histórias de horror saindo de prisões iranianas não são de escassez, e os casos de tortura foram relatados pela oposição e meios de comunicação estrangeiros, bem como o grupo de direitos humanos de Dadkhah, juntamente com o Prêmio Nobel Shirin Ebadi, que fundou os defensores do Centro de Direitos Humanos no Irã. Seu cliente mais famoso, o pastor Nadarkhani, foi condenado à morte por apostasia por questionar a instrução religiosa muçulmana para as crianças porque o Irã via como inconstitucional. Em 2011, a Suprema Corte disse que as acusações seriam retiradas se ele se convertesse ao Islã, mas o pastor Nadarkhani se recusou.

Dadkhah continuou a lutar para a liberação de Nadarkhani e venceu no mês passado. Porque o advogado oferece seus serviços de forma gratuita, o governo muitas vezes o viu como auxiliar seus clientes em seus supostos crimes. Apesar de seu tratamento no Irã, Dadkhah manifestou sua dedicação à defesa da liberdade religiosa.

Fonte: Townhall.com
04/10/2012

Yousef Nadarkhani ainda corre perigo de morte


Yousef Nadarkhani ainda corre perigo de morte

O pastor Yousef Nadarkhani ainda corre risco de morte, segundo declarou uma fonte oficial do ministério Portas Abertas. A pessoa que não foi identificada por motivos de segurança garante que o pastor tem sido vigiado pelo governo iraniano e que o caso continua aberto na justiça.

“Infelizmente ainda existe a possibilidade de o pastor Yousef ser preso e até morto”, disse a fonte.

Além do crime de apostasia que fez com que ele ficasse mais de três anos na prisão, Nadarkhani ainda é acusado de ter convertido alguns muçulmanos, crimes ainda não julgados pela justiça local.

Enquanto goza da sua liberdade, o pastor iraniano segue medidas impostas pelo governo e está proibido de deixar o país. O pedido do Portas Abertas é que as orações em favor dele e de sua família continuem.

Fonte: gospel Prime

21/09/2012

Yousef Nadarkhani escreve carta de agradecimento a fieis de todo o mundo


Yousef Nadarkhani escreve carta de agradecimento a fieis de todo o mundo

O pastor iraniano Yousef Nadarkhani, 35 anos, foi liberto em 8 de setembro, após três anos de prisão. Logo em seguida escreveu uma carta agradecendo a seus irmãos de fé e a Deus que o ajudaram através desse período difícil.

Nadarkhani disponibilizou essa “carta de agradecimento” que está sendo divulgada pelo Ministério Verdade Presente, que luta contra a perseguição de cristãos. O pastor reconhece a importância daqueles que oraram por ele e sua família e lembra os desafios que enfrentou durante seus três anos em prisões iranianas.

Ele foi preso em outubro de 2009 e acusado de apostasia por tentar evangelizar os muçulmanos. Depois de três anos de prisão, com uma sentença de execução pendente, Nadarkhani foi libertado depois de ter seu caso revisado por uma corte que julga casos de apostasia.

O Centro Americano de Lei e Justiça, que esteve muito envolvido no julgamento de Nadarkhani, disse que “A história [Nadarkhani] é um exemplo de como o mundo pode se unir para garantir que a justiça seja feita e a liberdade preservada. […] Não se deve esquecer que o direito humano à liberdade de religião inclui o direito à liberdade de expressão. Nós também não devemos esquecer os membros de outras minorias religiosas no Irã que estão presos e enfrentam perseguição por sua fé”.

Mesmo assim, o advogado do pastor, Mohammad Ali Dadkhah, continua enfrentando a ameaça de uma pena de prisão de nove anos por seu envolvimento em casos de direitos humanos, inclusive como assessor jurídico de Nadarkhani.

Íntegra da carta de agradecimento de Yousef Nadarkhani após ser solto:

“Não a nós, Senhor, nenhuma glória para nós, mas sim ao teu nome, por teu amor e por tua fidelidade!… Salmo 115:1
Salaam! (A paz esteja com você!)

Eu glorifico e dou graça ao Senhor com todo o meu coração. Sou grato por todas as bênçãos que Ele me deu durante toda a minha vida. Sou especialmente grato por Sua bondade e proteção divina que estiveram presentes durante a minha detenção.

Eu também quero expressar a minha gratidão para com aqueles que, em todo o mundo, têm trabalhado por minha causa ou, devo dizer, a causa que eu defendo. Quero expressar a minha gratidão a todos aqueles que me apoiaram, abertamente ou em completo sigilo. Está tudo muito claro em meu coração. Que o Senhor te abençoe e te dê a Sua Graça perfeita e soberana.

Na verdade, eu fui posto à prova, passei num teste de fé que, de acordo com as Escrituras, é “mais preciosa do que o ouro perecível”. Mas eu nunca senti solidão, eu estava o tempo todo consciente do fato de que não era uma luta solitária, pois eu sentia toda a energia e apoio daqueles que obedeceram a sua consciência e lutaram para a promoção da justiça e dos direitos de todos os seres humanos. Graças a estes esforços, tenho agora a enorme alegria de estar de novo com minha maravilhosa esposa e meus filhos. Sou grato a essas pessoas através das quais Deus tem trabalhado. Tudo isso é muito encorajador.

Durante esse período, tive a oportunidade de experimentar de uma forma maravilhosa a passagem da Escritura que diz: “Porque, como as aflições de Cristo transbordam para conosco, assim também por meio de Cristo transborda a nossa consolação.” [2 Co 1:5]. Ele confortou a minha família e lhes deu condições de enfrentar essa situação difícil. Em sua graça, Ele supriu suas necessidades espirituais e materiais, tirando um peso de minhas costas.

O Senhor maravilhosamente me conduziu durante os julgamentos, permitindo-me enfrentar os desafios que estavam na minha frente. Como a Bíblia diz: “Deus não nos deixa ser provados acima de nossa força…”.

Apesar de eu ter sido considerado culpado de apostasia, de acordo com uma certa interpretação da sharia, agradeço que o Senhor deu, aos líderes do país, a sabedoria para findar esse julgamento, levando em conta outros fatos. É óbvio que os defensores do direito iraniano e os juristas têm feito esforço importante junto às Nações Unidas para fazer cumprir a lei e o direito. Eu quero agradecer a todos aqueles que defenderam a verdade até o fim.

Estou feliz de viver em uma época em que podemos ter um olhar crítico e construtivo em relação ao passado. Isto permitiu que o surgimento de textos universais visando a promoção dos direitos do homem. Hoje, somos devedores desses esforços prestados por pessoas queridas que já trabalharam em prol do respeito da dignidade humana e passaram para nós estes textos universais importantes.

Eu também sou devedor àqueles que fielmente ensinaram sobre a Palavra de Deus, para que a própria Palavra nos fizesse herdeiros de Deus.

Antes de terminar, quero fazer uma oração pelo estabelecimento de uma paz universal e sem fim, de modo que seja feita a vontade do Pai, assim na terra como no céu. Na verdade, tudo passa, mas a Palavra de Deus, fonte de toda a paz, vai durar eternamente.

Que a graça e a misericórdia de Deus seja multiplicada sobre vocês. Amém!

Yousef Nadarkhani”

 

Fonte: Gospel Prime

12/09/2012

Esforços para a libertação de Youcef Nadarkhani são aplaudidos pela BCLJ


O Centro Brasileiro para Lei e Justiça (BCLJ) aplaudiu os esforços internacionais para libertar o pastor iraniano Youcef Nadarkhani, diz o diretor da BCLJ, Filipe Coelho.

O pastor Youcef foi libertado neste sábado depois de ser absolvido da acusação de apostasia. Suas acusações foram reduzidas a evangelismo aos muçulmanos que tem a pena de três anos de prisão, mas como já cumpriu este tempo, Youcef foi libertado.

“Nós aplaudimos os esforços internacionais para assegurar que a justiça fosse feita e a liberdade preservada”, disse Filipe Coelho.

Entretanto, o Irã ainda tem a necessidade de melhorar as aparências por condenar o pastor Youcef de evangelizar muçulmanos. Segundo Filipe, o direito universal de liberdade de religião inclui não somente o direito de mudar de religião como também o direito de expressar exteriormente uma fé.

“A insistência do Irã de achar pastor Youcef culpado de alguns crimes representa seu padrão contínuo de supressão à liberdade religiosa com táticas de intimidação”, afirmou.

Depois da vitória, Filipe acredita que a pressão internacional pode fazer a diferença.

Open in new windowNo caso do Brasil, que tem boas relações diplomáticas com o Irã, o país manteve semanalmente reuniões entre o embaixador do Irã no Brasil, Mohammad Ali Ghanezadeg Ezabadi e o senador Magno Malta e o presidente do Partido Social Cristão (PSC), Pr. Everaldo Pereira, em prol da libertação de Youcef.

Além disso, pastores e líderes evangélicos brasileiros protestaram durante a Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio +20, bem como enviaram uma carta direta ao presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad exigindo que o Irã libertasse o pastor. Tais ações tiveram resultados positivos, segundo Filipe.

Uma campanha do Twitter “Tweet para Youcef” atingiu mais de 3 milhões de contas, com o intiuito de levar notícias e informações sobre o pastor cristão preso. Segundo o Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ), a história do pastor esteve alcançando a cada dia 2.246.388 contas de Twitter na língua inglesa e 785.921 na língua portuguesa, através da BCLJ.

Na semana passada, Filipe disse em um email ao The Christian Post. que a campanha poderia trazer consciência mundial para a situação do pastor e criar um despertar internacional para o abuso dos direitos humanos no Irã. Os resultados disso, Filipe disse ele, seriam de um esforço multinacional a pressionar o Irã a cumprir suas obrigações internacionais, que inclui a de proteger o direito de uma pessoa exercer livremente a sua fé. Com a libertação de Youcef, os resultados parecem estar se cumprindo.

Youcef Nadarkhani foi preso em 13 de outubro de 2009, depois de protestar contra a decisão do governo de forçar todas as crianças, incluindo seus próprios filhos cristãos, de ler o Alcorão.

Youcef foi inicialmente acusado de protestar, mas as acusações foram posteriormente alteradas para a apostasia e evangelismo aos muçulmanos. Em 2010, ele foi condenado à morte e a decisão foi confirmada pelo Tribunal Supremo do Irã no ano passado.

Nadarkhani, que está agora com sua família, agradeceu os esforços e orações de todos ao redor do mundo por sua libertação.

“Obrigado a todos que me apoiaram com as suas orações,” Nadarkhani disse, de acordo com Present Truth Ministries.

Fonte: The Christian Post

12/09/2012

imagens inéditas da libertação do Pr. Youcef Nadarkhani


A alegria pela libertação do pastor iraniano Yousef Nadarkhani ainda é vista e comemorada por muitos, principalmente pelos cristãos em todo mundo. Ele foi condenado à morte por apostasia, porém foi absolvido e libertado da prisão no último sábado (8). Veja fotos desse momento marcante abaixo.

Segundo o Christian Solidarity Worldwide (CSW), organização cristã que trabalha pela liberdade religiosa, o pastor Yousef está em casa com sua família pela primeira vez em três anos, mas sendo rigidamente controlado pelas autoridades iranianas.

A preocupação com a segurança do pastor Nadarkhani continua. Segundo o site da CSW, em 1993 o pastor Mehdi Dibaj, da Igreja Assembleia de Deus, também foi preso e condenado à morte por apostasia. Na época, o bispo Haik Hovsepian Mehr iniciou um clamor internacional contra essa sentença. Três dias após a libertação do pastor Dibaj, em janeiro de 1994, o bispo foi assassinado. Seis meses depois o próprio pastor Dibaj também foi assassinado.

A CSW convoca a Igreja em todo o mundo para continuar a orar pelo pastor Nadarkhani, assim como por centenas de outros iranianos que estão presos ou perseguidos por causa de sua fé.

Veja as fotos do momento da libertação:

16/07/2012

Youcef Nadarkhani: acusação de apostasia continua, diz ACLJ


Vamos orar pelos nossos irmãos que sofrem perseguição em todo o mundo.

O Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ) está refutando um relatório recente de que o Irã possivelmente mudou sua sentença de morte por apostasia para o cristão evangélico Youcef Nadarkhani, que foi preso em outubro de 2009 por sua fé.

O ACLJ, que tem estado fortemente envolvido no caso do pastor, diz que, embora um novo relatório do Ministério Present Truth indica que talvez os encargos de Nadarkhani terem sido alterados de apostasia para crimes contra a segurança nacional, a comunidade internacional deve estar consciente de possível desonestidade do Irã.

“Não temos informação de que o regime tenha absolvido o Pastor Youcef da acusação de apostasia para o qual ele foi condenado à morte. O regime iraniano tem sido desonesto repetidamente no passado. Até que vejamos o Pastor Youcef andar livremente, não podemos confiar em nada que o regime possa dizer ou fazer,” Jordan Sekulow, do conselho executivo para o ACLJ, disse ao The Christian Post via e-mail sexta-feira.

A confusão começou quando o Ministério Present Truth, que também tem acompanhado de perto o caso de Nadarkhani, recebeu a notícia que novo julgamento Nadarkhani foi marcado para 08 de setembro, e que ele, presumivelmente, será julgado por crimes contra a segurança nacional.

“Assumimos implicitamente que isso significa que as acusações de apostasia foram abandonados desde que as novas acusações foram emitidas, mas não temos confirmação disso”, disse o ministro quinta-feira.

O ACLJ continua a argumentar, no entanto, que nenhuma evidência de uma mudança nas acusações ocorreu e que a comunidade internacional deve ainda reconhecer a sentença de morte de Nadarkhani.

Curta-nos no Facebook

“Queremos afastar qualquer rumor de que a acusação de apostasia [de Nadarkhani] atual, pelo qual ele foi condenado à morte, foi removida. Até que o regime incondicionalmente exonere e libere o Pastor Youcef, sua pena é a apostasia”, disse Sekulow CP na sexta-feira.

“Ssempre houve uma possibilidade de que o regime pudesse trazer acusações novas ou adicionais contra Youcef Pastor para justificar suas ações. Mas especular as novas acusações não confirmadas que também significa que o regime removeu a ameaça de morte cria um perigo que o mundo pare de prestar atenção”, acrescentou.

Nadarkhani, um pastor doméstico, foi preso em outubro de 2009 e acusado de apostasia por tentar evangelizar muçulmanos.

Em setembro 2011, a agência iraniana de notícias semi-oficial, a Fars News, informou que Nadarkhani estava sendo julgado por acusações de estupro, extorsão e sionismo, relatou o The Christian Post anteriormente.

Documentos do tribunal que vazaram mais tarde esclareceram que Nadarkhani estava de fato a ser julgado por apostasia, e os críticos suspeitam que o relatório de notícias do incorreto Fars News seria uma tentativa de aliviar a pressão internacional sobre acusações baseadas religião de Nadarkhani.

Nadarkhani continua a aguardar a sua data da corte de setembro 8 na prisão, enquanto sua esposa, Fatema Pasindedih, e seus dois filhos, esperam por mais notícias.

Seu advogado, Mohammad Ali Dadkhah, também espera por mais notícias sobre o seu destino legal, porque um juiz notificou-o em maio que estava sendo condenado a nove anos de prisão por crimes contra a segurança nacional.

Dadkhah ainda tem que ser preso, e críticos especulam que esta era uma ameaça em nome do governo iraniano para intimidar Dadkhah e talvez impedir seu desejo de representar legalmente Nadarkhani.

Fonte: Christian Post

12/07/2012

Pr. Youcef Nadarkhani está preso há mais de 1000 dias no Irã


Neste domingo (8) completam-se 1.000 dias que o pastor iraniano Youcef Nadarkhani está preso, desde 2009, por defender a sua fé em Jesus Cristo. Grupos de defesa a liberdade religiosa e de apoio ao pastor Youcef estão se reunindo e convocando todos os cristãos ao redor do mundo a se unirem neste dia em oração, clamor e intercessão pela vida desse ministro do Evangelho.

Pastor Youcef foi acusado, condenado e sentenciado à morte por apostasia, ou seja, por se tornar um cristão num país em que a religião oficial é a muçulmana. Na época da prisão, quando os oficiais iranianos exigiram que ele negasse sua fé em Cristo ou então morreria, a resposta dele foi: “Não!”. O pastor foi preso ilegalmente e separado de sua esposa e de seus dois filhos.

Cristãos de todo o mundo estão orando e lutando para salvar a vida desse homem de Deus.

Recentemente, o pastor Silas Malafaia promoveu uma manifestação durante a Rio+20, em frente ao hotel do presidente do Irã exigindo a libertação do pastor Youcef.

Contato com o mundo exterior

O último contato que se tem registro de que o pastor Youcef Nadarkhani está vivo e bem foi uma carta aberta escrita por ele em que agradece e pede orações a “todos aqueles que estão preocupados” com sua situação. Leia a carta na íntegra:

7 de maio de 2012 

Pastor Youcef é casado e pai de dois filhos

Saudações do seu servo e irmão em Cristo, Youcef Nadarkhani. 

Para todos aqueles que se preocupam com minha situação atual.

Primeiramente, eu gostaria de informar a todos os meus irmãos e irmãs que estou em perfeita saúde em carne e em espírito. Estes dias estou tendo uma abordagem um pouco diferente dos outros e considero como o dia do julgamento da minha fé. E nesses dias tão difíceis para provar lealdade e sinceridade a Deus, estou tentando fazer o melhor que esta ao meu alcance para estar bem com tudo que aprendi com os mandamentos de Deus.

Eu preciso lembrar aos meus amados, que apesar do meu julgamento durar tanto tempo, como homem de carne e osso meu desejo é que esses dias acabem, mesmo que eu tenha rendido a vontade de Deus.

Eu não sou uma pessoa política nem sei sobre a cumplicidade política, mas sei que há muitas coisas em comum entre culturas diferentes. Há também diferenças entre essas culturas ao redor do mundo que pode resultar em criticas que a maioria das vezes a resposta sobre este tipo de críticas são duras, e como resultado nossos problemas aumentam.

De vez em quando eu sou informado sobre as noticias que estão se espalhando na mídia sobre minha situação atual. Por exemplo, sei que estou sendo apoiado por várias igrejas e grandes políticos que pediram minha libertação, ou estão fazendo campanhas defendendo os direitos humanos contra as cargas que estão sendo aplicadas a mim. Eu acredito que este tipo de atividades podem ser muito uteis, a fim de alcançar minha liberdade, e respeitando os direitos humanos de uma maneira correta poderá trazer grandes resultados imediatos.

Eu quero agradecer e apreciar todos àqueles que estão tentando chegar a este objetivo. Mas, por outro lado, eu gostaria de anunciar meu desagrado a palavras insultuosas ou as atividades que causam problemas e estresse, que infelizmente é feito de desculpas a defesa dos direitos humanos e da liberdade, e que é tão óbvio e claro para mim quanto ao resultado final. Insultando a crença do povo de outras nações, sejam eles a maioria ou a minoria, isso é inaceitável e tão pouco um ato digno, especificamente para aqueles que foram ensinados a amar e respeitar os outros mais do que a si mesmo e também tratar a todos da mesma forma que desejamos ser tratados.

Em seguida, queimando e insultando não são comportamentos reverentes para um cristão, e sim a obediência à palavra de Deus e se humilhar para que Deus seja glorificado, isso sim é dignidade.

Eu tento ser humilde e obediente àqueles que estão no poder, obedecer às autoridades do meu país que Deus concedeu, e orar para que eles governem o país segundo a vontade de Deus e serem bem sucedido ao fazerem isso. Porque eu sei que dessa forma estarei obedecendo à palavra de Deus. Eu tento obedecer, juntamente com aqueles que eu vejo que estão em uma situação parecida com a minha. Eles nunca se queixam de nada, apenas deixam o poder de Deus se manifestar em suas vidas, embora lessem que eles às vezes têm usado esse direito de se defender, pois eles têm esse direito, eu também não sou uma exceção e com isso tenho usado todas as possibilidades possíveis e assim continuo esperando o resultado final.

Então peço a todos amados que orem por mim como a palavra santa diz. No final espero que este esteja preparado o mais rápido possível, como as autoridades do meu país vão lhe dar com o livre arbítrio de acordo com a lei e os mandamentos nos quais serão respondidos.

Que a graças e a misericórdia de Deus sejam sobre você agora e para sempre. Amém.

Youcef Nadarkhani

(Traduzido para o português por Filipe Coelho do BCLJ, Diretor de Operações da ACLJ no Brasil)

Assista ao vídeo da campanha pela libertação do pastor Youcef:

//

//

%d blogueiros gostam disto: