Posts tagged ‘Rede Social’

04/10/2015

CUIDADO: Milhões de imagens retiradas de redes sociais são encontradas em sites pedófilos


rede sociais1Uma foto na praia com os pais, um registo da primeira festa de aniversário com primos e irmãos a celebrar, um vídeo de uma tarde de divertimento no parque infantil. Imagens inocentes como estas são partilhadas por vários milhares de pais nas redes sociais ou em blogues. Recebem “gosto” e algumas vezes acabam por ser partilhadas por familiares e amigos. São vistas por várias pessoas e facilmente passam pelos olhos de pedófilos. Um relatório de uma instituição australiana concluiu que dezenas de milhões de fotografias publicadas em páginas como o Facebook ou Instagram foram encontradas em sites de partilhas de cariz pedófilo.

A inocência da fotografia da criança mantém-se, mas os comentários que a acompanham quando são publicadas nestes sites são fortemente sexuais e perturbadores. Toby Dagg, investigador do Children’s eSafety Commissioner, instituição australiana que se dedica à observação da segurança dos menores online, atira um número imponente para mostrar a gravidade desta realidade.

Num dos sites de partilha de material pedófilo detectado pelas autoridades foram encontradas 45 milhões de imagens e “cerca de metade desse material parecia ter como fonte directa uma rede social”. Algumas das fotografias encontradas estavam armazenadas em pastas com títulos como os amigos do Instagram da minha filha, miúdos na praia ou ginastas, por exemplo.

Ao Sydney Morning Herald, o comissário da instituição, Alastair MacGibbon, explicou que “muitos utilizadores identificam claramente que obtiveram os conteúdos através de contas em redes sociais”. “As imagens são quase na maioria acompanhadas por comentários muito explícitos e perturbadores”, acrescentou o responsável, sublinhando que a inocência de uma imagem é completamente distorcida pelos predadores sexuais infantis.

Alastair MacGibbon dá como exemplo um site descoberto há dois anos que alojava 100 fotografias. Entre estas havia imagens de crianças em férias, a fazer os trabalhos de casa ou a abrir os presentes de Natal, fotografias que tinham sido catalogadas pelos próprios pais com a descrição do que os seus filhos faziam e publicadas de forma inocente nas redes sociais ou em blogues. Segundo o comissário, cerca de dez dias após o site ter ficado activo, as fotografias tinham sido vistas 1,7 milhões de vezes e comentadas com frases sexualmente explícitas.

“Quando publicamos qualquer coisa online, não importa onde seja, perdemos o controlo sobre ela. Pais que partilham muito são uma peocupação, porque não têm qualquer ideia sobre onde essas imagens vão parar e muitos pais não bloqueiam as suas contas da mesma forma que os jovens fazem.” A observação é da especialista em cibersegurança Susan McLean, que ao Sydney Morning Herald afirmou que os pais são muitas vezes menos conhecedores dos perigos online do que os seus filhos.

Susan McLean deixou o alerta: “Se é um utilizador voraz das redes socias, se vive a sua vida vorazmente através dos seus filhos online e usa sites de partilha de fotos e hashtags, tem de compreender que essa foto vale alguma coisa para alguém e pode ser para um propósito de que não vai gostar.”

Recentemente, o Tribunal da Relação de Évora centrou uma decisão na questão da insegurança e privacidade online de uma menor, cuja custódia estava a ser disputada pelos pais. O tribunal impôs que os pais da criança de 12 anos não divulgassem “fotografias ou informações que permitam identificar a filha nas redes sociais”.

Além de a Relação sublinhar que “os filhos não são coisas ou objectos pertencentes aos pais e de que estes podem dispor a seu belo prazer” e que os “pais devem proteger os filhos” e “têm o dever de garantir e respeitar os seus direitos”, alertou para os perigos da exposição de menores em redes sociais representados por “muitos predadores sexuais e pedófilos”.

“O exponencial crescimento das redes sociais nos últimos anos e a partilha de informação pessoal aí disponibilizada” permite que os que “desejam explorar sexualmente as crianças recolham grandes quantidades de informação disponível e seleccionem os seus alvos para realização de crimes”, conclui a Relação no acórdão de Junho deste ano.

O alerta para os perigos online da partilha de fotografias que identifiquem menores e os coloquem numa situação de fragilidade perante estranhos foi alvo de uma campanha lançada em Agosto pela PSP. “A melhor forma de o proteger é evitar que apareça aqui para sempre. Não publique caras de crianças, não mencione nomes e locais, não arrisque aqui: a decisão é sua”, apelou a polícia no âmbito da iniciativa.

Questionando se “será mesmo necessário publicar fotos com as caras das suas crianças de forma ostensiva”, a PSP apelou ao “bom senso e ao conhecimento que deve prevalecer na hora de publicar uma foto”. “A escolha é sua: sugerimos apenas que não o faça de forma ostensiva e que verifique bem as suas definições de segurança e privacidade.”

Fonte: Publico – UOL

02/08/2012

Speiron é a nova rede social cristã voltada para missões


A Igreja Presbiteriana de Olinda, Pernambuco, criou uma rede social diferente das que já existe, é a Rede Speiron, que tem o propósito missionário.

Os usuários poderão utilizar esse serviço da mesma forma como usam as demais redes, podendo interagir com outros usuários, compartilhar fotos, enviar mensagens e etc, mas, além disso, também poderão contar com uma área exclusiva para divulgar seu ministério e receber doações.

“O Speiron trabalha fortemente para a edificação do Reino e vem revolucionar o modo de viabilizar projetos missionários. Nesse novo modelo, a idéia é que várias pessoas contribuam, com pequenas quantias, de maneira colaborativa, criando a oportunidade de fazer parte de algo grande, mesmo contribuindo com pouco”, diz Cristiano Lima.

A proposta da rede é ser uma “rede social com propósito” e por isso oferece gratuitamente a cada usuário que se cadastra um endereço próprio para seu perfil (www.speiron.com/nomedousuario). Ao se cadastrar na Speiron você poderá convidar seus amigos de outras redes sociais como o Facebook, o Myspace, o Gmail, Orkut e outros.

O significado do nome Speiron é “semeador” em grego, o site criado em 2006 recebeu esse nome baseado na mensagem de Jesus deixada em Marcos 4:14. Os criadores desse site se envolveram nesse propósito de utilizar a rede para os trabalhos missionários e por isso reestruturaram o site dando novas funcionalidades.

Acesse o Speiron e conheça suas funcionalidades: www.speiron.com

Fonte: Gospel Prime

11/05/2012

Muçulmanos lançam rede social religiosa para concorrer com ‘Facebook’


Um grupo de empresários mulçumanos lançará, em julho, uma rede social para competir com o Facebook. Ela terá o mesmo estilo da concorrente, porém será voltada para os jovens que seguem a religião mulçumana.

A nova rede social se chamará Salam World. A principal diferença entre ela e o Facebook é que no Salam World será censurado todo conteúdo considerado incompatível com o Islã, como propagandas de bebida alcoólica, pornografia e jogos de azar. Para garantir isso, será utilizada tecnologia e especialistas mulçumanos decidirão o que pode e o que não pode ser publicado.

Redes sociais como o Facebook e o Twitter têm se tornado muito populares entre os jovens mulçumanos, mas alguns líderes religiosos consideram que essas redes não são as mais adequadas aos valores da religião. Por isso será criado o Salam World. A nova rede social é considerada segura para os mulçumanos.

“O coração do projeto é criar uma rede sem conteúdos proibidos pela religião. Para conseguir isso, vamos contar com uma grande equipe de moderadores para filtrar os conteúdos difundidos”, disse um dos criadores, em entrevista ao G1.

O site terá sede em Istambul (Turquia), com filiais em Moscou (Rússia) e no Cairo (Egito). Mas seu conselho executivo possui representantes de 17 países muçulmanos e especialistas de 12 países. Segundo esse conselho o objetivo é tornar a rede social popular em todos os países mulçumanos. A Malásia, uma sociedade conservadora, mas com muitos jovens, é citada como um exemplo de país onde o Salam World pode ter sucesso.

A expectativa e que o Salam World alcance 50 milhões de usuários em três anos. O desafio será concorrer com redes como o Facebook e o Twitter, que, além de já serem muito populares no mundo muçulmano, não possuem censura.

O Facebook está entre os cinco sites mais vistos em todo o mundo mulçumano.

Fonte: The Christian Post

13/02/2011

Assembléia de Deus lança Rede Social


Assembléia de Deus lança Rede SocialNo próximo dia 21, acontecerá o lançamento do site “Comunidade AD”; a rede social da Assembléia de Deus Ministério do Belém.

“Um site interativo com as principais ferramentas onde se terá acesso as informações de todas as congregações, como horário de cultos e eventos, sendo que o usuário poderá interagir diretamente com os irmãos“ afirma Pedro Hungria, sócio da Com Viver empresa que idealizou o site.

A intenção dos idealizadores é “basicamente formar uma grande comunidade na rede social, transformando o real em virtual” afirma o empresário.

Na  segunda, 7, eles estiveram no Belenzinho e fizeram uma demonstração do que será a nova rede social dos assembleianos.

No próximo domingo, 13, pela manhã o site será apresentado aos jovens no Belenzinho e á tarde aos obreiros no templo sede da AD Campinas.

Para o presidente do ministério pastor José Wellington Bezerra da Costa a intenção é “evangelizar, principalmente os jovens”.

Explicando o projeto aos milhares de obreiros que participavam da reunião de obreiros no Belenzinho na última segunda, 7, o pastor presidente da AD Campinas, Paulo Freire disse que “é importante nós termos um canal de comunicação entre nós”, ele alegou que as redes sociais que estão em alta “oferecem muitos perigos á nossa juventude e aos usuários em geral” e mostrou a necessidade de ter um veículo  com conteúdo cristão.

Os interessados em conhecer o novo site poderão acessar http://www.comunidadead.com.br e preencher um pré-cadastro.

“Para usar os serviços, os usuários terão algumas facilidades, desde que se cadastrem, acessarão gratuitamente com algumas limitações, quem optar pelos planos oferecidos pela Comunidade AD terá acesso a outras ferramentas que o produto oferece. Pastores estão isentos de custos” explicou Pedro Hungria.

 

Com informações de Juarez Lima
Redação CPAD News

%d blogueiros gostam disto: