Posts tagged ‘Record’

11/05/2012

Conflito entre ‘TV Record’ e revista ‘Veja’: Leia o artigo de Reinaldo Azevedo


O jornalismo da Rede Record teve acesso às gravações de telefonemas entre o bicheiro Carlinhos Cachoeira, preso acusado por 15 delitos, e o diretor da revista Veja em Brasília, Policarpo Júnior, que mostrou o esquema em que o contraventor controlava o que seria publicado na principal revista da Editora Abril.

Os documentos que o ‘Domingo Espetacular’ teve acesso com exclusividade trazem provas de que as informações trocadas entre Cachoeira e o diretor da Veja resultaram ao menos em cinco capas da revista de maior circulação do país.

As gravações registram ainda que a influência esbarra em outras esferas do poder, como na pressão para demissão da cúpula do Ministério dos Transportes, que havia se desentendido com um dos aliados do contraventor, a construtora Delta. Por meio do que Cachoeira passava para ser publicado na Veja, vários funcionários do ministério foram afastados.

Carlinhos Cachoeira é acusado por 15 delitos

Cachoeira se orgulha de “plantar” notícias na Veja em benefício próprio e sabe até quando determinadas matérias sairão.

A revista ainda não se manifestou abertamente em relação ao caso. O diretor de redação da Veja, Eurípedes Alcântara, publicou na internet artigo sem citar nomes em que afirma que “ter um corrupto como informante não nos corrompe”.

A reportagem do Domingo Espetacular ouviu especialistas, que registraram grave problema ético no tipo de jornalismo praticado pela Veja diante de tantas ligações criminosas.

“Ter um corrupto como informante não nos corrompe”, disse o diretor de redação da Veja, Eurípedes Alcântara

O professor Laurindo Leal Filho, da USP, avalia que o controle da publicação não pode ser da fonte. “O jornalista pode e deve falar com qualquer tipo de fonte desde que tenha o controle sobre a publicação e a matéria que ele está fazendo. Quando ele oferece à fonte o controle (…), ele rompe os limites éticos”, disse.

O presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), Celso Schroder, critica o envolvimento da Veja no escândalo do Cachoeira. “Nesse caso, houve uma relação promíscua muito intensa, unilateral”.

O deputado federal Fernando Ferro (PT-PE) acredita que a CPI do Cachoeira, que começou os trabalhos na semana passada em Brasília, deve convocar não apenas o jornalista Policarpo Júnior, mas também o responsável pela editora que publica a Veja, Roberto Civita. “Na minha opinião, ele é o principal responsável. Ele é o dono dessa revista, e ele operou com vontade”.

O colunista Reinaldo Azevedo, do site da revista Veja, fala sobre o assunto em seu artigo: “Edir Macedo, que frauda o sentido da Bíblia ela-mesma, não será o autor de uma bíblia do jornalismo ético”. Confira!

Fonte: Verdade Gospel:

Veja:

18/06/2011

Juiz concede a ateus direito de resposta às ofensas de Datena


O juiz Régis Rodrigues Bonvicino, da 1ª Vara Cível do Foro Regional de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, expediu hoje (16) liminar concedendo direito de resposta à Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) contra José Luiz Datena, 54. O apresentador é acusado de ofender os ateus no programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes.

Pela decisão do juiz, um representante da associação terá na quarta-feira (22) no programa o mesmo tempo usado por Datena para denegrir os ateus. Em caso de não cumprimento da sentença, os réus (Datena e Band) pagarão multa de R$ 10 mil por dia de atraso. O apresentador e emissora podem recorrer da liminar.

Bonvicino tomou como base, em sua sentença, o artigo 221 da Constituição que determina que as emissoras de TV têm de respeitar os valores éticos e sociais das pessoas e da família. Sua decisão foi em caráter de urgência tendo em vista a possibilidade de o Brasil Urgente deixar de ser transmitido.

Hoje pela manhã, Datena assinou contrato de 5 anos com a Rede Record, onde apresentará o programa Cidade Alerta por um salário de R$ 2 milhões, além de participação no merchandising. Na Band, ele ganhava R$ 500 mil por mês. A estreia do programa está prevista para daqui a dois meses, mas hoje Datena já não apresentou o Brasil Urgente.

No dia 27 de julho de 2010, ao comentar um assassinato, Datena disse que o criminoso só podia ser ateu por não ter limites em sua violência. “Os bandidos que matam, mas que matam com prazer, esses não acreditam em Deus”, afirmou. “Isso é um exemplo típico de um sujeito que não acredita em Deus: matou um menino de dois anos de idade, tentou fuzilar 3 ou 4 pessoas.”

De acordo com Daniel Sottomaior, presidente da Atea, Datena também disse que violentar “um bebê de dois, três meses de idade” e bater “em velhinho e violentar velhinhas” são crimes característicos de ateus.

O juiz, em sua sentença, para demonstrar a gravidade das afirmações preconceituosas do apresentador, citou uma atriz ateia: “Imagine se a Angelina Jolie dissesse que quem tem Deus no coração é assassino de um menino e de dois de idade e tentaria fuzilar 3 ou 4 pessoas”.

Datena é católico. Ele tem tatuado no antebraço esquerdo a palavra “Cristo” e tinha em seu camarim na Band uma imagem de Jesus e outra de Nossa Senhora Aparecida. Não se sabe se ele vai levar as imagens para o seu camarim da Record, do bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal.

Para os ateus, mesmo que a liminar caia, significa um avanço no combate contra o preconceito do qual são alvos.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. / Paulo Lopes

03/05/2011

Jovem paulista ganha o concurso “Tem Um Cantor Gospel Lá em Casa”


Jovem paulista ganha o concurso “Tem Um Cantor Gospel Lá em Casa”

No último domingo, 1º de Maio, foi ao ar a decisão do concurso “Tem um cantor gospel lá em casa”, apresentado pelo Programa Eliana do SBT em parceria com a Expo Music Gospel, atual Salão Internacional Gospel.

Num clima de muita emoção, sete candidatos disputaram o prêmio final que era a gravação de um CD com uma produção orçada em R$ 60.000,00 mais R$ 5.000,00 oferecidos pelo Salão Internacional Gospel.

Bia, Bruna, Sabrina, Geiber, Ruth, Tiago e Vâniase apresentaram ao vivo com banda e depois à capela, sendo avaliados pelos jurados Marcelo Rebello (Idealizador do Salão Internacional Gospel e do Museu da Música Gospel), Arnaldo Saccomani (jurado do programa Qual é o Seu Talento?) e o cantor Regis Danese, elevando o programa a vice-líder de audiência.

Outro grande momento foi a participação da consagrada Banda Kadoshi, que numa atitude de humildade a ser seguida por muitos cantores e bandas, acompanhou os candidatos em suas apresentações e, depois, representada pelo seu vocalista Pr. Silas Furtado, cantaram um sucesso do grupo encerrando o quadro numa chuva de balões com a canção “Oh, Happy Day!”.

A disputa foi acirrada, mas a grande vencedora foi a moradora da cidade de Mauá, Grande São Paulo, Vânia que juntamente com a banda interpretou a música “Campeão” de Jamily e em capela cantou a canção “Entra na Minha Casa” de Régis Danese.

Fonte: Gospel Prime

27/01/2011

Temática homossexual invade a mídia


Temática homossexual invade a mídiaA temática homossexual chega à TV com força total em 2011. Novelas, programas, ‘reality show’, todos foram invadidos pelo universo gay. Assunto antes abordado apenas de forma leve em alguns folhetins, e que chegou a ser rejeitado na novela ‘Torre de Babel’ , de 1998 — com duas personagens lésbicas mortas porque o público não queria ver este tipo de discussão em pleno horário nobre —, o tema agora virou tendência. O cantor porto-riquenho Ricky Martin, por exemplo, lançou um livro autobiográfico que gira em torno de seu orgulho em ser gay.

Na próxima terça-feira, 1º de fevereiro, estreia o primeiro game gay na Globo, o ‘Gay Me’, quadro de ‘Amor & Sexo’, com apresentação de Mauricio Branco, que volta à TV depois de 10 anos. “Quando aceitei fazer o programa, a primeira coisa que me veio à cabeça foi a possibilidade de abrir mais a mente do público e acredito que esse movimento só vem a contribuir”, afirma o ator.

Dos oito programas comandados por Fernanda Lima a serem exibidos, o jogo estará em três, e o foco é a homossexualidade masculina. Em cada módulo do ‘Gay Me’, três participantes disputarão um prêmio. “O game que terá duração de 20 minutos, quase o programa inteiro, e um cenário próprio”, explica o diretor Ricardo Waddington.

A TV gay brasileira está tão em voga que virou até manchete do jornal inglês ‘The Guardian’, intitulada ‘Brasil espera o beijo gay’, sobre a novela ‘Insensato Coração’. Na nova novela das 21h, seis personagens são gays — do mais caricato ao homofóbico que renega a sua condição.

Segundo Ricardo Linhares, um dos autores da trama, a proposta não é levantar bandeiras. “Os personagens refletem a diversidade que existe na nossa sociedade. O foco não é falar de discriminação. Não que ela não exista na vida real, mas prefiro fazer uma ação afirmativa, mostrando integração e respeito à diversidade”, afirma. Leonardo Miggiorin que interpreta Roni, um gay mais expansivo, acha que existe uma cultura de rir desses personagens. “O intuito é divertir as pessoas, mas o assunto acaba entrando em suas casas. Acho que o preconceito está começando a ser quebrado”, acredita o ator.

Outra trama que aborda a temática é ‘Ti-ti-ti’. André Arteche, intérprete de Julinho, começou namorando Osmar (Gustavo Leão) e será a nova paixão de Thales (Armando Babaioff), que é casado com Jaqueline (Claudia Raia) e viverá uma vida dupla.

Até mesmo no ‘Big Brother Brasil’ o tema bateu recorde. Outras edições já tiveram participantes homossexuais, incluindo o vencedor do ‘BBB 5’, o agora deputado federal Jean Wyllys, mas no ‘BBB 11’ são quatro candidatos ‘assumidos’: Daniel, Diana, Lucival e a transexual Ariadna, que foi tirada da casa na primeira semana.

Mesmo com tanto destaque, há quem acredite que o preconceito ainda está aí. “Temos a maior parada gay do mundo e somos o país mais intolerante. Festejamos em público e matamos no privado. Me sinto contribuindo para minimizar essa intolerância”, diz Rafael Dragaud, roteirista de ‘Amor & Sexo’.

 

Heterofóbicos

Ao comentar a recente entrevista de Ricky Martin à revista Veja, o pastor Ciro Sanches Zibordi comentou em seu blog que o cantor está tentando induzir os outros a pensarem que ser homossexual denota muito mais que ser diferente dos heterossexuais. Significa ser superior a eles. “Ao falar a respeito de como deseja ser definido por seus filhos, na escola, Martin afirmou: ´Quero mais é que eles falem a seus amigos: ‘Meu pai é gay e ele é muito legal. Seu pai não é gay. Triste o seu caso’. Quero que eles sintam orgulho em fazer parte de uma família moderna´. Ora, quer dizer então que um pai heterossexual é inferior a um pai homossexual? O filho de um pai heterossexual não pertence a uma família moderna? É um filho triste pelo fato de seu pai não ser um homossexual? Esse pensamento de Martin me parece preconceituoso e discriminador, próprio de quem não respeita as diferenças”, escreveu o pastor.

Em texto, o pastor também relembrou a afirmação de Martin de que “Todo gay nasce gay. A vida social às vezes se opõe a essa natureza, e aí começa o conflito”: “Essa tese não pode ser confirmada, à luz da ciência. O que é normal e natural, cientificamente, é ser homem e mulher. Aliás, a Bíblia diz que Deus nos criou assim: “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou” (Gn 1.27)”.

O artigo do pastor Ciro termina com o pastor legitimando o direito de uma minoria pedir que a maioria a respeite, mas isso não lhes dá o direito de se auto-proclamar superior. “Os homossexuais — que são, de fato, diferentes da maioria das pessoas, visto que não aceitam a sua constituição fisiológica — gostam de acusar de homofobia os que possuem opinião contrária à deles. Fica aqui uma pergunta para reflexão: Como devemos definir o comportamento de quem, ao assumir a homossexualidade, procura convencer a todos de que pertence a uma super-raça, moderna e mais evoluída? Eu o definiria como preconceituoso, discriminador e heterofóbico”, finaliza o pastor Ciro.
Fonte: CPAD News / Jornal O Dia / Blog do Ciro

05/01/2011

Rede Globo causa polêmica ao censurar Edir Macedo na posse de Dilma e exibir Valdemiro Santiago no Jornal Nacional


Repercutiu mal na imprensa a estratégia da Rede Globo de cortar a aparição da cúpula da Record durante a posse de Dilma Rousseff.

No sábado (1º), o empresário Edir Macedo, proprietário da Record; o presidente da emissora, Alexandre Raposo; o vice-presidente de Jornalismo, Douglas Tavolaro; e o presidente Corporativo do grupo, Marcos Pereira, foram recebidos pela nova presidente durante cerimônia reservada com os chefes de Estado no Palácio do Planalto.

A TV Globo encerrou a transmissão mais de uma hora antes do previsto na sua programação, minutos antes de os dirigentes da Record aparecerem nas imagens. A GloboNews, canal noticioso do grupo carioca, manteve a transmissão, mas cortou o momento do cumprimento entre Edir Macedo e Dilma para uma imagem do avião presidencial.

Hoje, vários jornais criticaram a postura da Globo.

Cristina Padiglione, colunista do jornal O Estado de S. Paulo, comentou que “Edir Macedo surgiu de raspão na tela da GloboNews durante a transmissão da posse de Dilma”. Segundo ela, “a Globonews (…) se referiu ao presidente da emissora, Alexandre Raposo, como agente do cerimonial.”.

A colunista de televisão da Folha de S.Paulo, Keila Jimenez, informou ainda que a Globo, na hora do corte, “colocou no ar compacto de melhores momentos do Caldeirão do Huck”.

Flávio Ricco, colunista de televisão do UOL e do jornal Diário de São Paulo, também noticiou com o título “corta rápido”.

Dois pesos

No mesmo dia, o Jornal Nacional dedicou um minuto a um encontro de evangélicos liderado por um dissidente da Igreja Universal. O evento reuniu cerca de 100 mil pessoas no autódromo de Interlagos, em São Paulo.

Há oito meses, um evento da Igreja Universal reuniu mais de 1 milhão de pessoas no mesmo local, em Interlagos. A Globo não noticiou o encontro.

O evento aconteceu no Brasil inteiro e teve a participação estimada de 8 milhões de pessoas.

O único veículo do grupo a noticiar o encontro foi o jornal O Globo. A publicação deu foco ao “congestionamento” e à “sujeira”, com o título pejorativo de “Caos universal e autorizado”.

Fonte: R7 / Gospel+ /Via: O Verbo

16/12/2010

Bispo Edir Macedo pode perder a Rede Record por ter usado dinheiro da IURD na compra da emissora


Segundo consta no processo, o bispo Edir Macedo usou dezenas de milhões de reais da Igreja Universal para concretizar a aquisição da Record.

Com a mesma isenção e imparcialidade com que há 10 anos a Tribuna da Imprensa acompanha a tramitação da Ação Declaratória de Inexistência de Ato Jurídico, que herdeiros dos antigos acionistas da ex-Rádio Televisão Paulista S/A movem contra a família Marinho, seguimos também o lento caminhar da Ação Civil Pública proposta pela Procuradoria da República em São Paulo contra a Rede Record de Televisão, a Igreja Universal do Reino de Deus e o bispo empresário Edir Macedo, com julgamento previsto para o dia 12 de janeiro de 2011.

No caso da TV Paulista (hoje, TV Globo de São Paulo), restou a triste conclusão de que o negócio foi consumado com documentos anacrônicos, falsos, ilegais, porém, validados por conta da prescrição do tempo: ou seja, Roberto Marinho se apossou de 48% do capital social inicial de 673 acionistas minoritários por apenas Cr$ 14.285 e pelos outros 52% despendeu apenas US$ 35, já que Victor Costa Junior, a quem pagou CR$ 3.750.000.000,00 nunca foi acionista daquela emissora. Esse processo ainda depende de julgamento no STJ.

Informa-se que o advogado que cuida desse processo principal, acaba de ser contratado para propor, via ação popular, a cassação da concessão da ex-Rádio TV Paulista por conta dos vícios que pontuaram a transferência da outorga para seus atuais controladores e sobretudo porque o processo administrativo existente na Administração Federal não contém documento algum que justifique tal controle.

Quanto à compra da TV Record por Edir Macedo, o Ministério Público Federal avalia que ela foi ilegal e é inconstitucional. A venda (que o empresário Silvio Santos fez a Edir Macedo e à sua esposa) da TV Record de São Paulo, hoje, a segunda maior rede de televisão do país e com faturamento anual batendo na casa dos R$ 3 bilhões, não teve prévia aprovação das autoridades federais e pode ter sido produto de simulação.

Segundo consta dos autos, o bispo Edir Macedo usou dezenas de milhões de reais da igreja que dirige para concretizar a aquisição. Esses vultosos recursos (doações de milhões de evangélicos) teriam sido “emprestados” pela Iurd para que o bispo Edir Macedo pudesse comprar a poderosa rede de TV e na qual, o mesmo bispo-empresário já investiu várias centenas de milhões de reais. A Rede de Televisão e Rádio Record, sem duvida alguma, é hoje avaliada em cerca de US$ 3 bilhões e, ao que se comenta, teria liquidez maior do que a da emissora líder em audiência.

A Procuradoria da República questiona a compra da emissora porque Edir Macedo, como cidadão, em 1990 comprovadamente não teria bens e recursos para participar dessa vultosa transação e que, por isso, estaria implementando uma aquisição ilegal, dissimulada. A verdadeira compradora da empresa de comunicação seria a pessoa jurídica denominada Igreja Universal do Reino de Deus, o que fere flagrantemente a Constituição Federal.

Nos autos do processo, que tem cerca de 2.500 páginas, e cuja relatora, a desembargadora Salette Nascimento, foi substituída pelo juiz convocado José Eduardo Leonel Junior, indaga-se como foi possível o bispo Edir Macedo, sem patrimônio algum, sem renda mensal (já que sabidamente trabalha por amor ao próximo e a Deus), da noite para o dia ter se transformado no segundo maior proprietário de rede de televisão do país, com o ciente e o de acordo do Ministério das Comunicações, que tem a obrigação de fiscalizar esse importante setor de prestação de serviço público de radiodifusão de som e de imagem?

No caso da TV Record, de se lamentar que um processo dessa importância tivesse permanecido por mais de 10 anos, no TRF da 3ª Região, sem solução alguma e, por certo, em “prejuízo” dos novos donos da Rede Record de Televisão, que permaneceram tão longo período, sob constrangimento judicial. É uma preocupação a mais para o Conselho Nacional de Justiça encarar e resolver.

Nesse processo são réus também Ester Eunice Bezerra, esposa de Edir Macedo, o senador Marcelo Crivella, Sylvia Crivella, TV Record de Rio Preto S/A, TV Record de Franca S/A e Rádio Record S/A (Canal 7 de São Paulo) e outros.

Fonte: Consultor Jurídico / Gospel Prime

11/12/2010

Rede Record investe cerca de R$ 13 mi na minissérie “Sansão e Dalila”


Sansão e Dalila 250x189 Rede Record investe cerca de R$ 13 mi na minissérie Sansão e DalilaPara aprimorar a qualidade dos trabalhos, a emissora não poupou investimentos e abriu os cofres para fazer da obra uma minissérie com qualidade de filme de Hollywood. Durante a coletiva de apresentação à imprensa, realizada na terça-feira (30), o diretor geral de teledramaturgia Hiran Silveira disse que o custo de cada capítulo era equivalente ao dobro do valor médio de um episódio de uma novela, que é avaliado em R$ 400 mil. Pelos cálculos, cada capítulo da nova minissérie sairá em torno de R$ 800 mil, totalizando aproximadamente R$ 13 milhões. “A folha de pagamento e os recursos tecnológicos utilizados elevaram os preços”, justificou.

Hiran acrescentou que viajou até Los Angeles e identificou o que havia de melhor no cinema americano para aplicar no novo projeto da emissora. “Estamos muito preocupados com a qualidade do que estamos colocando no ar. As cenas presentes aqui não deixarão a desejar a nenhum filme de Hollywood”, garantiu o diretor. “Aproveito para anunciar que este será o primeiro trabalho produzido integralmente em HD. Todos os próximos também serão feitos com esta tecnologia”, avisou.

Diferente de Ester, a equipe de Sansão e Dalila não se limitou a utilizar os estúdios do RecNov, no Rio de Janeiro, para gravar as cenas. O elenco e equipe técnica viajaram para as cidades de Madre de Deus (MG), Beberibe (CE), Natal (RN) e Niterói (RJ), onde exploraram as belezas naturais e reproduziram as paisagens descritas nos relatos bíblicos. “Eu precisava provar para a emissora que era necessário explorar o sensorial, buscar na paisagem e na natureza elementos que enriquecessem a trama. As cenas ficaram lindas e tenho certeza que o público ficará impressionado”, disse o diretor João Camargo.

O autor Gustavo Reiz, que sai do time de apoio e estreia como titular na Record, previu o alto custo da produção ainda na redação dos episódios. “É uma história muito dinâmica, vibrante e emocionante. Eu, na empolgação de autor, disse na primeira reunião com a diretoria da Record que mostraríamos nessa minissérie o que o cinema não mostrou. Quando falei isso, alguns deram risada e eu ri junto. Depois, o João Camargo me chamou de canto e disse que se o cinema não fez é porque algum problema tinha. Mas de fato a história que exibiremos na Record é mais rica em detalhes do que as que já foram exibidas até hoje”, garantiu o autor.

A minissérie marcará a estreia de Mel Lisboa na Record, que após três anos na geladeira da Globo acabou mudando de emissora e ganhou o título de protagonista na nova trama da casa. Este também será o primeiro trabalho de Joana Balaguer na emissora, interpretando a cortesã Yunet. O papel de Sansão está sob a responsabilidade de Fernando Pavão, veterano da Record.

Fonte: R7 / Gospel Prime
Via: Ogalileo

09/12/2010

SBT reavalia sua resistência à venda de horário para igrejas


SBT reavalia sua resistência à venda de horário para igrejas

Fontes ligadas ao alto escalão do SBT atestam que a direção da emissora não se mostra disposta a resistir por muito tempo às tentadoras propostas feitas por igrejas evangélicas para a compra de horário em sua grade de programação.

Segundo um alto executivo da emissora ouvido pelo Jornal Estado de São Paulo, o próprio Alexandre Raposo, presidente da Record, teria intermediado uma proposta recente – leia-se após o aporte anunciado no Banco Panamericano, do Grupo Silvio Santos – propondo ao SBT a compra de horário pela Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). Raposo, por meio da assessoria de imprensa da Record, nega que tenha feito ou faça propostas em nome da IURD.

A decisão do SBT em repensar sua resistência à locação de horários, em especial às igrejas, parte puramente dos valores que o negócio representa, o que ganha reforço nesse contexto de crise do grupo. Embora considerem a prática imoral, e já que legislação alguma dá sinais de coibir esse comércio que abastece os cofres da concorrência, Silvio Santos & Cia. refazem as contas.

Estima-se que a IURD injete na Record algo em torno de R$ 500 milhões por ano. Ao Grupo Bandeirantes, somando aí a Rede 21, locada pela Igreja Mundial do Poder de Deus, a fé renderia R$ 200 milhões ao ano. E na RedeTV!, o saldo chegaria a R$ 100 milhões/ano. Para se ter uma ideia do quanto isso valeria ao baú de Silvio Santos, o SBT fechará o ano com modestos R$ 850 milhões líquidos.

Record, Band e RedeTV! afirmam, por meio de suas assessorias de  comunicação, que não se pronunciam sobre esses valores.


Fonte: Estadão

%d blogueiros gostam disto: