Posts tagged ‘siria’

27/07/2012

Cristãos sírios fazem relógio de oração


Cristãos sírios fazem relógio de oração

 Uma mensagem de texto chega no celular de Thomma às 01h45 e o desperta de um sono profundo. Enquanto toda a cidade de Damasco parece dormir, ao fundo se ouve o som de granadas sendo lançadas contra os subúrbios da cidade. Thomma pode escutar o ruído das armas. Ele balança as pernas e sai da cama. É quase hora de seu turno de uma hora de oração.

Os cristãos na capital síria oram 7 dias por semana, 24 horas por dia em favor de seu país. Cada participante intercede durante uma hora, Thomma ora das duas às três da madrugada.

Ele não precisa sair de casa. Os grupos que assumiram as horas da noite no relógio de oração o fazem em sua própria casa, por causa dos riscos de sair na rua à noite. Durante o dia e a tarde, os cristãos se dirigem às suas igrejas.

Duas igrejas recebem os fiéis das 7 às 14 horas. Outra assume o relógio até às 21 horas. A partir daí, os momentos de oração são feitos na casa dos cristãos.

O som dos disparos deixa a Igreja ainda mais consciente da urgente necessidade de continuar orando pelo país, dilacerado por causa da guerra civil.Mas também pedem ao Senhor para ajudar a Igreja a ser sal e luz neste momento crítico. Intercedem pelos refugiados de Homs e de outras cidades ao arredor de Damasco.

A hora passa rapidamente, logo a próxima pessoa do relógio vai receber a mensagem de texto, lembrando-a de continuar as orações.

Além do relógio de oração, há igrejas que realizam relógios de jejum em favor da Síria.

Podemos orar também:

• Pela paz na Síria;

• Pela Igreja, por agir neste momento da maneira correta;

• Pelas campanhas em favor dos refugiados.

Fonte: Portas Abertas
25/06/2011

Cristãos da Síria se preocupam diante de protestos contra o regime


Cristãos da Síria se preocupam diante de protestos contra o regime  “Somos sírios antes de sermos cristãos”: por muito tempo esse foi o mote da comunidade cristã perseguida em Alep, Damasco e Homs, três cidades onde está ancorada. Eles, que são membros de uma minoria (de 5% a 10% da população, segundo estimativas), estão reagindo diante da preocupação com a vida de muitos irmãos, desde o início dos protestos na Síria, no dia 15 de março.

Protestantes, ortodoxos e católicos, muitos veem na hipótese de o regime baathista ser derrubado não a esperança de uma nova ordem, mas sim o risco de emersão do fundamentalismo muçulmano. “Seríamos, assim, as primeiras vítimas”, afirmou um cristão.

Essa tensão é alimentada em parte pela propaganda do governo, que tem brandido a ameaça islâmica desde o início dos levantes. A posição oficial foi repassada por diversos membros eclesiásticos, que reafirmaram sua lealdade ao presidente Bashar Al-Assad e alertam o povo contra a desestabilização do país.

A preocupação desses irmãos também se explica por razões mais profundas. A Síria foi uma das principais terras no Oriente Médio a acolherem iraquianos que fugiam do caos depois de 2003. Os relatos dos refugiados cristãos iraquianos chocaram seus irmãos em Cristo sírios. A angústia também se fundamenta naquilo que parece ser uma deterioração nas condições dos cristãos na região. Eles, que há muitos anos se preocupam com a ascensão do islamismo, sobretudo em Alep, viram muita resistência em um governo que se declara laico.

Os que participam das manifestações são somente uma minoria. A maioria optou pelo silêncio frente aos acontecimentos: “A comunidade que não reage não está mais à vontade do que os outros. Ela sabe bem que vive sob um regime ditatorial. Todos aspiram à democracia. Mas esses cristãos acreditam que neutros garantem melhor o seu futuro, e que estão nas mãos de Deus, independentemente do sistema que saia vitorioso”, explica um missionário libanês na Síria.

Porém, esse silêncio, reforçado pelo temor da repressão, corre o risco de “marginalizar os cristãos”, teme Samir Franjié. Esse intelectual libanês, grande nome da coalizão do 14 de Março, fez um apelo à comunidade para que “não tenham medo”.

Durante anos, cristãos lutaram muito por mudanças, promovendo o espírito crítico e a liberdade, denunciando a corrupção e o sistema policial. Embora reconhecessem gestos de abertura por parte de Bashar Al-Assad em relação aos cristãos, muitos nunca se deixaram enganar. As igrejas – assim como outros cultos nos lares – continuaram sendo vigiados. A comunidade nunca se sentiu representada só por ter deputados.

Para o líder cristão Paolo, “nós, cristãos, não podemos apostar em uma identidade repressiva, mas sim na possibilidade de que a sociedade evolua com nossa participação.” Ele diz “ainda ter esperanças de que a presidência guie o Estado para um processo democrático, obtido sem uma guerra civil.” Paolo pede por esforços diplomáticos, para se chegar a uma mediação e afastar o fantasma de um conflito interno.

Fonte: Le Monde /  Redação CPAD News

%d blogueiros gostam disto: