Posts tagged ‘UNIÃO GAY’

06/12/2012

Colunista da Veja critica postura ‘intolerante’ de militantes gays com Silas Malafaia em audiência pública


Reinaldo_AzevedoReinaldo Azevedo, jornalista e colunista da revista Veja publicou um artigo levantando a questão sobre a cura gay e a intolerância observada na audiência pública, realizada para debater o Projeto de Decreto Legislativo 234/11, na última quarta-feira, dia 28.

O decreto, de autoria do deputado federal João Campos (PSDB-GO), pretende revogar parte de uma resolução do Conselho Federal de Psicologia que impõe regras aos profissionais da área na relação com pacientes homossexuais.

De acordo com o colunista, participaram do encontro militantes de movimentos gays, representantes de igrejas cristãs e profissionais da área.

Para o colunista, o debate foi “um espetáculo grotesco. A intolerância mais rombuda, envergando as vestes da liberdade, gritou, injuriou, espezinhou, partiu para a baixaria”.

O colunista revela não ser a favor da hipótese de uma cura gay, já que não considera a homossexualidade uma doença. No entanto, ressalta que não acredita também ser uma opção: “sexualidade não é uma opção — se fosse, a esmagadora maioria escolheria o caminho da maior aceitação social (…)”, comentou.

Entre alguns trechos do projeto de lei que julga apropriados, ele cita alguns que “avança o sinal”, abrindo “as portas para a caça às bruxas”.

Reinaldo cita o trecho: “Os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades”; e “Os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação em massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica”.

“Qual é o principal problema desses óbices?” questiona o colunista. Ele próprio conclui que, “cria-se um ‘padrão’ não definido na relação entre o psicólogo e a homossexualidade”.

Para ele, tais trechos são “tão estupidamente” subjetivos que se torna possível enquadrar qualquer profissional punindo-o com base no simples “achismo”, na mera opinião de um eventual adversário.

Com base em uma pesquisa, o colunista da Veja diz que não encontrou evidências de resolução parecida em nenhum lugar do mundo, considerando esta discussão no Brasil uma forma de “usar o discurso da liberdade para solapar a própria liberdade, não se dão a desfrutes dessa natureza”.

Ele cita como exemplo os governos da Califórnia e dos Estados Unidos que proibiram a terapia forçada de “cura” da homossexualidade em adolescentes, o que julga ser “muito diferente do que fez o conselho no Brasil”.

Intolerância

Reinaldo reafirma não acreditar na cura gay por não considerar a postura uma doença. Porém, ressalta que deve haver respeito no debate entre as pessoas com diferentes opiniões.

“O sentido de um evento assim é confrontar opiniões, é permitir que as várias vozes da sociedade se manifestem.”

Reinaldo faz uma crítica a posturas dos militantes gays que defendem a tolerância, mas que agiram com intolerância no pronunciamento do pastor Silas Malafaia. Segundo o jornalista, o associaram à “suástica nazi”. “Ei-la: esta é a intolerância dos tolerantes”.

“Cartazes de puro deboche e achincalhe eram exibidos enquanto ele emitia os seus pontos de vista; ele mal conseguia articular palavra sem que a tropa de choque do sindicalismo gay o interrompesse com vaias e apupos”, comentou Reinaldo.

Reinaldo ainda critica a postura do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), que de acordo com ele estava “a comandar o espetáculo”. Para ele, o parlamentar que defende a tolerância aos homossexuais deveria inspirar a atitude de tolerância nos seus seguidores, oposto ao que observou.

“Custa a esse parlamentar – que fala em nome da tolerância – inspirar a tolerância naqueles que o seguem, para que ouçam com respeito os que divergem?”

“Se é inaceitável – e é – que um gay seja alvo de discriminação, objeto de deboche – por que estimular comportamento semelhante contra aqueles que consideram seus adversários?”

Fonte: The Christian Post

18/05/2012

Marcha contra a homofobia é um fracasso de público


Cerca de 500 pessoas se reuniram nesta quarta-feira na praça dos Três Poderes para a 3ª Marcha Nacional contra a Homofobia, segundo Polícia Civil. Participaram representantes de partidos políticos, organizações não governamentais e entidades de classe.

Os organizadores esperavam cerca de 1,5 mil pessoas de todos os estados do país, mas a chuva que caia sobre Brasília desde ontem (15) atrapalhou o início da manifestação de manhã.

Uma bandeira com as cores do arco-íris, símbolo do movimento, foi estendida em frente ao Palácio do Planalto. Da praça, os manifestantes seguiram em caminhada até a frente do Congresso Nacional, onde o Senado promoveu ontem (15) uma audiência pública para debater projeto que criminaliza a homofobia.

Os manifestantes pediam que o governo federal defina um orçamento para financiar o Plano de Promoção dos Direitos Humanos e Cidadania LGBT, para a elaboração e a aplicação de políticas públicas voltadas a gays, lésbicas, travestis e transexuais.

PLC 122/2006

Os manifestantes também defenderam a aprovação do Projeto de Lei 122, que criminaliza a opinião contra a prática homossexual. Se aprovada, a norma deverá ser conhecida como Lei Alexandre Ivo, em homenagem ao adolescente de 14 anos assassinado em 2010, em São Gonçalo (região metropolitana do Rio de Janeiro), vítima de homofobia.

A Bancada Evangélica não concorda com pontos da lei, que atingem diretamente as igrejas.

17/05/2012

Marta Suplicy confirma que irá apresentar o texto original do PL 122


A senadora Marta Suplicy está decidida a reapresentar o texto original do Projeto de Lei Complementar 122/2206 de autoria da ex-senadora Fátima Cleide a pedido da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros).

O texto original defende uma versão modificada do texto da ex-deputada federal Iara Bernardi que coloca a homofobia como crime de racismo, prevendo penas de prisão para quem discriminar ou discordar do comportamento homossexual.

No ano passado, Marta Suplicy tentou rever o projeto tirando trechos que desagradavam os parlamentares que se opõe à proposta, mas a substituição do texto também não ganhou aprovação.

A proposta de Fátima Cleide chegou a ser aprovada pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS) no final de 2009, portanto tem mais chances de passar pelos outros processos de aprovação até que seja sancionada pela presidente.

“Só vamos mudar a situação atual e aprovar o projeto que criminaliza a homofobia quando os não gays assumirem que não querem mais violência e discriminação contra os homossexuais”, disse a senadora que elogiou o apoio público do presidente americano Barack Obama, que defendeu o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Um dos trechos do PL 122 que mais recebem críticas é a parte que criminaliza qualquer opinião contrária baseada em posicionamento filosófico, o que poderia impedir as igrejas de pregarem contra o homossexualismo, ato condenado pela Bíblia.

Com informações Agência Senado

Fonte: Gospel Prime

11/05/2012

Obama trai princípios cristãos e se declara a favor de casamento gay


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, trai suas convicções religiosas e se declara a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. A confissão aconteceu em entrevista nesta quarta-feira, 9, à rede de TV “ABC”.

Segundo divulgado pela emissora, Obama afirmou que o casamento entre pessoas do mesmo sexo deveria ser permitido, ressaltando que sua opinião é pessoal e que os Estados devem decidir a respeito. Obama é o primeiro presidente americano a expressar publicamente seu apoio ao casamento gay.

Obama, que sempre se declarou evangélico, tentou explicar o motivo de sua “mudança de ideia” dizendo que hesitou em apoiar totalmente o casamento gay por achar que a união civil seria suficiente. Mas disse ter conversado sobre a questão com sua equipe, sua mulher e filhas, que têm amigos cujos pais são casais homossexuais. O presidente citou integrantes de sua própria equipe que “estão totalmente comprometidos em relações homossexuais monogâmicas, e estão criando filhos juntos”.

Mencionou também sobre a política conhecida como “Don’t Ask Don’t Tell” (Não pergunte, não conte), que não permitia a manifestação de gays assumidos no serviço militar e que foi extinta no ano passado. E concluiu, segundo trecho transcrito pela emissora, dizendo: “É importante para mim ir adiante e afirmar que acho que casais de mesmo sexo devem poder se casar”.

Obama disse ainda acreditar que “todos os americanos devem ser tratados com igualdade e de forma justa”. A entrevista completa deverá ser veiculada nesta quinta-feira, 10, nos Estados Unidos.

Antes da entrevista, o presidente havia se limitado a indicar que estava “avaliando” sua opinião a respeito do assunto, que se tornou uma das principais discussões da campanha eleitoral nos Estados Unidos nos últimos dias.

No último domingo, 6, o vice-presidente, Joe Biden, disse em entrevista à “NBC”, que se sentia confortável com a ideia do casamento gay. Depois disso, aumentou a pressão para que Obama anunciasse sua posição sobre o tema. O ex-governador de Massachusets Mitt Romney, provável candidato republicano para a disputa presidencial com Obama, já declarou ser contra o casamento gay.

Uma pesquisa divulgada nesta terça-feira, 8, apontou uma divisão do eleitorado americano sobre o tema, com 50% dos entrevistados declarando-se a favor do casamento gay e 48% dizendo-se contrários.

As uniões civis entre pessoas do mesmo sexo são legais em apenas seis dos 50 Estados americanos, além da capital, Washington.

Na última terça-feira, 8, a Carolina do Norte, Estado onde o Partido Democrata realizará sua convenção em novembro, aprovou uma legislação que proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Com a decisão, tornou-se o 31º Estado a ter a proibição.

Grupos de defesa dos homossexuais comemoraram a declaração de Obama. O “Human Rights Campaign” considerou que o presidente americano “fez história”. Representantes do “Centro para o Progresso Americano” disseram que o apoio do presidente é “um grande passo” em direção à igualdade nos EUA.

Fonte: UOL

25/06/2011

STF rasgou a Constituição ao permitir união entre gays, diz pastor


também foi notícia no Jornal Nacional. Sob a coordenação do pastor Silas Malafaia, milhares de evangélicos celebraram a paz com louvores a Deus.

A afirmação foi do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, durante a 19ª edição da Marcha para Jesus, em São Paulo.

O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, afirmou nesta quinta-feira, durante a 19ª edição da Marcha para Jesus, em São Paulo, que o STF (Supremo Tribunal Federal) rasgou a Constituição ao permitir a união entre homossexuais e liberar a Marcha da Maconha.

“Se governador, prefeito e presidente for contra a família, não vai ter o nosso voto. Se amanhã alguém quiser fazer a marcha a favor da pedofilia, vai pode fazer”, disse Malafaia. “Não estamos querendo fundar o Estado evangélico”, reiterou.

Malafaia apoiou o tucano José Serra na campanha presidencial do ano passado.

Milhares de fiéis participam desde as 10h de ontem do evento religioso no centro de São Paulo.

Entre os presentes também estavam o casal fundador da Igreja Renascer em Cristo, Estevam e Sônia Hernandes, e o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ).

“Meu Deus é o dono do ouro e da prata. Enquanto meu Deus age, ninguém pode impedir”, disse a bispa Sônia.

No ano passado, segundo a Polícia Militar, a Marcha reuniu 2 milhões de pessoas. Os organizadores esperavam 5 milhões. Neste ano, eles preferiram não divulgar uma estimativa.

De acordo com a Renascer, 800 caravanas com 35 mil pessoas de outras cidades vieram para o ato.

Houve representantes de outras igrejas como Assembleia de Deus, Bola de Neve, Batista Betel e Sara Nossa Terra.

Marcha para Jesus reúne 5 milhões de fiéis em SP, dizem organizadores

Cerca de 5 milhões de fiéis participam nesta quinta-feira da 19ª edição da Marcha para Jesus, em São Paulo, segundo organizadores do evento.

Open in new windowA Polícia Militar, no entanto, estima cerca de 1 milhão, mas o número corresponde apenas às pessoas concentradas na praça Heróis da FEB (zona norte).

Entre os presentes estão o casal fundador da Igreja Renascer em Cristo, Estevam e Sônia Hernandes, o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) e o pastor Silas Malafaia.

“Meu Deus é o dono do ouro e da prata. Enquanto meu Deus age, ninguém pode impedir”, disse a bispa Sônia.

O evento partiu da praça da Luz (centro) às 10h e percorreu quatro quilômetros até a praça.

A partir das 13h, começaram os atos religiosos e os shows de música gospel. A previsão é que o evento termine por volta das 21h.

No ano passado, segundo a Polícia Militar, a Marcha reuniu 2 milhões de pessoas. Os organizadores esperavam 5 milhões.

De acordo com a Renascer, 800 caravanas com 35 mil pessoas de outras cidades vieram para o ato. Há representantes de outras igrejas como Assembleia de Deus, Bola de Neve, Batista Betel e Sara Nossa Terra.

Marcha reúne 18 mil evangélicos de 400 igrejas em Uberlândia

Cerca de 18 mil pessoas participaram nesta quinta-feira (23) da Marcha Para Jesus 2011, de acordo com dados da Polícia Militar. O evento foi organizado pelo Conselho de Pastores de Uberlândia (Conpas) e contou com a presença de membros de 400 igrejas evangélicas de toda a cidade.

Os fiéis partiram às 9h da manhã do estacionamento do prédio da Prefeitura de Uberlândia, no bairro Santa Mônica, zona leste, e fizeram um percurso de aproximadamente quatro quilômetros até a praça Tubal Vilela, no Centro. Dois trios elétricos e dois trens infantis acompanharam a multidão em marcha até o fim do trajeto. “Saíram da concentração, na praça da prefeitura, aproximadamente 12 mil pessoas. Ao longo do caminho, mais gente foi aderindo”, disse o capitão da PM Osmar Duque, responsável pela equipe de 50 policiais que fizeram a segurança do evento.

Um palco foi montado na praça Tubal Vilela para recepcionar o público, que, ao fim da caminhada, pôde acompanhar os shows de quatro grupos de música gospel.

Marcha para Jesus reúne mais de 130 mil e critica o casamento gay em Teresina

A Marcha para Jesus é um evento internacional e interdenominacional (ou seja, realizada conjuntamente por diversas denominações evangélicas) que ocorre anualmente em milhares de cidades do mundo. No Piauí, é organizada pela aliança evangélica de pastores de Teresina.

Sem fins lucrativos, a caminhada deveria começar às 15h desta quinta-feira (23/06), mas sofreu um pequeno atraso por conta de uma ameaça de chuva. Não choveu forte e o evento seguiu, saindo do balão do bairro São Cristovão, zona Leste de Teresina. É um evento que já faz parte do calendário da cidade.

Os organizadores não gostam de comparações, mas a Marcha para Jesus, que reúne boa parte de seu público com evangélicos, bate de frente, literalmente, com a Caminhada da Fraternidade, feita pela Igreja Católica. Até o caminho é feito no sentido contrário. Enquanto a Caminhada da Fraternidade reuniu, neste ano, cerca de 70 mil pessoas, a Marcha para Jesus, que no ano passado reuniu cerca de 100 mil, este ano atraiu 130 mil, segundo o pastor Marcos Sérgio.

Open in new window

Estimativas da Polícia Militar, no entanto, dizem que estavam cerca de 120 mil, não 130 mil. Vários trios elétricos, com bandas gospel agitaram o evento, que só terminou no Centro da capital, com muita paz, demonstração de saúde e alegria. Autoridades políticas como o casal, deputada estadual Rejane Dias e senador Wellington Dias (ambos PT), participaram da marcha. Segundo o Pastor Marcos Sergio, que é um dos organizadores do evento, a Marcha para Jesus de Teresina superou todas as expectativas. “Esta edição da Marcha para Jesus me surpreendeu, superando o ano passado, e a cada ano a tendência é crescer cada vez mais”, disse o Pastor.

Como a principal bandeira da Marcha para Jesus deste ano é a paz na família, o assunto ‘casamento gay’ não fugiu das discussões. O coordenador da marcha, presidente da Aliança de Pastores de Teresina, José Ribamar, disse que os evangélicos só consideram que uma família é formada por homem com uma mulher. Ele informa que a igreja nunca se manifestou sobre as relações homossexuais.
“Defendemos é o que está na Bíblia”, disse. Mais polêmico, o pastor Oliveira disse que está se criando uma espécie de “ditadura gay”, onde não se pode criticar a conduta dos homossexuais. “Todo mundo pode falar da presidente, pode falar de vocês da imprensa, da igreja, de tudo, menos dos gays, como se todos fossemos proibidos”.

Fonte: Folha Online e 180 Graus

25/06/2011

Juiz que anulou casamento gay será julgado


O juiz e pastor da Assembleia de Deus, Jerônymo Pedro Villas Boas, de 45 anos, será julgado por Corte Especial.

O juiz Jerônymo Pedro Villas Boas, de 45 anos, titular da 1ª Vara da Fazenda Pública Municipal e de Registros de Goiânia, será julgado por Corte Especial, anunciou a desembargadora Beatriz Figueiredo Franco, também corregedora do Tribunal de Justiça de Goiás. Ela anulou um ofício do juiz que suspendia o primeiro contrato de união estável homoafetiva da capital de Goiás. Beatriz também determinou que todos os cartórios de registro da cidade produzam o documento.

Segundo a desembargadora, “a leitura (do ofício do juiz) demonstra vício de competência a contaminar a decisão”. Ela explicou que à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) não caberia contestação e sim submissão. Quando assim não ocorre, cabe “apuração disciplinar”.

“Não fui notificado. Não posso ser julgado à revelia”, disse o juiz. Mineiro de Uberaba, ex-militante do PT, Villas Boas diz ter deixado a política quando assumiu como magistrado, há 19 anos. Membro da Igreja Assembleia de Deus, também é vice-presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

Ele disse ao Estado que, embora seja evangélico, sua fé não o influenciou. “Frequento a igreja, mas não misturo as duas coisas”, afirmou. “Assim como tenho o direito de manifestar a minha fé, não discrimino pessoas e minhas decisões são tomadas à luz da lei.”

O deputado federal João Campos (PSDB-GO), líder da Frente Parlamentar Evangélica, divulgou uma moção pública em favor de Villas Boas.

Fonte: Estadão

18/06/2011

Pesquisa: Maioria é contra casamento gay nos EUA


Pesquisa: Maioria é contra casamento gay nos EUAUma pesquisa nacional encomendada pela união de um grupo jurídico conservador descobriu que 62 por cento dos americanos acreditam que o casamento deve ser definido somente como a união entre um homem e uma mulher. Segundo o diretor de pesquisa, os números são espelhos dos milhões de americanos em 31 estados que votaram a favor da Constituição sobre casamento, sem alterações.

Apesar de várias outras pesquisas mostrarem que a opinião nacional está tendendo para favorecer a legalização do casamento gay, este estudo patrocinado pelo Fundo de Defesa da Aliança mostra exatamente o oposto – os americanos ainda apóiam fortemente o casamento tradicional, como Deus concebeu.

A pesquisa simplesmente perguntou aos entrevistados se eles concordavam fortemente ou não com a declaração: “Acredito que o casamento deve ser definido apenas como uma união entre um homem e uma mulher.” A enquete foi feita a 1.500 adultos com idades a partir dos 18 anos em diferentes estados.

O resumo do inquérito afirma que 62 por cento concordam com a afirmação e apóiam uma definição tradicional do casamento. Apenas 38 por cento dos entrevistados discordaram.

Gene Ulm, diretor da pesquisa, disse que o apoio esmagador nacional para o casamento tradicional “não é surpreendente.” Ao contrário das outras pesquisas nacionais, Ulm disse que esta pesquisa reflete os próprios eleitores.

“Mais de 63 milhões de americanos em 31 eleições estaduais votaram para decidir sobre fazer, ou não, alterações na Constituição com relação ao casamento. Quarenta milhões de americanos votaram em todas para afirmar o casamento como uma união somente entre um homem e uma mulher”, disse ele em um comunicado.

Outras pesquisas mostram uma mudança no apoio ao casamento gay surgiu depois que o presidente Barack Obama anunciou em fevereiro que seu governo deixará de afirmar a constitucionalidade da Lei de Defesa do Casamento

A lei federal 1.996, promulgada sob a administração Clinton, define o casamento como uma união legal entre um homem e uma mulher para fins de todas as leis federais, e prevê que os estados não são obrigados a reconhecer “casamentos” entre pessoas do mesmo sexo.

O Dr. Albert Mohler, presidente do Seminário Teológico Batista do Sul disse: “Eu acho, infelizmente, que o casamento homossexual vai acabar sendo legalizado… É hora de os cristãos começarem a pensar sobre como lidar com isso, à luz da Bíblia.”

Esta última pesquisa dá esperança, porque os líderes conservadores da ADF disseram que os eleitores acreditam realmente no casamento.

“Os americanos afirmam fortemente que a vida fiel entre um homem e uma mulher é a pedra fundamental da civilização”, disseram.

Dentre os entrevistados, 43 por cento tinham menos de 45 anos. Setenta e oito por cento dos entrevistados eram brancos, 11 por cento são afro-americanos e 11 por cento eram hispânicos ou de origem espanhola de fundo.

Fonte: Christian Post / CPAD News

14/06/2011

Senador diz que renuncia se passar lei anti-homofobia


A declaração de que abandonará o Legislativo foi feita pelo próprio senador evangélico Magno Malta (foto) durante entrevista para a revista Comunhão.

No mandato anterior, durante mais de cinco anos, o senador Magno Malta (PR/ES) com convicção própria, lutou contra o projeto de lei 122/06 de autoria da ex-senadora Fátima Cleide (PT/RO), que visa tratar como crime a opinião divergente ao comportamento homoafetivo, conseguindo apoio para arquivá-lo no final da legislatura. Comum nas adversidades do campo político, o enfrentamento em defesa de princípios pessoais voltou à tona com a iniciativa da Senadora Marta Suplicy (PT/SP) de ressuscitar a polêmica que se dispõe a cercear o direito constitucional de liberdade de expressão. A PL 122 já voltou morta e sepultada, resumiu em poucas palavras o senador presidente da Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família Brasileira.

Legitimando a ciência da formação das aspirações e convicto do dever de legislar em favor da grande maioria, Magno Malta, com consciência da responsabilidade das palavras, tornou público o mais nobre gesto de coragem de um homem público sério. Se o Projeto de Lei 122, que excita a criação de um terceiro sexo, for aprovado, com dignidade de cristão, renuncio do mandato de Senador da República.

Para o senador Magno Malta, criar castas, mudar costumes enraizados pela própria natureza e proteger a minoria com privilégios são fatos reais que ferem a justiça social em toda conjuntura. Preconceito é cegueira moral, não aceito nem a intolerância e conceito imparcial. Não estou legislando em causa própria, mas no mais legitimo dever de defender a família estruturada, o futuro de uma geração e de forma geral a vida na sua essência divina.

Legislar em causa própria, com preconceito e calúnia é grave e não faço e nem aceito. Vou interpelar judicialmente o deputado federal Jean Willis (PSOL/RJ) que tem declarado para a imprensa que sou de má fé ao relacionar homossexualismo com pedofilia. Nunca afirmei tal comparação. Pelo contrário, defendi o Vaticano mostrando a realidade dos fatos como comportamentos distintos e sem relação na grande maioria das vezes, revelou Magno Malta, eu presidiu a CPI da Pedofilia.
Por várias vezes na imprensa nacional e também durante o Seminário do Direito homoafetivo, realizado na Ufes, Jean Willis gravou a denúncia e foi imediatamente repudiado pelo senador Magno Malta.
Nunca afirmei tal relação. De minha boca não saiu tal declaração. Eu respeito à opção sexual de cada cidadão. No meu partido, temos o vereador Moacir Sélia, o Moa, um travesti de muito respeito. Fizemos campanha juntos, lado a lado. É meu amigo. Por isso, não fico calado só escutando sem agir olhando nos olhos da pessoa. É o eu vou fazer com o Deputado Jean, quero saber dele qual comprovação ele tem para afirmar que estou agindo de má fé, concluiu Magno Malta.

Segundo pesquisa encomendada recentemente pelo Ministério da Educação, a polêmica da homossexualidade incomoda 87% da população. A grande maioria não aceita mudanças radicais no comportamento da sociedade. A pauta hoje ficou restrita aos interessados e ao parlamento, a sociedade não foi ouvida e prefere manter o assunto também sepultado. Por isso, em defesa dos verdadeiros valores agregados no coração da família brasileira, renunciarei meu mandato se a PL 122 for aprovada. Finalizou Magno Malta.

Fonte: JusBrasil

14/06/2011

Jean Wyllys ameaça acionar cortes internacionais para intervirem no “fundamentalismo religioso” contra homossexuais


Jean Wyllys ameaça acionar cortes internacionais para intervirem no “fundamentalismo religioso” contra homossexuaisA briga entre parlamentares cristãos e os que defendem os direitos dos homossexuais está cada vez mais aflorada em Brasília principalmente depois que a bancada evangélica conseguiu fazer com que a Governo suspendesse os kits anti-homofobia que seriam distribuídos nas escolas públicas.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), defensor do grupo LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) do qual faz parte, afirmou que pode acionar as cortes internacionais, baseando-se em tratados de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário, como resposta à perseguição sofrida pelos homossexuais por parte de fundamentalistas religiosos.

A intenção do parlamentar é fazer com que esses órgãos internacionais pressionem o governo federal para que tome meditas contra os chamados fundamentalistas.

A declaração foi dada durante sua participação no  primeiro seminário sobre Direito Homoafetivo realizado pela Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Espírito Santo (OAB-ES) que aconteceu na cidade de Vitória.

“Se a perseguição sistemática aos homossexuais recrudescer por parte dos fundamentalistas religiosos – não me refiro à comunidade cristã como um todo, mas aos fundamentalistas, aqueles que usam a Bíblia para violentar a dignidade da pessoa humana – eu vou acionar as cortes internacionais. Porque o Brasil subescreveu tratados de defesa dos direitos humanos. Porque isso é violação de direitos, o que não podemos permitir”.

Jean Wyllys também falou sobre as declarações do senador Magno Malta (PR-ES), que faz parte da Frente Parlamentar Evangélica que por muitas vezes compara o homossexualismo com a pedofilia, principalmente quando discursa contra o Projeto de Lei 122/2006.

Sobre essas declarações Wyllys falou que são palavras usadas de “má fé” pelo deputado cristão. “Chega a ser má fé do senador Magno Malta associar homossexualidade à pedofilia. Quem pratica largamente a pedofilia no Brasil são homens heterossexuais. As vítimas preferenciais são meninas. Os dados são do IBDFAN (Instituto Brasileiro dos Direitos da Família). As meninas são arrastadas para prostíbulos. Elas são abusadas por padrastos e até pelos pais”.

Já assessoria do senador Magno Malta informou que o parlamentar não fala por má fé e sim com base em dados da CPI da Pedofilia, que foi presidida pelo próprio Malta.

Fonte: Gospel Prime /A Gazeta

10/06/2011

PEC que inclui orientação sexual nos direitos da Constituição estadual é retirada da pauta


PEC que inclui orientação sexual nos direitos da Constituição estadual é retirada da pautaDepois da pressão dos evangélicos do Rio de Janeiro o deputado estadual Gilberto Palmares optou por retirar da pauta dessa segunda-feira, 6, a proposta de emenda constitucional (PEC) 23/2007 que inclui a orientação sexual entre as características pelas quais um cidadão não pode ser discriminado ou beneficiado, segundo a Constituição do Estado.

O texto já tinha passado por uma votação no dia 25 de maio sendo aprovado, inclusive, por deputados evangélicos como o Samuel Malafaia e Marcos Soares (filho do missionário R.R. Soares).

O projeto foi retirado devido as reações causadas pela campanha encabeçada pelo pastor Silas Malafaia que acusa a proposta de inconstitucionalidade e pediu para que os fiéis entrassem em contato com os deputados da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro pedindo para que a emenda não fosse aprovada.

“Decidi retirar a PEC, porque, antes de ela entrar de novo em pauta, quero conversar com a bancada evangélica para explicar o meu real objetivo com esse texto”, explicou o parlamentar, para a revista Exibir Gospel.

O deputado também esclarece que a PEC 23/2007 não tem nenhuma ligação com o Projeto de Lei 122/2006. “A minha proposta não tem relação nenhuma com a PL 122. O propósito da PEC é evitar que mais homossexuais morram, como aconteceu recentemente em São Gonçalo”.

O deputado Gilberto Palmares pretende se reunir na próxima semana com os deputados evangélicos para explicar qual a verdadeira intenção dessa emenda e esclarecer a polêmica criada.

“O pastor Silas Malafaia tem todo o direito a manifestar a sua opinião, mas eu quero deixar claro que não pretendo entrar nesse debate de discutir relação homoafetiva. O meu objetivo não é apenas que a proposta seja aprovada, é garantir direitos como meio de combate a agressões”, explica.

Palmares é contra a aprovação do PL 122 da maneira como está redigida e diz “ninguém pode ser criminalizado por delito de opinião”.

Fonte: Gospel Prime /Exibir Gospel

%d blogueiros gostam disto: