Posts tagged ‘PROTESTOS’

04/06/2011

Silas Malafaia promete “descer o bambu” em Sérgio Cabral na Marcha para Jesus no Rio


Silas Malafaia promete “descer o bambu” em Sérgio Cabral na Marcha para Jesus no RioNeste sábado, 4 de junho, acontece a Marcha para Jesus do Rio de Janeiro. O evento que promete reunir cerca de 100 mil pessoas terá o pastor Silas Malafaia como preletor.

Em entrevista ao SRZD o pastor da Assembleia de Deus Vitória em Cristo disse que fará muitas críticas às atitudes do governador do Rio, Sérgio Cabral.

O governador tem feito uma série de campanhas para a aceitação da união entre pessoas do mesmo sexo. Sobre isso o pastor da Advec disse: “Isso que ele (Sérgio Cabral) está fazendo é um absurdo. Por que não pega esse dinheiro dessas propagandas e faz uma campanha em favor da família? hoje (no evento gospel) eu vou descer o bambu nele. Vai tomar uma varada. Eu vou bater com vontade. Eu estou esperando por essa (oportunidade) há muito tempo. Amanhã eu vou dar uma resposta ao governador”.

Mas não é só sobre as campanhas sobre homossexualidade que Malafaia tem criticado o governador, ele também se mostrou indignado com as declarações que Cabral deu sobre o aborto.

“Ele falou claramente: Quem é que nunca teve uma namoradinha que fez um aborto?”.

Para o pastor Malafaia o governo do Rio de Janeiro está dando apoio “descarado” à causa gay.

Sobre a Marcha para Jesus o líder religioso disse que esse evento será uma grande oportunidade de fazer uma “declaração profética que o Brasil é de Jesus”.

A Marcha para Jesus do Rio de Janeiro acontece neste sábado às 13h na Central do Brasil e segue até a Cinelândia onde um palco foi montado para receber vários cantores evangélicos.

Entre eles Pregador Luo, Renascer Praise, Fernandinho, Jozyane, Marquinhos Gomes, Ministério Gospel Night, Adriano Gospel Funk, Comunidade Evangélica da Zona Sul, William nascimento, Waguinho, Kainón e muito mais.

Fonte: Gospel Prime

02/06/2011

Religiosos entregam 1 milhão de assinaturas contra o PL 122


Líderes religiosos entregaram ao presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), um abaixo-assinado com mais de 1 milhão de assinaturas contra o Projeto de Lei 122/2006, que aumenta a pena para quem discrimina homossexuais. Evangélicos e católicos alegam que o projeto cria uma casta privilegiada e fere a liberdade religiosa.

O pastor Silas Malafaia atuou como porta-voz do grupo. Ele disse que não há acordo e que a proposta precisa ser arquivada: “O projeto de lei é inconstitucional. Lei contra a homofobia já existe, isso é conversa para dar privilégio a uma minoria”, argumentou. Mais cedo, cerca de 25 mil pessoas se reuniram em frente ao Congresso para protestar contra a medida. Deputados e senadores da bancada cristã participaram do ato. Silas Malafaia chegou a rasgar uma cópia do Projeto de Lei.

Os manifestantes da chamada Marcha da Família também protestaram contra o casamento gay, a legalização do aborto e a descriminalização das drogas.

Polêmica – O projeto de lei que criminaliza a homofobia foi aprovado no plenário da Câmara no ano passado. O texto prevê pena de prisão de até 5 anos para quem criticar os homossexuais publicamente, seja qual for a razão. E também estabelece punição a quem preterir homossexuais em uma seleção de emprego, por exemplo.

A relatora do texto no Senado, Marta Suplicy (PT-SP), chegou a influir uma emenda dando imunidade a pregadores que atuem dentro de templos religiosos. Mas isso não mudou a postura dos cristãos: “A senadora Marta Suplicy pensa que crente é otário”, disse Silas Malafaia, do alto de um carro de som, nesta quarta-feira. Os manifestantes vaiaram quando o nome da parlamentar foi citado.

Fonte: VEJA

31/05/2011

Evangélicos marcam ato contra lei anti-homofobia


também foi notícia no Jornal Nacional. Sob a coordenação do pastor Silas Malafaia, milhares de evangélicos celebraram a paz com louvores a Deus.

O pastor Silas Malafaia pretende reunir mais de 30 mil pessoas nesta quarta-feira, 1º de junho, em frente ao Congresso Nacional.

Grupo evangélico prepara uma nova ofensiva contra o projeto de lei que criminaliza a homofobia no País, em discussão no Congresso. O pastor Silas Malafaia, da Igreja Vitória em Cristo, está convocando uma manifestação para esta quarta-feira em frente ao Congresso Nacional contra o Projeto de Lei 122, que torna crime a discriminação contra os homossexuais e que prevê penas de detenção de 2 a 4 anos. São esperadas 30 mil pessoas no protesto.

De acordo com o pastor, a lei em estudo criminaliza qualquer ação, opinião ou crítica que venha a ser interpretada como discriminação ou preconceito quanto ao homossexualismo no Brasil.

Segundo Malafaia, o texto do projeto de lei fere a liberdade religiosa e de expressão, direitos garantidos pela Constituição brasileira, expressas no artigo 5º, incisos 4, 6, 8 e 9.

“Essa é uma lei vergonhosa, que finge proteger a prática homossexual, porém, sua intenção real é colocar uma mordaça na sociedade e criminalizar os que são contra o comportamento homossexual. Com essa lei querem atingir as famílias, as questões religiosas e a liberdade de expressão”, afirma o pastor.

A manifestação contra a lei anti-homofobia programado para Brasília acontece quase uma semana após a bancada religiosa no Congresso, tanto evangélicos como católicos, ter pressionado a presidenta Dilma Rousseff a vetar o kit-gay que seria distribuído nas escolas para combater o preconceito ao homossexualismo.

No dia 13, a bancada evangélica obteve mais uma vitória ao conseguiu barrar a votação do PL 122 em comissão do Senado

Fonte: O Dia

25/05/2011

Governo chinês reage às críticas do Vaticano


Segundo a agência de noticias Reuters, as duras críticas do Vaticano sobre as ações tomadas pelo governo chinês, a fim de reprimir os fiéis católicos, motivaram uma resposta do governo chinês.

A ministra das Relações Exteriores da China disse na última quinta-feira (19), esperar que o Vaticano reconheça a liberdade religiosa em seu país, depois que o Papa se pronunciou dizendo ao mundo que Pequim faz pressão sobre aqueles que desejam ser fiéis ao Vaticano.

“Esperamos que o Vaticano possa ver mais claramente a liberdade religiosa da China e o contínuo crescimento dos chineses católicos, e crie medidas concretas para o desenvolvimento da relação Sino-Vaticano,” disse a ministra das Relações Internacionais em uma entrevista coletiva.

Os chineses católicos estão divididos entre a igreja que é ligada ao Estado chinês (que tem bispos que não são reconhecidos pelo Vaticano) e outra metade que freqüenta igrejas (que são consideradas clandestinas pelo governo). A China teria forçado muitos bispos e padres fiéis ao papa a comparecerem ao encontro da igreja que é apoiada pelo Estado.

O papa Bento XVI disse que as autoridades comunistas da China estão constantemente pressionando quem deseja ser fiel ao Vaticano e tem esperança de que a Igreja Chinesa consiga sobreviver aos atentados que a dividem de Roma.

Ele pediu que todos os católicos orem pelos fiéis que estão na China, que não estão autorizados a reconhecer a autoridade do Papa e foram forçados a se tornarem membros da Igreja que é apoiada pelo Estado.

“Nós sabemos que entre nossos irmãos bispos, alguns sofrem perseguição e pressão. Através das nossas orações, podemos garantir que a Igreja na China possa continuar unida e santa”, disse o papa dias atrás.

Fonte: Portas Abertas

17/05/2011

Membros de igreja protestante chinesa que pede reforma religiosa são presos


13 pessoas foram detidas quando tentavam participar de um culto ao ar livre de sua igreja protestante ilegal na China.

A Polícia de Pequim deteve 13 pessoas quando tentavam participar de um culto ao ar livre de sua igreja protestante, ilegal na China e que já sofreu mais de 200 detenções, pelo que 17 de seus pastores pediram ao Legislativo chinês uma reforma religiosa na semana passada.

Como os cinco domingos anteriores, os membros da igreja protestante Shouwang se reuniram em uma praça de Pequim para celebrar um culto ao ar livre, já que as autoridades os impedem de fazê-lo no local que tinham comprado para seus ofícios religiosos, informou nesta segunda-feira o jornal independente “South China Morning Post”.

Muitos dos detidos em domingos anteriores foram obrigados a permanecer em suas casas durante o fim de semana, enquanto seis de seus líderes estão sob prisão domiciliar há mais de um mês, desde o dia 10 de abril, quando começaram os cultos ao ar livre e a Polícia deteve 169 fiéis.

Fonte: EFE / Folha Gospel

14/05/2011

Após ”Bate-Boca” Evangélicos Impedem Votação do Projeto que Criminaliza Homofobia


A pressão da bancada evangélica impediu a votação do projeto de lei complementar 122/06 que criminaliza os atos de homofobia, que seria votado na manhã desta quinta-feira, 12, na Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado. Numa sessão que ao final contou com troca de xingamentos e ofensas entre o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) e a senadora Marinor Brito (PSOL-PA), o projeto foi retirado de pauta sem previsão de retorno.

Representantes da Frente Parlamentar Evangélica presentes à sessão pediram o adiamento alegando que devem ser realizadas audiências públicas, porque ele não teria sido suficientemente discutido no Congresso. “Precisamos debater à exaustão, sem privilegiar ninguém. Há pelo menos 150 milhões de brasileiros que não foram ouvidos”, disse o senador Magno Malta (PR-ES).

O projeto de autoria da ex-deputada Iara Bernardi (PT-SP) tramita há 10 anos no Congresso e somente em 2006 foi aprovado no plenário da Câmara. Relatora do projeto na CDH, a senadora Marta Suplicy (PT-SP) queria tentar aprovar o seu parecer até a próxima semana, a tempo das comemorações do Dia Nacional de Combate à Homofobia (17 de maio), que vão movimentar a Esplanada em Brasília.

Marta chamou a atenção para esse momento “de maior compreensão e humanidade” que se estabeleceu no País, a partir do recente julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que estendeu às uniões homoafetivas os mesmos direitos e deveres dos casais heterossexuais. “O Judiciário se pronunciou sobre um assunto que há 16 anos o Congresso não consegue se pronunciar”, completou a petista. “Esse projeto tem a ver com tolerância, respeito e cidadania, vai ajudar a diminuir a violência contra homossexuais”, concluiu.

A proposta modifica a Lei de Racismo para criminalizar também os atos de homofobia, estendendo a eles as mesmas punições impostas aos crimes de preconceito racial. O projeto pune com reclusão de um a três anos condutas discriminatórias como recusar o atendimento a gays em bares e restaurantes e reprimir trocas de afeto em locais públicos, como beijos ou abraços.

O item mais polêmico pune com prisão, de um a três anos, e multa aqueles que induzirem ou incitarem a discriminação ou preconceito contra os homossexuais. A avaliação é de que padres e pastores serão proibidos de pregarem contra a homossexualidade nas igrejas e templos religiosos. Na sessão desta manhã, integrantes da bancada evangélica pregaram adesivos na boca em protesto, alegando que o projeto reprime a liberdade de expressão deles.

Para atender às reivindicações da bancada evangélica, Marta incluiu uma emenda permitindo que todas religiões e credos exerçam sua fé, dentro de seus dogmas, desde que não incitem a violência. “O que temos na fé é o amor e o respeito ao cidadão. Me colocaram que o problema não era intolerância nem preconceito, mas liberdade de expressão dentro de templos e igrejas. O que impede agora a votação? O que, além da intolerância, do preconceito, vai impedir a compreensão dessa lei?”, questionou Marta.

Bate-boca

Na saída da sessão, durante uma entrevista coletiva de Marta aos jornalistas, o deputado Jair Bolsonaro e a senadora Marinor Brito trocaram xingamentos e ofensas mútuas. Bolsonaro exibia uma cartilha do Ministério da Educação (MEC), expondo o Plano Nacional de Promoção à Cidadania LGBT, que ele considera moralmente ofensivo à sociedade. Exaltada, Marinor deu um tapa no livreto e chamou o deputado de “criminoso”. Bolsonaro retrucou chamando-a de “heterofóbica” e ambos partiram para a discussão.

Fonte:  AE / Estadão / Ogalileo

12/05/2011

Silas Malafaia muda data de manifestação contra a PL 122


O pastor Silas Malafaia vai adiantar a data da manifestação pacífica contra o Projeto de Lei 122/2006 que foi desarquivado pela senadora Marta Suplicy e será tratado em caráter de urgência no Senado nos próximos dias.

Por esse motivo o evento, que seria no dia 29 de junho, acontecerá no dia 1º de junho, às 15h em frente ao Congresso Nacional, em Brasília. O objetivo é protestar contra esse o projeto de lei que visa criminalizar a homofobia.

Muitas pessoas não entenderam que o PL 122 criminaliza qualquer ação, opinião ou crítica que venha a ser interpretada como discriminação ou preconceito quanto ao homossexualismo no Brasil, com pena de 2 a 4 anos de prisão. Sendo assim, fere a liberdade religiosa e de expressão, direitos garantidos pela Constituição brasileira, expressas no artigo 5º, incisos 4, 6, 8 e 9.

“Essa é uma lei vergonhosa, que finge proteger a prática homossexual, porém, sua intenção real é colocar uma mordaça na sociedade e criminalizar os que são contra o comportamento homossexual. Com essa lei querem atingir as famílias, as questões religiosas e a liberdade de expressão”, afirma o pastor Silas Malafaia, que convida os brasilienses para participarem desse manifesto.

Se você quiser participar dessa campanha entre no site http://www.senado.gov.br/senadores e envie para os representantes do seu estado: “Sr. Senador, rejeite a PL122/2006. Em favor da família, em favor da liberdade de expressão e abaixo a pedofilia.” Quem desejar pode ainda enviar esse pedido para os senadores dos demais estados da federação.

Fonte: Vitória em Cristo

19/04/2011

Violentos protestos atingem a Nigéria devido a vitória eleitoral de presidente oriundo do sul cristão


Violentos protestos atingem a Nigéria devido a vitória eleitoral de presidente oriundo do sul cristãoProtestos violentos explodiram nesta segunda-feira (18) em vários pontos do norte da Nigéria, de maioria muçulmana, quando jovens enfurecidos com a vitória eleitoral do presidente Goodluck Jonathan (oriundo do sul cristão) incendiaram igrejas e casas e montaram barricadas em chamas.

A Cruz Vermelha disse que muitos foram mortos, mas não deu um número preciso. “Muitas pessoas foram mortas, mas relatos iniciais continuam chegando”, disse a autoridade da Cruz Vermelha Umar Mairiga.

A contagem dos votos indicou que Jonathan, da região petrolífera do Delta do Níger, no sul do país, venceu Muhammadu Buhari, ex-governante militar do norte do país, no primeiro turno da eleição.

Observadores descreveram o pleito como mais justo em décadas na Nigéria, o país mais populoso da África, mas os partidários de Buhari acusam o partido governista de fraude. Os resultados revelam a forte polarização política do país, com Buhari vencendo no norte muçulmano e Jonathan no sul, de maioria cristã.

Autoridades do Estado de Kaduna, no norte, decretaram toque de recolher por 24 horas após manifestantes terem ateado fogo à residência do vice-presidente Namadi Sambo na cidade de Zaria e invadido a prisão central, libertando detentos.

Uma testemunha contou que o corpo de um menino pequeno atingido no peito por uma bala perdida foi levado a uma delegacia de polícia.

“Eles destruíram nossos carros e casas. Tive que fugir para não morrer e agora estou abrigada na casa dos meus vizinhos”, disse Dora Ogbebor, residente de Zaria vinda do sul do país.

Nuvens de fumaça se erguiam no céu em partes da capital estadual, enquanto os manifestantes ateavam fogo a barricadas feitas de pneus. Forças de segurança atiraram no ar e usaram gás lacrimogêneo para dispersar grupos de jovens que gritavam “Queremos Buhari, queremos Buhari.”

Um porta-voz de Buhari disse que este ainda não tinha dado nenhuma declaração sobre os distúrbios.

Soldados usaram chicotes para dispersar pessoas nas ruas de Kano, a cidade mais populosa do norte do país. Manifestantes atiravam pedras nas ruas menores. Várias igrejas foram incendiadas, e as autoridades impuseram toque de recolher.

Um centro comercial foi incendiado e comércios e escolas foram fechados. Um correspondente da agência de notícias France Presse disse que a multidão atacou ainda dois cristãos e que paravam os veículos para forçar os motoristas a declarar apoio a Buhari.

Em Potiskum, no Estado de Yobe (noroeste), testemunhas explicaram que a multidão tentou imolar uma cristã, colocando um pneu ao redor de seu corpo. Ela foi salva por alguns presentes e membros do serviço médico.

A Nigéria tem um histórico de eleições fraudulentas e violentas, mas o pleito do sábado foi considerado por muitos nigerianos e por observadores estrangeiros como um avanço enorme em relação ao passado, com o processo eleitoral ordeiro e poucos distúrbios no dia.

O observador eleitoral chefe da União Europeia, Alojz Peterle, disse que “o processo eleitoral foi de modo geral pacífico e ordeiro no dia da eleição”. Observadores da UE consideraram as eleições de 2007 não dignas de crédito.

Uma contagem dos resultados feita pela Reuters atribuiu quase 23 milhões de votos a Jonathan, contra pouco mais de 12 milhões para Buhari. A Comissão Eleitoral Independente Nacional deveria anunciar os resultados nesta segunda-feira (18) e declarar Jonathan formalmente como vencedor.

Fonte: AFP / Reuters

08/04/2011

Em Conferência de Mórmons, enquanto alguns cristãos protestam outros oferecem “abraços” e amor


Um grupo de cristãos resolveu protestar de uma forma diferente durante a 181ª Conferência Geral Anual dos Mórmons que aconteceu no fim de semana passado el Salt Lake City: ofereceram “abraços” e amor “no estilo de Jesus.”

Todos os anos durante  as conferências da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, há protestos de cristãos que se juntam para gritar “arrependam-se”, muitas vezes insultando e arrastando o Livro de Mórmon no chão.

Mas esse ano um grupo liderado por Charles Hill, pastor de uma Igreja da Comunidade em South Jordan, Utah, resolveu fazer diferente sem marginalizar os participantes da conferência.

“Jesus não gritou e ou fez sinais para a Samaritana,” disse o pastor que se mudou para South Jordan em 2009 para iniciar uma Igreja em uma comunidade predominantemente mórmon. Ele deixou claro que sua missão não é a “destruir” a Igreja Jesus Cristo Jesus dos Últimos Dias, que está sediada em Salt Lake City, mas simplesmente alcançar aqueles que precisam de Jesus.

Nos últimos dois anos ele construiu relações com muitos Mórmons. Muitas vezes ele abre sua casa para seus vizinhos, quase todos eles fazem parte da Igreja SUD. O objetivo dele não é convertê-los, mas simplesmente amá-los.

É por isso que ele não aceita os protestos que outros cristãos fazem nas reuniões da SUD e resolver fazer algo diferente, trazendo sua Igreja para a conferência para dar um pouco de amor. “ABRAÇOS não Vandalismo” foi a ordem de marcha. Eles distribuíram abraços grátis a quem precisa “um impulso depois passar por nossos irmãos e irmãs em Jesus, que só lhes deram puxões de orelha. Vamos dar-lhes um braço inteiro.”

Segundo as estatísticas reveladas durante a convenção no sábado, a igreja SUD continua a crescer tanto nos EUA como no mundo. O total de membros no final de 2010 foi de 14,1 milhões.

Além disso, os líderes SUD se orgulham de serviços e ajuda aos pobres. Os mórmons estão registrarados em mais de 40 mil horas de serviço através de mais de 4.000 voluntários nos esforços de ajuda humanitária no Japão, Thomas S. Monson, presidente da Igreja Mórmon, relatou.

“Onde quer que vá e em tudo que fazemos,somos bons cidadãos e bons vizinhos, e exemplos de honestidade e integridade”, disse Monson.

Hill reconhece que são fundamentais diferenças teológicas entre os Mórmons e os Cristãos evangélicos. E ele ficaria contente se a seus vizinhos mórmons chegassem a um conhecimento salvífico de Cristo, mas discorda em tratá-los como um “projeto de conversão.”

“Jesus não disse: ‘Ganhe com a tática de assustar, e agindo como vândalos quando você discorda de alguém’. Ele disse: ‘Eles vão te conhecer pelo seu amor’. Jesus disse: ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’.”

Lembrando os Cristãos, tanto da Grande Comissão e Grande Mandamento, Hill encoraja os crentes a chegar a seu próprio contexto – mesmo se for uma parada GLBT (gays, lésbicas, bissexuais, transgêneros), uma convenção pornô ou uma convenção ateísta – com o amor de Jesus.

“Talvez possamos começar uma revolução que mostra que Somos Pelo [amor e o evangelho] em vez de apenas fazer pressão sobre o que somos contra,” ponderou.

Com informações The Christian Post

25/03/2011

Igreja Batista Westboro planeja protesto no enterro de Elizabeth Taylor


Margie Phels, filha do pastor da Igreja Batista de Westboro, Kansas, Estados Unidos, anunciou que sua igreja fará um protesto durante o enterro da atriz Elizabeth Taylor que faleceu na última quarta-feira.

A igreja de Fred Phelps é famosa por suas passeatas anti-gay e por realizar protestos em funerais de soldados americanos.

“Nada de descanse em paz para Elizabeth Taylor, que passou a vida no adultério e fazendo gays se sentirem orgulhosos”, escreveu. “Eles estão maldizendo ela no inferno hoje,” disse Margie.

A igreja de Phelps já havia planejado protestos nos funerais de Heath Ledger e de Natasha Richardson, mas eles não se concretizaram.

Ainda não foram revelados detalhes sobre o funeral de Elizabeth Taylor, apenas que haverá uma cerimônia fechada para amigos e familiares.

Fonte: Gospel Prime / Folha on-line

%d blogueiros gostam disto: